Postagem em destaque

SEJA UM PADRINHO DO TUDO EM CIMA!

Contribua com o Tudo Em Cima!   Para isso, basta você clicar no botão abaixo e ir para o site Padrim, onde poderá escolher a melhor forma d...

sábado, 12 de setembro de 2020

Minha reação ao trailer do novo "Duna"

Música de "Krull" é a obra-prima do compositor James Horner


Filme lançado em 1983 tem umas das melhores trilhas sonoras do gênero fantasia. Orquestra Sinfônica de Londres e Coral Ambrosian Singers em desempenho primoroso sob a batuta de Horner.

Seja um padrinho do meu canal! Acesse:
https://www.padrim.com.br/tudoemcima

quinta-feira, 10 de setembro de 2020

"Destino de Uma Nação" vale pela atuação impressionante de Gary Oldman

 

Cinebiografia de Winston Churchill não tem medo de mostrar o lado controverso do primeiro-ministro britânico, mas passa longe de abordar a simpatia que a elite europeia sentia por Hitler e o seu nazismo.

Por que o ARROZ está tão caro?


Luís Nassif explica como a queima de estoques reguladores da Conab pelo governo Bolsonaro se relaciona com a explosão nos preços do arroz.

quarta-feira, 9 de setembro de 2020

MEMÓRIAS DE UM ALIENADO: Como deixei de ser um "papagaio de direita"

Neste texto dividido em três partes, eu conto como deixei de ser um "papagaio da direita". Não fosse por alguns fatos que aconteceram em minha vida e serviram para abrir meus olhos, fatalmente eu seria hoje aquele mesmo adolescente alienado, ignorante e raivoso

- por André Lux, jornalista

Parte 1: 
EU TAMBÉM FUI PAPAGAIO DA DIREITA


Quem visita meu blog e lê meus textos com certeza deve pensar que sou socialista desde o meu nascimento e fui criado por pais radicais de esquerda, que fizeram treinamento de guerrilha em Cuba e lutaram contra a ditadura militar...

Nada mais longe da verdade. Muito pelo contrário.

Nasci em uma típica família de classe média baixa, mas que sonhava pertencer à elite mundial. Daí que, durante toda minha infância e juventude, morei em casas (alugadas) em bairros semi-nobres a preços absurdos, enquanto era transportado numa Brasília amarela e via meus pais desesperados tentando cobrir o rombo no cheque especial todo santo mês.

Mas, como que para provar nossa posição entre a elite, éramos sócios do segundo clube no nível hierárquico sócio-econômico da cidade, o Tênis Clube de Campinas. Sim, porque o número 1 na escala social era a Sociedade Hípica, cuja maioria dos sócios podres de ricos também frequentava o Tênis, embora o contrário não acontecesse (exceto quando éramos convidados para algum casamento realizado no gigantesco salão de festas daquele clube - não por acaso adaptado em uma Casa Grande de algum antigo barão do café).

Sempre fui cercado por parentes e amigos que, mesmo sendo honestos e trabalhadores, não tinham a visão crítica necessária para compreender como as coisas funcionavam. Meus familiares limitavam-se a repetir o que ouviam, liam e viam na mídia, especialmente na rede Globo, nas revistonas e nos jornalões (que apoiaram o golpe militar, embora hoje finjam que não). 

Assim, tinham medo de comunistas, pois diziam que comiam criancinhas e dividiam a casa das pessoas ao meio (o fato de não termos imóvel próprio não parecia contradizer esse receio), achavam que Che Guevara era um “baderneiro profissional” (ser pago para fazer baderna, isso é que é profissão!), acreditavam que o Brasil tinha tantos problemas “porque pobre não gosta de trabalhar” (usar o salário mensal só para pagar contas e cobrir o rombo no cheque especial, imaginavam, não era coisa de pobre) e por aí vai.


Nem preciso dizer que, obviamente, eu também repetia tudo isso e acreditava no que estava falando, mesmo sem ter o menor embasamento teórico ou prático para tanto. 

Minha vida escolar foi uma piada. Estudei em colégio particular (de freiras!) do maternal ao ensino médio. 

Para se ter uma ideia do desastre que isso significa (com raras e nobre exceções entre meus professores), nasci em 1971 e cheguei até o final da minha fase educacional básica sem nem saber que vivíamos sob um regime ditatorial ilegal e imoral.

Enquanto eu brincava no clube despreocupado, assistia à televisão ou passava a manhã inteira decorando datas e fórmulas matemáticas de maneira acrítica e alienante, centenas de brasileiros e vizinhos de continente eram torturados e mortos simplesmente por se opor àqueles regimes ditatoriais apoiados e financiados pelos EUA. No máximo, eu ouvia algo como “Bem feito pra esses baderneiros, quem mandou serem do contra?” quando alguém tocava no assunto.

Se vocês acham que estou mentindo, relaciono abaixo fatos que marcaram essa fase lamentável da minha existência:

1) Vi o filme “Comando para Matar”, aquele em que o Arnoldão detona sozinho um exército inteiro de cucarachas sul americanos, nada menos do que seis vezes nos cinemas (e contava para todo mundo orgulhoso!);

2) Iniciava comentários com as frases “Eu vi na Veja” ou “Assisti na Globo”;

3) Ridicularizava quem dizia que existia racismo no Brasil, mesmo não tendo nenhum amigo ou conhecido negro, exceto a empregada que a gente desprezava, e repetindo “piadas” do tipo “sabe qual a diferença entre um negro e uma latinha de (censurado)?”;

4) Sentia prazer em irritar petistas, repetindo jargões que são usados até hoje (“Lula é vagabundo, ex-presidiário, arrancou o dedo para não precisar mais trabalhar”, “Sindicalista só sabe fazer baderna”, “Petista é tudo igual", "Se gosta tanto de Cuba, por que não vai pra lá plantar cana??”). Isso mesmo sem conhecer absolutamente nada de política, sociologia ou história;

5) Acreditava que o Stallone, o Arnoldão e o Chuck Norris lutavam pela liberdade, pela democracia e pela justiça para nos salvar dos vilões comunistas (eu tinha até pôster deles no meu quarto) e que os Bandeirantes foram corajosos desbravadores dos sertões brasileiros;

6) Vivia falando mal do Brasil e do “povo” brasileiro (do qual eu não fazia parte, é claro, afinal meus bisavôs eram europeus) e começava a concluir esse tipo de argumentação com a frase “Ah, mas lá nos Estados Unidos...”;

7) Passava a tarde inteira e o domingo inteiro na frente da TV, assistindo qualquer porcaria, e só ia dormir depois de ver o Fantástico, sempre deprimido por lembrar que no outro dia voltavam as aulas e eu não havia feito a lição de casa nem decorado a matéria para as provas;


8) Cantava a música “Vamos Construir Juntos!” (que eu sei de cor até hoje!) e colecionava o álbum de figurinhas do “Paulistinha”, que faziam parte do marketing institucional do governo ditatorial para nos convencer que o Brasil era "o país do futuro";

9) Assistia às novelas da rede Globo, embora ficasse falando mal delas (porque naquela época, macho que era macho não via novela, a não ser para reclamar);

10) Ficava realmente preocupado com a situação da Ponte Preta no campeonato paulista;

11) Comemorava toda vez que um novo McDonald’s era inaugurado no Brasil, pois era sinal de que o país estava progredindo (sim, eu também acreditei na ladainha sobre as maravilhas da "globalização neoliberal");

12) Queria ser astronauta da NASA quando crescesse (mas, desisti depois que me falaram que eles têm que ser bons em matemática);

13) Proferia afirmações como "não voto em partidos, mas em pessoas" (isso porque eu nem podia votar!), pois tinha aprendido que partidos eram coisas ruins e inúteis (assim, quando algum político de direita caia em desgraça, era culpa só dele, não do partido), especialmente aqueles que defendiam ideologias de esquerda;

14) Ideologia também era outro palavrão, coisa de baderneiro profissional, por isso eu também dizia, todo faceiro: "Não existe esse negócio de esquerda e direita, isso é coisa de gente revoltada que não gosta de trabalhar e só sabe ser do contra!".


Isso só para ficar no básico. Tenho certeza que você já testemunhou alguém falando ou fazendo coisas parecidas, certo?

Sinceramente, eu era um caso quase sem salvação.

Mas a sorte sorriu para mim.

Não fosse por alguns fatos que aconteceram em minha vida e serviram para abrir meus olhos, fatalmente eu seria hoje aquele mesmo adolescente alienado, ignorante e raivoso. 

Só que pesando 50 quilos a mais, com barba na cara e com um daqueles adesivos nojentos quatro-dedos dizendo "Fora Lula!" colado no vidro do carro.

*As imagens dessa postagem são do filme "Pink Floyd - The Wall", do Alan Parker

Parte 2: 
SAINDO DA MATRIX
.

Antes de prosseguir com o relato do meu processo de “abertura dos olhos”, gostaria de esclarecer um ponto. 

Pode ser que meu texto anterior tenha passado a impressão de que sou um sujeito rancoroso, recalcado, que culpa e recrimina os pais e os amigos pelo processo de alienação pelo qual fui submetido durante a infância e a juventude.

Embora seja verdade que esses sentimentos venham à tona quando você percebe que foi, para colocar de maneira bem simples, enganado e induzido por pessoas que gostava a pensar de uma certa forma que não condiz com a realidade, é verdade também que fica fácil entender suas ações e perdoá-los.

Afinal, eles também foram enganados e induzidos durante toda sua vida para pensar e agir daquela forma e, infelizmente, acreditavam estar fazendo o melhor, sem condições ou vontade de quebrar aquele ciclo de alienação e dominação ideológica que os massacrava e os manipulava como gado que vai cantando feliz rumo ao matadouro.

Quando lembro, com um frio na espinha, que eu mesmo poderia estar assim até hoje - cheio de medo, ódio, intolerância e preconceitos - e que, provavelmente, iria educar meus filhos da mesma maneira, fica mais fácil ainda ser condescendente...

Bom, dito isso, vamos prosseguir.

Afinal, como eu consegui “abrir meus olhos”, perceber a Matrix à minha volta e romper a prisão mental da alienação, do ódio e do medo? Vários fatores me ajudaram nessa jornada que, confesso, foi longa e nada fácil. Vou enumerá-los em ordem cronológica, para facilitar.

1) CINEMA: tudo começou quando me levaram para assistir “Guerra nas Estrelas”. Mas, o que esse filme-pipoca roliudiano tem a ver com isso? Antes de torcer o nariz, explico que assisti ao primeiro nos cinemas, quando tinha por volta dos 8 anos de idade. 

Não vou entrar em detalhes a cerca da minha adoração pela obra do George Lucas, que deve ter durado até pouco tempo (confesso), mas basta dizer que foi aquela obra que me abriu para o cinema e, por tabela, para o mundo das artes em geral.

E, mesmo que isso fosse imperceptível para meu limitado cérebro na época, tratava-se da história de um grupo de “rebeldes” idealistas que lutava para derrubar um império “fascista” (embora essa realidade tenha sido deturpada depois pelos extremistas de direita quando Reagan tomou o poder nos EUA, e foi usado como símbolo para a guerra fria, com o Império maligno representando a ex-União Soviética). 


Enfim, aquele filme mudou minha vida. Depois dele nunca mais fui o mesmo, para o bem e para o mal.

2) O MODO DE VIDA NERD: por causa do meu apego ao cinema e tudo que estava relacionada a ele, especialmente as trilhas sonoras dos filmes, nem preciso dizer que me transformei em um verdadeiro nerd. 

Assim, enquanto meus amigos começavam a gostar de tudo que era “normal” naquela sociedade (do rock n’ roll enquadrado aos parâmetros do consumismo, ao consumo de drogas e bebidas alcoólicas) lá estava eu tentando arrumar dinheiro para comprar o disco de “Jornada nas Estrelas” ou o álbum de figurinhas do “Flash Gordon”...

Embora nada disso tenha me ajudado a abrir os olhos naquele momento, certamente me transformou num sujeito meio estranho, marginalizado e com um forte sentimento de inquietação. 

Afinal, eu só tinha amigos nerds como eu e nunca conseguia me enturmar com os “descolados”, que adoram ridicularizar os “diferentes”. Eu comecei a sentir que alguma coisa estava errada, mas eu não sabia o que era e nem me preocupava muito em descobrir. Porém, já era um começo.

3) INFLUÊNCIAS DECISIVAS: fiquei mais ou menos na mesma até o meio da minha adolescência. Foi a partir dos 16 anos, quando um primo entrou na faculdade em Campinas e veio morar conosco, que as coisas começaram a mudar. Não sei dizer se ele era de esquerda ou de direita (talvez fosse ainda indiferente como eu), mas a verdade é que era um sujeito muito mais culto e antenado do que eu – até porque teve uma educação mais rica e politizada que a minha.

Foi graças a esse cara que eu comecei a gostar de qualquer tipo de filme (e não só de ficção científica, aventura e terror) e, mais importante, aprendi a decifrar mensagens e idéias que estavam contidas nas obras de arte. Até então, eu pensava, “um filme é só um filme, puro entretenimento, nada mais”. Ledo engano. Não fosse pelo meu primo, jamais teria assistido (e entendido) a filmes como “Brazil”, “A Missão”, “Coração Satânico”, “Amadeus”, conhecido o Monty Phyton ou lido quadrinhos como “Batman, O Cavaleiro das Trevas”, “Ronin”, “Watchmen” ou “V de Vingança”.

Foi nesse momento que eu comecei a perceber algumas coisas surpreendentes: não existem mocinhos e bandidos na vida real, o USA não era assim um país tão bacana e justo, a religião poderia causar (e causou) grandes males às pessoas e ao mundo, nem sempre quem era chamado de “terrorista” lutava por uma causa ruim, muita coisa que era vendida pela mídia como sendo uma verdade única ou normal tinha um outro lado que não era divulgado, etc. 

Mesmo assim, eu ainda não havia ligado os pontos para formar o grande quadro. Isso só aconteceu quando eu entrei para a universidade.

4) UNIVERSIDADE FEDERAL: ser um jovem alienado e perdido no mundo me trouxe uma grande vantagem naquele ponto. Eu não tinha a menor idéia do que fazer da minha vida. Assim, ao chegar à encruzilhada da adolescência e ter que escolher qual faculdade deveria fazer, mais perdido que cego em tiroteio, optei pelo curso de... Química! 

Prestei vários vestibulares e consegui entrar na Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). E foi ali que tudo começou a mudar em minha vida. O ano era 1989 e estávamos prestes a ter a primeira eleição direita para Presidente da República em mais de 20 anos (embora eu não desse a mínima para esse fato, afinal “odiava política”, lembram?).

Meu primeiro choque, depois de ficar décadas praticamente falando besteiras sem sentido e me relacionando com gente vazia e alienada, foi perceber que existiam pessoas que conheciam, discutiam e debatiam diversos temas que eu não tinha a menor noção do que significavam. E eram jovens da minha idade! Como aquilo era possível? - eu me perguntava.

Obviamente, como eu não entendia quase nada do que discutiam, meus primeiros sentimentos em relação àquelas pessoas foram de raiva e inveja. E, como não poderia deixar de ser, comecei a entrar no meio das conversas transformando esses sentimentos negativos e mesquinhos em petulância, cinismo e provocações baratas. 

Foi naquele período que me tornei oficialmente um “papagaio da direita”, afinal de contas a maioria dos jovens que estudavam lá era de esquerda e defendia a candidatura de Lula contra o marajá das Alagoas, Fernando Collor. Nem preciso dizer que, para irritar “aqueles petistas” eu dizia que ia votar no Collor, que Lula era baderneiro profissional, etc, etc. Tudo aquilo que eu havia “aprendido” na escola da ditadura e que fora reforçado no ambiente em que fui criado.

Fiquei nessa um bom tempo, diria que uns seis meses mais ou menos. Então coisas estranhas começaram a acontecer.

Como é perfeitamente natural após um semestre inteiro de contato diário com um grupo, passei a gostar de várias pessoas e até admirá-las. Percebi que ali havia muita gente bacana, inteligente e companheira, que sabia ouvir meus problemas, me apoiava quando eu precisava de ajuda (principalmente nas matérias, pois eu “boiava” em quase tudo) e, acima de tudo, não me ridicularizava quando dizia que gostava de cinema, música erudita e quadrinhos – pelo contrário. 

Para aquelas pessoas, eu não era mais um “babaca” ou um nerd esquisitão, mas sim um sujeito sensível que gostava de arte! Descobri que muitos ali também gostavam das mesmas coisas, tinham inclusive os mesmos problemas familiares e carências afetivas.

Entretanto, quando eu entrava no modo “papagaio da direita”, aquelas pessoas que, no fundo eu invejava e queria impressionar, simplesmente me deixavam falar e, assim que eu terminava de vomitar minhas asneiras, continuavam o assunto de onde haviam parado. Ninguém me hostilizava, muito menos me ridicularizava. Simplesmente me ignoravam...


Depois de umas três ou quatro situações como essa comecei a me sentir constrangido e patético. Afinal, eu não gostava daquelas pessoas, não as admirava? Não gostava da maneira sensível e humana que me tratavam e ouviam? Então, por que diabos eu estava querendo provocá-las e irritá-las, repetindo coisas ditas pelos meus pais e por outras pessoas que nunca me respeitaram nem me ouviram antes? 

Para piorar tudo, comecei a perceber que os que repetiam aquelas mesmas asneiras provocativas e me davam força para que eu continuasse a proferi-las eram justamente aqueles tipos mais idiotas, os “mauricinhos” e os filhinhos de papai que me cercavam aos montes...

Lembro como se fosse hoje de uma festa realizada na casa da minha primeira namorada, onde toda a moçada estava reunida, tocando violão, comendo churrasco e bebendo cerveja. De repente, começou um papo sobre política e um rapaz, que era inclusive membro do DCE, colocou seu ponto de vista e defendeu Lula com muita propriedade e civilidade. 

Quando eu ia começar a falar asneiras contra o petista, outro sujeito passou na minha frente e verbalizou tudo aquilo que estava na ponta da minha língua. Olhei para ele e vi que era um tipinho que ninguém gostava, um playboy folgado e mesquinho, que chegava a exigir grana dos que moravam com ele para dar carona até a faculdade e vivia invadindo festas mesmo sem ter sido convidado.

Aquilo me transtornou. Quer dizer que eu era igual àquele imbecil? Não era possível! Logo eu, um cara que se julgava tão bacana, sensível, amante das artes, romântico e incompreendido, no fundo me portava igual aos tipos mais desprezíveis e irritantes? Não preciso dizer que foi ali que a ficha caiu e, finalmente, após longos anos de alienação e estupidez eu finalmente comecei a tomar consciência do mundo à minha volta e de todos os problemas reais que existiam nele.

Antes tarde do que nunca, não é mesmo? Ah, esqueci de um outro fator que também foi decisivo para o meu crescimento intelectual e espiritual:

5) AUSÊNCIA DE TELEVISÃO. Quando mudei para São Carlos, fui morar com amigos em uma república. 

Detalhe: ninguém conseguiu levar uma TV! Assim, passei praticamente um ano da minha vida impedido de alimentar meu vício de ficar horas sentado em frente àquela “máquina de fazer doido”. 


No começou quase tive um treco, mas depois de uns dois meses, me acostumei a viver sem aquele monte de lixo ideológico que era enfiado na minha mente e, assim, passei a investir meu tempo em coisas mais importantes, como debates, conversas e leituras.

Só quem passou por isso tem noção do quanto a vida melhora sem a influência nefasta da TV, principalmente a rede Globo que é um verdadeiro câncer que corrói corações e mentes todos os dias!

Tanto é que, depois disso, nunca mais consegui ficar mais de cinco minutos na frente de uma televisão que não apresentasse algo minimamente inteligente e instigante - que, convenhamos, se resume a 1% da programação das redes e olhe lá...

Mas, essa mudança toda em minha consciência trouxe várias conseqüências para a minha vida...

Parte 3: 
FALE-ME SOBRE POLÍTICA E DIREI QUEM TU ÉS...


Dando sequência às minhas "Memórias de Um Alienado", vou falar agora sobre o que aconteceu com minha vida depois que deixei de ser um papagaio da direita e fui conscientemente para a esquerda.

A primeira conseqüência é positiva. 

Trata-se, claro, de deixar de ser um boçal alienado convicto que fica dado palpite em tudo quanto é assunto sem entender nada do que está sendo dito – só para fazer de conta que entende ou então, pior, para irritar “esquerdistas”. 

Quando você passa a ter consciência das coisas e “sai da Matrix”, percebe que é muito melhor ficar quieto escutando o que os outros tem a dizer.

Isso me ensinou grandes lições que todo boçal alienado convicto não conhece, tais como: ser humilde, saber ouvir, entender que quanto mais você aprende mais percebe que nada sabe e que não conseguir admitir tudo isso é coisa de gente fraca e covarde.

Agora vem o lado ruim. O problema de você sair da direita e ir para a esquerda, especialmente quando ainda é adolescente, é o choque de perceber quanta gente que antes dizia te adorar vai começar a tratá-lo como o se fosse o belzebu em pessoa! Comigo não foi diferente.

Familiares, amigos e conhecidos, que antes apertavam minhas bochechas, davam tapinhas nas costas e me elogiavam quando eu concordava com o que diziam, de repente passaram a me xingar e agredir só porque ousei defender o Lula ou o Fidel Castro. 

Assim, de “menininho querido da titia” me transformei “naquele moleque perdido que sofreu lavagem cerebral dos comunistas”. E de nada adianta você tentar dizer que ninguém fez lavagem cerebral em você, muito pelo contrário: antes é que faziam...

Comigo foi assim. Lembro até hoje do dia que, depois de deixar de ser um papagaio da direita, cheguei em casa e resolvi falar sobre política com meu pai – coisa que nunca tinha feito antes. 

Imaginem a cena. Eu, com 18 anos, todo empolgado querendo falar com meu velho sobre aquelas coisas novas que tinha aprendido, de repente sendo tratado com um trapo sujo e repelente! Sim, foi isso que aconteceu. Foi só eu falar todo ingênuo que ia votar no Lula e pronto. Só faltou me dar um sopapo na orelha!

E com minha mãe não foi diferente. Nem com o vizinho, que de velinho simpático e bonachão, transformou-se num clone do Adolf Hitler assim que eu falei bem do “sapo barbudo”! Meus amigos de infância então, nem preciso dizer o que aconteceu, preciso? Óbvio: foi só eu falar da minha nova ideologia que começaram todos a me ridicularizar e repetir aquelas papagaiadas “para irritar esquerdista”...

Foi nessa época que aprendi uma coisa triste. As pessoas só revelam mesmo quem realmente são e o que pensam quando falam de política. 

O sujeito pode ser o mais bonzinho do mundo, fã de Beatles, Pinky Floyd e dos filmes de Walt Disney, amante da paz e da natureza...

Mas, na hora que começa a falar de política transforma-se, como aquele meu vizinho, numa cópia mal feita do Hitler e passa a vomitar preconceitos, elitismo, racismo, homofobia, ignorância e outras nojeiras que deveriam deixar qualquer pessoa com bom senso envergonhada. 


E olha que estou falando aqui de pessoas de classe média, que tiveram acesso a tudo do bom e do melhor em relação a estudo e cultura!

Nem preciso dizer que, daquela época em diante, perdi muitos “amigos” e deixei de ser o “queridinho” de muitos familiares, que passaram a me hostilizar ou me irritar constantemente com provocações baratas e ridículas. Por que eu não percebia o quanto aquelas pessoas eram rancorosas, odiosas e preconceituosas antes, perguntava-me. 

A resposta é simples: porque antes não falávamos de política, exceto talvez para repetir um ou outro jargão idiota da direita, do tipo “detesto política” ou “político é tudo igual”.

E tem gente, incluindo familiares e amigos, que ainda fazem isso comigo até hoje. Nem preciso dizer também que, depois das duas vitórias do Lula e da ascensão de políticos como Chávez, Evo Morales e afins, tudo ficou ainda pior e até aqueles que conseguiam disfarçar um pouco melhor seus ódios perderam completamente o controle!

Depois de todas essas experiências, criei uma máxima que, infelizmente, continua valendo até agora: “Fale-me sobre política que direi quem tu és”...

VOCÊ SABE O QUE É LIBERALISMO?

 

 Muitos podem pensar que o liberalismo se resume ao apoio aos direitos individuais, à liberdade dos mercados e ao posicionamento a favor da Democracia. Entretanto, historicamente, o pensamento liberal serviu também como justificativa para o apoio à escravidão, ao colonialismo e até mesmo a regimes de exceção - como os governos militares da América Latina ou o nazifascismo europeu. Tudo em nome da defesa do livre mercado... Saiba mais com o historiador Jones Manoel.

Primeiro trailer de "Duna" tem música do Pink Floyd


O primeiro trailer da nova adaptação de "Duna", dirigida pelo cineasta Denis Villeneuve, traz uma versão de música do Pink Floyd para o álbum "Dark Side of the Moon". Confira.

"Cultura do Cancelamento" é perda de tempo que só desune a esquerda

Para variar, muita gente de esquerda dá atenção exacerbada para temas sem importância ou inúteis ao invés de se concentrar e aglutinar em torno do que realmente importa.

terça-feira, 8 de setembro de 2020

CONSTELAÇÃO FAMILIAR: UMA PRÁTICA PERIGOSA

Pseudo-ciência baseada nos delírios de um nazista podem levar os desavisado até ao suicídio. Ajudem a divulgar e combater o charlatanismo na saúde mental. Doutora em Mecânica Quântica explica as origens, expõe as mentiras e mostra as provas dos malefícios dessa prática.

 

sexta-feira, 21 de agosto de 2020

QUEM É STEVE BANNON E POR QUE ELE FOI PRESO?


Quem é Steve Bannon e por que ele foi preso? Qual é a relação dele com Olavo de Carvalho e Jair Bolsonaro? Entenda!

quarta-feira, 19 de agosto de 2020

Jovens traduzem conteúdo acadêmico para a linguagem periférica


Com o objetivo de democratizar a informação e o saber, estudantes como ‘Chavoso da USP’ recriam as teorias acadêmicas lançando mão do dialeto da quebrada

O estudante Thiago Torres, o “Chavoso da USP”, mostra a possibilidade de chegar à principal universidade pública do país, saindo da Brasilândia, bairro da Zona Norte de São Paulo. Já Marcelo Marques, responsável pelo canal “Audino Vilão“, apresenta a teoria do filósofo Karl Marx por meio de gírias usadas nas favelas de São Paulo.

Para eles, é possível levar à periferia o conteúdo universitário, para além dos muros das faculdades. Com o objetivo de democratizar a informação, jovens ‘chavosos’ criaram canais na internet e traduzem a linguagem acadêmica para o dialeto da quebrada.

Artigo completo:

terça-feira, 18 de agosto de 2020

terça-feira, 11 de agosto de 2020

Opinião: "Por que Jundiaí sempre conquista boa avaliação antes das eleições?"


Dois aspectos chamam a atenção quando se fala em agências de rating. O primeiro é a falta de transparência e o segundo o conflito de interesses. Não são poucas as experiências em que as agências deram notas positivas e promissoras a empresas, bancos e países que, pouco tempo depois, vieram a ter graves problemas de solvência e faliram.

- por Daniela da Camara* e Paulo Malerba**

A Prefeitura de Jundiaí e o prefeito Luiz Fernando Machado propagam e pagam para impulsionar nas redes sociais que a cidade teve elevação de sua nota de risco pela agência brasileira Austin Rating. E gostam de frisar: “em meio à pandemia”. Do mesmo modo, a assessoria de imprensa espalha pelas mais diversas mídias tradicionais a informação, sempre lembrando que isso ocorreu em meio à crise do Coronavírus.

A análise da agência concentrou-se até dezembro de 2019. O relatório menciona que contemplou os resultados fiscais parciais referentes aos primeiros quatro meses de 2020. Portanto, não abrange os efeitos mais severos da pandemia, de modo que não se pode afirmar que a elevação ocorreu em meio à crise sanitária.

Mas o problema parece ser bem mais profundo.

Não é a primeira vez que um aumento de rating acontece na cidade às vésperas de eleições. Em agosto de 2008, julho de 2010, e em julho de 2012, a mesma agência fez relatórios elogiosos ao município, sempre em período pré-eleitoral municipal ou estadual. Dois deles elevando a nota (2010 e 2012) e em um deles mantendo a nota A (2008). Não há registros do interesse da agência pelo município entre 2013 e 2016, nem para elogiar nem para criticar. No relatório não se encontra a informação de que alguém o encomendou e pagou por ele ou de que forma ocorreu a iniciativa de realizá-lo.

Além disso, e bastante significativo, a agência Austin ignorou que desde março de 2020 a Prefeitura de Jundiaí não pagou as contribuições patronais para o Iprejun (Instituto de Previdência de Jundiaí), responsável pelas aposentadorias e pensões dos servidores municipais. Em 17 de julho de 2020, a prefeitura encaminhou um Projeto de Lei n. 13210/2020, que foi aprovado, e autorizou, de maneira retroativa, a prefeitura a suspender os pagamentos entre 1º de março e 31 de dezembro de 2020 de suas contribuições ao Iprejun. Causa estranheza a omissão dessa informação no relatório, já que ele cita o aumento de capacidade de investimentos e o equacionamento da questão fiscal, mas, ao mesmo tempo, não há recursos para pagar compromissos básicos.

Na justificativa do projeto de lei enviado à Câmara Municipal, o próprio prefeito Luiz Fernando Machado afirma, na folha 9: “Ou seja, caso a prefeitura tivesse de sustentar os pagamentos das contribuições em meio à queda da arrecadação prevista de R$ 218,4 milhões, o resultado levaria a um déficit financeiro de difícil transposição, comprometeria o planejamento orçamentário-financeiro do município, o equilíbrio exigido pela LRF, além de provocar atrasos generalizados de pagamentos.”
Embora a reunião do conselho da Austin Rating tenha acontecido em 28 de julho de 2020, as informações acima, públicas e notórias, foram desconsideradas.

Dois aspectos chamam a atenção quando se fala em agências de rating. O primeiro é a falta de transparência e o segundo o conflito de interesses. Não são poucas as experiências em que as agências deram notas positivas e promissoras a empresas, bancos e países que, pouco tempo depois, vieram a ter graves problemas de solvência e faliram.

Pode-se lembrar de casos célebres de empresas que foram à bancarrota a despeito de boas notas de agências de rating como a Enron (2001), WorldCom (2002), Parmalat (2003), Lehman Brothers e vários bancos que comercializavam subprime (2008). No Brasil, o caso mais notório foi do Banco Santos. Em 2004, uma agência de rating chamada, ora que coincidência, Austin Rating, havia dado nota A ao banco e feito o seguinte prognóstico: “O banco apresenta solidez financeira intrínseca boa. São instituições dotadas [as classificadas com A] de negócio seguro e valorizado, [com] boa situação financeira atual e histórica. O risco é muito baixo”. É de conhecimento público que o banco faliu em 2005 e deixou milhares de clientes em prejuízo. E aqueles que se guiaram pela agência Austin de rating não conseguiram ter uma informação sólida e correta.

As agências de rating, muitas vezes, comercializam serviços de consultoria para as empresas e o poder público. Ou seja, elas orientam de que forma seus contratantes devem estruturar e apresentar suas finanças para alcançarem boas notas. As agências tanto orientam quanto avaliam as empresas. Evidentemente, elas recebem pelos dois serviços. Por sinal, foram tais agências que ajudaram os bancos americanos a construírem instrumentos financeiros baseados em papéis podres do subprime, que levaram à grave crise financeira mundial de 2008, e elas próprias deram nota de excelência a esses papéis. Essas avaliações de risco fizeram com que muitos fundos de pensão e outras instituições comprassem esses instrumentos, que contaminaram o mercado financeiro global e o lançou em profunda crise.

Normalmente, as informações para se averiguar o conflito de interesse não são públicas e mesmo os critérios adotados nas avaliações são superficiais o suficiente para um agente externo não conseguir analisar completamente os elementos considerados no risco.

No caso de Jundiaí, novamente o comportamento duvidoso se repete e a lisura é passível de questionamento. Em vez de marketing (eleitoreiro?), nossa cidade precisa de uma gestão que realmente enfrente e supere a atual crise.


*Daniela da Camara é arquiteta e urbanista, pré-candidata à prefeita pelo PT de Jundiaí.
**Paulo Malerba é doutor em Ciência Política (Unicamp), membro da Executiva do PT e presidente do Sindicato dos Bancários de Jundiaí e Região

quarta-feira, 22 de julho de 2020

“Indústria Americana” evidencia a precarização do trabalho no capitalismo neoliberal



Documentário serve para promover debates acadêmicos, mas acaba sendo pouco para um tema tão quente e explosivo como esse

- por André Lux

Vencedor do Oscar de Melhor Documentário em 2019, “Indústria Americana” tem entre seus financiadores a Netflix e o casal Barack e Michele Obama, via sua produtora Higher Ground. Por mais que os cineastas Steven Bognar e Julia Reichert façam o máximo para deixar o filme com um ar neutro, é óbvio desde o início que eles tem lado – algo louvável, afinal nada mais desonesto do que fingir imparcialidade.

O documentário começa em 2008 mostrando fechamento de uma grande fábrica da GM na cidade de Dayton, nos EUA, tema de outro filme da dupla “The Last Truck: Closing of a GM Plant” que aborda justamente o fechamento dessa fábrica. Pulamos então para 2015, quando uma empresa chinesa que produz vidros automotivos monta uma nova indústria no mesmo local.

Se no início o clima é de otimismo e cooperação entre a mão de obra estadunidense e a chinesa, logo as coisas começam a desandar e os conflitos explodem. A mentalidade oposta com que as duas culturas encaram o trabalho é a mola propulsora para o desequilíbrio. Se na China o trabalho é visto como um fim em si a serviço da comunidade, no EUA (e no resto da cultura ocidental) ele é apenas um meio para que a pessoa possa ganhar dinheiro a fim de pagar suas contas e aproveitar os momentos de folga. Esse choque cultural fica ainda mais evidente quando um grupo de funcionários estadunidenses viaja até a China para acompanhar os festejos do ano novo daquele país dentro da tradição da empresa.

Dupla de cineastas com o casal Obama
Apesar de jamais interferir nas filmagens, a dupla de cineastas constrói a narrativa de “Indústria Americana” a partir de um tom obviamente crítico ao capitalismo neoliberal que tem como seus pilares a precarização do trabalho e a destruição dos sindicatos. Eles fazem questão de enfatizar a queda do rendimento dos trabalhadores (que recebem a metade do salário que ganhavam da GM), a falta de segurança no trabalho e a pressão dos empregadores chineses para que rejeitem a sindicalização.

Neste sentido os chineses são pintados como hipócritas, uma vez que na China os sindicatos são celebrados como intrínsecos e necessários à vida dos trabalhadores, enquanto nos EUA eles fazem de tudo para impedir que seus funcionários se sindicalizem. Chega, portanto, a ser contraditório o esforço que os cineastas fazem para “humanizar” os chineses, dando enfoque ao relacionamento familiar deles e aos parcos laços que constroem com os estadunidenses.

No final, o que “Indústria Americana” confirma é que tanto o capitalismo neoliberal dos EUA quanto o capitalismo totalitário chinês são duas faces da mesma moeda que tem como objetivo, em última instância, espremer os trabalhadores até não sobrar nada. Um em nome do “sonho americano” e outro da “grandeza coletiva” o que, no final das contas, enche de dinheiro os bolsos apenas de meia dúzia de pessoas. Nesse sentido, “Indústria Americana” serve para promover debates acadêmicos, mas acaba sendo pouco para um tema tão quente e explosivo como esse.

Cotação: ***

domingo, 19 de julho de 2020

Fascismo Explicado (por quem entende)


O professor de Filosofia em Yale e autor do livro Como Funciona o Fascismo conversa com Átila Imarino sobre o que é o fascismo, o que tem em comum e diferente em relação à outras ideologias e como os capitalistas liberais estão sempre associados a esse tipo de regime autoritário e anti-povo. Também falamos sobre moralidade, o combate ao politicamente correto e como acontece a interação de ideais fascistas com redes sociais e com a COVID.