Postagem em destaque

SEJA UM PADRINHO DO TUDO EM CIMA!

Ajude este humilde blogueiro a continuar seu trabalho! Sempre militei e falei sobre cinema e outros assuntos sem ganhar absolutamente nada ...

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Moniz Bandeira: Houve ação da direita dos EUA no golpe hondurenho

Os militares hondurenhos não dariam um golpe de Estado se não contassem com respaldo de alguns setores, nos Estados Unidos, que se opõem à política exterior do presidente Barack Obama, sobretudo com respeito à Venezuela, Cuba e à América Latina, e querem criar-lhe dificuldades. A análise é do cientista político Luiz Alberto de Vianna Moniz Bandeira, em entrevista ao jornal A Tarde, de Salvador. Para ele, é provável que setores da CIA e do Pentágono, que se alinham com os neo-conservadores, tenham dado o sinal verde para a derrubada do presidente Manuel Zelaya.

A Tarde: Com relação à crise em Honduras, é possível que tenha havido alguma participação dos Estados Unidos?

Moniz Bandeira – Eu não diria participação dos Estados Unidos, mas me parece certo que os militares hondurenhos não dariam um golpe de Estado se não contassem com respaldo de alguns setores, nos Estados Unidos, que se opõem à política exterior do presidente Barack Obama, sobretudo com respeito à Venezuela, Cuba e à América Latina, e querem criar-lhe dificuldades. Há fortes evidências neste sentido. Congressistas do Partido Republicano, como Mário Díaz-Balart, da representante da comunidade cubano-americana de Miami, e Mike Pence, também um conservador extremista, declararam que não houve golpe militar no sentido do termo e atacaram a posição do governo de Obama bem como a posição assumida pela OEA. O mesmo pronunciamento fez Roger Noriega, ex-secretário assistente o para o Hemisfério Ocidental, no governo do presidente George W. Bush, e o que mais impulsionou o agravamento das sanções contra Cuba, que Obama agora começa a reverter. Manifestou-se abertamente em favor do golpe militar, alegando que o presidente Manuel Zelaya agiu fora da lei e que os “irresponsáveis diplomatas regionais, que haviam falhado de confrontar os caudilhos anti-democráticos na Venezuela, Bolívia, Equador, Nicarágua e Honduras, foram cúmplices nos seus abusos”. Esses neocons (neo-conservadores) justificaram o golpe militar, dizendo que os hondurenhos, derrubando o governo do presidente Manuel Zelaya, atuaram para defender a democracia e preservar a lei. Mas não que o governo de Manuel Zelaya houvesse suprimido no país as liberdades civis e as instituições democráticas.

AT: Mais precisamente, quais os vínculos que os militares em Honduras têm com os Estados Unidos?

MB – Provavelmente, setores da CIA e do Pentágono, que se alinham com os neo-conservadores e se opõem à política do presidente Barack Obama, deram ao Exército o sinal verde hondurenho para a derrubada do presidente Manuel Zelaya. Em Honduras, a presença militar dos Estados Unidos é marcante. Lá, na base aérea de Soto Cano (Palmerola), está sediada a Joint Task Force-Bravo, integrante do U.S. Southern Command (Southcom), com cerca de 350 a 500 soldados, do 612th Air Base Squadron e o 1st Battalion, 228th Aviation Regiment. Nessa base, nos anos 1970 e 1980, foram treinadas as tropas hondurenhas, integrantes do Batalhão 3-6, acusadas de inúmeros seqüestros, abusos e crimes contra os dissidentes hondurenhos. E, nos anos 1980, Honduras foi o santuário dos “contra”, dos guerrilheiros que combatiam o governo sandinista da Nicarágua, com recursos financeiros ilegais fornecidos pela administração do presidente Ronald Reagan. É lógico, portanto, concluir que os militares hondurenhos não se atreveriam a dar um golpe de Estado, em franco desafio à política exterior que o presidente Barack Obama pretende executar, sem contar com o respaldo de setores políticos do Partido Republicano, bem como do Pentágono e da CIA.

AT: O senhor disse em entrevista que Obama não teria condições de reverter a política externa de George W. Bush, que tais mudanças seriam apenas ''cosméticas''. Se a política externa que está sendo construída por Obama é tão “cosmética“, por que teria causado insatisfação destes setores internos do governo norte-americano, a ponto de fazê-los incitar um golpe em Honduras?

MB – Eu disse que ele, fundamentalmente, não tem condições de reverter, porque um presidente, qualquer que seja sua tendência política, não pode fazer o que quer, o que deseja, devido às relações reais de poder nos Estados Unidos. O presidente, em qualquer país, sobretudo dentro de um regime democrático, faz apenas o que pode, dentro da correlação de forças existente na sociedade. Obama, por exemplo não pode cortar substancialmente as encomendas do Pentágono, a fim de reduzir o déficit fiscal dos Estados Unidos, que cresce de ano a ano. Se tentasse fazê-lo, diversas indústrias de material bélico logo quebrariam, aumentando o desemprego e arruinando os Estados onde estão instaladas. Nos anos 1980, o Estado da Califórnia dependia mais do que qualquer outro das despesas militares, a maior parte com programas nucleares, tais como a fabricação dos bombardeios B-1 e B-2, o Tridente I e o Tridente II, os mísseis MX, a Strategic Defense Initiative (guerra nas estrelas), e vários outros programas, tais como o MILSTAR. As empresas contratadas recebiam 20% do orçamento do Departamento de Defesa. As pessoas e as organizações na Califórnia e em outros Estados naturalmente que se opunham à redução das encomendas de material bélico.

AT: Zelaya, Chávez e Evo Morales se sustentam num discurso de representação dos pobres. Esse neo-populismo de esquerda seria a única resposta possível aos regimes de direita, militares e conservadores que eram apoiados pelos Estados Unidos entre os anos 60 e 80 na região? A política de Chávez, que apontou o governo Micheletti de ''ditadura'', não seria também opressora para com os opositores do governo venezuelano?

MB – Não vou entrar no caso de Honduras, porque a situação, na América Central, não é igual à da América Sul. Do ponto de vista geopolítico, os países da América Central, como Honduras, gravitam mais na órbita dos Estados Unidos. Porém, o que sei é que Hugo Chávez e Evo Morales foram eleitos democraticamente e seus governo exprimem um tipo de revoltas das camadas mais exploradas e oprimidas, tanto na Venezuela como na Bolívia. E falar de “neo-populismo de esquerda” nada explica, porque, antes de tudo, é necessário explicar porque “neo”, porque “populismo”, porque “de esquerda”. O populismo é um fenômeno bastante complexo, que apresenta, em cada país, especificidades, e esse conceito perde, na generalização, o rigor científico e, em conseqüência, a utilidade teórica e prática. De modo geral, é um contrabando ideológico que os conservadores aplicam a todos os governos que tratam de atender às reivindicações populares, contrariando os interesses das elites, das classes dirigentes. E quanto ao governo do presidente Chávez, embora não se possa estar de acordo ou aprovar todas as suas iniciativas, todas as suas atitudes, não se pode dizer que sua política é “opressora” dos que se opõem ao seu governo. Que eu saiba, lá não há presos políticos e a imprensa não está sob censura. Mas é bom lembrar que os Estados Unidos, em abril de 2002, apoiaram abertamente um golpe militar-empresarial para derrubá-lo e, através da National Endowment for Democracy (NED), com fundos do Congresso, sempre financiaram, na América Latina, sobretudo na Venezuela e em Cuba, as correntes de oposição, que dizem defender a democracia.

AT - Neste novo contexto latino-americano, há definições possíveis e claras para democracia e ditadura? Quais os exemplos?

MB - Não vou entrar em discussões teóricas, conceituais, sobre o que é democracia e o que é ditadura, numa simples entrevista, sobre um caso concreto, como o golpe militar em Honduras.

AT - A Igreja Católica em Honduras foi a única instituição a defender o novo governo de Micheletti, alegando evitar a infiltração de um modelo chavista. Como avalia esta posição?

MB –A Igreja Católica tende, em geral, para o conservadorismo. No Brasil, apoiou o golpe militar de 1964, mas depois grande parte do clero inflectiu para a oposição à ditadura.

AT - Até agora o governo brasileiro tem se mantido afastado da crise em Honduras? A que o senhor atribui essa posição do governo brasileiro?

MB – O Brasil tem como princípio de política exterior não intervir nos negócios internos de outros países. Porém, demonstrando de forma inequívoca que não reconhece o governo emanado do golpe de Estado, retirou seu em embaixador de Tegucigalpa.

Fonte: A Tarde

Copiado do site Vermelho.

Eduardo Guimarães: Lula tinha razão, era só uma marolinha

Contrariando a pregação da oposição tucano-pefelista-midiática, o governo Lula pôs o Estado como locomotiva dos investimentos, da normalização do crédito, da redução de impostos, enfim, de adoção de políticas públicas que, contrariando o velho cacoete neoliberal do “Estado mínimo”, deu a ele sua função adequada num momento como este, e o resultado está aí.

- por Eduardo Guimarães

"A economia dos Estados Unidos teve em junho uma perda de 467 mil postos de trabalho, o que elevou a taxa de desemprego no país para 9,5%, o nível mais alto em mais de 25 anos.

A economia do Chile dá novos sinais de recessão com o forte declínio na produção industrial e o aumento do desemprego. A produção da indústria sofreu queda interanual de 10,5% em maio de 2009 e somou oito meses de retração consecutiva, enquanto a taxa de desemprego subiu para 10,2% no trimestre móvel março-maio."

Agora, o Brasil: vide imagem acima, da manchete desta terça-feira do jornal mais oposicionista da atualidade.

A economia se recupera em todo país. Nos últimos meses, centenas de milhares de empregos foram criados. A confiança do brasileiro na economia atingiu o nível pré-crise. Os investimentos estão chegando, o dólar cai, a bolsa também já retornou ao patamar pré-crise, em suma, a economia brasileira, pode-se dizer, não sofreu mais do que uma marolinha diante dos problemas que o resto do mundo está enfrentando.

Aliás, quem me lê há mais tempo sabe que, para mim, nada disso é novidade. Em setembro do ano passado eu já dizia aqui – sob uma saraivada de discordâncias – que, ultrapassado aqueles dois trimestres críticos seguintes ao agravamento de uma crise que já vinha ensaiando recrudescer há, então, cerca de um ano antes, o país resistiria àquela crise que se avizinhava, como de fato acabou ocorrendo.

Aliás, pedi aqui, inúmeras vezes, para que as pessoas se lembrassem de minhas palavras, e fundamentei as razões pelas quais tinha aquela opinião, explicando que um país como este, no estágio de progresso e solidez de sua economia em que fora colocado por políticas de Estado corretas, teria tudo para resistir à crise.

Ora, primeiro que o país reduziu seu endividamento drasticamente de 2003 para cá, invertendo a curva de endividamento ascendente que se verificara na década passada. O comércio exterior, para o bem ou para o mal, no Brasil ainda é pequeno, apesar de ter crescido muito nesta década.

Além disso, o alargamento das fronteiras econômicas do Brasil para a Àfrica e para a Ásia, deixando para traz as políticas dos governos anteriores de concentração dos esforços comerciais do Brasil nos EUA e na União Européia, política que vigeu até 2002, permitiu-nos ser muito menos afetados pela queda dramática dos negócios com o mundo rico.

Somado a isso tudo, e contrariando a pregação da oposição tucano-pefelista-midiática, o governo Lula pôs o Estado como locomotiva dos investimentos, da normalização do crédito, da redução de impostos, enfim, de adoção de políticas públicas que, contrariando o velho cacoete neoliberal do “Estado mínimo”, deu a ele sua função adequada num momento como este, e o resultado está aí.

E sabem o que é o melhor disso tudo? Por mais que alguns poucos dotados de vozes guturais e amplificadas façam de conta que não vêem isso tudo, todo mundo está vendo e sentindo na pele que aquilo que acabo de escrever é a mais pura verdade.

Visitem: Blogue do vereador Durval Orlato, do PT

Está no ar o site do vereador Durval Orlato, do PT, que tem formato de blogue. Convido a todos que visitem para que possam ficar mais informados sobre os problemas de Jundiaí, cidade que está há mais de 20 anos nas mãos do mesmo grupo político, atualmente no PSDB, e a cada dia fica mais caótica e inviável, principalmente para a população de baixa renda.

Visitem neste link: www.orlato.com.br

Bira Dantas: Rindo da mídia golpista



terça-feira, 28 de julho de 2009

Rir para não chorar (atualizado) Recessão acaba e PiG fica a ver navios

Um agressivo leitor anônimo apontou um erro no texto anterior, que estava postado aqui. E ele tem razão, por isso, vamos corrigir. O Brasil esteve em recessão de outubro a dezembro de 2008 (-3,6) e de janeiro a março de 2009 (-0,8). Agora, segundo os bancos, a recessão acabou em maio. Ou seja, A Folha anunciou toda feliz que o país estava em recessão quando ele já havia saido dela. Enfim, o país já superou a crise e voltou a crescer, ao contrário do que queriam nos fazer acreditar os oráculos da catástrofe. Mais um gol de placa do governo Lula que a direita raivosa e o PiG vão ter que engolir... Ah, e só pra não esquecer: aqui, quando a gente erra, assume e corrige. Sem medo de ser feliz.

Capa da Folha de S. Paulo, o jornal da "ditabranda", de 10 de junho de 2009:



Capa da Folha de S. Paulo, o jornal da "ditabranda", de 28 de julho de 2009:

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Altamiro Borges: Presidente da UNE desafia a mídia venal

Por Altamiro Borges, em seu blog

Em artigo publicado no sítio da revista CartaCapital, o novo presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Augusto Chagas, deixou explícito que a aguerrida entidade dos universitários está disposta a enfrentar a briga contra a ditadura midiática, que insiste em manipular a sociedade e satanizar os movimentos sociais.

No ano da 1ª Conferência Nacional de Comunicação, marcada para dezembro, esta postura combativa sinaliza para um ativo engajamento da juventude na luta pela democratização dos meios de comunicação no país. Concluído o 51º Congresso da UNE, esta batalha passa a ser encarada como estratégica pela entidade máxima dos estudantes.

Diante dos ataques “maldosos e inescrupulosos” de boa parte da mídia à UNE, Augusto Chagas partiu para a ofensiva. Com argumentos sólidos, ele rechaçou todas as mentiras divulgadas pelos jornais e telejornais e desafiou os barões da mídia, que atacam a entidade por receber patrocínio das empresas estatais.

“Declarem que de hoje em diante não aceitam um centavo de dinheiro público e faremos o mesmo. Da nossa parte, temos a certeza que seguiremos a nossa trajetória”. Será que os difamadores da mídia topam o desafio da UNE, que levaria à falência boa parte dos monopólios midiáticos do país? Abaixo, os principais trechos deste excelente artigo:

“Fidelidade aos ensinamentos de Goebbels”

A UNE acaba de sair do seu 51º Congresso, um dos mais importantes e o mais representativo da sua história. Mais de 2.300 instituições de ensino superior elegeram representantes a este fórum, contabilizando as impressionantes marcas de 92% das instituições envolvidas, mais de 2 milhões de votos nas eleições de base e de 4,5 milhões de universitários representados. Nosso congresso mobilizou estudantes de todo o país, que por cinco dias debateram o futuro do Brasil – popularização da universidade, reforma política, democratização da mídia, defesa do pré-sal, etc.

Se a imprensa brasileira trabalhasse a favor da democracia, esses assuntos seriam manchete em todos os jornais, rádios e canais de televisão e a disposição da juventude em lutar por um país melhor seria divulgada. No entanto, estes veículos nos dedicaram tratamento bem diferente nas duas últimas semanas. Cumprindo com fidelidade o ensinamento de Goebbels – uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade – a mídia escandalosamente busca subterfúgios para atacar a UNE, taxando-a de governista, vendida, aparelhada e desvirtuada de seus objetivos. Com isso, tenta impor a todos os seus pontos de vista, sem qualquer mediação ou abertura para apresentar o outro lado da notícia.

E os milhões da publicidade oficial?

Uma destas grosserias tem a ver com o recebimento de patrocínios de empresas públicas por parte da entidade. A UNE nunca recebeu recurso público para aplicá-lo no que bem entendesse. Recebe sim, e isto não se configura em nenhuma irregularidade, apoio para a construção de nossos encontros. Tampouco, estas parcerias comprometeram as posições políticas da entidade. Não nos impediu, por exemplo, de desenvolver uma ampla campanha – com cartazes, debates, passeatas e pronunciamentos – exigindo a demissão de Henrique Meirelles da presidência do Banco Central, que foi indicado por este mesmo governo. Não nos furtamos de apresentar nossas críticas ao MEC por sua conivência ao setor privado da educação, como no caso do boicote que convocamos ao Enade por dois anos consecutivos.

Mas, onde estavam os jornais, as TVs, rádios e revistas para noticiar essas manifestações? Reunimos, em julho de 2007, mais de 20 mil pessoas na Esplanada dos Ministérios para pedir mudanças na política econômica do governo Lula e nenhuma nota foi publicada ou divulgada sobre isso. Os mesmos jornais que se horrorizam com o fato de termos recebido recursos para reunir 10 mil estudantes de todo o Brasil não parecem incomodados em receberem, eles próprios, um montante considerável de verbas publicitárias do governo federal. Em 2008, as verbas públicas destinadas para as emissoras de televisão foram de R$ 641 milhões, já os jornais receberam quase R$ 135 milhões.

Ora, por qual razão os patrocínios recebidos pela UNE corrompem nossas idéias enquanto todo este recurso em nada arranha a independência destes veículos? A UNE desafia cada um deles: declarem que de hoje em diante não aceitam um centavo em dinheiro público e faremos o mesmo! De nossa parte temos a certeza que seguiremos nossa trajetória! Com certeza não teremos resposta. Pois não é esta a questão principal. O que os incomoda e o que eles querem ocultar é a discussão sobre o futuro do Brasil e a opinião dos estudantes.

“Por uma comunicação mais justa e equilibrada”

Não querem lembrar que durante a década de 90 os estudantes brasileiros – em jornadas ao lado das centrais sindicais, do MST e de outros movimentos sociais - saíram às ruas para denunciar as privatizações, o ataque ao direito dos trabalhadores e a ausência de políticas sociais. Que foram essas manifestações que impediram o governo Fernando Henrique Cardoso de privatizar as universidades públicas através da cobrança de mensalidades.

Não reconhecem que após a eleição do presidente Lula, a UNE manteve e ampliou suas reivindicações. Resultado delas, nós conquistamos a duplicação das vagas nas universidades públicas, o PROUNI e a inédita rubrica nacional para assistência estudantil, iniciando o enfrentamento ao modelo elitista de universidade predominante no Brasil.

Insinuam que a UNE abriu mão de suas bandeiras históricas, mas esquecem que não há bandeira mais importante para a tradição da UNE do que a defesa de uma universidade que esteja a serviço do Brasil e da maioria do nosso povo! Não se conformam com a democracia, com o fato de termos um governo oriundo dos movimentos sociais e que, por esta trajetória, está aberto a ouvir as reivindicações da sociedade.

A UNE não mudou de postura, o que mudou foi o governo e o Brasil e é isso que os conservadores e a mídia que está a serviço desses setores não admitem. Insistem em dizer que a UNE nasceu para ser ‘do contra’. Rude mentira que em nada nos desviará de nossa missão!

Saibam que estamos preparados para mais editoriais, artigos, comentários e tendenciosas ‘notícias’. Contra suas pretensões de uma sociedade apática, acrítica e sem poder de contestar os rumos que querem impor ao nosso país, eles enfrentarão a iniciativa criativa e mobilizadora dos estudantes na defesa de um novo Brasil. Há de chegar o dia em que teremos uma comunicação mais justa e equilibrada. A UNE e sua nova diretoria estão aqui, firmes e à disposição do verdadeiro debate de rumos para o Brasil!

sábado, 25 de julho de 2009

Vereador Durval Orlato: Plenária de prestação de contas do mandato

Para quem diz que todo político é igual, abaixo um exemplo que todos gostaríamos de ver em outros. O vereador do PT Durval Orlato, no qual eu votei na última eleição, promove neste sábado uma plenária onde vai prestar contas do seu mandato até agora. Quem puder, participe!


Clique na figura para vê-la em tamanho real

sexta-feira, 24 de julho de 2009

DVD: "A Desconhecida"

SUSPENSE DOS BONS

O diretor Giuseppe Tornatore é um dos poucos que ainda conseguem fazer filmes de suspense com qualidade e clima sombrio sem ter que apelar para sustos falsos ou sangueira explícita.

- por André Lux, crítico-spam

O diretor Giuseppe Tornatore, de “Cinema Paradiso”, é um dos poucos que ainda conseguem fazer filmes de suspense com qualidade e clima verdadeiramente sombrio sem ter que apelar para sustos falsos ou sangueira explícita. Em “A Desconhecida”, ele demonstra novamente seu talento para contar histórias densas e sufocantes como já havia utilizado no excepcional “Uma Simples Formalidade”.

Aqui a trama não é tão complicada, porém o cineasta tira proveito máximo das situações utilizando enquadramentos rebuscados, música sinistra e onipresente do mestre Ennio Morricone e direção de fotografia enervante para contar a saga de uma misteriosa mulher que se aproxima de uma família com motivação obscura. Aos poucos o roteiro vai desvendando seus objetivos reais e seu terrível passado, enquanto tragédias vão se acumulando em seu caminho.

Não é um filme fácil de ver e Tornatore filma sem concessões até o final dramático, que mostra um drama muito atual que é o tráfico de mulheres do leste europeu. Mas quem gosta de um bom suspense, cheio de clima e mistério, não pode perder.

Cotação: * * * *

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Resultado da enquete: Arthur Virgílio, do PSDB, é eleito o mais repugnante

Minha humilde enquete sobre "Qual é a figura mais repugnante da política nacional?" terminou com a vitória do senador amazonense Arthur Virgílio, o Dr. Smith do PSDB, seguido mais ou menos de perto pelo Darth Vader do STF, Gilmar Mendes.

Fernando Henrique Cardoso, o pavão misterioso, e seu assecla José "Nosferatu" Serra, o Imperador de São Paulo (a Tucanolândia), praticamente empataram em terceiro lugar.

É verdade que a maioria esmagadora dos votantes elegeu "Todos Eles" como sendo repugnantes com impressionantes 197 votos, 66% do total, mas na disputa individual ninguém bateu o hipócrita sacripanta do Amazonas.

Como prêmio, Virgílio, o santo de pau oco, iria ganhar um DVD com o filme "Yor, O Caçador do Futuro" para poder aprender como é que se mata de verdade os barbudos do mal. Procurado por nossa assessoria, o Senador tucanalha foi curto e grosso: "Não aceito prêmio de petralha, só pagando!". Como a grana tá curta, vou manter meu DVD do "Yor" aqui em casa mesmo...

Obrigado a todos pela participação. Foi lindo!

Qual é a figura mais repugnante da política nacional?

- Arthur Virgílio, o falso-moralista: 34 (11%)
- FHC, o farol da Alexandria: 14 (4%)
- Gilmar Mendes, o Darth Vader do STF: 23 (7%)
- Álvaro Dias, o plastificado: 5 (1%)
- Jair Bolsanaro, o amigo de torturador: 7 (2%)
- Heráclito Fortes, o sapo-boi: 2 (0%)
- José Serra, o vampiro: 13 (4%)
- Todos eles 197 (66%)

Votos: 295

Uma entrevista de rachar o côco: Bautista Vidal na Caros Amigos

Meu grande amigo Ricardo Melo enviou-me por email essa fantástica entrevista com o físico e engenheiro José Walter Bautista Vidal, publicada pela revista de esquerda Caros Amigos em dezembro de 1997, no meio do segundo mandato de FHC, o boca mole.

Vejam abaixo o abre da entrevista e leiam o texto completo no link abaixo. Entre muitas coisas impressionantes, o professor Vidal prevê a atual crise econônica que começou nos EUA. Leiam tudo, pois vale a pena!

- André Lux

Você vai sair desta entrevista com a cabeça cheia de interrogações, a par de acachapado. O físico e engenheiro José Walter Bautista Vidal, conhecedor, como pouquíssimos, do chão, da gente, do poder (ele esteve lá) e dos problemas brasileiros, faz afirmações impressionantes.

Com números, mostra que o Brasil só não é uma grande potência porque não quer. Que o Brasil está cada vez mais à mercê dos especuladores internacionais porque quer. Que é dependente por escolha dos que o governam. Que a moeda que circula no mundo é falsa, não passa de papel pintado, e os países desenvolvidos estão à beira da falência. Que a era do petróleo — energia que move o mundo — está com os dias contados e eles não têm alternativa a não ser se apropriar das fontes energéticas que a natureza legou a outras nações.

E a mais rica delas todas, disparadamente, é o Brasil, "porque foi premiado com um reator a fusão nucelar particular — o sol, que é a grande fonte de todas as formas de energia usadas pelo homem até agora e dentro de bilhões de anos". E o Brasil, como "grande continente tropical do planeta", terá por isso um poder inimaginável, "desde que conte com dirigentes à altura desse papel histórico". Sim, porque o que determina os rumos da história é a política. E esse físico e professor tem a cabeça política.

Clique aqui para ler a entrevista completa.

Charges: Uma vez PiG, sempre PiG!



Para entender o ódio da direita contra estudantes: Veja o video de Lula no congresso da UNE



Leiam também esse ótimo texto do meu amigo blogueiro Miguel do Rosário:

Estudantes organizados enfurecem o Leviatã

O PIG e seus lacaios da blogosfera defendem furiosamente estudantes do Irã, mas os estudantes brasileiros podem ser espancados sem piedade e suas entidades representativas podem ser caluniadas e asfixiadas financeiramente. Estudante bom, para o PIG, só iraniano. Blogueiro, só serve aquela cubana que fala mal de Fidel. Twiteiro, só serve o #ForaSarney, aqueles bebedores de Toddynho alienados, ingênuos, analfabetos políticos, e oportunistas.

Continue lendo o texto no blog Óleo do Diabo.

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Coleção Vermelho: Altamiro Borges lança A Ditadura da Mídia

Há um novo livro na praça para denunciar e combater os desmandos da chamada mídia burguesa. É A Ditadura da Mídia, do jornalista Altamiro Borges, o Miro, diretor do Vermelho e secretário de Comunicação do PCdoB. Terceiro lançamento da Coleção Vermelho, o livro tem — conforme as palavras do jornalista Laurindo Lalo Leal Filho — “a justa pretensão de se tornar um instrumento de apoio para todos os que lutam pela construção de uma comunicação mais justa e equilibrada em nosso país”.

A pertinência da obra sobressai ainda mais neste ano de 2009, em que ocorrerá a Conferência Nacional de Comunicação (Confecom), em Brasília, de 1º a 3 de dezembro. Ao tratar dos objetivos centrais de sua publicação, Miro resume: A Ditadura da Mídia “não é uma obra acadêmica, mas uma peça de denúncia política. Ela não é neutra nem imparcial, mas visa desmascarar o nefasto poder da mídia hegemônica e formular propostas para a democratização dos meios de comunicação”.

Foi justamente no sentido de valorizar o didatismo — sem perder a contundência do conteúdo — que Miro dividiu o livro em cinco capítulos complementares, mas autoexplicativos: 1) Poder mundial a serviço do capital e das guerras; 2) A mídia na berlinda na América Latina rebelde; 3) Concentração sui generis e os donos da mídia no Brasil; 4) De Getúlio a Lula, histórias da manipulação da imprensa; 5) Outra mídia é urgente: as brechas da democratização.

“Sem enfrentar a ditadura midiática não haverá avanços na democracia, nas lutas dos trabalhadores por uma vida mais digna, na batalha histórica pela superação da barbárie capitalista e nem mesmo na construção do socialismo”, analisa Miro. “Aos poucos, os partidos de esquerda e os movimentos sociais percebem que esta luta estratégica exige o reforço dos veículos alternativos, a denúncia da mídia burguesa e uma plataforma pela efetiva democratização da comunicação.”

O prefácio é assinado por Venício A. de Lima, professor da UnB e um dos maiores especialistas em comunicação no Brasil. Segundo ele, o livro de Altamiro Borges é bem-sucedido tanto nas denúncias quanto na formulação de contrapropostas: “O precioso e oportuno A Ditadura da Mídia oferece ao leitor, em linguagem simples e direta, não só o quadro atualizado sobre os grupos que disputam o controle da grande mídia no mundo e em nosso país, como também um roteiro justificado de metas que devem orientar as reivindicações populares na 1ª Conferência Nacional de Comunicação.”

Apoiado por 54 entidades sindicais — incluindo cinco centrais —, A Ditadura da Mídia pode ser solicitado junto ao Vermelho por R$ 20. Basta fazer o pedido pelo e-mail livro@vermelho.org.br ou pelo telefone (11) 3054-1835 (com Eliana Ada). Na compra acima de 50 exemplares, entidades sindicais e populares pagam apenas R$ 10 por exemplar.

SERVIÇO

Lançamento: A Ditadura da Mídia
Autor: Altamiro Borges Editora: Anita Garibaldi
Data: julho de 2009 Páginas: 180
Valor por exemplar: R$ 20 e R$ 10 (pedidos acima de 50 unidades)

segunda-feira, 20 de julho de 2009

A estupidez humana não tem limites: Eleitor alienado explica porque vota no PSDB em SP

A gente vive se perguntando qual é o problema de São Paulo, o Estado mais rico do país, porém um dos mais atrasados e reacionários no quesito política.

Como pode a população de um Estado tão importante e que outrora já foi chamado de "a locomotiva do Brasil" eleger políticos tão incompententes e conservadores por décadas a fio?

Bom, um leitor assíduo do meu blog, o sr. Anônimo, deixou um comentário na postagem abaixo que pode dar uma pista para solucionar esse mistério:

"NÃO ME INTERESSA O QUE O GOVERNO SERRA FAZ OU DEIXA DE FAZER. A ÚNICA COISA QUE PRECISA SER FEITA EM SÃO PAULO É DERROTAR O PT."
- Anônimo


Releiam com atenção o que escreveu o sr. Anônimo. Vejam a que nível chega a estupidez do ser humano. O sujeito confessa que não tem o menor interesse de saber o que o atual governador de São Paulo faz ou deixa de fazer. Sim, é isso mesmo. Ele não tem o menor interesse em saber o que o político que elegeu faz com o dinheiro público, muito menos o que deixa de fazer para melhorar a vida de todos os paulistas. A única coisa que interessa ao sr. Anônimo é "derrotar o PT".

Assim, se amanhã cientistas conseguirem produzir um clone do Adolf Hitler e ele venha disputar uma eleição em São Paulo, o sr. Anônimo vai votar no velho nazista se ele for a melhor opção para derrotar o PT. E ponto!

Eu sei que parece piada, parece invenção, delírio. Mas, acreditem, não é. Aqui em São Paulo muita, mas MUITA gente pensa assim mesmo. E é por isso que gente como José Serra, Kassab, Alckmin e outras aberrações conseguem se sustentar no poder, mesmo não fazendo absolutamente nada para melhorar a vida de todos nós. Muito pelo contrário.

Depois, pessoas como o ilustre sr. Anônimo não sabem por que em São Paulo se paga o maior IPVA do Brasil, existem as maiores denúncias de corrupção (principalmente em obras superfaturadas), os maiores engarrafamentos, os maiores índices de violência, os piores índices de educação, as passagens de ônibus e tarifas de pedágios mais caras, uma das polícias mais truculentas e despreparadas, os impostos mais caros, etc.

É isso aí. Então, sr. Anônimo e similares, dá próxima vez que vocês estiverem presos num daqueles engarrafamentos monstros, tiverem que desenbolsar uns mil reais para pagar o IPVA de seus carrinhos populares ou sofrerem um sequestro relâmpago, lembrem-se que o mais importante é que em São Paulo o PT foi derrotado nas últimas eleições...

sábado, 18 de julho de 2009

CPI da Petrobras: O último suspiro de Serra

A candidatura José Serra naufragou. Seus eleitores ainda não sabem, seus aliados desconfiam, Serra está quase convencido, mas naufragou.

- por Luis Nassif

Entenda melhor o que está por trás dessa escalada de CPIs, escândalos e tapiocas da mídia.

A candidatura José Serra naufragou. Seus eleitores ainda não sabem, seus aliados desconfiam, Serra está quase convencido, mas naufragou.

Política e economia têm pontos em comum. Algumas forças determinam o rumo do processo, que ganha uma dinâmica que a maioria das pessoas demora em perceber. Depois, torna-se quase impossível reverter, a não ser por alguma hecatombe - um grande escândalo.

O início da derrocada
O início da derrocada de Serra ocorreu simultaneamente com sua posse como novo governador de São Paulo. Oportunamente abordarei as razões desse fracasso.

Basicamente:

1. O estilo autoritário-centralizador e a falta de punch para a gestão. O Serra do Ministério da Saúde cedeu lugar a um político vazio, obcecado com a política rasteira. Seu tempo é utilizado para planejar maldades, utilizar a mão-de-gato para atingir adversários, jornalistas atacando colegas e adversários e sua tropa de choque atuando permanentemente para desestabilizar o governo.

2. Fechou-se a qualquer demanda da sociedade, de empresários, trabalhadores ou movimentos sociais.

3. Trocou programas e ideias pelo modo tradicional de fazer política: grandes gastos publicitários, obras viárias, intervenções suspeitíssimas no zoneamento municipal (comandado por Andrea Matarazzo), personalismo absurdo, a ponto de esconder o trabalho individual de cada secretário, uso de verbas da educação para agradar jornais. Ao contrário de Franco Montoro, apesar de ter alguns pesos-pesados em seu secretariado, só Serra aparece. Em vez de um estado-maior, passou a comandar um exército de cabos e sargentos em que só o general pode se pronunciar.

4. Abandonando qualquer veleidade de inovar na gestão, qual a marca de Serra? Perdeu a de bom gestor, perdeu a do sujeito aberto ao contato com linhas de pensamento diversas (que consolidou na Saúde), firmou a de um autoritário ameaçador (vide as pressões constantes sobre qualquer jornalista que ouse lhe fazer uma crítica).

5. No meio empresarial (indústria, construção civil), perdeu boa parte da base de apoio. O mercado o encara com um pé atrás. Setores industriais conseguem portas abertas para dialogar no governo federal, mas não são sequer recebidos no estadual. Há uma expectativa latente de guerra permanente com os movimentos sociais. Sobraram, para sua base de apoio, a mídia velha e alguns grandes grupos empresariais de São Paulo - mas que também (os grupos) vêem a candidatura Dilma Rousseff com bons olhos.

A rede de interesses
O PSDB já sabe que o único candidato capaz de surpreender na campanha é Aécio Neves. Deixou marca de boa gestão, mostrou espírito conciliador, tem-se apresentado como continuidade aprimorada do governo Lula - não como um governo de ruptura, imagem que pegou em Serra.

Será bem sucedido? Provavelmente não. Entre a herança autêntica de Lula - Dilma - e o genérico - Aécio - o eleitor ficará com o autêntico. Além disso, se Serra se tornou uma incógnita em relação ao financismo da economia, Aécio é uma certeza: com ele, voltaria com tudo o estilo Malan-Armínio de política econômica, momentaneamente derrotado pela crise global. Mas, em caso de qualquer desgaste maior da candidatura oficial, quem tem muito mais probabilidade de se beneficiar é Aécio, que representa o novo, não Serra, que passou a encarnar o velho.

Acontece que Serra tem três trunfos que estão amarrando o PSDB ao abraço de afogado com ele.

O primeiro, caixa fornida para bancar campanhas de aliados. O segundo, o controle da Executiva do partido. O terceiro, o apoio (até agora irrestrito) da mídia, que sonha com o salvador que, eleito, barrará a entrada de novos competidores no mercado.

Se desiste da candidatura, todos os que passaram a orbitar em torno dele terão trabalho redobrado para se recolocarem ante outro candidato. Os que deram apoio de primeira hora sempre terão a preferência.

Fica-se, então, nessa, de apelar para os escândalos como último recurso capaz de inverter a dinâmica descendente de sua candidatura. E aí sobressai o pior de Serra.

Ressuscitando o caso Lunus
Em 2002, por exemplo, a candidatura Roseana Sarney estava ganhando essa dinâmica de crescimento. Ganhara a simpatia da mídia, o mercado ainda não confiava em Serra. Mas não tinha consistência. Não havia uma base orgânica garantindo-a junto à mídia e ao eleitorado do centro-sul. E havia a herança Sarney.

Serra acionou, então, o Delegado Federal Marcelo Itagiba, procuradores de sua confiança no episódio que ficou conhecido como Caso Lunus - um flagrante sobre contribuições de campanha, fartamente divulgado pelo Jornal Nacional. Matou a candidatura Roseana. Ficou com a imagem de um chefe de KGB.

A dinâmica atual da candidatura Dilma Rousseff é muito mais sólida que a de Roseana.

1. É apoiada pelo mais popular presidente da história moderna do país.

2. Fixou imagem de boa gestora. Conquistou diversos setores empresariais colocando-se à disposição para conversas e soluções. O Plano Habitacional saiu dessas conversas.

3. Dilma avança sobre as bases empresariais de Serra, e Serra se indispôs com todos os movimentos sociais por seu estilo autoritário.

4. Grande parte dessa loucura midiática de pretender desestabilizar o governo se deve ao receio de que Dilma não tenha o mesmo comportamento pacífico de Lula quando atacada. Mas ela tem acenado para a mídia, mostrando-se disposta a uma convivência pacífica. Não se sabe até que ponto será bem sucedida, mas mostrou jogo de cintura. Já Serra, embora tenha fechado com os proprietários de grupos de mídia, tem assustado cada vez mais com sua obsessão em pedir a cabeça de jornalistas, retaliar, responder agressivamente a qualquer crítica, por mais amena que seja. Se já tinha pendores autoritários, o exercício da governança de São Paulo mexeu definitivamente com sua cabeça. No poder, não terá a bonomia de FHC ou de Lula para encarar qualquer crítica da mídia ou de outros setores da economia.

5. A grande aposta de Serra - o agravamento da crise - não se confirmou. 2010 promete ser um ano de crescimento razoável.

Com esse quadro desfavorável, decidiu-se apertar o botão vermelho da CPI da Petrobrás.

O caso Petrobras
Com a CPI da Petrobras todos perderão, especialmente a empresa. Há um vasto acervo de escândalos escondidos do governo FHC, da passagem de Joel Rennó na presidência, aos gastos de marketing especialmente no período final do governo FHC.

Todos esses fatos foram escondidos devido ao acordo celebrado entre FHC e José Dirceu, visando garantir a governabilidade para Lula no início de seu governo. A um escândalo, real ou imaginário, aqui se devolverá um escândalo lá. A mídia perdeu o monopólio da escandalização. Até que grau de fervura ambos os lados suportarão? Lá sei eu.

O que dá para prever é que essa guerra poderá impor perdas para o governo; mas não haverá a menor possibilidade de Serra se beneficiar. Apenas consolidará a convicção de que, com ele presidente, se terá um país conflagrado.

Dependendo da CPI da Petrobras, aguarde nos próximos meses uma virada gradual da mídia e de seus aliados em direção a Aécio.

sexta-feira, 17 de julho de 2009

A face da loucura e da truculência tucana: Yeda, do PSDB, chama professores de "torturadores"!



A atual governadora do Rio Grande do Sul, Yead Crussius, é a mais bem delineada face da loucura e da truculência tucana. Acuada por todos os lados por denúncias de corrupção e desmandos, a moça joga sua raiva e frustração pra cima de quem não tem como se defender. Assim, durante um protesto de professores em frente de sua casa, Yeda (visivelmente descontrolada) escreveu cartazes onde chamou os professores de "torturadores" e outros absurdos.

Não satisfeita, ainda mandou a PM descer o cacete nos manifestantes, algo que os tucanos sabem fazer bem (vide a invasão da USP pela PM aqui em São Paulo, terra "governada" por José "Prêmio Mico do Ano" Serra). Veja as fotos abaixo e comprove o nível de loucura que pode chegar o PSDB no governo...









quinta-feira, 16 de julho de 2009

Idelber Avelar: A esquerda ainda está devendo na luta anti-homofóbica

Outro texto do colega Idelber Avelar que eu assino em baixo e vale a pena ser lido!

A esquerda ainda está devendo na luta anti-homofóbica

Na esquerda tradicional, dos partidos comunistas, o completo descaso vinha, muitas vezes, recheado de homofobia explícita. Isso mudou, claro, e hoje uma deputada como Jô Moraes, do PCdoB de Minas Gerais, é uma das vozes mais incisivas na luta contra a homofobia. O PT, que sempre foi mais atento que a esquerda tradicional para as questões relacionadas à mulher e ao negro, demorou certo tempo em realmente acolher a luta anti-homofóbica. Resta ainda um longo caminho que percorrer

- Por Idelber Avelar, na Fórum

Nos Estados Unidos, a luta pelo casamento gay passa por um momento contraditório. Ela acumula vitórias nos lugares mais inesperados, como Iowa, e uma derrota catastrófica no habitat natural do movimento, a Califórnia. Não é ideal a posição conciliadora de Barack Obama, que defende as uniões civis – que possibilitariam conquistas fundamentais, como os direitos de plano de saúde conjunto e de herança –, enquanto reserva o termo “casamento” para as uniões heterossexuais. Mas, pelo menos, Obama dá um passo adiante em relação à tradicional hipocrisia do Partido Democrata, que sempre contou com os votos de gays e lésbicas para, logo depois, rifá-los no jogo político.

Qualquer conhecedor da história da esquerda sabe como tem sido longo e acidentado o caminho de reconhecimento da luta gay/lésbica. Na esquerda tradicional, dos partidos comunistas, o completo descaso vinha, muitas vezes, recheado de homofobia explícita. Isso mudou, claro, e hoje uma deputada como Jô Moraes, do PCdoB de Minas Gerais, é uma das vozes mais incisivas na luta contra a homofobia. O PT, que sempre foi mais atento que a esquerda tradicional para as questões relacionadas à mulher e ao negro, demorou certo tempo em realmente acolher a luta anti-homofóbica. Resta ainda um longo caminho que percorrer.

O crescente sucesso da parada gay de São Paulo e as iniciativas pioneiras de Marta Suplicy são capítulos dessa história, mas ela foi construída com uma luta que custou o sangue de muitos anônimos. O jornal O Lampião surge em 1978, em condições dificílimas. Em 1979, constitui-se em São Paulo o primeiro grupo de homossexuais organizados politicamente, o Somos. Seguem-se o Somos/RJ, Atobá e Triângulo Rosa no Rio, Grupo Gay da Bahia, Dialogay de Sergipe, Um Outro Olhar de São Paulo, Grupo Dignidade de Curitiba, Grupo Gay do Amazonas, Grupo Lésbico da Bahia, Nuances de Porto Alegre e Grupo Arco-Íris do Rio, entre outros (as informações são do GLS Planet). Somente em 1985, o Conselho Federal de Medicina decide desconsiderar o artigo 302 da Classificação Internacional de Doenças, onde constava a homossexualidade. Pelo menos nisso, o Brasil se antecipou. Só em 1990 a Organização Mundial da Saúde decide eliminar a homossexualidade da lista de doenças. A data da decisão histórica, 17 de maio, passaria a ser o Dia Internacional de Combate à Homofobia.

Em sua esmagadora maioria, os heterossexuais – mesmo aqueles engajados na luta pela justiça social – ainda não refletiram o suficiente sobre os efeitos devastadores da homofobia. Não se trata somente dos sutis gestos de discriminação cotidiana e das piadinhas homofóbicas, reproduzidas diariamente nas interações sociais e na programação da mídia. Trata-se de direitos básicos, como o de adoção, herança, plano de saúde e constituição de união matrimonial reconhecida pela lei. Trata-se do direito à imagem e à honra. Muitas vezes, trata-se simplesmente do direito de andar de mãos dadas com seu amor pelas ruas sem correr o risco de ser espancado.

Os homicídios homofóbicos no Brasil aumentaram 55% em 2008. Foram 190 no ano passado, contra 122 em 2007. Estes são os números oficiais, compilados pelo Grupo Gay da Bahia com base nos boletins de ocorrência. Imaginem quais serão os números reais. Nesse horror quase medieval, há mortes com requintes de crueldade, a pedradas, por exemplo. Recentemente, o odioso projeto de lei nº 4.508/2008, do deputado Olavo Calheiros (PMDB/AL), que visa proibir a adoção de crianças por homossexuais, começou a tramitar como se não fosse a excrescência inconstitucional que é. O projeto cospe no artigo nº 226, § 4º, da Constituição Federal, mas o Congresso o examina como se fosse a mais razoável das leis.

Ideias absolutamente inconstitucionais, como a que proíbe homossexuais de lecionar em escolas primárias, são discutidas com argumentos “ponderados” até por gente de esquerda. Está categórica, sociologicamente provado que, em potencial, um padre é uma ameaça sexual muito mais grave a uma criança que um(a) professor(a) gay ou lésbica. Mas se reproduz mesmo em comarcas progressistas o estranho estereótipo que associa, contra todas as evidências, a homossexualidade à pedofilia. A bizarra noção de que gays e lésbicas são máquinas sexuais incontroláveis, prontas para disparar a qualquer momento, tem ainda profunda inserção no chamado inconsciente coletivo.

É urgente o apoio maciço e incondicional da esquerda ao Projeto de Lei da Câmara nº 122/2006, que criminaliza a homofobia e pune a discriminação e a agressão contra gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais. A proposta se encontra, no momento, em trâmite no Senado. A leitura do projeto e o contato com os senadores podem ser feitos por meio do site http://www.naohomofobia.com.br/. Atualmente, não há nenhuma proteção específica ante a agressão e a discriminação homofóbicas, comparável à que temos contra o racismo.

A Frente Parlamentar pela Cidadania LGBT é formada por 211 deputados federais e 18 senadores. Dos grandes partidos, o PT ainda é, de longe, o que se sai melhor na foto. De seus 11 senadores, 9 são membros. Mas ainda é pouco. Não há razão aceitável para que Tião Viana (PT-AC) e Marina Silva (PT-AC) não se juntem à Frente. Se, em vista de suas crenças religiosas, a senadora Marina Silva tem “problemas de consciência” para se juntar a essa causa, que ela os resolva no âmbito privado. Na esfera pública, ela tem a obrigação de defender o programa do PT. Chega de conferir aos progressistas religiosos esse estranho privilégio, o de omitir-se (ou, pior, adotar uma postura reacionária) nas questões fundamentais do nosso tempo, sempre que estas entrem em choque com a leitura que lhes inculcaram de um livro apócrifo de fábulas judaicas.

Sempre defendi que a melhor forma de se imbuir do espírito de luta pela justiça social é ouvir as vítimas com atenção. Quer entender o racismo? Abandone as fáceis, imaginárias simetrias entre negros e brancos e escute as histórias de vida narradas por aqueles. O apelo da coluna, este mês, é muito simples: procure seu amigo gay ou sua amiga lésbica e pergunte, indague muito. Não pressuponha que sabe o que eles vivem. Escute com atenção. Você se surpreenderá.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Ateus, saiam do armário! Ateísmo e falsas simetrias

Assino em baixo do texto do colega blogueiro Idelber Avelar! Confiram:

Ateus, saiam do armário! Ateísmo e falsas simetrias

- por Idelber Avelar, do blog O Biscoito Fino e a Massa

O Biscoito Fino e a Massa combate as falsas simetrias desde outubro de 2004. Outro dia, numa mesa de bar, tive que ouvir a velha história de que “machismo” e “feminismo” são duas coisas idênticas; de que as mulheres deveriam abandonar essa história de feminismo porque ... afinal de contas, somos todos seres humanos!

Uma amiga querida, feminista, encarregou-se de explicar o óbvio: que o machismo é a justificativa ideológica de uma opressão milenar, que subjuga as mulheres, relega-as à condição de serventes, e que o feminismo representa a luta por uma sociedade em que todos tenhamos os mesmos direitos-- uma sociedade em que as mulheres possam, por exemplo, legislar sobre seu próprio útero. Daí, a conversa da nossa interlocutora descambou para a discussão do racismo, onde ela de novo repetia a ladainha de que uma camisa 100% negro e uma camisa 100% branco representavam coisas igualmente reprováveis, como se não tivesse havido aquele pequeno detalhe chamado escravidão.

Está em curso uma perigosa tendência a silenciar os ateus. O argumento – calhorda, cafajeste, ignorante – é que cada vez que um ateu sai do armário, se assume como tal e começa, a partir dali, a articular publicamente suas razões para ser ateu, ele está repetindo, mimetizando, reproduzindo a doutrinação evangélica com a qual somos bombardeados todos os dias. Cada vez que os ateus começamos a falar publicamente sobre essa mais óbvia e razoável das escolhas vem alguém nos acusar de ... estar querendo evangelizar os outros!

Dá pra imaginar uma simetria mais falsa?

Uma pesquisa recente, da Fundação Perseu Abramo, mostra que os ateus representamos o grupo social mais discriminado socialmente. Mais que negros. mulheres, travestis, gays, lésbicas. Mais, até mesmo, que transsexuais. Eu não estou dizendo que a discriminação cotidiana que sofre, por exemplo, um ateu branco, é comparável à que sofre um negro de qualquer crença. Não é. Não é, em primeiro lugar, porque ser negro e, até certo ponto, ser gay, são coisas impossíveis de se esconder. Ser ateu, não. Mas se você perguntar a um brasileiro em qual membro de grupo social ele não aceitaria votar de jeito nenhum, os ateus estamos, disparados, em primeiro lugar.

Vivemos ainda nesse estranho regime que associa a moralidade à crença religiosa, como se existisse alguma relação entre religiosidade e comportamento moral, como se não soubéssemos nada sobre a lambança feita pelos padres com as crianças e adolescentes – para não falar dos séculos de lambança obscurantista e anticientífica promovida pelas religiões.

A crítica que ouço por aí a Richard Dawkins – que ele está liderando um movimento ateu que tem caráter evangelizante, doutrinador, e que portanto ele acaba se parecendo a um crente – é de uma burrice digna de um cristão. Nós passamos séculos em que os ateus não tínhamos sequer o direito de falar na esfera pública enquanto tais. Nós vivemos num mundo onde professores são despedidos por serem ateus; adolescentes recebem suspensão na escola por serem ateus; políticos que se declaram ateus têm pouquíssimas chances de serem eleitos. Essa mais razoável e óbvia das conclusões filosóficas – a de que o mundo não foi criado por nenhum ser onipotente – ainda é motivo de perseguição severa para qualquer um que a abrace.

Apesar do caráter laico da República Federativa do Brasil, garantido na nossa constituição, as religiões ainda gozam desses estranhos privilégios: não pagam impostos, por exemplo. A pior parte é que elas podem dar palpite em absolutamente tudo -- desde o currículo escolar até o útero alheio – mas, no momento em que são questionadas, o debate é silenciado com aquele mais cretino dos argumentos, ah, tem que respeitar minha religião.

Entendam o ponto de vista d' O Biscoito Fino e a Massa sobre isso: tem que respeitar religião porra nenhuma. Tem que acabar com essa história de que, todas vezes que apontamos a misoginia, a homofobia, os estupros de crianças, a guerra anticiência, os séculos de lambança obscurantista, sempre aparece alguém para dizer "ah, tem que respeitar minha religião".

Ideias não foram feitas para serem "respeitadas". Ideias foram feitas para serem debatidas, questionadas, copiadas, circuladas, disseminadas, combatidas e defendidas, parodiadas e criticadas. De preferência com argumentos. Seres humanos merecem respeito. Pregação contra o que seres humanos são, por sua própria essência e identidade (gênero, raça, orientação sexual) não pode ser confundida com sátira antirreligiosa. A maioria dos carolas adora confundir sátira antirreligiosa com ataque misógino ou homofóbico. Não entendem que sua superstição é, essa sim, uma opção.

As três famílias que chamo de minhas – a sanguínea, a de meu amor e a da mãe de meus filhos, todas elas majoritamente católicas – são testemunhas de que jamais invadi um ritual religioso deles para fazer sátira, questionar o que quer que seja ou tentar converter quem quer que seja. O ritual acontece no espaço privado – que é onde ele tem o direito constitucional de acontecer – sem que eu jamais o desrespeite. Mas isso não é porque eu “respeito a religião”. Isso é porque eu os respeito, como pessoas. Tenho a opção de acompanhar o ritual em silêncio ou afastar-me porque, afinal de contas, são três famílias maravilhosas.

Entendam: o debate na esfera pública são outros quinhentos. E, neste debate, nós chegamos para ficar. Ateus, saiam do armário. Sem medo. É muito melhor.

Rir é o melhor remédio: Mais uma charge sobre o prêmio "Mico do Ano" do Serra!

domingo, 12 de julho de 2009

Serra e o "Prêmio Mico": Dona Deise cobrou? Governador enganou a fé pública?

Considerando o passado de dona Deise, que é acusada de garfar o vil metal proveniente de cofres públicos, duas perguntas não querem calar: a dona deise cobrou pelo prêmio com que a sua ONG agraciou José Serra? O governador enganou a fé pública, já que o prêmio nem sequer foi na ONU?

Nos últimos meses o governador José Serra sofreu alguns revéses no seu currículo na área de saúde -- o seu principal ponto de venda na corrida presidencial, em 2010.
Serra se apresenta na propaganda eleitoral como o criador do melhor programa de aids de aids. O Viomundo provou que é mentira.

Serra se apresenta, também na propaganda eleitoral, como o "Pai dos Genéricos", outra inverdade. O verdadeiro "Pai dos Genéricos", como demonstrou o Viomundo, é o médico Jamil Haddad.

A propaganda de Serra e do PSDB diz que Serra foi o melhor ministro da Saúde que o Brasil já teve. A atuação do atual ministro da Saúde, José Gomes Temporão, deve estar tirando o sono do governador de São Paulo. Afinal, Temporão é do ramo e está fazendo uma gestão competente.

O "Prêmio Mico", recebido essa semana em Genebra, compensaria os revéses e returbinaria o currículo de Serra na área de Saúde. A prova são as mensagens no twitter.

Continue lendo no blog do Luiz Carlos Azenha.

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Lula e o Corinthians (de novo): A criminalização de uma paixão

- por Mauro Carrara

Segue em curso o quarto golpe contra o ousado operário Luiz Inácio. Desta vez, a ordem é derrubar um dos pilares de apoio de seu governo. Guardados há tanto tempo, os marimbondos de fogo agora se voltam contra o maranhense Sarney. Somente agora.

E nada se fala do propineiro lutador de jiu-jitsu, do primo do Agaciel ou do Heráclito que, ao contrário do grego, banha-se muitas vezes no mesmo rio da corrupção.

Na versão 2009, os ataques da mídia monopolista são disparados dos mais diversos flancos, o que significa que até as editorias de Esporte são agora convocadas para colaborar no projeto de desconstrução da imagem de Lula.

Procura-se, por exemplo, golpeá-lo num órgão vulnerável, seu coração alvinegro.

Quando menino pobre, o alívio do engraxate pernambucano era acompanhar as vitórias do time do povo pelo radinho de pilha. Já adolescente, passou a cultivar secretamente o sonho de um dia defender o clube dos operários.

A vida passou. Não deu. E Lula teve de contentar-se com o sindicalismo, com a militância partidária e, depois, com a presidência da República. Seus dias festivos, porém, ainda são aqueles que sucedem grandes jogos do Timão, quando pode azucrinar os torcedores adversários.

Percebeu-se essa nuance juvenil no repertório das condutas de Lula. Assim, nos últimos meses, a ordem nas redações é criminalizar a paixão de Lula. E tem funcionado bem.

Ao lançar suspeitas sobre sua participação nas coisas corinthianas, por exemplo, atiça-se obviamente a ira dos torcedores das outras agremiações.

Afinal, nem todos leem os cadernos de política. É preciso semear o ódio ao metalúrgico em outros eixos midiáticos.

O Fenômeno e o CT

O mais recente “escândalo” foi fabricado durante o programa “Bem, Amigos”, do Sportv. Nele, o jogador Ronaldo afirmou que Lula auxiliaria o Corinthians na reforma de seu Centro de Treinamento (CT). Em algum momento, gabando-se de saber o que ninguém sabe, disse que o presidente estaria indicando empreiteiras para executar o serviço.

Pronto! Indignação seletiva nacional.

Como de praxe, nenhum jornalista procurou checar os fatos. A escribaria tratou logo de julgar e condenar sumariamente, tanto o presidente quanto o clube.

Não há obra. Não há empreiteira. Inexiste até mesmo a tal sugestão, mas a mídia alvoroçou-se. E voam penas dos tucanos interessados em detonar mais uma crise. O bicudo José Aníbal, por exemplo, exigiu na Câmara esclarecimentos sobre mais “este escândalo nacional”.

Mas qual a reação da mesma imprensa em relação à conduta de outros políticos no campo do esporte?

A “vaca sagrada” da imprensa brasileira, o governador José Serra, articulou-se com o presidente da CBF e com a FIFA na tentativa de converter em mundial um título ganho pelo Palmeiras, em 1951. Lá no Palestra Itália, vive dando seus conselhos sobre o processo de construção da nova arena do clube.

Lá pelos anos 50, Ademar de Barros atuou diretamente no processo de doação de um terreno para que o São Paulo construísse o Morumbi. O acerto casado envolvia, aliás, a Imobiliária Aricanduva, do próprio Ademar. A obra gigantesca teve suporte de Laudo Natel, o bem relacionado homem do Bradesco que se tornaria governador do Estado na época da Ditadura Militar.

O mesmo São Paulo tem recebido apoio irrestrito do prefeito demista Gilberto Kassab em seu projeto de sediar a abertura da Copa 2.014. Frequentemente, o alcaide sampaulino visita o Jardim Leonor para discutir o assunto com seu amigo Juvenal Juvêncio, o capo tricolor.

Em todo canto, os políticos participam da vida dos clubes. O governador do Rio, Sérgio Cabral, vive metido nas coisas do Vasco. Lobista pra lá de assumido, roga ajuda a Deus e ao mundo para salvar seu time da falência e reconduzi-lo à Primeira Divisão. Em Minas, o governador Aécio Neves não é menos envolvido com seu Cruzeiro.

Em todos esses casos, entretanto, não se vê indignação das patrulhas da imprensa. Tudo é visto como engraçado, folclórico e inofensivo. Afinal, essa turma tudo pode ou tudo pôde.

O caso das empreiteiras

Os jornalistas atentos e honestos que acompanharam o caso sabem exatamente o que ocorreu.

Lula e o presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, visitaram o Morumbi, no fim de Junho. Foram ver o projeto sampaulino para a reforma do estádio.

Dias depois, Sanchez, Ronaldo e outros jogadores estiveram em Brasília, onde exibiram a taça da Copa do Brasil, conquistada diante do Internacional.

Nas conversas informais, Lula perguntou sobre o Centro de Treinamento do Corinthians, cuja estrutura é sabidamente precária. Sanchez respondeu que estava fazendo o possível, mas que o clube ainda enfrentava dificuldades financeiras.

O presidente, então, observou que para obter empréstimos o Corinthians precisaria oferecer “garantias concretas”. Segundo ele, era a forma de se conduzir com lisura o processo.

Em seguida, afirmou que a obra deveria ser feita por empresas especializadas. Segundo ele, não bastava botar “meia dúzia de pedreiros” e mandar “subir parede”. Lula lembrou o caso da instalações do Pan 2.007, cujo trabalho foi entregue a companhias tecnicamente habilitadas para o serviço.

Sanchez concordou. O presidente, então, diante de Ronaldo, afirmou que iria ver a questão com carinho, procurando se informar com os “bambas” da área.

Dessa conversa singela procede a informação que Ronaldo inocentemente divulgou no programa televisivo de Galvão Bueno.

Muito jornalista sabe que essa é a história que deveria ser contada nos jornais, nos blogs e na TV. No entanto, prefere-se manter o mistério, alimentar a suspeita, semear ódios no cidadão-torcedor e dar sequência ao interminável ato golpista.

O pior deste duro prélio é que as regras são feitas pelos comentaristas, de acordo com o interesse momentâneo. E juiz não há; se há, é ladrão.

Resultado da enquete: Qual o melhor nome para derrotar o PSDB no Estado de SP?

1) Ciro Gomes (PSB): 88 (68%)
2) Aldo Rebelo (PCdoB): 13 (10%) e Nenhum deles: 13 (10%)
3) Mercadante (PT): 8 (6%)
4) Marta Suplicy (PT): 5 (3%)
5) Dr. Hélio (PDT): 1 (0%)

Total de votos: 128

Não deixe de votar na próxima enquete!

Mico do ano: Charges sobre o prêmio fajuto do Serra



E o mico continua: Site do PSDB insiste na farsa do prêmio ao Serra!

Mesmo depois de ter sido desmascarado pela blogosfera independente, o site do PSDB (Partido Só De Bacana) insiste em afirmar que premiação de Serra teria ligação direta com a ONU.

Tudo bem que o cara está verde de raiva do Lula ter ganho um prêmio importante da UNESCO, agora apelar para esse tipo de coisa já é demais, não acham?

Sinceramente, chega a ser patético isso... Vejam e comprovem:

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Masoquismo explícito Revendo "Star Wars III: A Vingança dos Sith"

Hoje revi pela primeira vez, desde que fui ao cinema, o terceiro episódio da pré-saga do "Star Wars" do nosso querido tio George Lucas. Confesso que a decepção foi tanta na época, que nunca mais tive coragem de rever aquele desastre, nem mesmo ouvi novamente a trilha do mestre John Williams!

Mas, como estava com saudades de ver naves explodindo e sabres de luz zunindo, hoje resolvi ser corajoso e aluguei "A Vingança dos Sith". Bom, o filme é muito ruim, não tem jeito, embora fique melhor de assistir agora, em casa, com o senso crítico reduzido a zero. Continuo a manter tudo que escrevi na época do lançamento (clique aqui para ler minha crítica original).

Ainda não consigo acreditar que Lucas teve coragem de fazer três filmes tão ruins e patéticos, que chegam inclusive a estragar a trilogia original, dado o número de incoerências e erros "históricos" entre os filmes novos e os velhos.

Vejam abaixo algumas fotos que comprovam as falhas cometidas pelo próprio Lucas:

ENVELHECIMENTO PRECOCE



Beru Lars no final de "Episódio 3"



Beru Lars, nem 18 anos depois, em "Episódio 4"





Owen Lars, em "Episódio 3" (um jovem de no máximo 30 anos)


O mesmo Owen em "Episódio 4", misteriosamente conseguiu ficar com 60 anos! Será efeito do lado negro??




Obi-Wan em "Episódio 3" (35 anos, no máximo)

Em "Episódio 4" com 60 anos, no mínimo. "Onde você foi desencavar esse velho fóssil?", perguntava o despeitado Han Solo.


MEMÓRIA PRODIGIOSA
Diálogo de "Episódio 6 - O Retorno de Jedi"
Luke: "Leia, você lembra da sua mãe verdadeira?"
Leia: "Só um pouco. Ela morreu quando eu era muito jovem. Lembro que ela era muito bonita, gentil mas... triste"
Ou estamos falando do bebê com a memória mais prodigiosa do universo ou então Lucas pisou na bola feio de novo...

MÃO DE OBRA LERDA
De acordo com "Episódio 3", a Estrela da Morte, inaugurada em "Episódio 4" com a destruição de Alderaan, ficou mais de 17 anos em construção! O Imperador deve ter mudado de empreiteira, pois nem 5 anos depois já estava terminando de construir a 2ª Estrela da Morte no "Episódio 6"!

Lamentável...

PSDB paga mico internacional! ONU esclarece: não tem nada a ver com "prêmio" ao Serra

Está no blog do Nassif:

ESCLARECIMENTO

A World Family Organization (WFO) não é uma entidade da Organização das Nações Unidas (ONU). Trata-se de uma Organização Não-Governamental (ONG), com sede em Paris, associada ao Conselho Econômico e Social (ECOSOC) da ONU, com status consultivo, e associada ao Departamento de Informação Pública (DPI) da Organização.

As ONGs associadas ao ECOSOC e afiliadas ao DPI não representam a ONU nem podem, em qualquer hipótese, falar em nome da Organização. Seu papel é de colaborar com as Nações Unidas, de forma voluntária, ajudando na divulgação das atividades da Organização e, no caso do ECOSOC, contribuindo com sugestões às atividades do Conselho.

Valéria Schilling
Assessora de Comunicação
Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio)


Comentário (do Nassif):
O curioso nessa história é que foram três as personalidades premiadas: Serra foi o único que compareceu, para se dar uma ideia da irrelevância do prêmio.

Segundo Jamil Chade, correspondente do Estadão em Gebera:

Serra foi escolhido entre mais de 200 pessoas. A Organização Mundial da Família também premiou a ex-primeira dama do Reino Unido, Cherie Blair, e a princesa do Kuwait, Sheikha Fariha Al-Sabah. Nenhuma das duas esteve ontem no evento. Serra estará hoje em Paris.


Charge e texto abaixo do blog Quanto Tempo Dura?

VERGONHA ALHEIA
José Serra recebe prêmio fajuto na Suiça para parecer importante


Foi o maior espetáculo da Terra a premiação da Organização Mundial da Família (WFO) em Genebra, Suiça. Conhecida por ser completamente desconhecida, a Organização é presidida pela Dr Deisi Kusztra, uma ilusionista famosa por grandes truques em Sergipe. A WFO tem sede em Curitiba, mas achou mais bonito apresentar seu espetáculo na Suíça, fica mais chique.

O grande homenageado da noite foi o presidente Governador de São Paulo José Serra. Mostrando que o circo é realmente uma tradição muito antiga, a WFO preferiu entregar em 2009 um prêmio ao Serra pela sua atuação de ministro que terminou em 2002.

Outras duas personalidades foram premiadas na noite, a ex-primeira dama do Reino Unido, Cherie Blair, e a princesa do Kuwait, Sheikha Fariha Al-Sabah. Infelizmente estas duas tinham mais o que fazer e não compareceram à cerimônia, enquanto Serra só tinha na agenda “ser governador de São Paulo e tentar ser presidente”

O prêmio recebido era composto de uma placa muito bonita feita de plástico e escrito “brinquedos estrela” no canto esquerdo. O Público presente na premiação considerou o show meio caidaço, fajuto e fake. Afinal de contas, pra que o Serra tem que receber um prêmio pelo trabalho como ministro oito anos depois de largar a pasta? E essa presidente da WFO maior picareta aê? É realmente coincidência que esse prêmio fajuto tenha sido entregue um dia depois do Presidente Lula receber um prêmio fodão da UNESCO? E pô, três pessoas são premiadas e só o zé ruela do Serra que comparece? Não é no mínimo suspeito que o governador Serra tenha tanta sanha de sair correndo pra Suíça?

A inveja é uma merda... Serra inventa premiação na ONU para competir com Lula!

Quem desmascarou a farsa foi o blog Cidadania do Eduardo Guimarães e o Nassif repercutiu. O PiG, é claro, deu destaque à mentira, muito maior do que deu ao prêmio verdadeiro ganho por Lula.

Leiam os textos abaixo e comprovem o nível de picaretagem que a tucanalhada e a mídia golpista estão chegando para tentar salvar a candidatura do vampiro José Serra para 2010. Chega a ser hilariante!

- André Lux

Premiação de emergência

- por Eduardo Guimarães

E não é que os tucanos arrumaram uma premiação de emergência para Globos, Folhas, Vejas e Estadões divulgarem no lugar da premiação que Lula recebeu da Unesco na terça-feira e que os veículos sonegaram ao público!

Leiam, abaixo, notícia que será divertido ver como será tratada pelos jornais e telejornais, inclusive por conta da importância de cada premiação (a de Lula e a de Serra).

Depois da notícia limpa pró-Serra dada pelo Estadão nesta quarta-feira, ou seja, sem ter sido espremida entre notícias “negativas”, como fizeram com a da premiação de Lula, leiam meu comentário final, importante para a compreensão completa desse absurdo.

Serra ganha prêmio internacional por atuação em Saúde

Da Agência Estado

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), recebeu hoje um prêmio da Organização Mundial da Família (WFO, da sigla em inglês), em Genebra, na Suíça, por seu trabalho a frente do Ministério da Saúde. Serra, virtual candidato tucano à Presidência da República em 2010, foi ministro de 1998 a 2002, no governo do presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). A entidade homenageou também a princesa do Kuwait, Sheikha Al-Sabah, e a coordenadora da Fundação Cherie Blair pelas Mulheres, Cherie Blair. A WFO é vinculada à Organização das Nações Unidas (ONU).

Fui pesquisar quem é a World Family Organization (WFO). Nem consta verbete na Wikipédia. Quase não há referências à organização na internet. É apenas uma das milhares de ONGs ligadas à ONU espalhadas pelo planeta.

Apesar de a notícia do Estadão induzir o leitor a acreditar que o governador paulista foi premiado pelas Nações Unidas, não é nada disso. A premiação é de exclusiva responsabilidade da ONG.

Inclusive, pode-se mensurar o quê é o quê comparando quem foram os outros agraciados com o prêmio Prêmio da Paz Felix Houphouët-Boigny, da Unesco, recebido por Lula, e quem foram os agraciados pelo prêmio que Serra recebe sabe-se lá por que critérios...

A galeria de contemplados com o prêmio da paz da Unesco inclui o rei da Espanha, Juan Carlos, o ex-presidente da África do Sul e prêmio Nobel da paz, Nelson Mandela, e o ex-presidente americano Jimmy Carter. Já o prêmio que Serra recebeu, quem ganhou também foi uma aristocrata árabe e a mulher do ex-premiê britânico Tony Blair.

Apesar disso tudo, suspeito de que jornais e telejornais darão a Serra a cobertura jornalistica que só teria cabido a Lula devido à grande importância do prêmio que recebeu – e que um terço dos contemplados com o Nobel da Paz também recebeu – da Unesco e à opacidade desse prêmio desconhecido que Serra está recebendo de uma organização que ninguém conhece.

Leitores denunciam prêmio de Serra

Os leitores, hein... Vejam só, abaixo, o que desencavaram sobre essa história dessa ONG que "premiou" Serra um dia depois de Lula ter sido premiado pela ONU.

A Presidente da WFO é brasileira (Dr. Deisi Noeli Weber Kusztra). O escritório da presidência fica em Curitiba. Quem quiser pode olhar o link.

http://www.worldfamilyorganization.org/about-executive-drdeisi-biography.html
Jailton Araraquara - SP Técnico em eletrônica

Dá uma olhada nesse prêmio picareta do Serra.

"Infonet - Cláudio Nunes
http://www.infonet.com.br/claudionunes/ler.asp?id=62037&titulo=claudionunes
Deisi, maternidade e Via rápida

Em 29 de agosto do ano passado, este espaço denunciou que Deisi Noeli, da OMF [nota do redator: conhecida como WFO] tinha problemas judiciais em Curitiba. Agora, a Controladoria e o MP devem denunciar Deisi porque não aplicou corretamente cerca de R$ 6 milhões do governo do estado na maternidade (...)"

Giovani Avila Blumenau - SC Engenheiro
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...