sexta-feira, 22 de abril de 2016

Não vale a pena


O golpe está dado

Acho que vou dar um banho de água fria em muita gente, mas prefiro ser sincero, embora saiba que não sou o dono da verdade e possa estar redondamente enganado.

Olha, eu acho maravilhoso ver esse pessoal todo protestando contra o golpe nas ruas, no facebook, nos blogs e até no resto do mundo. Mas a verdade é só uma: o golpe está dado. O impximent será aprovado no Senado e depois tornado legal no STF. THE END.

A única maneira de reverter isso tudo seria politicamente, mas nem o governo Dilma, nem o PT, nem seus aliados tem lastro suficiente para tanto. Quando tentaram derrubar Lula pela primeira vez, com o factóide do "mensalão", quem segurou a onda e impediu o golpe foram os aliados dele no centro e na direita, principalmente o Sarney. Sim, o execrável Sarney, que gostava do Lula, mas, acima de tudo, faria qualquer coisa para frustar os planos do timoneiro do golpe na época, o Zé Serra, que o clã Sarney jamais vai perdoar pela jogada que seus stormtroopers na PF fizeram para implodir a candidatura da Roseana.

A outra maneira seria, claro, uma revolução popular real, de tomada de poder, como aconteceu em Cuba. Mas as chances disso acontecer aqui são menores do que zero.

Movimentos sociais, pressão popular, greve geral, abaixo-assinados virtuais? Esqueçam. Isso não significa nada, nem nunca significou para quem está tomando o poder de assalto. Ou alguém aqui acha que Temer, Cunha, Aécio e esses bandidos todos estão ligando pra isso? Jango e Lugo estão até hoje aguardando os movimentos sociais os levarem de volta ao poder, né?

Se a coisa apertar e o caldo ferver, eles simplesmente mandam a polícia e o exército descer o cacete, igual os tucanos fazem aqui em Sumpaulo todo santo dia quando alguém sai na rua pra protestar contra os (des)governos deles há mais de 20 anos.


E se tudo isso levar o Brasil ao caos absoluto, esses mafiosos simplesmente fazem as malas e vão morar em Miami ou Paris ou qualquer outro lugar do mundo onde tenham mansões e coberturas.

E aí o mais provável é que um Hitler da vez, tipo Bolsonaro, se torne presidente do Brasil, prometendo soluções mágicas que é o que os idiotas úteis adoram ver nessas horas.

Como eu disse, posso estar errado. E gostaria, de verdade. Pena que a História prove que eu não estou...

P.S.: Eu sei, vão dizer que quando deram o golpe no Chávez, o levante popular conseguiu reverter. 


Na verdade, o que fez o Chávez voltar ao poder foi o fato dele ter controle total sobre uma grande parte das forças armadas, que a partir da reação da população, teve força para obrigar os golpistas o devolverem Chávez e picarem a mula. 

Alguém aqui acha que Dilma ou o PT tem esse poder sobre o exército aqui? O Lula talvez teria, esticando muito o otimismo. Mas hoje, com a Lava Jato demonizando ele 24 horas por dia? Nope...

terça-feira, 12 de abril de 2016

Filmes: "O Regresso"

“À PROVA DE TUDO” METIDO A BESTA

Filme é bonito e bem feito, porém não consegue disfarçar que é um super espetáculo inflado e vazio feito na medida para abocanhar prêmios da indústria cultural estadunidense

- por André Lux, crítico-spam

Não gosto do cineasta Alejandro Iñárrito, mas ele é queridinho dos críticos e da academia de cinema de Hollywood, tanto é que seus filmes sempre recebem elogios rasgados e o sujeito já ganhou dois prêmios Oscar de melhor diretor seguidos (o primeiro por "Birdman" e o segundo por esse "O Regresso")! 


Não que ele não seja talentoso, pelo contrário. O problema é sua pretensão imensa e a total falta de sutiliza com que tenta enfiar goela abaixo do espectador o quanto seus filmes são geniais e diferentes. Em “O Regresso”, Iñárrito chega a copiar planos sequências inteiros do filme “Zerkalo” de Andrei Tarkovsky sem a menor vergonha (não fui eu quem descobriu isso, achei neste link). “Ninguém deve lembrar mesmo ou então vão me achar genial ao perceber minha homenagem ao brilhante e obscuro cineasta russo de outrora”, certamente pensou o mexicano. Veja as evidências abaixo:



Sinceramente, para mim isso pouco importa. O que vale é o resultado final da obra e “O Regresso” não é lá grande coisa e parece mesmo mais um exercício de estilo do cineasta em questão, cheio de pompa, mas sem muita circunstância. Apesar de se vender como baseado em uma história real, o filme é quase todo pura ficção e poderia muito bem ser chamado de “Highlander – O Regresso”, já que o protagonista feito pelo finalmente oscarizado Leonardo DiCaprio certamente é um daqueles imortais que só morrem mesmo quando tem a cabeça cortada do resto do corpo.

O tão comentado ataque do urso é realmente impressionante de tão bem feito (a gente custa a acreditar que foi todo feito em computação gráfica), mas acaba sendo por demais exagerado e alongado. Não tem como alguém sobreviver àquilo. Mas bastou uns dias preso a uma maca, umas horas enterrado vivo e um tempo se arrastando pela neve, que o nobre Hugh Glass já sai andando praticamente numa boa, cavalga em disparada e até cai de um desfiladeiro sem sofrer mais nenhum arranhão!

Digo nobre porque o protagonista é um daqueles sujeitos que são bons em tudo: protetor dos nativos americanos (foi casado com uma e teve filho com ela, que protege do racismo onipresente), fala a língua deles, conhece todas as rotas, sabe sobreviver nas condições mais adversas - chega até a cauterizar uma ferida igual ao Rambo, come carne crua, abre um cavalo morto e dorme dentro dele para não congelar, etc. Ou seja, é a versão do século 19 do Bears Grylls, aquele sujeito que faz o programa “À Prova de Tudo”.

Eu gosto do Leonardo DiCaprio, sempre achei ele um bom ator (sua melhor atuação foi em “Os Infiltrados”), mas aqui se limita a grunhir e fazer cara de enfezado, enquanto passa pelas mais terríveis peripécias. O papel exige mais dele fisicamente do que outra coisa, portanto não impressiona no quesito interpretação, até porque ele REALMENTE sofreu tudo aquilo que vemos nas telas durante as filmagens realizadas em locações sob temperaturas congelantes! 

A incrível variedade de expressões de Leonardo durante o filme
Fosse apenas um filme realista sobre a luta de um montanhês para sobreviver, até seria uma boa aventura. Mas Iñárrito não se aguenta e enfia um monte de cenas de delírios do protagonista com sua esposa, morta pelo exército, e outras imagens oníricas que só servem para deixar o filme mais arrastado do que já é. Não bastasse isso, tentam transformar “O Regresso” em mais um filme de vingança e retaliação do herói contra o vilão óbvio que causou muitas das desgraças a ele – feito aqui por Tom Hardy, o “Mad Max” novo, que, como sempre, grunhe suas falas de maneira praticamente ininteligível. Mas nem isso chega a registrar, pois em momento algum fica claro que é isso que motiva o protagonista em sua luta para sobreviver.

Tecnicamente o filme é realmente impressionante, especialmente a sequência do ataque dos nativos ao grupo do protagonista, feita toda praticamente sem cortes e filmada com câmera na mão que se movimenta sem parar. Mas chega uma hora que esse recurso cansa, já que é usado excessivamente até mesmo em simples cenas de diálogos. É novamente aquela história do diretor querendo chamar a atenção para ele e não para a história que está tentando contar. A musica composta por 
 Ryuichi Sakamoto também não ajuda em nada a mudar essa impressão, de tão fria e distanciada (às vezes soa como alguém arranhando um quadro negro).

“O Regresso” é bonito, bem feito e contém algumas sequências realmente incríveis, porém não consegue disfarçar que é um super espetáculo inflado, arrastado e, em última instância, vazio - feito na medida certa para agradar profissionais da opinião e abocanhar prêmios da indústria cultural estadunidense.

Cotação: **1/2

sexta-feira, 1 de abril de 2016

As aventuras do Repórter Coxinha

Aproveitando meu tempo livre, fui conferir a última manifestação dos petralhas no meio de Sumpaulo. No meio do caminho, achei uma revista Veja no chão e resolvi folhear. De repente, fiquei com a mente turva e comecei a ser dominado por sensações extremamente primitivas. Fiquei inconsciente durante várias horas e quando acordei do meu transe, descobri os vídeos abaixo gravados em meu celular. Veja por sua conta e risco!









quarta-feira, 23 de março de 2016

BLOGUEIRO PEDE AJUDA!

Este humilde blogueiro, que nunca recebeu um tostão furado pelo trabalho que realiza aqui quase que diariamente, vem até você, leitor, pedir ajuda financeira.

Estou numa situação muito difícil atualmente depois que minha vida virou de pernas para o ar com o fim cruel do meu casamento e após minha empresa perder seus maiores clientes.

Qualquer contribuição será bem vinda. Deixo abaixo o número da conta do meu pai para depósito. 

Peço apenas que quem quiser ajudar envie um comentário para que eu possa saber e acompanhar. Não vou publicar, podem ficar tranquilos.

Desde já, agradeço do fundo do meu coração.

Banco: Itau
Agência: 8786 
Conta: 20388-8 
CPF: 184.197.638-53 
José Roberto Lux

Perguntas e respostas


terça-feira, 22 de março de 2016

Filmes: "Deadpool"

DESCARTÁVEL

O filme é divertido, cheio de piadinhas e referências ao mundo nerd, mas chega uma hora que tudo isso meio que cansa e perde a graça

- por André Lux, crítico-spam

Fãs de quadrinhos e críticos em geral gostaram muito dessa adaptação de um personagem pouco conhecido da Marvel, o “Deadpool” (que já havia aparecido no desastroso "X-Men Origens: Wolverine"), mas, sinceramente, não achei assim tão bom.

Ok, o filme é divertido, cheio de piadinhas e referências ao mundo mágico dos nerds, tem uma apresentação dos créditos bem sacada, mas chega uma hora que tudo isso meio que cansa e o excesso de brincadeiras e micagens do protagonista perdem a graça.

Nada tenho  contra o ator Ryan Reynolds, que é esforçado e simpático, mas aqui está excessivamente posado e confiante (chega a citar a si mesmo!) em um personagem que no final das contas não passa de uma mistura de Wolverine (tem fator de cura que o deixa praticamente imortal) com o Homem-Aranha (que também é o rei das piadinhas e da auto-gozação).

Não consegui me envolver na trama, pois é simplesmente a busca por vingança e retaliação do Deadpool contra o sujeito que o transformou depois de longas sessões de torturas. Não ficam muito claros quais são os poderes e as fraquezas do herói, além do fator de cura, que chega ao exagero quando continua tranquilo depois de levar uma facada na cabeça! Ele já lutava e se movia como um super-ninja antes ou isso foi efeito da mutação também? Ninguém explica. Isso derruba qualquer tentativa de criar suspense, como se importar com o destino de um super-herói que parece ser indestrutível e nunca perde o bom humor?

No final, “Deadpool” recorre aos mais batidos clichês dos filmes do gênero e vira uma overdose de lutas entre bonecos criados digitalmente e explosões exageradas, sem falar que o clímax é a briga entre um sujeito praticamente imortal contra outro que é incapaz de sentir qualquer dor... Mais emocionante que isso só mesmo uma corrida de tartarugas.

O filme também é excessivamente violento e assustou vários pais que levaram seus filhos pequenos aos cinemas, ao ponto de terem que colocar um aviso bem à vista de que não era recomendado para menores de 16 anos.

Repleto de músicas pop e recheado com uma trilha incidental horrenda composta pelo tal de Junkie LX, espécie de DJ “descoberto” pelo abominável Hans Zimmer, “Deadpool” acaba sendo mais um daqueles filmes que começam prometendo subverter a lógica desse tipo de produto, só para se render a ela e terminar tão descartável como qualquer outro. Uma pena.


Cotação: * * 1/3

Por que o Brasil vive um golpe de Estado


- por Renato Rovai, da Fórum

Se um dia você encontrar alguém que se diga golpista, não perca tempo. Tire fotos com ele, organize um evento, divulgue aos quatro cantos. É mais fácil encontrar uma cachoeira no deserto do que um golpista na face da terra.

Os golpistas são sempre outra coisa.

Pinochet nunca admitiu ser golpista.

Ele se dizia um democrata que derrotou a ditadura comunista de Allende e lutou contra terroristas.

Em nome daquilo que chamava democracia, Pinochet matou aproximadamente 4 mil pessoas e torturou 40 mil.

O Chile chora até hoje Vitor Jarra e Isabel Parra, entre tantos outros que foram vítimas daquela assassino.

Mas a queda e a morte de Allende foram saudadas em editorial de O Estado de S. Paulo, como também o foi o golpe de 64.

Mas Pinochet é só um deles.

Franco também nunca se assumiu golpista.

O general derrubou o governo da Frente Popular de Esquerda, eleito em 1936, e transformou a Espanha num caos por décadas.

Uma das obras primas de Picasso é o Guernica, que retrata muito do que foi aquela Guerra Civil.

Mas, claro, Franco não foi um golpista.

Ele era um democrata que tirou o país da mão dos comunistas e dos terroristas e que levou à morte 400 mil espanhóis.

Sim, podemos falar do Brasil.

Os golpistas daqui, tanto em 54 como em 64, sempre se apresentaram como salvadores da pátria do comunismo e da corrupção. E defensores da democracia.

Levaram Getúlio ao suicídio e derrubaram Jango, com os mesmos argumentos.

E para isso sempre fizeram tudo do mesmo jeito.

Sempre tiveram apoio da OAB, mesmo tendo boa parte advogados se manifestando contra a posição da entidade.

Sempre contaram com os principais veículos de comunicação.

Sempre tiveram maioria no Congresso.

Sempre invadiram sindicatos.

Sempre atacaram sedes de partidos políticos.

Sempre tiverem milhares e milhares nas ruas para defendê-los.

Sempre atacaram estudantes e universidades que ousassem resistir, como fizeram agora na PUC.

Sempre tiverem a polícia ao lado deles.

A gloriosa Gestapo do PSDB enfrentando de peito aberto bandidos
de alto calibre! 
Não, perá... são apenas jovens estudantes.
Sempre tiverem apoio de governadores, como Carlos Lacerda e Ademar de Barros. E agora como Geraldo Alckmin.

Sempre tiveram artistas e pseudo-intelectuais para defendê-los no jogo da opinião pública, mesmo sendo ampla minoria neste setor.

Sempre tiveram apoio de empresários e de entidades como a Fiesp.

Sempre tiveram boa parte do judiciário.

Sempre tiveram apoio dos EUA e de países ditos democráticos que querem o Brasil como um grande quintal.

Sempre tiveram bandidos botando terror nas ruas e ameaçando quem pensasse diferente deles.

Sempre falaram em corrupção.

Sempre perseguiram lideranças populares, principalmente as que pudessem derrotá-los em eleições.

Eles são os mesmos de sempre.

São golpistas.

Mas eles vão sempre dizer que não.

Como lobos, se apresentam cordeiros.

E por isso um golpe você descobre nos detalhes e não na declaração de quem o realiza.

O Brasil vive hoje um golpe de estado.

As lições do Dollynho reaça





Filme repetido


terça-feira, 15 de março de 2016

Filmes: "A Lenda" (Versão do Diretor)

CONSERTANDO O ERRO

Nova versão de "A Lenda" traz cenas adicionais e restaura música espetacular de Jerry Goldsmith

- por André Lux, crítico-spam

Você consegue imaginar o que seria do filme "O Império Contra-Ataca'' se, justamente no momento em que o vilão Darth Vader entrasse em cena, a ''Marcha Imperial'' de John Williams fosse trocada por um pagode do grupo ''É o Tchan!''? 

Ou então, na cena do assassinato no chuveiro de ''Psicose'', ao invés da música magistral de Bernard Herrman, os produtores do filme resolvessem colocar um heavy-metal do Marilyn Manson? 

Loucura? Sem dúvida. Mas, infelizmente, absurdos como esses às vezes realmente acontecem no cinema.

Um caso clássico é o que ocorreu com o filme ''A Lenda'', produção de 1986 dirigida pelo prestigiado Ridley Scott (de ''Alien: O Oitavo Passageiro'' e ''Blade Runner - O Caçador de Andróides'') que foi concebida como uma fantasia fiel ao espírito dos contos de fadas clássicos, mas com voz própria e original.

Um dos fatores primordiais para a credibilidade do filme foi a escolha do consagrado compositor Jerry Goldsmith, que criou para ''A Lenda'' uma das mais belas e líricas trilhas sonoras musicais já escritas para o cinema. Para se ter uma idéia da importância da música nesse filme, canções foram compostas por Goldsmith (com letras de John Bettis) para serem cantadas pela personagem principal e passaram a fazer parte do roteiro! 

Entretanto, só públicos europeus (e alguns poucos, como o brasileiro) puderam ver o filme com a música do mestre, já que, ao chegar nos EUA, os produtores foram convencidos pelos executivos da Universal Studios a reduzirem a metragem e, crime dos crimes, trocar a música de Goldsmith por algo mais "popular".

Na mesma época, em um caso semelhante e no mesmo estúdio, o diretor Terry Gilliam ameaçou queimar os negativos de ''Brazil'' se sua visão não fosse respeitada. Já Ridley Scott, incerto das qualidades de sua obra e incapaz de apoiar seus colegas de trabalho, aceitou todas as ''dicas'', chegando ao cúmulo de contratar o inexpressivo grupo de rock progressivo Tangerine Dream para compor a trilha substituta. 

O filme, que dos originais 114 minutos foi reduzido para 90, foi lançado então nos cinemas dos EUA e fracassou gloriosamente, além de ser massacrado pela crítica - embora uma versão de 94 minutos e com a trilha de Goldsmith tenha sido comprada pela Fox e lançada na Europa e também no Brasil na época.

Mas essa injustiça foi finalmente arrumada. Foi lançado na região 1 o DVD especial duplo que contém a versão restaurada do filme, como havia sido idealizada por seus criadores, à qual foram reintegradas cenas que tinham sido deixadas de fora de ambas as versões e a música de Jerry Goldsmith.

Essa chamada ''Versão do Diretor'' (Director’s Cut) está contida no Disco 1, tem 1h54min de duração e é apresentada em formato widescreen anamórfico, com som DTS, 5.1 Dolby Surround e 2.0 Dolby Surround. Além disso, vem com um canal de áudio especial trazendo os comentários do diretor Scott. 

O Disco 2 apresenta vários extras, tais como um documentário recente no qual são discutidos todos os aspectos da produção, com várias entrevistas e depoimentos, duas cenas perdidas (a abertura original e a dança das fadas), storyboards, galeria de fotos, trailers de cinema e TV, além da versão dos EUA, que possui apenas 1h30min de duração e a trilha musical que foi aos cinemas. No Brasil, foi lançado o filme em blu ray trazendo tanto a versão do diretor, quanto a versão européia dos cinemas.

Mas uma pergunta paira no ar: a versão restaurada de ''A Lenda'' faz dele um grande filme? Infelizmente a resposta ainda é negativa. A produção é visualmente brilhante, o clima de magia e conto de fadas está presente (agora mais do que nunca, graças à música de Goldsmith), os efeitos de maquiagem de Rob Bottin são perfeitos e Tim Curry como o vilão Darkness continua impressionando, mesmo ao atuar sob quilos de maquiagem que o deixam irreconhecível. 

Todavia, ''Legend'' tem um defeito grave: por causa de diversos problemas na produção (inclusive um incêndio que destruiu grande parte do estúdio), o roteiro de William Hjortsberg, que era inicialmente grandioso e ousado, foi sendo drasticamente reduzido e reescrito, resultando em um sub-Senhor dos Anéis indigesto e praticamente incompreensível.

Essa falta de rumo do projeto obviamente afetou o par de atores centrais, composto por Tom Cruise (aqui em início de carreira) e por Mia Sara (que nem é muito bonita e depois só apareceu em ''Curtindo a Vida Adoidado''). Os dois estão visivelmente perdidos, em especial Cruise, cuja atuação chega a ser constrangedora (o astro hoje rejeita a fita). Pior, o filme não tem ação e as poucas cenas de luta são mal dirigidas por Scott, que as deixa confusas e truncadas.

Em contrapartida, a ''Versão do Diretor'' é mais longa do que a de 94 minutos exibida nos cinemas europeus e brasileiros, particularmente na seqüência do encontro com os unicórnios, quando Darkness tenta seduzir a princesa Lily (Sara) e no diálogo entre ela e Jack (Cruise) na conclusão do filme, deixando-o um pouco mais forte ao aprofundar o amor entre os personagens principais e também o dilema enfrentado pelo Senhor da Escuridão, que tenta corromper a luz, mas também acaba corrompido por ela.

Tim Curry, irreconhecível como Darkness
É incompreensível, todavia, a opção do diretor em deixar de fora algumas cenas que fazem parte da versão que foi lançada nos EUA, em especial a que mostra o duende Gump recolocando o chifre no Unicórnio e causando sua ressurreição.

As duas versões também começam e terminam de maneira totalmente diferente. Na dos EUA o vilão é mostrado logo de cara, quebrando todo o impacto da sua aparição ao sair do espelho na metade do filme. Já na Versão do Diretor, Lily vai embora sozinha, pois entende que seu campeão pertence à floresta, mas em seguida Jack resolve correr para ela. Na dos EUA e na Européia, ambos rumam ao pôr do sol juntos, de mãos dadas...

Com tantas versões diferentes e mudanças conceituais, fica claro que nem mesmo os realizadores sabiam muito bem o que fazer com o roteiro que tinham em mãos. E é justamente essa falta de rumo a causa do fracasso do projeto, pois deixou aberta a porta para a intervenção direta de executivos do estúdio que, entre outros absurdos, decidiram destruir a trilha magistral de Jerry Goldsmith em favor de uma música mais comercial.

Para quem duvida é só comparar a cena da dança do vestido nas duas versões. Goldsmith compôs uma valsa grandiosa e maravilhosa, porém perturbadora, na performance precisa da National Philarmonic Orchestra mais Coral. Já na versão do Tangerine Dream vemos os personagens dançando freneticamente, mas a música soa modesta, mal se ouve coisa alguma, como se alguém estivesse arranhando um sintetizador timidamente. 

Como bem disse Paul MacLean no livreto que acompanha o álbum da Silva Screen com a trilha musical de Jerry Goldsmith para o filme, ''Homens de negócio fariam melhor se permanecessem em suas cadeiras de couro e deixassem o trabalho criativo para as pessoas criativas''. Pura e irretocável verdade. Jerry Goldsmith que o diga...

A versão que foi para os cinemas de ''A Lenda'', de 94 minutos, foi lançado em DVD no Brasil pela Fox. Entretanto, nem a Fox, nem a Universal, que distribui o DVD com a versão do diretor nos EUA, tem planos para a versão especial para o Brasil.

Cotação: * * * 1/2

domingo, 6 de março de 2016

MENTES PERIGOSAS: O psicopata mora ao lado

Estou lendo um livro aterrador sobre como funciona a mente de um psicopata. 

Abaixo alguns trechos do livro que mais me chocaram, até agora.

"Psicopatas são pessoas frias, insensíveis, manipuladoras, perversas, transgressoras de regras sociais, impiedosas, imorais, sem consciência e desprovidas de sentimento de compaixão, culpa ou remorso. Esses 'predadores sociais' com aparência humana estão por aí, misturados conosco, incógnitos, infiltrados em todos os setores sociais. [...]

Em casos extremos, matam a sangue-frio, com requintes de crueldade, sem medo nem arrependimento. Porém, em sua grande maioria, não são assassinos e vivem como se fossem pessoas comuns. E exatamente por isso permanecem por muito tempo ou até uma vida inteira, sem serem descobertos ou diagnosticados".

"Estima-se que 4% da população mundial apresente um transtorno de personalidade que afeta indistintamente homens e mulheres, pobre e ricos, etnia ou crença: a psicopatia. A maioria dos psicopatas jamais chega à violência física ou ao ato extremo do homicídio, mas nem por isso é menos ameaçadora."

"Eles estão por toda parte, perfeitamente disfarçados de gente comum e, tão logo suas necessidades internas de prazer, luxúria, poder e controle se manifestam, se revelarão como realmente são: feras predadoras".

"Os psicopatas são os vampiros da vida real. Não é exatamente o nosso sangue o que eles sugam, mas sim nossa energia emocional".

"Sem dar conta, acabamos por convidá-los a entrar em nossa vida e, quase sempre, só percebemos o erro e o tamanho do engodo quando eles desaparecem inesperadamente, deixando-nos exaustos, adoecidos, com uma enorme dor de cabeça, a carteira vazia, o coração destroçado e, nos piores casos, com a vida perdida".

"A piedade e a generosidade das pessoas boas podem se transformar em uma folha de papel em branco nas mãos de um psicopata. Quando sentimos pena, estamos vulneráveis emocionalmente e é essa a maior arma que eles podem usar contra nós".

"[...] os psicopatas tem total ciência dos seus atos (a parte cognitiva ou racional é perfeita), ou seja, sabem perfeitamente que estão infringindo regras sociais e por que estão agindo dessa maneira. A deficiência deles (e é aí que mora o perigo) está no campo dos afetos e das emoções. Assim, para eles, tanto faz ferir, maltratar ou até matar alguém que atravesse o seu caminho ou os seus interesses, mesmo que esse alguém faça parte do seu convívio íntimo".

"Os psicopatas possuem uma visão narcisista e supervalorizada de seus valores e importância. Eles se veem como o centro do universo e tudo deve girar em torno deles. Pensam e se descrevem coo pessoas superiores aos outros. [...] Para eles matar, roubar, estuprar, fraudar etc. não é nada grave. Embora saibam que estão violando os direitos básicos dos outros, por escolha, reconhecem somente as suas próprias regras e leis.

Além disso, são extremamente hábeis em culpar as outras pessoas por seus atos, eximindo-se de qualquer responsabilidade. Para eles, a culpa sempre é dos outros".

Tenha medo, tenha muito medo.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...