Postagem em destaque

SEJA UM PADRINHO DO TUDO EM CIMA!

Contribua com o Tudo Em Cima!   Para isso, basta você clicar no botão abaixo e ir para o site Padrim, onde poderá escolher a melhor forma d...

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

"A bissexualidade e o amor livre serão as tendências no futuro", afirma psicóloga

A psicanalista Regina Navarro Lins bate na mesma tecla há mais de duas décadas: amor é uma coisa, sexo é outra. Em sua obra mais recente, O livro do amor, declara guerra ao idealismo: “As pessoas precisam parar de acreditar em fidelidade e amor romântico. Dentro de 30 anos, o sexo será mais livre. A bissexualidade é uma tendência”


Falar de sexo não é problema para Regina Navarro Lins. Carioca de Copacabana, mãe de dois filhos e avó de uma menina, a escritora e psicanalista de 63 anos ganha a vida falando “daquilo”. E fala sem travas, sem tabus, sem moralismo, de um jeito que incomoda muita gente e põe em xeque os sonhos de uma vida amorosa e sexual ideal. E irreal.
Regina se considera “uma libertária”. Palavras como masturbação, sexo grupal (“são uma tendência”), bissexualidade (“outra tendência”) e orgasmos fingidos (“um absurdo”) saem da sua boca com uma facilidade que justifica os 12 livros que ela publicou. Todos sobre sexo e relacionamentos. Por causa deles, participa de programas de rádio, escreve colunas em jornais, artigos em revistas, blogs, e, este mês, ganha um quadro na terceira temporada de Amor e sexo, apresentado por Fernanda Lima, na Globo. Tornou-se uma espécie de militante da liberdade sexual e amorosa.
Em sua mais recente obra, O livro do amor, volumes 1 e 2, ela conta como evolui o sentimento desde a Pré-História até os dias de hoje. “Passei cinco anos debruçada sobre esse assunto”, diz. “A gente tem que saber do passado para entender por que as coisas são como são no presente.” Seu objetivo: esclarecer o maior número de pessoas possível. “Elas não percebem que são infelizes porque seguem padrões que não levam a nada, como acreditar que em um casamento é possível a exclusividade.” Regina prefere este termo: “exclusividade”. “Traição não é uma pessoa sentir desejo por outra, isso é natural. Traição é enganar um amigo, um irmão.”
A psicanalista também ataca outras frentes carregadas de polêmica. Incentiva, por exemplo, o uso de vibradores (“para que mais mulheres gozem”) e é “absolutamente” contra o cavalheirismo. “Por que um homem tem que pagar a sua conta ou tirar uma cadeira para você sentar? É porque a mulher é um ser frágil e incapaz até de puxar uma cadeira?”
Essa filosofia de vida é um espelho da sua rotina. Há 11 anos está casada com o escritor Flávio Braga, seu terceiro marido. “Não temos um pacto de exclusividade. As pessoas estranham até coisas bobas na gente”, diz. Exemplo: ela não gosta de cozinhar, seu marido gosta. Ele vai além, cuidando da casa, lavando os pratos... “Tenho amigos intelectualizados que acham isso um absurdo”, conta Regina. “Fico chocada com essas reações.”
A cama na varanda
Falar e escrever sobre relacionamentos foi um caminho natural para Regina. “Sempre gostei do tema”, diz. Filha de uma família de classe média da zona sul carioca, casou aos 23 anos (“não virgem e não na igreja, claro”). Até então, seguia o destino de uma psicóloga comum. Abriu um consultório, fez formação psicanalítica. “Mas percebi que esse não era o meu caminho”, explica. “Precisava falar mais de amor e sexo. Eram assuntos que toda hora surgiam na minha clínica.”
Em 1992, ela compilou suas posições sobre o tema e lançou A cama na varanda. Um best-seller com mais de 50 mil cópias vendidas. Nele, fez uma previsão que balançou certezas e atiçou a atenção de quem desconfia de que esse negócio de viver a dois é uma luta arriscada e dolorosa por algo quase impossível. Para Regina, num futuro que deverá chegar dentro de 30 anos, viveremos a era do poliamor e de um sexo menos encanado.
Com essas teses todas no colo, a escritora passou a ser uma das pessoas mais ouvidas do Brasil sobre o tema. “Acho um absurdo que em um país como o nosso não existam mais especialistas que pensem sobre isso”, diz a psicanalista, que cutuca seus colegas de profissão. “Um psicanalista normal fica fechado lá com seus dez pacientes. Assim, fica difícil ter uma visão do mundo.”
Para ter essa visão, ela usa a internet e conversa regularmente com seus leitores por e-mail e Twitter. Ou em palestras. Ou mesmo na rua. “Ouço as pessoas. Vejo o que está acontecendo e, a partir daí, posso apontar tendências.” Entre elas: o fim do casamento tal qual o conhecemos. “Quem disse que não é possível amar mais de uma pessoa? É sim!”
Na entrevista, a psicanalista demoliu até mesmo os contos de fadas. “Uma mãe que lê um livro de uma Cinderela da vida está sendo irresponsável com a sua filha.” 
Tpm. Você se considera uma pessoa libertária. Como isso surgiu?
Regina. Acho que já nasci libertária. Sou filha de uma família de classe média. Minha mãe sempre foi muito careta. Ela só começou a trabalhar depois que meu pai morreu, em um desastre de avião, quando eu tinha 14 anos. Minha irmã, que é quatro anos mais velha, também é assim, supermoralista. Mas eu tive uma avó maravilhosa, que veio do Líbano com 14 anos e desquitou com quatro filhos pequenos. Isso na década de 30! Imagina o que era isso? Essa avó deve ter me influenciado de alguma maneira. Ela sustentou sozinha os quatro filhos e ainda ajudava o meu avô com dinheiro.
E quando ficou claro que você era como ela? 
Aos 8 anos, fui fazer primeira comunhão, porque todas as minhas amigas faziam. Minha mãe não me forçou. Isso é uma coisa que agradeço a ela – minha mãe não tinha essa religião. Agradeço mesmo por não terem me colocado a culpa católica [risos]. Na primeira aula de catecismo, lembro até hoje, vi um livrinho em que tinha uma menina entrando num pote de melado e estava escrito: “Deus tudo sabe e tudo vê”. Nunca mais voltei.
Você foi adolescente nos conservadores anos 50. Casou virgem? 
Não. Perdi a virgindade com meu primeiro marido, quando a gente namorava. Antes já tinha tido dois namorados. Não transei com eles porque eles não quiseram! Era uma época em que se gozava nas coxas [risos]. Lembro que para um deles eu falava: “Tira a minha virgindade!”. E ele respondia: “Não, porque se eu tirar a sua virgindade e depois a gente se separar você vai sofrer”. E eu falava: “Pode tirar, não vou sofrer” [risos].
A vontade de ser psicóloga e trabalhar na área da sexualidade e do amor surgiu de que jeito? 
Sempre quis fazer psicologia, desde os 15 anos. Por 18 anos, trabalhei como psicanalista comum, tinha consultório, dava aula em universidade e atuei até em uma penitenciária. Até que descobri que grande parte dos problemas das pessoas era ligada a amor e sexo. Daí me senti mal em ficar naquela coisa só de interpretação. Comecei a me especializar nesses dois temas, a dar palestras sobre isso. 

Sempre quis trabalhar com um grande público. Achava que com quanto mais gente eu falasse, melhor. Em 1992, assinei com a editora Rocco para lançar meu primeiro livro, A cama na varanda. Foi um grande sucesso. Tinha um programa diário de sexo no rádio. Fui indo. Hoje dou palestras pelo Brasil todo. Sinto que tenho muito material e que é absurdo guardar isso só para mim.
Você está no seu terceiro casamento e prega o amor livre. Como é isso dentro das suas uniões?
Primeiro casei com 23 anos e tive minha filha [a advogada Taísa, 37 anos]. Separei depois de cinco anos. Era um casamento normal. A gente não questionava isso. Mas também não tinha pacto de exclusividade. Já sabia que, se eu quisesse transar com alguém, isso seria um direito meu. Nunca pensei diferente. Depois casei outra vez, tive outro filho [o jornalista Deni, 27] e fiquei nove anos sozinha. E fiquei muito bem. Isso é bastante importante. É fundamental que as pessoas saibam que podem ficar bem sozinhas. Que se livrem dessa ideia do amor romântico, essa coisa que diz que você tem que ter um par. A pessoa tem que saber ficar sozinha até para escolher quando quiser se juntar com alguém, e não ficar com o primeiro que aparecer só por medo da solidão.
Como foi ficar nove anos sem alguém? 
Foi uma fase meio radical. Não queria casar nem namorar. Queria ficar sozinha. Eu já tinha publicado A cama na varanda e tinha lançado também uma coletânea de minhas colunas no Jornal do Brasil. Aí, escrevi um novo livro chamado Na cabeceira da cama, em que fui bem contundente. Nessa época, achava impossível o tesão continuar em um casamento. Completamente impossível! Hoje, estou mais amena. Acho viável desde que você não tenha um pacto de exclusividade.
Foi nessa fase radical que você conheceu seu atual marido? 
Foi. Conheci o Flávio em 1999, quando eu dava palestra, publicava livros e todo o resto. Ele já sabia quem eu era, o que eu pensava. Em 12 anos, não vi nenhum moralismo nele. Não temos pacto de exclusividade. Se ele transar com alguém, não tenho nada a ver com isso. E se eu transar com outra pessoa, ele também não tem nada a ver com isso. Mas estamos sempre juntos, somos superparceiros, trabalhamos juntos [o casal já escreveu livros em parceria, entre eles, Fidelidade obrigatória e outras deslealdades]. E ele é muito delicado, muito respeitador. Jamais me pergunta o que fiz, aonde fui. Nosso casamento é ótimo, inclusive sexualmente. 

Acho difícil o tesão se manter quando existe controle. A coisa mais comum de ver no casamento é dependência emocional de um e do outro. Quando você sabe que o outro tem pavor de te perder, que ele está ali no seu pé... o tesão fica inviável. Tem que existir um mínimo de insegurança para você ter tesão. 
“É fundamental que as pessoas saibam que podem ficar bem sozinhas. Que se livrem dessa ideia do amor romântico, essa coisa que diz que você tem que ter um par”
Como é a rotina de vocês? 
O Flávio gosta muito de cozinhar, eu detesto. Ele lava prato cantando, eu não suporto cuidar da casa. Eu cuido de ir ao banco, chamar o encanador, essas coisas. Mas as pessoas são muito caretas. Outro dia estava ao telefone com um amigo e o Flávio gritou: “O almoço está na mesa”. E meu amigo disse: “Então você é o homem da casa?”. Fiquei chocada! Como uma pessoa intelectualizada fala uma coisa dessas?
Você acha que existe diferença entre o masculino e o feminino?
Tenho horror daquela história de “meu lado masculino, meu lado feminino”. Minha irmã sempre me falava: “Você tem alma masculina”. Essa coisa de masculino e feminino são estereótipos para aprisionar as pessoas. As mulheres têm que ser sensíveis e frágeis. E os homens, corajosos e bravos. Imagina! Isso é tudo criação. Todos nós somos fortes e fracos, ativos e passivos, depende do momento.
Sexualmente, existe diferença? 
Claro que não! É tudo cultural. Existem pesquisas no exterior que dizem que as mulheres transam fora do casamento praticamente tanto quanto os homens e que não sentem mais tanta culpa. Eu recebo uma quantidade imensa de mensagens que provam isso. Vejo que as mulheres estão tendo mais relações extraconjugais. Tenho a impressão de que a sexualidade, com o tempo, vai ser mais livre. Você vê as casas de suingue, por exemplo. O número de casais que frequenta casas de suingue é enorme! E pessoas que você nem imagina. Com o meu trabalho, minhas pesquisas, posso apontar tendências.
E quais são as outras “tendências sexuais”? 
Sexo grupal, por exemplo. O sexo vai ser mais livre, a bissexualidade também é uma tendência. Acho que ela será predominante daqui a uns 30 ou 40 anos. Porque o patriarcado está se dissolvendo. A tendência é que as pessoas busquem mais objetos de amor entre seus interesses do que entre ser homem e mulher. Outra tendência é o fim do amor romântico.
Como assim? 
O amor romântico é aquele que está nas músicas, nos filmes, aquele que diz que você vai encontrar a pessoa certa. A busca por esse tipo de amor está em baixa. Ainda bem! Por quê? Porque esse amor prega a fusão completa, ao mesmo tempo que estamos vivendo um momento em que existe uma busca clara pela individualidade, que não tem nada a ver com o egoísmo, como muitos conservadores acham. 

A grande viagem do ser humano hoje é para dentro de si mesmo. O amor romântico propõe o oposto dos anseios atuais. Claro que você vai encontrar muitas mulheres que vão largar tudo, trabalho, mestrado, por causa do homem. Mas isso está começando a sair de cena. Vai surgir outro tipo de amor.
Que tipo? 
Um amor não calcado na idealização. Acho que você vai poder se relacionar com mais de uma pessoa. E, ao sair de cena, o amor romântico está levando com ele a sua principal característica: a exclusividade.
Traição ainda é um grande tabu? 
É. E fidelidade para mim não tem nada a ver com sexualidade. A palavra traição é muito inadequada para definir uma relação sexual com outra pessoa. Traição é uma coisa muito séria. É você trair um amigo, um irmão. As pessoas falam muito a palavra traição por hábito. Prefiro chamar de exclusividade. O que as pessoas precisam é parar de fazer um pacto que não vão cumprir. 
Com o amor romântico saindo de cena, ele leva junto a exclusividade. Acredito que cada vez mais as pessoas vão optar por não se fechar em uma relação e preferir relações múltiplas. Porque essa coisa de você amar duas pessoas, três, isso acontece o tempo todo. Eu atendo pessoas nessa situação e elas sofrem muito por isso. Acho que existem muitas chances de esse poliamor predominar. Porque amor é uma construção social. As pessoas pensam que o amor é só o amor romântico, mas não é nada disso. Quando eu critico o amor romântico, tem gente que acha que sou contra o amor.
Mesmo depois da contracultura e do feminismo ainda tememos coisas como a traição. Você acha que seguimos muito caretas? 
Não acho. No meu O livro do amor descobri que há 5 mil anos, quando o sistema patriarcal se instalou, a mulher foi aprisionada. Na Idade Média, houve concílio para decidir se mulher tinha alma ou não. Até o século 19, ainda se discutia o tamanho da vara com que os homens podiam espancar a mulher. Por isso que eu acho engraçado, sabe? Uma vez me ligaram de uma revista semanal dessas e me perguntaram: “Você é feminista?”. Respondi horrorizada: “Claro, por quê? Você não é?” [risos]. Acho que não ser feminista é concordar com todos esses 
absurdos. As pessoas não entendem isso porque são ignorantes. Mas com tanta opressão, olha, acho que estamos até bem.
A religião é um outro problema para a sexualidade? 
Nossa! E como! O que houve de culpabilização do desejo sexual na Igreja durante todo esse tempo! Tanto moralismo... A Igreja fez barbaridades, como por exemplo apoiar a caça às bruxas. Esse foi um período terrível de violência contra a mulher, em que aconteceram atrocidades das mais horríveis. É importante conhecer o passado para a gente entender o presente.

A Igreja usava uma coisa chamada danação eterna para assustar as pessoas. Imagina isso! A repressão era tanta que muita gente fugia para o deserto do Egito para se mortificar, para tirar os pensamentos da cabeça e fugir dessa “danação eterna”. Essa ideia foi de profissional, né? [Risos]Imagina, danação eterna! A nossa história é um hospício. É inacreditável! 
“Sexo grupal é uma tendência, a bissexualidade também. Acho que ela será predominante daqui a uns 30 ou 40 anos”
Em um dos seus livros, você diz que é contra o cavalheirismo. Por quê? 
O conceito de cavalheirismo não serve para nada, né? O que é cavalheirismo? Que vergonha! Gentileza, sim. O homem tem que ser gentil com a mulher, a mulher com o homem. Cavalheirismo implica que a mulher é incompetente para puxar uma cadeira? Ela malha, segura 10 quilos, mas não consegue puxar uma cadeira ou abrir uma porta? Cavalheirismo é um horror! Precisamos pensar sobre isso, gente! 

A mulher deve dividir a conta do motel com o homem? Outro dia joguei essa questão para uma amiga. E ela: “Ah, divido restaurante, cinema, mas motel não”. E eu pergunto: “Motel não por quê?”. É como se a mulher quisesse os benefícios da emancipação, mas não quisesse os ônus! Então, depois não reclama que ganha menos.
O que você acha desses guias de autoajuda com regras para “conquistar” um homem? 
Acho um absurdo! As mulheres foram condicionadas a acreditar que são frágeis, que precisam de um homem para cuidar delas. Quando você chega à idade adulta, foi tão condicionada que não sabe mais se faz as coisas porque deseja ou porque te educaram para isso. Por exemplo, uma mulher vai a uma festa, está aos amassos com um cara. Ele a chama para fazer sexo e ela diz: “Não tenho vontade, não faço sexo no primeiro encontro!”. Até parece! Isso é para agradar o homem, porque se criou essa ideia de que homem não gosta de mulher que é fácil! Então, ela tem medo de que os caras não liguem no dia seguinte. Muitas mulheres ainda acreditam em príncipe encantado.
E essa ideia de príncipe, dos contos de fadas? 
Essas histórias tipo Cinderela e Branca de Neve não deviam ser lidas para as crianças. Elas incentivam as mulheres a ser o quê? O que você quer para a sua filha? Passar uma imagem subliminar de que ela só vai ser salva se aparecer um homem? O que diz a história da Cinderela? Que o pé tem que caber naquele sapatinho! Ou seja, que a mulher tem que ajustar a sua imagem aos padrões masculinos. Os contos de fadas são muito nocivos. As mães não sabem. Não pararam para pensar. Espero que menos gente conte essas histórias para seus filhos.
Você já contou para seus filhos? 
Contei porque era ignorante. Mas para a minha neta, de jeito nenhum!
O casamento tende a acabar? 
Não consigo acreditar que quem está nascendo agora vai ter, daqui a 30 ou 40 anos, casamentos do jeito que eles são hoje. Li uma pesquisa que diz que 80% dos casamentos são infelizes. Bom, infelizes no sentido de uma convivência boa, de bom relacionamento sexual, de acrescentar coisas para a pessoa. Esse modelo de casamento que está aí é um horror. 
“Fidelidade não tem nada a ver com sexualidade. A palavra traição é muito inadequada para definir uma relação sexual com outra pessoa. Traição é você trair um amigo, um irmão. Prefiro chamar de exclusividade”
Por quê? 
As pessoas precisam reformular as expectativas a respeito da vida a dois. Como todo mundo casa regido pelo amor romântico, a pessoa acha que vai ser aquilo, que o outro vai cuidar de todas as suas necessidades, e por aí vai. Mas isso não é real! As pessoas têm que ter vida própria, têm que ter liberdade de ir e vir, amigos separados, não pode haver controle da vida do outro, controle da sexualidade do outro. A exigência de exclusividade é uma obsessão.
Uma insegurança. 
Sim. As pessoas são muito inseguras. Nós nascemos do útero. No útero temos todas as nossas necessidades garantidas, mas, quando saídos de lá, somos tomados por um sentimento de desamparo. A nossa cultura prega o tempo todo que você tem que encontrar alguém que te complete. 
As pessoas passam a vida inteira procurando alguém que vá dar aquela sensação que você tinha no útero. O amor romântico se presta a isso. A criança pequena também é assim: ela sem a mãe por perto morre. Por isso, as crianças são ciumentas, possessivas. 
Quando meus filhos eram pequenos percebia isso. Se você está muito tempo no telefone, a criança dá um jeito de machucar o pé, de cair, de fazer qualquer coisa para chamar sua atenção [risos]. O adulto é capaz de lidar com seus problemas cotidianos razoavelmente bem. Ele resolve tudo, uma briga com o síndico, uma briga no trabalho. Mas é entrar em um relacionamento e mudar. Ele se torna ciumento, possessivo, controlador. Ele reedita o que fazia quando era criança.
Que conselho você dá para as mulheres que vivem com medo de perder a “exclusividade”? 
Ninguém deveria se preocupar com quem o parceiro ou a parceira transou. Dentro de um relacionamento, você só tem que responder a duas perguntas: “Me sinto amada? Me sinto desejada?”. Se a resposta para essas duas perguntas for “sim”, tudo bem. Agora, ficar se perguntando o que o seu parceiro faz quando não está com você? Ora, isso não é da sua conta!
Mas muitos jovens ainda acreditam naquele modelo da “família margarina”, não é? 
Muitos acreditam mesmo. E isso vem dos anos 50. A década de 50 era uma década de modelos. Se você saísse deles, ficava marcado. Tenho uma amiga que, quando separou, nunca mais foi convidada para as festas do prédio. Isso nos anos 80. Porque são modelos: “Você tem que ser casado, ter dois filhos, uma geladeira, uma televisão de não sei quantas polegadas”. 
Acho anacrônico quem fala hoje: “Ah, porque a sociedade não aceita isso”. Gente, a sociedade somos nós! Mas o mais importante disso tudo é: não estou propondo outro modelo. Estou propondo que não haja modelo. Se alguém quiser ficar casado 30 anos com uma pessoa e só fazer sexo com essa pessoa, tudo bem. Se quiser ficar casado com quatro, tudo bem também. O importante é não ter modelos. Os modelos aniquilam as singularidades.
Você disse em uma entrevista que usava vibrador muitas vezes quando fazia sexo com seu marido. Isso ainda choca as pessoas? 
Essa questão de vibrador tem muito tabu também. O sexo ainda é visto como algo sujo. Mas há 2 mil anos era pior. Era visto como uma coisa tão terrível que acho até um milagre que as pessoas conseguissem ter orgasmo. 
Era tanta repressão acumulada que cada orgasmo é quase um milagre e um sucesso [risos]. Outro dia estava conversando com uma psicanalista e falei de vibrador. Sabe o que ela me disse: “Eu não, não preciso desses brinquedinhos”. Virei para ela e falei: “Escuta, não é precisar de brinquedinho, é uma coisa concreta. Se você estimula duas zonas erógenas ao mesmo tempo, isso tem um efeito. Se o cara está te penetrando e você usa um vibrador no clitóris, vai ter um orgasmo melhor!”. E não tem dedinho que substitua um vibrador. 

Agora, não só as mulheres, mas os homens também têm problema com isso. Eles competem com o vibrador. Acham que, se a mulher usa, é porque ele não está dando conta. As mulheres em geral usam sozinhas, para masturbação, mas não com o parceiro.
Por que os homens temem a concorrência do vibrador? 
Na verdade, os homens são muito inseguros. São dependentes das mulheres como crianças. E isso é culpa do sistema patriarcal. O menino aprendeu a se defender da mãe muito cedo. Imagine a seguinte cena: um menino e uma menina estão brincando no play. Se a menina cai e rala o joelho, começa a gritar, pede o colo da mãe, que faz chamego na filha, fala que ela é meiga. O menino tem que engolir o choro, coitado. 
O menino passa o tempo todo negando a necessidade da mãe, e por isso começa a desvalorizar a mulher. Mais tarde, quando entra em uma relação amorosa, fica frágil. E a mulher acaba cuidando dele. Tem casos de homens que têm empresas de 10 mil empregados e não conseguem decidir a roupa! É uma loucura! Muitos são extremamente dependentes! O sistema patriarcal foi o maior inimigo dos relacionamentos. Colocou a mulher e o homem, cada um de um lado, e criou uma guerra dos sexos.
Essa guerra dos sexos cria que tipo de desencontro na cama? 
O homem vai pro sexo, inconscientemente, para provar que é macho. Então, tem que ficar de pau duro e ejacular. As preliminares ficam pra lá. Para estar no ponto, a mulher precisa de cinco vezes mais sangue irrigando os órgãos sexuais do que o homem. E também de mais tempo para ter um orgasmo. 

Já o cara, ele quer gozar logo para não perder a ereção. E fica naquele movimento igual, de ir pra frente e pra trás, que faz com que a mulher tenha cistite, mas não tenha orgasmo [risos]. Agora, a mulher aprendeu que tem que corresponder à expectativa feminina. E aí, ela finge orgasmo.
Você já afirmou que a última vez que fingiu um orgasmo foi com 20 anos... 
Sim! Eu não faço isso e ninguém devia fazer. É um absurdo! Se uma mulher fingir um orgasmo, vai ser muito difícil ela ter um. E por que ela está fazendo isso? Só para agradar o homem! Para o cara não trocar ela por outra, para segurar o homem.
Como foi educar dois filhos, um menino e uma menina, tendo esse pensamento libertário? 
Sempre denunciei para os meus filhos o moralismo. Nessa área do amor e do sexo, busquei mostrar para eles o que havia de preconceito. Lembro que uma vez fui botar meu filho para dormir e ele estava vendo um seriado em que tinha um padre que se torturava, sofria por causa do seu desejo sexual. E falei para ele: “Meu filho, isso não pode ser assim, sexo não é algo ruim, é uma coisa boa”. Sempre expliquei tudo. E meus filhos sempre dormiram com namorado em casa. Às vezes chegam pais com essa questão pra mim e falam: “Ah, porque é muito complicado...”. E eu falo: “Não é, não”.
Você acha que as coisas estão melhorando? 
Sim! Muito! A minha filha, por exemplo, teve um filho de produção independente. Ela tinha 20 anos e um namoradinho de 17. E foi maravilhoso. Assisti ao parto da minha filha e, imagina, ela nunca foi discriminada por ninguém por causa disso. Na minha geração, as mulheres eram muito discriminadas nessa situação. Aconselho homens e mulheres a questionar tudo isso e jogar o moralismo no lixo. Isso se quiserem viver melhor. Mas para isso é preciso uma coisa muito difícil: ter coragem.
Entrevista publicada no site TPM.

domingo, 21 de dezembro de 2014

Filmes: "O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos"

GRANDILOQUÊNCIA SEM GRANDEZA

Trilogia serve para confirmar que um diretor sem controle e dominado pelo ego acaba tendo seu talento tolhido

- por André Lux, crítico-spam

O capitulo final da trilogia "O Hobbit" é a prova final de que foi um grande erro do diretor Peter Jackson esticar o pequeno livro de Tolkien em três filmes de quase três horas de duração cada. 

Muita gente está dizendo que esse é o melhor deles, mas eu não achei. Pelo contrário. Os outros dois ao menos tentavam contar uma história, sem muito sucesso, é verdade. Já em "A Batalha dos Cinco Exércitos" temos apenas lutas e batalhas sem fim, durante praticamente toda a projeção.

O que mais choca é a total falta de foco narrativo na trilogia. Enquanto em "O Senhor dos Anéis" Jackson manteve tudo girando em torno do Um Anel e sua capacidade de corromper, em "O Hobbit" a gente nunca sabe em torno do que gira o roteiro. É do Bilbo? É do Gandalf? É do anão Thorin? Do dragão então? Impossível saber, pois o foco muda a cada sequência, deixando tudo desconjuntado e frio.

Pelo que eu me lembro do livro, o protagonista é mesmo Bilbo, cujo arco seria mais ou menos transformar-se de um hobbit preguiçoso e covarde em um aventureiro e cheio de coragem. Nos filmes, não vemos nada disso, nesse último, por sinal, ele quase não tem o que fazer.

E o dragão Smaug, então? Sua participação no terceiro filme é totalmente anti-climática, com ele sendo despachado com menos de 15 minutos de projeção! Já que Jackson ia deturpar tanto a obra original, poderia então mudar o destino do dragão, deixá-lo vivo por mais tempo, sei lá, qualquer coisa! Depois de ficar quase dois filmes inteiros nos provocando com pequenas aparições, a maneira como o diretor encerra a participação dele nos filme é lamentável.

A guerra entre os tais cinco exércitos, que no livro dura meia dúzia de páginas, no filme vira uma orgia de orcs, anões, elfos e humanos digitais se matando por mais de 45 minutos, com resultado emocional pífio! Confesso que não aguentava mais ver aqueles dois chefões orcs sendo golpeados, caindo e levantando para serem golpeados novamente pela enésima vez. Já estava esperando eles gritarem: "Ai amor, me joga na parede, me chama de lagartixa!".  

A resolução da história de amor entre a elfa Tauriel (personagem inventado para o filme) e um dos anões é lamentável. Basicamente sai do nada e chega a lugar algum. Jackson, por sinal, parece perder o controle dos atores, principalmente do sujeito que faz o "aspone" do prefeito da Cidade do Lago, cuja atuação é pavorosa, e do rei dos Elfos Thranduil, feito por um Lee Pace que passa toda a trilogia com a mesma cara de empáfia, como se fosse uma drag queen cuja peruca foi roubada.


"Foi você que roubou a minha peruca favorita, não foi?"

O coitado do Howard Shore, cuja música para "O Senhor dos Anéis" entrou para qualquer lista das melhores de todos os tempos, esforça-se em vão para criar alguma dramaticidade para os filmes, mas a ausência de um foco narrativo definido e de personagens fortes deixa sua partitura sonsa e repetitiva. 

O fato de Jackson optar por enfiar música praticamente do começo ao fim dos filmes sem pausa, serve para limitar ainda mais a paleta musical do compositor, que é obrigado a esticar as notas para tentar cobrir tantas cenas sem graça e redundantes.

Contorci-me novamente na poltrona com a trama paralela que traz Sauron para o meio da narrativa, pois é completamente absurda, especialmente quando a Galadriel usa "a força" para expulsar o vilão. E como é que depois desse terrível encontro, o Gandalf está lá todo tranquilão no começo de "O Senhor dos Anéis"? Nesse ponto, Jackson dá uma de George Lucas e tenta estragar seus filmes originais com essas informações incoerentes.

No final das contas, a trilogia "O Hobbit" apenas serve para confirmar que um diretor sem controle e dominado pelo seu ego acaba tendo seu talento tolhido e sobra apenas o exagero e a grandiloquência, como se isso fosse sinônimo de grandeza. Só que não é. Uma pena.

Cotação: **

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Filmes: "Azul é a Cor mais Quente"

CHATO PRA CACETE

O que poderia ser um interessante estudo sobre a sexualidade humana se transforma num penoso esforço para evitar o sono

- por André Lux, crítico-spam

Eu nada tenho contra os chamados "filmes de arte", pelo contrário, muitas vezes os acho sensacionais e essenciais. Porém, de vez em quando, a gente se depara com um deles que, mesmo tendo conteúdo bastante pertinente, derrapa em sua realização ao ponto de tornar-se intragável.

É o caso desse "Azul é a Cor Mais Quente", dirigido por um certo Abdellatif Kechiche, tunisiano radicado na França, que poderia ser um interessante estudo sobre a sexualidade humana e também sobre as confusões que as pessoas fazem entre atração sexual e amor, mas que acaba se tornando num filme penoso de se ver até o fim.

O roteiro, que é baseado numa história em quadrinhos francesa, conta a história de Adèle, uma adolescente de 15 anos, que descobre sentir atração por pessoas do mesmo sexo depois de esbarrar, na rua, numa mulher de cabelos azuis e ter um flerte com uma colega na escola.

Aos poucos ela vai explorando suas novas descobertas e acaba conhecendo a tal moça de cabelos azuis, com quem vive uma tórrida história de amor, com direito a longas cenas de sexo lésbico que certamente vão ser aprovadas pelas mulheres gays ou bissexuais, já que a maior reclamação delas sobre os filmes pornográficos é justamente a artificialidade das transas entre mulheres.

Confesso que estava gostando bastante do filme mais ou menos até sua metade, principalmente pela atuação de Adèle Exarchopoulos, que além de muito bonita e fofa, conseguia transmitir com muita intensidade os dramas e conflitos da adolescente, compensando a falta de graça da sua "cara-metade" Emma, feita por uma apagada Léa Seydoux.

Os problemas começaram quando o filme ultrapassou a marca das duas horas de projeção e aí começou a se arrastar em cenas desnecessárias e esticadas, quando já havia muito pouco a se mostrar, exceto o crescente distanciamento entre as duas depois que vão morar juntas, agravado pelo fato delas terem muito pouco em comum além da forte atração sexual inicial. 

Há uma cena, por exemplo, em que ambas oferecem um jantar aos amigos artistas e intelectuais de Emma que, sem brincadeira, deve durar uns 10 minutos ou mais (mas parece uma eternidade), e que só serve para mostrar o constrangimento de Adèle perante os assuntos debatidos. Essa sequência poderia ter 2 minutos e já daria para entender tranquilamente o que estava acontecendo, mas é esticada ao extremo, ao ponto de irritar. Confesso que foi tanta gente comendo e "chupando" macarrão que até me deu enjoo!

Ao final, foi difícil resistir ao sono, pois foram três horas de filme, algo que, convenhamos, só dá para suportar em épicos com "Ben Hur", "Lawrence da Arábia" ou "O Senhor dos Anéis"...

Para piorar, o diretor insiste em filmar quase tudo em planos fechados, com a câmera quase enfiada na cara das atrizes, deixando tudo claustrofóbico sem qualquer necessidade, quando queria apenas demonstrar intimidade. 

O que mais impressiona é que o filme ganhou a Palma de Ouro em Cannes esse ano. Mais uma prova que alguns "entendidos" gostam mesmo é de filmes chatos pra cacete!

Cotação: * *

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Filmes: "Malévola"

MULHERES NO PODER

Apesar da motivação ser sempre o lucro, quem entende a luta das feministas não tem do que reclamar

- por André Lux, crítico-spam

A Disney está investindo agora em filmes que trazem mulheres em posição de destaque, mostrando força e independência, bem diferente dos contos de fadas do passado, onde ficavam sempre esperando passivamente o príncipe encantado para serem salvas.

Claro que isso só acontece porque fizeram intensas pesquisas de mercado e descobriram que as mulheres são as espectadoras mais fiéis desse gênero e, por isso, estão tentando lucrar nesse nicho.

Mas quem entende a luta das feministas não tem do que reclamar. Filmes como "Malévola", "Frozen" e "Valente" não deixam de ser bem vindos nessa sociedade basicamente machista e patriarcal em que vivemos, onde as mulheres tem sempre lugar secundário e são tratadas por muitos como seres inferiores. Não por acaso, esses filmes foram acusados pelos fundamentalistas de plantão de serem "obras demoníacas a serviço da conspiração comunista-gayzista-feminazi" ou coisa parecida. Só rindo mesmo.

Pena que essa releitura feminista do clássico "A Bela Adormecida" se perca num roteiro mal escrito e na necessidade de tentar enfiar monstros e lutas no estilo de "O Senhor dos Anéis" no meio do filme, fatores que apenas servem para deixá-lo confuso e sem foco.

Angelina Jolie se esforça em dar algum sentido à protagonista, vista aqui como uma fada que é traída pelo seu amor de infância, tem suas asas cortadas e então se deixa consumir pela sede de vingança. Jolie consegue convencer, mas faltam-lhe cenas que deixem seus conflitos internos mais evidentes. 

Também nunca fica claro quais são as extensões de seus poderes. No final, ela consegue até conjurar um dragão, o que nos faz pensar: por que simplesmente não fez crescer novas asas em suas costas? E por que os humanos tinham tanto ódio das criaturas mágicas de Moors, sendo que, com exceção da Malévola e algumas árvores-soldados, tudo que víamos por lá eram uns bichinhos totalmente inofensivos e até bobos? Quanto mais fantasioso um filme é, mais preocupado em criar certas regras para "prender" seus personagens tem que ser, senão fica tudo sem lógica.

O ator que faz o rei, Sharlto Copler (de "Elysium"), e as três fadinhas que cuidam da jovem Aurora também são péssimos e ajudam a estragar o resultado final. O rapaz que pegaram para ser o príncipe Felipe é ridículo, mas aí parece que foi proposital, já que ele não tem qualquer importância na trama, pelo contrário, é até usado de forma irônica.

E a produção foi bastante complicada, a ponto dos executivos da Disney dispensarem o diretor no final e obrigarem a refilmagem de todo o prólogo, com outro cineasta e uma nova atriz como a Malévola jovem. Isso é sinal de que não estavam certos sobre os rumos que o filme deveria tomar e, como sempre, quanto mais mexem, pior fica o resultado final.

Ao seu favor, "Malévola" é lindamente filmado, graças ao diretor Robert Stromberg, que é também artista de efeitos visuais, e ao consagrado fotógrafo Dean Semler. A música de James Newton Howard é muito boa também, cheia de poder sinfônico, o que demonstra sensibilidade do cineasta por trás das câmeras, que é irmão do compositor de trilhas William Stromberg.

Dá para assistir e certamente vai agradar as mulheres, mas poderia ser bem melhor.

Cotação: * * 1/2

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Os imensos buracos negros no roteiro de "Interestelar"

Olha, não costumo ser chato assim, mas tem certas coisas que merecem ser ridicularizadas. 

O filme "Interestelar" vem recebendo bastante atenção e isso é até louvável, afinal trata-se realmente de uma obra feita com coração, um verdadeiro "filme de autor". Pena que neste caso o autor seja um sujeito pretensioso e sem qualquer profundidade.

Mas aí é opinião minha, tudo bem, ninguém é obrigado a concordar (clique aqui para ler minha análise do filme). 

Agora, o que mais incomoda é ver gente defendendo o filme porque ele supostamente leva a sério a ciência envolvida nas viagens espaciais e as várias teorias que a Física desenvolveu sobre o assunto. O diretor até se gaba de ter como consultor para assuntos científicos o renomado professor Kip Thorne.

Mas, a verdade é que o filme tem sérios buracos no roteiro e também besteiras que nada tem a ver com ciência e caem para a pura ficção ou fantasia, no mesmo nível de um Star Trek ou Star Wars, só que levado a sério.

Atenção: daqui pra frente o texto estará cheio de "spoilers", ou seja, vai revelar vários segredos do filme. Se não o viu, desista aqui de ler!

Faço aqui minha lista dos principais furos que levantei até agora:

1) No começo do filme, descobrimos que uma "praga" está acabando com as lavouras de alimento da Terra. Mas que "praga" é essa que ataca grupos específicos de plantações? E que depois, sem mais nem menos, começa a destruir outros tipos? E por que o mundo ia acabar por causa disso? Não temos animais para comer? Pode-se dizer que com o fim das lavouras, os animais também morreriam. Mas e os animais que comem, sei lá, grama? Ela também estava sendo dizimada pela tal "praga"? E aquela poeira toda, o que tem a ver com isso? Ninguém explica.

2) Bom, se o mundo estava acabando e as pessoas morrendo de fome, por que é que não vemos hordas de humanos famintos atacando a plantação de milho do herói do filme? Sim, porque se a raça humana estava para ser extinta por causa da falta de alimentos, não dá pra acreditar que uma fazendo cheia de milho ia ficar lá, toda tranquila, sem qualquer tipo de proteção contra os famintos. Quando você cria um "mundo" no cinema, ele precisa respeitar certas regras óbvias. Esse não respeita, nem de longe.

3) Logo cedo na trama, aprendemos que existe um "fantasma" no quarto da filha do protagonista, que fica derrubando livros e outros objetos. Depois, descobrimos que ele está na verdade se comunicando com ela, passando coordenadas e outros segredos do universo em forma de código morse ou linguagem binária. 

No final, ficamos sabendo que é o próprio protagonista que está fazendo isso, no futuro, de uma outra dimensão, dentro do buraco negro que entrou. E quem o está guiando é, segundo ele informa, a própria raça humana do futuro que se desenvolveu ao ponto de viajar entre as cinco dimensões livremente. Só que ela só chegou àquele ponto porque conseguiu sobreviver ao cataclismo na Terra porque o astronauta vivido por Matthew McConaughey foi instruído por ele mesmo para poder não só chegar àquele ponto no espaço-tempo, como também para passar os segredos do universo para a filha. 

Não faz qualquer sentido, mesmo quando a gente tenta suspender a credibilidade e passar apenas para o reino da fantasia. Por uma razão simples: os seres do futuro só poderia existir se os do passado tivessem conseguido sobreviver ao desastre natural. Mas como poderiam ter feito isso sem a ajuda que receberam dos irmãos do futuro? Nonsense total!

4) O herói passa TODOS os segredos que descobriu dentro do buraco negro manipulando a gravidade por meio de código morse nos ponteiros de um relógio de pulso analógico. Não estou brincando. É assim mesmo no filme.

5) Os três planetas que supostamente poderiam servir de morada aos seres humanos ficam pertinho de um gigantesco buraco negro, chamado Gargantua. De onde vem a luz que ilumina esses planetas? Não se vê nenhum sol perto deles e não precisa ser expert em Física para saber que toda a luz é sugada para dentro de um buraco negro, ainda mais um tão próximo daqueles planetas.

6) Alguém pode explicar como é que os astronautas pousam num planeta que é totalmente coberto de água e varrido por ondas gigantescas sem saber disso? A nave deles não possui qualquer tipo de sensor para analisar a superfície do planeta? Nem mesmo olharam para a janela da nave e pensaram: "Hummm, parece que nesse planeta só tem água. Melhor cancelar a visita". O que traz outra pergunta: como é que o piloto sabia então que a água era rasa o bastante para a nave poder pousar? 

7) Quer dizer que, enquanto eles estavam no planeta aquático e o tempo era atrasado por causa do efeito do buraco negro, o coitado do astronauta negro ficou 23 ANOS esperando eles voltarem? Assim, na boa, sem ficar completamente louco ou tentar se matar? Ficou ali, sentadão, jogando paciência ou Candy Crush e aparando a barba enquanto duas décadas passavam? 

8) O plano B do cientista feito pelo Michael Caine consistia em levar um monte de embriões para o planeta escolhido para recomeçar a raça humana. Ok, tudo bem. Mas, quem é que seria a mãe desses embriões? A pobre da Anne Hathaway é que seria usada como "barriga de aluguel" para dar vida a toda aquela gente? Será que perguntaram se ela queria? Ou será que tinham outra tecnologia para fazer brotar seres humanos do chão? Cartas para o sr. Christopher Nolan.

9) O cientista traidor feito por Matt Damon sabia que o plano A era uma farsa. Por que então ele e os outros cientistas já não levaram com eles os embriões e também umas barrigas de aluguel para dar a luz a eles (a menos que fariam brotar bebês do chão)? 

10) Qual era, afinal, o plano do Matt Damon? Ele ficou solitário, fingiu que o planeta que estava era habitável, entrou no hipersono na esperança de ser resgatado e aí atacou o protagonista para fugir na nave dele e ir... para onde? Para o terceiro planeta? Fazer o que? Morrer sozinho? Ou ele ia voltar pelo buraco de minhoca em direção à Terra para... morrer de fome ou cheio de pó na boca? Não entendi ainda.

11) Aí o Damon levou o McConaughey para ver de perto o local onde ele dizia que seria possível ter vida. Andaram um tempão no meio do gelo e então Damon rachou o capacete do McConaughey e fugiu, enquanto o outro gritava por socorro e sufocava. Pergunta: como é que Damon conseguiu chegar à nave tão rápido, sendo que andaram um bocado e o protagonista foi salvo rapidamente pela Anne Hathaway que estava em outra nave?

12) Novamente, a nave dos heróis não tinha qualquer tipo de sensor que pudesse detectar que o planeta de gelo só tinha gelo e não mantinha condições de sustentar vida? Eles tinham mesmo que descer no planeta para ver o que o cientista havia descoberto por meio dos... sensores da nave dele? Se não tinham como detectar coisas fora da nave, como é então que obtinham todas aquelas informações sobre o buraco negro? Ahá, te peguei!

13) O poder gravitacional de um buraco negro é tão forte que atrai até a luz! Mas o nosso herói não só entra no buraco negro, como ainda apronta um monte de peças lá dentro, só para depois sair dele e ser enviado através do buraco de minhoca para perto de Saturno! Pelo jeito, os humanos do futuro conseguem tudo, até mesmo manipular o que acontece dentro de um buraco negro. Tudo certo, professor Kip Thorne?

14) O que era exatamente aquela estação espacial que resgata o herói? Era a que foi construída lá na NASA? Ou era outra? Pelo que falam no filme, parece que existiam outras. Como é que conseguiram construir algo tão idílico e perfeito em um mundo moribundo, que já não tinha mais comida nem ar respirável? E as plantações que vimos lá dentro, de onde surgiram? Afinal, lembre-se, todas as plantações estavam sendo dizimadas pela "praga"! E por que ainda estavam dentro delas e não já no planeta, além do buraco de minhoca?

15) Como é que a filha do protagonista, já bem velha e prestes a morrer depois de ficar dois anos hibernando, sabia que a astronauta feita pela Anne Hathaway estava esperando por ele no terceiro planeta? A menos que seu pai tenha passado todas as outras informações, além dos segredos do universo, pelo relógio, não tinha como ela saber nada disso, certo?

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Filmes: "Interestelar"

PASTEL DE VENTO

"2001" encontra "Contato" no "Campo dos Sonhos" é apenas uma viagem de ego de um cineasta pretensioso

- por André Lux, crítico-spam

Confesso que nunca fui grande admirador do diretor Christopher Nolan, nem mesmo de seus três "Batman", que foram ficando piores, principalmente o terceiro que é lamentável. Sempre o achei pretensioso demais e dono de uma mão pesada que deixa qualquer filme sombrio e arrastado sem necessidade.

Mas, como os filmes do "Cavaleiro das Trevas" fizeram enorme sucesso de bilheteria, Roliúdi assinou um cheque em branco para que fizesse esse "Interestelar", uma espécie de "2001" encontra "Contato" no "Campo dos Sonhos" que, no final das contas, não passa de uma pedante viagem de ego do cineasta em questão.

Tudo começa em um futuro próximo, quando a Terra está para ser destruída por uma "praga" que acaba com as plantações e uma nuvem de poeira perene. O que uma coisa tem a ver com a outra ou o que as causou, nunca ficamos sabendo direito. Há apenas referências vagas e banais ao abuso feito pelo homem contra o planeta.

Numa das plantações de milho que ainda existem, encontramos um ex-piloto da NASA e engenheiro, chamado apenas de Cooper e feito pelo sempre confiável Matthew McConaughey, o qual vai acabar pilotando uma nave que deve procurar um novo planeta para a humanidade habitar, passando através de um "Buraco de Minhoca" que apareceu misteriosamente no meio do espaço.

Resumida assim, a trama do filme parece ter tudo para agradar qualquer fã de ficção científica. Mas é só aparência, porque o filme é incrivelmente arrastado e repleto de papo furado pseudo-filosófico, como "Costumávamos olhar para o céu e imaginar nosso lugar nas estrelas. Agora apenas olhamos para baixo e nos preocupamos com nosso lugar na sujeira". 

Também é recheado por citações que só a turma do "The Big Bang Theory" vai entender realmente, tipo "Será que poderemos conciliar a teoria da relatividade de Einstein com a mecânica quântica?"


Ela: "Poderemos conciliar Einstein com a mecânica quântica?"
Ele: "Sei lá, você perguntou para o Cooper errado!"
Se não bastasse tudo isso, ainda existe um componente "sobrenatural" no filme, na forma do que eles chamam de "fantasma", que tenta se comunicar com a filha do protagonista por meio da sua estante de livros e que é absolutamente crucial não apenas para colocar a trama em movimento, como para explicar no final tudo que vimos até então. 

Só que a revelação sobre o que é o tal "fantasma" fica bastante óbvia já na metade do filme e quando tudo é finalmente explicado (didaticamente, por sinal, já que o diretor acredita que somos burros para entender por contra própria), fica a certeza de que Stanley Kubrick era realmente um gênio, enquanto Nolan é apenas um pau-pra-toda-obra, do tipo que adora fazer pastéis de vento, bonitos por fora, mas vazios por dentro.

Há ainda uma mensagem que aparece no ato final, algo como "o amor é a solução para tudo", que não apenas é ridícula, como parece filosofadas de livro de auto-ajuda, daqueles mais bisonhos. E quanto mais a gente pensa na conclusão, mais sem nexo e lógica ela fica.

O que dizer então sobre a "música" do abominável Hans Zimmer, colaborador habitual de Nolan? Nas partes de suspense ele tenta emular descaradamente a trilha de Ennio Morricone para "Missão Marte" e "Madalena" (inclusive usando um órgão!), mas sem qualquer traço da sensibilidade do mestre e com uma sutileza digna de um rinoceronte com dor de dente. 

Quando as cenas pedem por algo mais emotivo, Zimmer inventa um minimalismo tosco e redundante, digno de pena, do tipo que Phillip Glass comporia se estivesse em coma. Enfim, o que se pode esperar de um diretor que chama esse picareta para musicar seus filmes e ainda quer ser levado a sério?


Nolan e Zimmer: uma parceria realmente infernal!
Se "Interestelar" ainda ao menos fosse curto, tudo seria perdoável. Mas, não, o negócio tem mais de 3 horas de duração! Isso mesmo, são 169 intermináveis minutos que, de acordo com a teoria da relatividade mostrada pelo próprio filme, parecem durar 21 anos! 

Não havia a menor necessidade de se ter uma duração tão longa. Sequências inteiras poderiam ter sido eliminadas sem qualquer prejuízo à trama. Como no começo quando saem perseguindo um drone no meio do milharal (algo que não tem qualquer relevância para o resto do roteiro). 

Ou mesmo quando aparece um cientista feito por Matt Damon que não agrega absolutamente nada, tem um plano que não faz qualquer sentido e só serve para deixar o filme ainda mais arrastado (sem falar que dá origem a uma cena digna de filmes trash, onde dois astronautas completamente vestidos com seus trajes trocam sopapos e "capacetadas" no meio do nada).

Impressiona que gastaram mais de US$ 160 milhões para fazer um filme que não brilha nem mesmo na parte técnica, com fotografia feia e escura, desenho de produção canhestro (quem teve a brilhante ideia de fazer aqueles robôs idiotas parecerem com o monolito preto de "2001" certamente merece o troféu abacaxi!) e efeitos especiais sem graça. 

E alguém me explica o que Nolan queria atingir filmando os vôos no espaço com a câmara grudada nas naves? Usar esse truque uma ou duas vezes, vá lá, é até interessante, mas o tempo todo? Mal dá para entender o que está acontecendo na tela, de tão estúpida que foi essa decisão! A única cena que me passou algum tipo de emoção aconteceu só no finalzinho, dentro de um leito de hospital. Fora isso, a sensação predominante foi tédio mesmo.

Duvido que esse filme vá fazer muito sucesso de público, embora isso não queira dizer nada sobre a qualidade de um filme, mas a verdade é que Nolan ficou nu e não acredito que vá conseguir enganar mais tanta gente como vinha fazendo até então. Deu um grande tiro no pé e só tem a si mesmo para culpar.

Clique aqui para ler uma lista que fiz dos buracos negros no roteiro do filme.

Cotação: * *

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Filmes: "O Expresso do Amanhã"

LUTA DE CLASSES NO TREM

Não é uma obra-prima, mas vale pelas questões básicas que ao menos tem a coragem de levantar

- por André Lux, crítico-spam

No futuro próximo, o aquecimento global está destruindo a Terra. Numa tentativa de salvá-la, cientistas lançam um experimento nos céus que acaba congelando toda a superfície do planeta. Os poucos sobreviventes vivem num trem, chamado de "Snowpiercer" (picador-de-gelo), que roda sem parar.

Essa é a premissa básica de "O Expresso do Amanhã", primeiro filme em inglês do diretor sul-coreano Bong Joon-ho (do cultuado "O Hospedeiro"), que foi baseado numa história em quadrinhos francesaO filme, na verdade, é uma alegoria ao sistema capitalista e sua divisão de classes, reproduzida também no trem: os pobres vivem amontoados nos vagões finais, enquanto os ricos moram no luxo da parte da frente. No meio, claro, fica a força policial responsável por manter as massas subjugadas.

"O Expresso do Amanhã" vem recebendo críticas muito positivas ao redor do mundo, mas confesso que fiquei num meio termo. Apesar da sempre pertinente reflexão sobre o sistema no qual somos obrigados a viver hoje, no qual o dinheiro vale mais do que uma vida, o filme derrapa em vários aspectos que, na minha opinião, o impedem de atingir resultados mais altos.

Um dos maiores problemas é de escala. O trem é estreito demais para conter tantas parafernálias como as que aparecem durante a projeção. A cena do aquário dos seres marítimos é a mais ridícula, de tão desproporcional. Poderiam ter resolvido isso de forma simples: bastava inventarem um trem maior, mais largo, mais radical e estilizado. 

O o que mais me decepcionou foi realmente a conclusão. Primeiro porque a grande "revelação" dos motivos reais da rebelião dos oprimidos é frouxo. E segundo porque escolheram o final mais tolo e sem impacto possível. Mas, ao menos a direção é inventiva e abusa de um humor negro e nonsense digno dos melhores filmes do diretor Terry Gilliam (do "Monty Python" e "Brazil"). O personagem de John Hurt, por sinal, chama-se Gilliam - homenagem mais explícita, impossível. 

O resto do elenco também é de primeira linha, com Chris Evans (o "Capitão América") surpreendendo num papel pesado, e Ed Harris fazendo o possível para dar algum sentido ao personagem do dono do trem, que é cultuado quase como um deus nessa nova ordem social.

Embora não chegue a ser uma obra-prima do gênero, vale a pena assistir e refletir um pouco sobre as questões básicas que o filme ao menos tem a coragem de levantar.

Cotação: * * *

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Filmes: "Guardiões da Galáxia"

PERDA DE TEMPO

Ninguém precisa ver essa besteira sem graça

- por André Lux, crítico-spam

Não é por nada, mas os filmes baseados nos quadrinhos da Marvel estão precisando se reciclar. Esse "Guardiões da Galáxia" é o terceiro ou quarto que parte de uma mesmíssima premissa, bem idiota por sinal: "vilão super poderoso precisa pegar um bagulho super poderoso para ficar ainda mais poderoso e destruir o mundo, a galáxia ou o universo".

Foi assim em "Os Vingadores", "Thor 1 e 2", "Capitão América" e sei lá qual mais. Nos outros, os vilões queriam uma caixa azul ou um pó vermelho miraculosos. Em "Guardiões da Galáxia", o vilão quer um cristal rosa igualmente miraculoso.

Baseado num quadrinho obscuro da Marvel, o filme vem recebendo críticas muito favoráveis mundo afora, em mais uma prova de delírio coletivo dos profissionais da opinião em geral. Alguns chegaram a compará-lo com os "Star Wars" originais!

Repleto de furos no roteiro (clique aqui para ver uma pequena lista deles), forçações de barra, piadas sem graça e infindáveis batalhas espaciais feitas em computação gráfica, daquelas que não geram qualquer emoção e dão tontura de tão confusas e exageradas"Guardiões da Galáxia" lembra muito mais os nefastos prólogos de "Star Wars" do que os outros filmes de super-heróis da Marvel.

O elenco é interessante, mas completamente desperdiçado em personagens tolos e rasos com uma poça de água. Benício Del Toro aparece com uma peruca loira ridícula, num personagem que beira o grotesco, mas ao menos fica pouco tempo em cena. E o pobre do Vin Diesel foi contratado para dar voz ao homem-árvore e dizer "Eu sou Groot" trocentas vezes, como se isso fosse a coisa mais engraçada do mundo - só que não é. 

O filme tem uma direção de arte bacana, embora muita coisa seja copiada de outras produções, como o vilão Ronan que é igualzinho ao Molasar de "Fortaleza Infernal". 


Molasar e Ronan: nada se cria, tudo se copia...
A trilha sonora é repleta de músicas pop estadunidenses que pelo jeito deveriam dar um ar nostálgico ao filme, mas confesso que para mim não disseram nada, embora eu reconheça que não sou especialista no assunto. Meu negócio sempre foram as trilhas incidentais, compostas especialmente para os filmes e a desse aqui não chega a ser das piores, embora seu compositor, Tyler Bates, já tenha feito coisas muito ruins, como a trilha do novo "Conan, o Bárbaro".

Mas o que implode mesmo qualquer pretensão do filme é a guinada rumo à pieguice e à filosofia do "vamos nos sacrificar para derrotar o mal" que toma conta do terceiro ato, algo que vai completamente na contramão não só da proposta do filme, como da caracterização "descolada" dos protagonistas feita até então.

"Guardiões da Galáxia" poderia até ser uma boa diversão para a garotada, porém ele tem cenas de violência que, embora não sejam explícitas, são muito fortes, diálogos cheios de palavrões, machismo e misóginia (até quando as mulheres serão retratadas como meros objetos sexuais à espera de um macho nesse tipo de filme?). 

Sinceramente, ninguém precisa ver essa besteira. É perda de tempo.

Cotação: * *

terça-feira, 19 de agosto de 2014

6 fatos sobre depressão que todo mundo precisa saber

Morte de Robin Williams e Fausto Fanti levantam a questão sobre a doença que atinge mais de 350 milhões de pessoas no mundo

- por Luciana Carvalho, na Exame

A depressão fez mais uma vítima nesta semana. De acordo com a polícia da Califórnia, tudo indica que o ator Robin Williams tenha se suicidado por asfixia, na última segunda-feira, aos 63 anos.
 
O vencedor do Oscar por “Gênio Indomável” e artista consagrado por filmes como “Sociedade dos Poetas Mortos” e “Patch Adams - O Amor é Contagioso” lutava contra a depressão e o vício em cocaína e álcool.
 
A notícia pegou o mundo inteiro de surpresa e levantou a importante questão que gira em torno dessa doença. Se não for tratada a tempo, ela pode ter um desfecho tão triste quanto o de Williams ou do humorista Fausto Fanti, que, no final de julho, também tirou a própria vida, possivelmente, em decorrência do sofrimento psíquico.
 
Na opinião do médico Antônio Geraldo da Silva, presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria, políticas públicas voltadas para esse problema e um tratamento da mídia sem tabus poderiam ajudar a evitar consequências graves.
 
“Ao contrário do que se pensa, as pessoas não vão se matar se a mídia falar mais sobre o suicídio. O importante é a orientação sobre isso. Deve-se falar disso para prevenir”, afirma. Todos os anos, a ABP realiza uma caminhada no dia 10 de setembro para lembrar o “dia mundial da prevenção ao suicídio” e, nos locais em que acontece esse tipo de ação, segundo ele, a incidência tem parecido menor.
 
O psiquiatra diz que, em cada 100 pessoas com depressão grave, 15 cometem suicídio. O número é preocupante, mas pode ser revertido se preconceitos forem combatidos e informações forem divulgadas.
 
A seguir, você confere fatos que todo mundo deveria saber para lidar melhor com o problema.
 
Depressão é uma doença, não “frescura”
 
Uma das principais dificuldades enfrentadas por quem sofre de depressão é entender e fazer com que os outros entendam que ela não é “frescura”, mas uma doença, como hipertensão ou diabetes.
 
Isso significa que precisa ser tratada por um psiquiatra, capaz de orientar e, se necessário, medicar adequadamente o paciente. A psicoterapia em conjunto pode ser muito útil, mas o tratamento médico é essencial.
 
Preconceito só atrapalha a cura
 
“Psiquiatra é médico de louco e eu não estou doido”. Esta frase, lembrada por Silva, resume boa parte do preconceito que ainda existe em torno da depressão, dos transtornos mentais e até mesmo dessa especialidade da medicina. Por vergonha ou medo de que conhecidos fiquem sabendo, pacientes evitam procurar ajuda ou perdem um apoio importante dos entes queridos.
 
Com um amigo deprimido, não adianta só conversar
 
Outro efeito nocivo do tabu é a desconsideração da gravidade do quadro. Muita gente acredita, por exemplo, que basta conversar com a pessoa deprimida para resolver o problema. Nada mais ilusório.
 
É claro que o apoio, o consolo e a compreensão são estritamente necessários, mas frases como “Calma, vai passar” ou “Deixa isso para lá” não acrescentam e, dependendo da situação, podem ser prejudiciais. Se o paciente estiver com ideias suicidas, por exemplo, a melhor forma de ajudar é incentivá-lo a ir ao médico.
 
E falar coisas como “Poxa, mas você não está nem tentando ficar feliz” ou “Você poderia se esforçar mais para melhorar” é, na opinião do médico, maldade. “Isso é a mesma coisa que, se você usa óculos, alguém pedir para que tire as lentes e ordenar que enxergue tudo sem elas”, afirma o psiquiatra.
 
Os sintomas podem ser físicos e psíquicos
 
A tristeza e o desânimo podem ser sintomas da depressão, mas não são os únicos. De acordo com Antônio Geraldo da Silva, é possível haver sinais físicos, como perda ou ganho de peso, dores inexplicáveis no corpo e insônia ou sonolência em excesso.
 
Entre os sintomas psíquicos estão: desânimo intenso, cansaço, apatia, falta de vontade de fazer suas tarefas, falta de prazer, de alegria, choro fácil, temperamento explosivo, irritabilidade.
 
O diagnóstico, claro, precisa ser feito pelo médico, já que a chamada “síndrome depressiva” tem sintomas que podem ser confundidos com outras enfermidades, como o hipotireoidismo ou o hipertireoidismo.
 
Qualquer pessoa pode ter depressão
 
Assim como grande parte das outras doenças, a depressão não “escolhe” alvos específicos. Segundo o psiquiatra, homens e mulheres, crianças, adultos e idosos podem ser acometidos pelo mal.
 
Esse fato vai de encontro com outro preconceito muito comum: o que diz que “pessoas bem-sucedidas ou ricas não deveriam ficar deprimidas”. Por esse raciocínio, quem não tem motivos aparentes para sofrer deveria ser imune.
 
A realidade, no entanto, é mais complexa. Há pessoas que têm mais propensão à doença devido à genética. Há outras que podem sofrer com o problema devido a suas condições de vida e o ambiente em que convivem.
 
De acordo com o médico, fatores como o uso de álcool e drogas, uma rotina muito estressante e noites sem dormir podem aumentar a incidência da enfermidade.
 
Depressão é uma das principais causas de afastamento do trabalho
 
Apesar de todo estigma existente em torno da depressão, ela é uma das principais doenças que acometem a humanidade atualmente. Dados de 2013 divulgados pela OMS (Organização Mundial da Saúde) indicam que mais de 350 milhões de pessoas no planeta têm depressão – o que representa 5% da população mundial.
 
De acordo com estudo publicado na revista científica PLOS Medicine, no ano passado, ela é a segunda maior causa de invalidez, no mundo, ficando atrás apenas das dores nas costas.
 

Antônio Geraldo da Silva estima que 20% das pessoas já tiveram, têm ou ainda terão a doença ao longo da vida. Por isso, ele ressalta a importância de falar mais sobre o tema, dentro das empresas, na família, nos governos e na sociedade como um todo