terça-feira, 29 de maio de 2007

DVD: "ALIEN 3"

.
AULA DE COMO NÃO FAZER CINEMA


Edição especial traz 30 minutos de interessantes cenas inéditas e documentários que desvendam sua caótica produção


- Por André Lux, crítico-spam

A edição especial de "Alien 3", que traz dois discos e pode ser adquirida junto ao Box "Quadrilogia Alien" com 9 DVDs ou separadamente, é uma verdadeira aula sobre como se faz cinema em Hollywood. Se bem que neste caso está mais para "como não se deve fazer" cinema.

O terceiro capítulo da série (e supostamente o último antes do péssimo "Alien: A Ressurreição") foi um grande fracasso de bilheterias e de crítica na época do seu lançamento. Embora tenha seus defensores, principalmente por causa do clima claustrofóbico, da perturbadora música de Elliot Goldenthal e do bom desenho de produção, é difícil negar que o filme não chega nem aos pés quando comparado ao suspense e ao horror do primeiro "Alien: O Oitavo Passageiro" ou ao ritmo frenético da continuação "Aliens - O Resgate".

E o que antes era mera conjectura acerca dos motivos que levaram o projeto ao naufrágio agora se transforma em fato, graças aos excelentes documentários que desvendam a produção de "Alien 3" desde a sua concepção até o lançamento nos cinemas: simplesmente não havia um roteiro pronto, nem mesmo durante as filmagens!

Não adianta, portanto, culpar o diretor David Fincher (que depois se consagraria em filmes como "Seven - Os Sete Crimes Capitais" e "Clube da Luta", aqui em sua estréia num longa-metragem), pois ele literalmente "pegou o bonde andando" herdando um projeto que vinha sendo desenvolvido há vários anos sem sucesso e já havia passado pelas mãos de Renny Harlin (de "Duro de Matar 2" e de Vincent Ward (de "Amor Além da Vida").

Sem ter um roteiro consistente para seguir e sofrendo constante pressão dos executivos da Fox, sobrou para Fincher a impossível missão de tentar salvar o projeto dando forma e conteúdo a toda aquela bagunça. O designer original do Alien, H.R. Giger, foi contratado para criar um novo modelo da criatura, supostamente mais ágil e veloz (na época diziam que seria um cruzamento entre "um jaguar e um trem de carga"), porém a maioria de suas contribuições foram descartadas (Giger acabou processando a Fox quando não recebeu créditos na continuação "Alien - A Ressurreição")

Confesso que ver "Alien 3" nos cinemas foi uma grande decepção. E o filme nunca melhorou numa revisão. Pelo contrário, ficou ainda pior principalmente por causa dos efeitos visuais lamentáveis que usaram para tentar movimentar a criatura - basicamente uma marionete fotografada contra um fundo azul. A coisa só melhorava um pouco quando filmavam um ator vestindo a roupa de Alien. Mas, fora isso, o resto do enredo era uma salada indigesta de todos os clichês de "filme de prisão", trazendo uma série de carecas fanáticos religiosos e irritantes cuja única função na tela era servir de jantar para o monstro-babão, que aqui não tem nada a fazer exceto ficar correndo de um lado para o outro. Sinceramente, nunca pensei que fosse torcer pelo Alien até ver este terceiro capítulo da série!

Mas o interessante é perceber que fica fácil ser mais condescendente com o filme depois que se assiste aos making-of, pois se levarmos em conta o caos que foi a produção de "Alien 3" é um milagre que tenham conseguido terminar as filmagens. E essa tolerância aumenta ainda mais na Versão Estendida a qual tem 30 minutos de imagens inéditas e apresenta algumas mudanças que, embora não sejam suficientes para salvá-lo, dão ao filme mais profundidade e riqueza.



Esta nova montagem não chega a ser a "Versão do Diretor", já que Fincher não aceitou se envolver na produção do DVD (tanto é que não há nenhum depoimento dele nos documentários). Ela é na verdade uma mistura da primeira edição do filme (e que foi rejeitada pelo estúdio) com a final para os cinemas, algo que poderia ser chamada de "Versão Bastarda" (clique na foto à direita para ver algumas cenas inéditas em tamanho maior).

Duas adições merecem destaque, já que mudam bastante o resultado. A primeira acontece no início do filme, quando o EEV cai no planeta Fiorina "Fury" 161. Diferente da versão cinematográfica, a tenente Ripley (Sigourney Weaver) é encontrada semimorta na praia pelo médico da prisão (Charles Dance), que a leva para dentro do complexo. Enquanto tentam reanimá-la, somos apresentados à concepção original do Alien no roteiro. Aqui ele sai de dentro de um boi, não de um cachorro. Há uma cena no matadouro que mostra os homens trazendo o bovino morto para dentro. No final da tomada, um deles mostra um facehugger (abraçador de rostos) diferente, maior e mais escuro, dando a entender que seria um modelo especial para depositar a futura Rainha-Alien no hospedeiro.

Várias dessas seqüências até então inéditas no começo do filme restauram imagens captadas pelo fotógrafo original de "Alien 3", o brilhante Jordan Cronweth (de "Blade Runner"), que estava sofrendo de Mal de Parkinson e teve que ser substituído por Alex Thomson após rodar tais cenas.

Outra mudança drástica em relação ao original diz respeito à seqüência na qual Ripley e os prisioneiros tentam prender o Alien. Na versão dos cinemas eles apenas conseguem explodir os túneis e matar um monte de gente, mas aqui a ação continua e eles realmente aprisionam a criatura! O personagem Golic, que estava preso numa camisa de força na enfermaria e não era mais visto na versão dos cinemas, acaba se soltando e, num arroubo de fervor religioso psicótico, liberta o Alien - que ele passou a considerar um "mensageiro de deus" depois de vê-lo matando o médico da prisão.

Outras adições servem para reforçar o aprofundamento psicológico de alguns prisioneiros (especialmente o líder Dillon, feito por Charles S. Dutton) e corrigem muitos furos que existiam na montagem que foi para os cinemas (o mais grave deles relativo ao desaparecimento de Golic).

Tudo isso não é suficiente, porém, para transformar "Alien 3" num grande filme. Existem ainda muitos pontos frouxos no roteiro - o mais gritante deles foi terem eliminado logo de cara o médico, que era o único personagem interessante da prisão - e os efeitos visuais de movimentação da criatura deixam muito a desejar...

Todavia, a nova edição do filme tem sim o mérito de trazer "Alien 3" mais próximo da visão do diretor Fincher e isso tende a deixá-lo um pouco melhor e mais interessante do que bagunça sem nexo que estávamos acostumados a ver até agora.

Cotação:
Versão dos cinemas: * *
Versão estendida: * * 1/2
.

7 comentários:

Cybershark disse...

Ih cara, acho o terceiro "Alien" muito ruim, a ovelha negra da série. Adoro muito os dois primeiros e o quarto (este último foi o filme que me "converteu" em cinéfilo - podem malhar mas é a verdade!), no entanto o terceiro me enche de constrangimento. Não acredito que tenha melhorado muito nessa versão extendida, por isso nem me dei ao trabalho de ver. A versão do cinema, mais curta, já era bem chatinha. Quanto aos DVDs, infelizmente só tive acesso ao do quarto filme. Valeu cada centavo, é o melhor DVD da minha coleção tanto em tratamento imagems/som quanto em extras.

Lulis B. disse...

Nossa vc sabe mesmo falar de cinema, gostei muito desse texto de hj apesar de nem ter conseguido terminar de ver esse filme tamanha infâmia, eu consegui concordar com vc em gênero e grau, rs. Estava procurando outros temas e notei q vc gosta de filmes de ficção e ficção científica, já pensou em comnetar outras categorias? Tem tt filme bom por ai, pra fazer o povo pensar um pouco na vida, eu uso muitos filmes em sala de aula e sempre estou em busca de novas reflexões..foi assim q cheguei até sua página. Seria interessante suas criticas em diferentes categorias. Pense nisso, tá.
fui..
Lulis B

Ricardo Melo disse...

Olha, em matéria de Alien, eu só posso dizer que nunca vou esquecer da "experiência" que foi assistir no cinema o primeiro da série. Eu diria que foi algo revelador.
A respeito do comentário da Lulis Bierrenbach, eu poderia citar outro gênero de filme muito interessante, o documentário.
E, falando em documentário, recomendo muito o Memória do Saqueio, do argentino Fernando Solanas. Garanto que esse documentário é uma relevação para os interessados em temas sócio-econômicos. ´
Memória do Saqueio é um documentário premiadíssimo sobre o saqueio da Argentina, perpetrado por Carlos Menem, pela elite financeira e industrial local e faturado pelo poder financeiro mundial. Uma verdadeira estória de traições ao povo argentino, submetido a um verdadeiro "genocídio social".
É uma linda peça. Só tem um porém, não está disponível para venda no Brasil. Na Argentina, essa produção é considerada como de interesse educativo nacional.
Nem precisava comentar, mas a detentora desse título no Brasil é norte-americana...
Recomendo muito aos "experts" da Internet a cópia desse arquivo, pois esse é um filme de grande impacto que tem sido exibido em uma renomada escola de elite de Valinhos.
É isso. Abraços a todos.

Lulis B disse...

olha Ricardo Melo assisti a poucos domcumentários na minha vida só q esta categoria não me atrai muito, principalmente por ter abordagem política, não gosto de temas sócio-economicos.
flou
Lulis B.

André Lux disse...

Ricardo, eu assisti ao primeiro Alien em vídeo, bem depois que o filme passou nos cinemas (eu não podia entrar, devido à censura para menores de 18 anos). Basta dizer que tenho pesadelos com aquele monstro até hoje! Acho que se eu tivesse visto o filme nos cinemas, na época, eu teria tido um colapso!!

lulis B. disse...

Hm vc teve pesadelos pq no aspecto psicológico estes tipos de filmes nada mais são que uma anamorfose do inconsciente das pessoas, de seus medos, anseiose etc...

Marcus Valerio XR disse...

Tal como o André, eu também não pude assistir a Alien no cinema, pois era muito pequeno, mas jamais esqueci das fotos que vi numa reportagem de revista e que tem o mérito de ser uma das únicas 3 coisas que assustaram até hoje. Só fui ver Alien-O 8 Passageiro após ver Aliens-O resgate, aí sim, numa reprise em cinema.
Se os dois primeiros filmes são excelente e ficam ainda melhores em suas versões extendidas em DVD, então arriscarei ver esse Alien 3 também, que assim como quase todo mundo, me desagradou sobremaneira, principalmente por já começar matando o segundo filme, uma vez que toda a conquista obtida lá foi perdida.
Pra piorar, ficou radical demais o retrocesso tecnológico. A tecnologia, métodos e recursos dos caras são dignas da prisão de alcatraz! Putz! Tudo bem que não necessariamente teremos métodos muito mais avançados daqui a séculos no futuro, mas dificilmente terá havido tamanha estagnação científica!
Também nunca foi explicado como o embrião foi parar na Ripley.
Espero que minha impressão melhore ao ver esta nova versão.

Marcus Valerio XR
http://www.xr.pro.br

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...