Postagem em destaque

Blogueiro pede a sua ajuda!

Ajude este humilde blogueiro a continuar seu trabalho! Sempre militei e falei sobre cinema e outros assuntos sem ganhar absolutamente nada ...

sábado, 14 de fevereiro de 2009

Decifrando o código: Por que Matrix é de esquerda?

"Não é possível explicar a ninguém o que é a Matrix. Você tem que ver com seus próprios olhos..."

- por André Lux, crítico-spam

É incrível o número de pessoas que dizem "adorar" a trilogia Matrix, mas que coçam a cabeça e fazem cara de interrogação quando confrontados com as várias alegorias e subtextos dos filmes.

Aí, quando você pergunta por que, afinal, gostam de Matrix, respondem algo como: "Pô, puta filmão! Tem um monte de tiro, porrada e efeitos especiais animais!".

Sim, tem mesmo, mas além disso, a trilogia Matrix consegue passar nas entrelinhas sérios questionamentos sobre a realidade que nos cerca, inclusive política, sem precisar ser panfletário ou maniqueísta. 

Ou seja, diverte e faz pensar - aqueles que conseguem, é claro.

Para mim, os irmãos Wachawsky fizeram um filme de esquerda porque questionam os princípios básicos dos mecanismos de dominação atuais usados pelas elites econômicas para escravizar o resto da população.

O que é a Matrix, em última instância, senão uma óbvia alegoria para o circo midiático usado para deixar a maioria das pessoas vivendo em uma realidade virtual, ilusória, quase que em estado dormente enquanto são oprimidos e escravizados pela busca do lucro ilimitado? 

Os romanos chamavam isso de "pão e circo" - hoje é só circo mesmo, porque o pão só pagando.

Se não acredita em mim, repare na cor da pílula que Neo deve tomar para sair da Matrix e na cor da que deve tomar se quiser continuar vivendo na ilusão... Preciso dizer mais?



O bacana da trilogia Matrix é que ela começa nos convencendo que Neo é o "novo Jesus Cristo", alguém dotado de poderes especiais, praticamente sobrenaturais, que tem a missão de salvar os seres humanos do julgo das máquinas.

Tratado como terrorista pelas "autoridades" daquele mundo virtual, Neo tem que lutar também contra seus próprios semelhantes, contra aqueles a quem deseja salvar, mas que podem ser usados pelos agentes a qualquer hora. 

Mais uma alegoria óbvia: os agentes Smith só conseguem "entrar" dentro de quem é alienado da realidade em que vive. 

Lembram do traidor Cypher (o Judas da trilogia) dizendo "a ignorância é uma benção"? Pois para muitos é mesmo.



Assim, Neo e seus amigos realmente acreditam, como Che Guevara e tantos outros revolucionários, que é por meio da luta armada que conseguirão vencer as máquinas e libertar seu povo oprimido. 

E fazem isso com grande elegância em cenas de primor técnico, ao som da trilha sonora vibrante de Don Davis.

Agora, veja abaixo como fica a cabecinha daquelas pessoas que torcem e vibram com Neo, mas chamam gente como Che e Fidel Castro de terroristas, ao descobrirem que foram enganados pela Matrix e que serão obrigados a reverem seus conceitos pré-históricos...



Mas, surpresa! No final da trilogia, descobrimos junto com os protagonistas que as máquinas, em sua infinita capacidade lógica de manipulação da primitiva e emocional mente humana, haviam incorporado o conceito de "salvador" dentro da Matrix simplesmente para sanar uma falha sistêmica.

Ou seja, Neo não era nem o novo Jesus Cristo, nem o novo Che Guevara, mas sim apenas mais um peão no jogo de controle feito pelas máquinas para continuar escravizando a raça humana. 

Aqui mais uma alegoria clara: religião é algo que existe apenas para controlar as mentes e as ações das pessoas, fazendo-as acreditar que suas felicidades se encontram fora delas, nas mãos de um deus ou salvador ao qual devem orar e, preferivelmente, temer.



Neo tinha de ser convencido pela Oráculo, um programa criado para simular as emoções humanas e trazer equilíbrio à Matrix, que era realmente o salvador, só para descobrir no final de sua jornada que era apenas o carregador do código que iria dar um "reload" na Matrix e iniciar sua nova versão. 

Até que o sistema ficaria instável e um novo Neo apareceria para fazer tudo de outra vez.

Mas, as máquinas não previram que Oráculo iria adqurir sensibilidades humanas e agiria para desestabilizar a equação criada pelo Arquiteto, a fim de promover a paz entre homens e máquinas. 

Assim, na versão Neo 7.0, Oráculo incluiu dois itens a mais na jornada do "salvador": o amor por Trinity e um vírus no agente Smith que o levaria a contaminar toda a Matrix.



O primeiro item leva Neo a optar por salvar sua amada ao invés de dar "reboot" na Matrix e salvar a humanidade, enquanto o segundo leva a Matrix à beira da destruição. 

Portanto, Oráculo causa uma revolução ao forçar as máquinas a fazerem as pazes com os humanos, pois somente o Neo do mundo real poderia voltar à Matrix para destruir o virus Smith.

Enfim Neo torna-se realmente o "salvador" e sacrifica-se, não para alcançar a glória ou dar uma lição de moral, mas sim para salvar a humanidade da opressão e da ilusão... Simplesmente genial!



Claro que não vou agradar a todos com essa minha interpretação da trilogia Matrix, mas tudo bem. 

Como disse o próprio Morpheus, "Não é possível explicar a ninguém o que é a Matrix. Você tem que ver com seus próprios olhos..."



Mas o vídeo abaixo, que chamo de "Matrix para Lesados", talvez dê uma força!

26 comentários:

José Carlos disse...

Para enxergar Matrix, de outra forma só sendo um lesado de direita. Mas que existem, existem, não tem idiota que diz que o PT é nazista.

Adriano disse...

O Matrix foi chupado de um mangá japonês.

Gabriel Schilling Springer Pitanga disse...

Assistir TV demais pode causar depressão no futuro. Link:http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI3514896-EI238,00-Assistir+TV+demais+pode+causar+depressao+no+futuro.html

AF STURT disse...

ola Andre,o blog dos amigos da Dilma está ou não esta funcionando? fui la, nao tem nem uma post...
saudações socialistas.

Anônimo disse...

André. Aprende-se em aulas de sociologia, de que o homem cria estruturas e depois haje como se essas estruturas sempre existiram. Criaram-se monarquias e as igreja fazia os fiéis crerem de que essas estruturas (inclusive a religiosa) foram instituídas por Deus e de que os Reis estavam no comando das nações por desígnio divino. Assim, qualquer movimento de mudar de regime se estaria infringindo Leis Divinas.
Confúcio já dizia de que o Estado é para o homem e não o homem para o estado. Criamos leviatãs que consome nossas energias, se sustenta dessas energias e matamos qualquer anarquista que queira derrubar nosso bezerro de ouro.

André Lux disse...

Adriano, Matrix foi "chupado" de várias fontes, não apenas de um manga japonês. Existem centenas de citações e referências na trilogia, a começar por Ronin, do Frank Miller, e o próprio Akira. Os próprios diretores depois fizeram o Animatrix em homenagem aos mangas, não fizeram?

Não vejo problema nenhum nisso. Existem dezenas de outros filmes e obras que "chupam" suas idéias de outras e nem por isso deixam de ter seus méritos próprios, certo?

Anônimo disse...

Gosto do genero sci-fi e, de longe, Matrix nao entra na minha lista dos top 20.

É mesmo 1 remendao mal feito de muita coisa, na maioria de porcarias.

O elenco é morno, o enredo é prá punhetiros de video games e os efeitos acabam datados, coisas q qlqr tv pode fazer.

Nem a idéia é original.

A única coisa interessante deste filme, foi a idéia usada durante o 1ro e 2do turnos contra os tucanos.

Atingiu a perifa (nao as favelas) e acertou os Alkimistas.

Enfim, se fosse prá falar em direita/esqerda em filmes sci-fi, q tal Blade Runner?

Inté,
Murilo

André Lux disse...

Murilo, não concordo com sua avaliação do Matrix, embora eu veja muitos erros e falhas nos filmes também, é claro - especialmente os dois últimos, que tem muita enxeção de linguiça para esticar a trama.

Já falei sobre Blade Runner. Dá uma lida, se quiser:

http://tudo-em-cima.blogspot.com/2008/03/dvd-blade-runner-final-cut.html

Marcelo disse...

André Lux, a sua análise sobre a triologia de Matrix é ótima.Vc fala de muita coisa sobre filosofia,temas de vários livros de filósofos.Por exemplo:a Matrix pode ser comparada à caverna do "Mito da Caverna" de Platão,ou até mesmo uma interpretação da frase de Bertrand Russel "Não inveja um tolo que vive no paraíso dos tolos, pois apenas um tolo o considera um paraíso".Mas, acima de tudo, é um desenvolvimento do pensamento de René Descartes, sobre um demônio malicioso que controlava a mente das pessoas para conquistar seus interesses. Tudo o que vc fez foi esquematizar para as pessoas interessadas apenas na triologia Matrix, e não nas ideias de filosofia, sociologia.Parabéns pelo trabalho.

Alexandre disse...

Talvez esta tenha sido a melhor síntese da trilogia Matrix que encontrei na Internet. Parabéns. Quanto àqueles que criticam a obra, claro, todo o meu respeito, porém, muitas vezes tais críticas parecem oriundas de interpretações equivocadas, visão limitada ou simples preconceito. Não creio que a intenção dos diretores era provocar uma revolução socialista a nível mundial. Matrix, afinal de contas, é entretenimento, porém, o que não quer dizer que seja sinônimo de algo descerebrado. Por exemplo, os filmes do Monty Python são comédias e nem por isso deixam de carregar subtextos interessantíssimos e cheios de significados ("A Vida de Brian" é espetacular) só captados justamente por quem não acha que entretenimento é sinônimo de alienação. Qual o problema de discutir temas sérios com uma linguagem pop? Quem nunca teve muito contato direto com os temas abordados em Matrix, mas assistiu ao filme livre de preconceitos, certamente saiu do cinema com aquela inquietação típica de quem acabou de perceber que há muito mais coisas a serem descobertas bem diante de nossos olhos, mas somos condicionados desde cedo a ignorá-las sistematicamente. Da mesma forma, qual o problema dos criadores terem tomado como base obras de outras mídias? Mostra apenas que tiveram sensbilidade de fazer as escolhas certas ao criarem algo que pode não ser tão novo ou até original, mas certamente com uma relevância ainda não conseguida. Se o Grant Morrison ficou indignado ao perceber as incríveis semelhanças entre Matrix e Os Invisíveis (e reconheço que realmente são gritantes), deixemos que os envolvidos se enfrentem diante da "Dona Justa", se for o caso. Ao invés de tomar parte na discussão, transforme as duas obras (aliás, todas as outras envolvidas) em companhias constantes em sua prateleira de DVD's e livros/quadrinhos, que você terá muito mais a ganhar.
Ao blogueiro, mais uma vez, parabéns, e um abraço a todos que leram este comentário.

Bruno C. disse...

Ótimo comentário, não teria feito melhor. Análise de tiro-curto. Parabéns, vou seguir teu blog mais.

Carlos Leen disse...

Ola André:
Estou tomando a iniciativa de publicar este excelente texto no nosso site de cultura e meio ambiente www.pracadacultura.com
Parabens pelo trabalho companheiro !

Anônimo disse...

e pensar q existe até site de lixo nazista que tb usa a MatriX como referênciaa...

nacional-socialismo (ponto) com

Carlos disse...

Como assim de esquerda?A matrix não seria o sistema comunista que não deixa as pessoas verem a verdade?

Assim como ocorre em Cuba e China e ocorreu na Uniao Sovietica de Stalin?

Anônimo disse...

André, acho que vc tem que sair da matrix da esquerda também.

André Lux disse...

Não existe "Matrix de esquerda". A Matrix é de direita. Ser de esquerda é, por definição, estar fora da Matrix ou pelo menos lutar contra ela.

Anônimo disse...

A realidade virtual (a matrix) em que vivem os humanos é o capitalismo. E no filme é dito que é a melhor simulação da realidade para os humanos. Sociedades alternativas (como o socialismo) seriam incompatíveis com a natureza humana... Aí temos uma discussão, as maquinas eram sinceras, e o socialismo é inconsistente, ou eram cínicas e faziam os humanos viverem de forma individualista para evitar uma uniao?

Lucas Lima disse...

Os irmãos Wachawsky sao de esquerda! Eh só voces verem o filme V de Vingança pra ter certeza.

Rodrigo disse...

Socialismo, e imagino que esteja falando do socialismo científico, comunista, marxista, leninista ... não é uma "sociedade alternativa", é um estágio social, político e econômico que constrói o poder do proletariado, sua ditadura contra a burguesia. Ele não é construído paralelamente ao poder da burguesia, como foi a Colônia Cecília aqui no Brasil. "Sociedade alternativa" são defendidas por anarquistas, porque essa parece ser a única maneira de haver um anarquismo prático no mundo; vide o processo de surgimento de Christiania.

E não existe uma "natureza humana" que, como você deixa implícito, é uma tal "natureza egoísta". Isso é dogma liberal sem pé nem cabeça. A "natureza humana" é a mesma natureza, instintiva, biológico, dos outros primatas, principalmente os grandes primatas, nossos parentes biológicos. Leia Desmond Morris.

Marcelo Delfino disse...

Gostei do texto.

Se bem que a Coca-Cola, o Santander, o Bradesco, o América carioca, o Inter de Porto Alegre, o Partido Colorado do Paraguai e o Partido Republicano dos EUA também são vermelhos. Mas não tem nada de esquerda neles. Muito pelo contrário.

Tiago Matos disse...

Você foi bem, mas para entender Matrix melhor é importante entender os conceitos budistas que fazem de Matrix um filme teoricamente budista.

Acho muito interessante como certos filmes de ficção científica incentivam a busca mística. É observável o interesse progressivo e "silencioso" por certas religiões ou doutrinas no mundo. Enquanto que a maioria prefere se embriagar com a Matrix.

Marcelo Delfino disse...

Esses filmes têm mesmo umas questões filosóficas vindas de várias crenças. A própria franquia Matrix está carregada de filosofia budista, como também de filosofia cristã, dada a presença do protagonista Neo, tido como O Escolhido (o análogo de Jesus no Cristianismo). Bem antes de Matrix, havia a saga Star Wars, também misturando budismo (o que não eram os Jedi senão algo como monges budistas guerreiros?), cristianismo (mais uma vez a noção do Escolhido, ora Anakin, ora seu filho Luke) e outras crenças que deram origem à noção da Força.

Marcelo Dias disse...

Tá. Agora, imagine a Matrix como o Estado e os seres humanos como fonte de energia (impostos), que alimenta o ente estatal para a manutenção da estrutura. O Estado se encarrega de manter a ilusão de que cuida de tudo, num mundo maravilhoso, e para tanto necessita de mecanismos violentos para se defender e manter os status quo. Precisa de cada vez mais energia e, para isso, amplificam-se os meios de obtenção de matéria prima. Eventuais insurgentes são neutralizados violentamente (ditadura). Enquanto isso, o povo escravizado e fonte de energia é permanente iludido mediante provisões estatais.
Sei não, mas isso me parece socialismo...

André Lux disse...

Resumindo: não entendeu Matrix e não sabe o que é socialismo...

João Pedro Polini disse...

Cara você resumiu o filme baseado no seu ponto de vista esquerdista. Onde que Che Guevara foi um herói? Matando inocentes? Tanto é que o "mestre" de Che Guevara (Fidel Castro) mandava fuzilar quem ousasse se manifestar em cuba. Liberdade é socialismo são coisas totalmente diferentes.

André Lux disse...

Che Guevara é herói em Cuba e também para milhões de pessoas que entendem a luta dele e de Fidel. Sobre matar inocentes... Neo e Triniti mataram quantos policiais só naquela luta no saguão do prédio, quando foram salvar Morpheus? Eles não eram vilões, eram apenas soldados enviados para proteger o local e muitos ainda foram usados pelos Smiths... Ou seja, você não entendeu o filme nem o meu texto.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...