Postagem em destaque

Blogueiro pede a sua ajuda!

Ajude este humilde blogueiro a continuar seu trabalho! Sempre militei e falei sobre cinema e outros assuntos sem ganhar absolutamente nada ...

sábado, 22 de abril de 2017

Blogueiro pede a sua ajuda!

Ajude este humilde blogueiro a continuar seu trabalho! Sempre militei e falei sobre cinema e outros assuntos sem ganhar absolutamente nada e como hobby, porém devido à situação dramática que o país se encontra depois que a direita destruiu a economia para derrubar o PT, vender o país aos gringos e destruir os direitos dos trabalhadores, estou passando por necessidades! 

Peço a ajuda de vocês, leitores, que gostam do Tudo Em Cima e das minhas análises. Para isso, basta você clicar no botão abaixo e ir para o site Padrim, onde poderá escolher a melhor forma de "apadrinhar" o meu blog. Pode ser pagamento via boleto ou no cartão de crédito, nos valores que desejar. 
Clique na imagem e vá para o site de apadrinhamento


segunda-feira, 17 de abril de 2017

DIA DA INFÂMIA COMPLETA UM ANO COM BRASIL EM RUÍNAS

Um ano atrás foi escrita a página mais vergonhosa da história brasileira: a "assembleia de bandidos presidida por um bandido", como definiu o escritor Miguel Sousa Tavares, permitiu a abertura de um processo de impeachment sem crime de responsabilidade – ou seja, um golpe – contra a presidente Dilma Rousseff; decorridos 12 meses, o Brasil se tornou uma nação arruinada econômica e moralmente; mais do que isso, todos os protagonistas do golpe foram desmascarados.

- do site Brasil 247

A Vingança dos Sith: a vida imita a arte
Há exatos doze meses, no dia 17 de abril de 2016, a Câmara dos Deputados escreveu uma das páginas mais vergonhosas da história do Brasil. Numa sessão em pleno domingo, presidida por Eduardo Cunha (PMDB-RJ), parlamentares investigados por corrupção acolheram um pedido de impeachment sem crime de responsabilidade contra a presidente Dilma Rousseff, reeleita com 54 milhões de votos. 

Abriu-se ali o roteiro de um golpe parlamentar que arruinou a economia brasileira, que encolheu quase 10% desde então, e desmoralizou a imagem do Brasil no mundo. De país admirado pela melhoria dos indicadores sociais, o Brasil voltou a ser uma típica república baneneira, marcada por golpes rastaqueras.

Naquele mesmo dia, o escritor português Miguel Souza Tavares fez a definição precisa – e antológica – para a sessão: uma assembleia de bandidos presidida por um bandido.

Um ano depois, é impossível não lhe dar razão. O parlamentar que presidiu a sessão, Eduardo Cunha, hoje está preso em Curitiba, condenado a mais de 15 anos, por corrupção, evasão de divisas e lavagem de dinheiro. O senador Aécio Neves (PSDB-MG), agitador do golpe, é hoje um dos políticos mais desmoralizados do País, acusado de receber mais de R$ 50 milhões para favorecer empreiteiras, sendo o recordista de pedidos de inquéritos no Supremo Tribunal Federal – cinco, ao lado de Romero Jucá (PMDB-RR), que dizia ser necessário derrubar Dilma para estancar a sangria da Lava Jato. 

Também presente naquela fatídica sessão, o deputado Bruno Araújo (PSDB-PE), que chorou ao dar o voto decisivo para o acolhimento do golpe parlamentar, hoje é um dos oito ministros de Michel Temer denunciados ao Supremo Tribunal Federal.

Enquanto isso, Dilma Rousseff segue de pé em sua luta para devolver a democracia ao Brasil e foi aplaudida em todas as universidades em que discursou nos Estados Unidos. A narrativa das "pedaladas fiscais", pretexto para o golpe, foi desmoralizada pelo próprio Michel Temer, em entrevista concedida à TV Bandeirantes neste sábado. Nela, Temer confessou que Dilma só foi derrubada porque não garantiu os três votos no conselho de ética que poderiam ter salvo seu parceiro Eduardo Cunha. 

Ou seja: Dilma caiu porque não se dobrou a um chantagista (leia mais aqui). Nesta segunda-feira, seu advogado, José Eduardo Cardozo, juntará como prova no processo que questiona o mérito do impeachment e pede a anulação do golpe a prova fornecida pelo próprio Temer (leia mais aqui).

quinta-feira, 30 de março de 2017

Filmes: "Fragmentado"

VOLTA POR CIMA

Longa de suspense e terror conta com atuação impressionante de James McAvoy e marca o retorno do diretor de “O Sexto Sentido” à boa forma

- por André Lux, crítico-spam

Fazia muito tempo que o diretor M. Nigh Shyamalan não acertava uma. Depois de uma estreia retumbante com o ótimo “O Sexto Sentido”, seguida pelo interessante “Corpo Fechado”, sua carreira desceu ladeira abaixo alternando filmes apenas ruins (“A Vila”, “Sinais”) com outros francamente ridículos (“Fim dos Tempos”, “A Dama na Água”), ao ponto de começar a ficar escondido nas peças publicitárias de filmes como “Depois da Terra”.

A verdade é que o sucesso lhe subiu à cabeça e começou a acreditar que qualquer roteiro criado por ele merecia virar longa metragem. Enquanto o público embarcou os estúdios continuaram a lhe dar carta branca, mas logo a farsa veio à tona e as torneiras de Hollywood começaram a ser fechadas para ele.

Mas isso foi bom, pois o obrigou a repensar a carreira e passar a produzir filmes mais baratos e melhor resolvidos, sem tanta besteira e pretensão. É o caso deste “Fragmentado”, um longa de suspense psicológico com pitadas de terror que deve muito do seu sucesso à atuação espetacular do jovem James McAvoy, sem dúvida um dos melhores atores de sua geração, que foi descoberto na minissérie “Os Filhos de Duna”, onde já demonstrava imenso carisma e domínio de cena, e que depois fez carreira meteórica vivendo inclusive o Professor X nos novos “X-Men”, mas também estrelando filmes de arte como “Desejo e Reparação”.

Ele faz o papel de um sujeito que sofre de um distúrbio psiquiátrico causado por abusos paternos que o deixa com 23 personalidades diferentes. As mudanças entre uma personalidade e outra são feitas de maneira exemplar por McAvoy sem nunca cair para a caricatura ou exagero, exceto quando o roteiro pede por isso.

Shyamalan, autor da história, acerta também na caracterização de uma das vítimas do protagonista, pintada como uma jovem que vamos descobrindo ao longo da trama também ser vítima de abusos. A personagem é feita por Anya Taylor-Joy em excelente caracterização, alternando momentos de fragilidade e força de forma convincente.

Felizmente, o cineasta não apela para sustos fáceis ou truques batidos do gênero, preferindo investir na relação entre os protagonistas, num clima de tensão e na sutiliza, o que fica muito evidente durante as sessões de psicoterapia que se tornam um verdadeiro duelo de atuações entre McAvoy e sua psiquiatra, feita por Betty Buckley.

Como nem tudo é perfeito, o personagem da médica acaba sendo o único ponto mais fraco da trama, pois suas ações perto do final são completamente ilógicas e servem apenas para impulsionar a trama. Outro problema é que uma pessoa com uma patologia mental tão grave e já diagnosticada jamais seria aceita num emprego normal e é mais provável que estaria internado em uma instituição psiquiátrica. Mas não chega a atrapalhar muito o resultado final.

Shyamalan ainda se dá ao luxo de amarrar “Fragmentado” ao universo apresentado em “Corpo Fechado”, com direito até a uma ponta de Bruce Willis, sem que isso soe intrusivo ou fora de contexto. Vale a pena assistir, nem que seja só para conferir a atuação impressionante de McAvoy.

Cotação: * * * *

Filmes: "A Bela e a Fera" (2017)

ANIMAÇÃO, O FILME?

Não vejo muita lógica em adaptar um desenho animado com atores que contracenam com... desenhos  animados!

- por André Lux, crítico-spam

A Disney continua com sua nova política de adaptar com atores reais suas animações. Depois de “Malévola” e “Cinderela”, chega agora “A Bela e a Fera”, que é uma adaptação quase literal do desenho lançado nos cinemas em 1991, grande sucesso de público na época.

Implico de cara com o fato de quase todo o filme ser feito em computação gráfica, principalmente o personagem da Fera, todos os coadjuvantes do castelo que viraram utensílios domésticos e grande parte dos cenários. Ou seja, temos aqui alguns atores de carne e osso contracenando com o que são basicamente... desenhos animados! Sinceramente, não vejo muita lógica nisso, já que a proposta era o contrário.

Enfim, se você conseguir esquecer isso e o fato de que temos aquela péssima história da vítima que se apaixona pelo seu captor (conhecida como "Síndrome de Estocolmo"), o filme tem seus encantos e conta com uma boa trilha sonora de canções já clássicas e algumas novas compostas especialmente para ele. 

Todavia, não foi boa ideia escalarem Emma Watson (de “Harry Potter”) para viver Bela, pois ela é uma moça apática e sem grande carisma, o que destoa da caracterização forte e aguerrida da personagem. O ator que arrumaram para ser a Fera, Dan Stevens (da série “Downtown Abbey”), também é muito fraco, embora não atrapalhe enquanto apenas faz a voz e os trejeitos do boneco digital.

Computação gráfica não deixa de ser apenas um desenho animado 
O restante do elenco de “humanos” é muito ruim, especialmente o sujeito que faz Gaston (Luke Evans, de “O Hobbit”) e seu ajudante, que é feito por um rapaz gordo com trejeitos de gay, ambos canastrões e caricatos. Kevin Kline, como o pai de Bela, é desperdiçado e não tem nada a fazer exceto parecer desanimado e os atores que dublam o restante dos personagens criados em computação gráfica só aparece em pontas no começo e no final.

Não gostei também do desenho de produção, da maquiagem e dos figurinos exagerados, feitos em estilo barroco, o que deixa tudo pesado e poluído, bem diferente do estilo leve da animação. A vila em que vive Bela também é muito mal caracterizada, toda espremida no topo de uma montanha.

Claro que a maioria das pessoas não dá a menor bola para todas essas restrições e está adorando o filme que já se tornou um grande sucesso de bilheteria. Mas é inegável que a animação original e até mesmo a versão francesa feita por Christophe Gans em 2014 eram melhores.

Cotação: * * *

domingo, 12 de março de 2017

Filmes: "Kong: A Ilha da Caveira"

MACACO BATIDO 

Não chega a ser tão ruim quanto o “King Kong” do Peter Jackson, mas não é nem de perto a aventura palpitante e original que o trailer fazia prever.

- por André Lux, crítico-spam

É difícil entender essa obsessão que o cinema comercial estadunidense tem com macacos. Vira e mexe aparece um filme com eles como protagonistas nas telas. A mais vista é a história do King Kong, que já teve trocentas versões e agora ressurge nesse “Kong: A Ilha da Caveira”. Não chega a ser tão ruim quanto o “King Kong” do Peter Jackson, mas não é nem de perto a aventura palpitante e original que o trailer fazia prever.

Apesar de realmente ter algumas sequências muito interessantes e bem fotografadas, “Kong” erra ao não investir num enredo minimamente original, limitando-se à batida fórmula de colocar um grupo de pessoas perdidos na floresta tentando ir do ponto A ao ponto B dentro de uma janela de tempo específica, enquanto são atacados por todos os tipos de criaturas.

Embora tente construir um clima de suspense em relação ao que os cientistas poderão encontrar na Ilha da Caveira, o roteiro faz com que todos sejam derrubados por um ataque do gorila gigante logo de cara em uma sequência que, embora muito bem feita, acaba sendo por demais inverossímil e irritante até. Afinal, não seria possível que todos aqueles helicópteros ficassem praticamente parados à frente do King Kong ou rodando em volta dele ao alcance do seu braço! É uma situação por demais forçada só para fazer com que todos se esborrachem na ilha e sejam obrigados a improvisar com o que restou dos equipamentos para tentar escapar.

Não há qualquer tentativa de aprofundar os personagens ou mesmo construir relações plausíveis entre eles, sobrando para o pobre Tom Hiddleston (o Loki, de “Thor”) a ingrata tarefa de soltar frases de efeito e bancar o herói. Samuel L. Jackson se perde num personagem tosco e apela para caretas indignas de seu talento, enquanto coadjuvantes do peso de um John Goodman são completamente desperdiçados. O único que livra a cara é John C. Riley que faz um soldado que caiu na ilha durante a segunda guerra mundial e aparece com uma barba hilária e solta as melhores tiradas do filme.

Apesar de ter sido produzido pelo mesmo pessoal que fez o novo “Godzilla”, esse filme não tem nada do charme e originalidade dele, que ao menos tinha um roteiro o qual tentava contar uma história minimamente diferente do habitual “monstro invade cidades e destrói tudo enquanto o exército o ataca” e fazia de tudo para esconder a criatura até a apoteose final. Aqui vão direto na jugular do espectador, mostrando Kong e os outros monstros de cara e de forma excessiva, o que apenas ajuda a diluir qualquer tentativa de suspense, fator que é exacerbado pelo falta de carisma dos personagens humanos e a insistência deles em agirem como perfeitos imbecis o tempo todo.

Os efeitos especiais são bons, porém repetitivos e as supostas homenagens a outros filmes, como “Apocalipse Now” e “Platoon” parecem mais paródias. A trilha musical composta por um dos clones do abominável Hans Zimmer também não deixa qualquer marca, o que é lamentável para esse tipo de obra.

Pode ser que eu tenha entrado com a expectativa alta demais, mas a culpa é dos trailers que venderam o filme com algo que ele não é. Dá pra assistir, porém conseguiram, assim como Peter Jackson, fazer algo pior do que a versão de 1976 que mostrava um homem fantasiado de King Kong pisando em miniaturas...

Cotação: * * 1/2

quarta-feira, 8 de março de 2017

Filmes: "Logan"

CANSOU

Filme não cumpre o que prometia e funciona mais como despedida de Hugh Jackman ao personagem


- por André Lux, crítico-spam


“Logan” é certamente o melhor filme solo do Wolverine, o mais idolatrado dos X-Men. Mas isso não quer dizer muito, afinal os dois primeiros foram bem ruinzinhos. Hugh Jackman faz sua nona aparição como o personagem nos cinemas e promete que é a última (mas nunca diga nunca em Roliudi!). Ele nem faz muita questão de esconder o cansaço que sente em atuar na pele do mutante nervosinho novamente.

A melhor coisa do filme é o primeiro ato, que mostra Logan no futuro, algo em torno de 2029, completamente exaurido e vendo seus poderes de regeneração cada vez mais fracos, ao que parece por causa de envenenamento pelo Adamantium (mas isso não é explorado satisfatoriamente). Ele ganha a vida dirigindo uma limusine enquanto vive escondido no meio do deserto, junto com dois outros mutantes, sendo um deles o professor X (o sempre confiável Patrick Stewart) que aqui vive sob o efeito de remédios que o impedem de ter convulsões poderosas que podem causar fatalidades (fala-se um pouco sobre um evento desses que teve trágicas repercussões, inclusive sobre os X-Men, porém é tudo bem vago e mal explorado).

Os produtores do novo filme parecem ter finalmente ouvido os fãs do personagem que sempre reclamaram da violência “censura livre” dos longas anteriores e aqui, pela primeira vez, vemos o Wolverine arrancando sangue de seus antagonistas, muitas vezes de forma gratuita e exagerada.

“Logan” esquenta quando entra em cena uma menina mutante que pode ou não ser filha dele e possui os mesmos poderes. Ela está sendo perseguida por algum tipo de agência não-governamental e a cena de luta e fuga do esconderijo no deserto é realmente muito boa e emocionante justamente por fugir dos clichês do gênero.

Pena que o filme tenha que continuar e, depois de outra boa cena dentro de um hotel, comece então a derrapar, tornando-se apenas mais um daqueles filmes de perseguição de gato e rato, com os protagonistas sempre um passo à frente dos perseguidores. A partir daí “Logan” repete velhos clichês e torna-se banal. Algumas coisas são irritantes, como eles aceitarem o convite de uma família para jantar, quando obviamente já deveriam estar carecas de saber (especialmente o professor X) o que esse tipo de envolvimento com civis inocentes vai acarretar.

Outra cena ridícula é quando assistem a um vídeo de celular onde uma pessoa explica didaticamente as ações dos vilões no laboratório, toda editada, com narração e cenas que a pessoa certamente não teria como filmar. Uma bobagem inacreditável e dispensável.

Não faz muito sentido a obsessão dos bandidos em perseguir os fugitivos, muito menos seus planos. Aparece até um clone do Wolverine, mais indestrutível ainda, mas que pouco acrescenta e só serve para deixar tudo mais confuso e repetitivo. No final vira uma besteira de perseguição no meio do mato, com o protagonista correndo e matando gente entre uma árvore e outra em uma sequência praticamente idêntica ao que já vimos no segundo “X-Men”. Sua opção por ajudar os fugitivos também soa forçada, afinal não conseguiram firmar um vínculo emocional entre eles. Nem mesmo a derradeira cena do personagem título tem muito impacto, parece telegrafada e só vai emocionar mesmo os fãs mais ardorosos.

O filme vem recebendo muitos elogios, mas não chega a cumprir o que prometia. É uma pena, pois Wolverine certamente merecia bem mais que isso...

Cotação: * * *

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Marisa Letícia Lula da Silva: Golpe produz seu primeiro cadáver

NÃO HÁ DE SER INUTILMENTE

A perseguição ignóbil ao marido Lula, aliada à permanente divulgação de boatos sobre os filhos, certamente contribuíram para que Dona Letícia tivesse a saúde atingida.

- por Leandro Fortes, jornalista

A imagem pode conter: 1 pessoa, texto

A morte de Dona Marisa Letícia é o triunfo físico da narrativa de ódio reinaugurada pela direita brasileira, a partir da vitória eleitoral de Dilma Rousseff, em 2014, contra as forças reacionárias capitaneadas pela candidatura de Aécio Neves, do PSDB.

Em sua insana odisseia pela retomada do poder, ainda quando o TSE contabilizava os últimos votos das eleições presidenciais, Aécio e sua turma de mascarados se agregaram, não sem uma sinalização evidente, aos primeiros movimentos da Operação Lava Jato e com ela partiram, sob os auspícios do juiz Sergio Moro, para a guerra de tudo ou nada que se seguiu.

Foi esse conjunto de circunstâncias, tocado pela moenda de antipetismo e ódio de classe azeitada diuturnamente pela mídia, que minou a saúde de Dona Marisa, não sem antes submetê-la ao tormento da perseguição, do constrangimento, da humilhação pública, da invasão cruel e desumana de sua privacidade.

A perseguição ignóbil ao marido, Luiz Inácio Lula da Silva, aliada à permanente divulgação de boatos sobre os filhos, certamente contribuíram para que Dona Letícia, a discreta primeira-dama nascida na luta e na construção dos Partidos dos Trabalhadores, tivesse a saúde atingida.

Para atingir Lula, a quem não tiveram coragem de prender, o esgoto da mídia e seus serviçais da política envenenaram a nação com ódio, rancor e ressentimento, nem que para isso fosse preciso atingir a vida de toda a família do ex-presidente.

Nem que para isso fosse preciso levar à morte uma mulher digna, honesta e dedicada aos seus e ao País.

Não sem antes vazar as imagens de sua tomografia cerebral, como um troféu grotesco de certo jornalismo abjeto oferecido às hienas que dele se alimentam.

Todos sabemos os nomes, os cargos, as redações e as togas de cada um dos responsáveis pela morte de Dona Marisa.

Na hora certa, daremos o troco.

A imagem pode conter: 6 pessoas, multidão e texto

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Filmes: "Animais Noturnos" (*spoilers*)

MONSTROS HUMANOS

"Quem são esses animais noturnos que, travestidos de seres humanos, andam pelo mundo destruindo a vida de quem ousa amá-los, sem compaixão, empatia ou remorso?", questiona o diretor Tom Ford.

- por André Lux, crítico-spam


“Animais Noturnos” é um filme brutal, difícil de assistir, porém excepcional na forma como traduz em palavras e imagens a dor experimentada por alguém que teve sua vida destruída por uma pessoa na qual confiava cegamente e para a qual se entregou de corpo e alma.

"Quem são esses monstros que, travestidos de seres humanos, andam livremente pelo mundo destroçando a vida de quem ousa amá-los, sem qualquer traço de compaixão, empatia ou remorso?", questiona o diretor e roteirista Tom Ford.

Trata-se de um “filme dentro de um filme”, no qual a protagonista Susan (feita pela doce Amy Adams) recebe o manuscrito de um livro escrito pelo seu ex-marido Edward (Jake Gyllenhaal, perfeito com sua eterna cara de bom moço), que ela traiu e abandonou no momento em que ele estava mais fragilizado há mais de 20 anos em troca de uma vida frívola ao lado de um homem arrogante e ambicioso, tudo que o outro não era.


Uma das cenas mais emblemáticas do filme se dá quando Susan vai jantar com sua mãe conservadora, racista, homofóbica e que é totalmente contra seu casamento com Edward, o qual ela julga “fraco e pobre”, fatores que, segundo ela, hoje encantam a filha, mas que com o tempo vão afastá-la dele. “Não sou como você, mãe”, responde a moça de maneira petulante, recebendo como resposta a lapidar frase: “Não é agora, querida. Mas no final, todas nos tornamos iguais aos nossos pais”.

Embora rica e vivendo uma vida regada a festas e vernissages (ela e o marido são promotores de artes), Susan é infeliz, vazia e vê seu marido tornando-se cada vez mais frio e distante, ao ponto de nem tentar disfarçar mais que a trai regularmente com mulheres mais novas.


A mãe à filha: "Eu sou você, amanhã"
Já o livro do ex-marido mostra uma família composta por um casal e sua filha viajando pelas estradas do Texas de noite. A uma certa altura, são abordados por caipiras bêbados liderados por um psicopata que acabam estuprando e matando as duas mulheres, deixando Edward para viver com a culpa e a dor de não ter tido forças para reagir e salvar a sua família (ele foi “fraco”). A investigação é comandada por um policial feito pelo Michael Shannon, o Zod do horrível “Homem de Aço”, que vai encontrando os criminosos um a um, sempre com a presença de Edward. No final, o protagonista mata os assassinos de sua família, mas acaba também morrendo no processo.

Ao mesmo tempo em que lê o livro angustiada, Susan vai relembrando de sua vida ao lado de Edward, da cumplicidade e do amor que sentiam um pelo outro e, principalmente, da maneira fria e calculista com que o abandonou, jogando nas costas dele todos os motivos pelo suposto fracasso da relação (ele é "fraco", humilha ela). Não bastasse isso, ela faz um aborto e “mata” o filho dos dois, já acompanhada e motivada pelo novo namorado.


Graças à leitura do livro e das memórias da vida anterior, Susan começa a se sentir humana novamente e marca um encontro com Edward em um restaurante chique, só para ficar horas esperando por ele, que não aparece. O filme termina com um close de sua face angustiada. Só ali, no final, é que ela se dá conta do que se tratava realmente a estória narrada no livro do ex-marido: ao abandoná-lo e tirar o filho dele, ela destruiu sua vida, o matou de certa forma, assim como fizeram os psicopatas no livro ao matarem a família do protagonista. 

Assim, o livro de Edward era de certa forma uma catarse e também uma vingança, pois mostrava que no final das contas quem havia morrido era Susan, justamente por ter matado a única coisa realmente boa que teve na vida. E tudo isso em troca de frivolidades e da busca por prazeres mundanos totalmente desprovidos de humanidade e de sentido. O desespero demonstrado por Amy Adams na cena derradeira de “Animais Noturnos” é a constatação de que a protagonista havia, afinal, entendido que era ela quem estava morta em vida há muito tempo e não Edward, como ela e o atual marido costumavam debochar.

Infelizmente, esse tipo de “revelação” só acontece nos filmes, já que os “animais noturnos” como os descritos na obra são, com raríssimas exceções, incapazes de autocrítica e jamais entenderão ou mesmo se importarão com as vidas que destruíram em seu caminho rumo à conquista de suas ambições fugazes, sejam elas quais forem. Todavia, a arte permite às pessoas que passaram por esse tipo de experiência monstruosa que se expressem e se conectem com outros, promovendo ao menos algum tipo de reflexão e regozijo ao saber que não estão sozinhas. E ainda dá uma bofetada na cara dessa atual sociedade do consumo onde sensibilidade e fragilidade são cada vez mais rotuladas como fraqueza, principalmente nos homens.

“Animais Noturnos” é um daqueles filmes que vão passar em branco para a maioria das pessoas, até porque tem um final aberto e vai exigir um mínimo de inteligência do espectador para conectar os pontos e fechar o quadro maior, algo cada vez mais raro nos dias de hoje.

É um prato violento, angustiante e difícil de digerir, mas é uma experiência visceral que, de certa forma, ajuda a encarar monstros internos que só serão realmente derrotados quando forem entendidos e, acima de tudo, perdoados. Algo que eles jamais fariam a si mesmos caso tivessem algum tipo de consciência.

Cotação: * * * * *
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...