segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Filmes: "O CISNE NEGRO"

TERROR PARA PIMBAS

Se você tirar fora toda a baboseira pseudo profunda que permeia a obra, vai perceber todos os cacoetes de qualquer filme de horror do mais vagabundo

- por André Lux, crítico-spam odiado por PIMBAs

Vou ser sincero: de todos os cineastas pretensiosos e metidos a besta que existem por aí não existe nenhum mais ridículo do que esse tal de Darren Aroflonsky (sim, escrevi o nome do sujeito errado. De propósito). Todos os filmes do rapaz transbordam uma necessidade sufocante de impressionar aquela turma que adora ser enganada no cinema por filmes que não tendo qualquer sentido ou significado plausível, passam a a ser adorados como obras primas da sétima arte. Assim, os filmes do Arotrontsky variam de incompreensíveis ("PI") a simplesmente grotescos ("Requiem para um Sonho"). Isso quando não são as duas coisas ("A Fonte da Vida").

Não por acaso, o sujeito é adorado por todos os PIMBAs (pseudo intelectuais metidos a besta) de plantão. É que esse pessoal adora ser enganado por charlatões como o em questão pois, incapazes de entender o significado de uma obra propositalmente sem sentido, acham que estão diantes de algo sublime e espetacular. Assim, podem dizer a todos que não gostaram da obra em questão a frase preferida deles: "Humm! Você não entendeu o filme!".

A nova empreitada do Arronofskly, "Cisne Negro", segue na mesma toada, no que é, essencialmente, um filme de terror só que feito para agradar PIMBAs, os quais invariavelmente sentem repulsa por esse gênero que consideram mundano demais para suas nobres capacidades mentais. Mas, se você tirar fora toda a baboseira pseudo profunda que permeia a obra, vai perceber todos os cacoetes de qualquer filme de horror do mais vagabundo: câmera inquieta que fica o tempo todo andando atrás dos personagens para causar tensão, profusão de cenas que lembram pesadelos (muitas delas recheadas de imagens subliminares que vão obrigar o PIMBA a assistir ao filme mais vezes na tentativa de decifrá-las), sustos (a maioria falsos), efeitos visuais e de maquiagem (tem até monstrão!) e, claro, sequências de violência sangrenta explícita com gente enfiando facas ou se auto mutilando.

"Faz três noites que eu não durmo, pois perdi o meu galinho"
Enfim, nada que George Romero ou Dario Argento não tenham feito antes de maneira muito mais honesta e divertida. Para disfarçar seu filmeco de terror psicológico, Aronofoskly obrigou a pobre da Natalie Portman a ficar o filme inteiro com cara de "faz três noites que eu não durmo, pois perdi o meu galinho", o que é um total absurdo se levarmos em conta que, segundo o roteiro, se trata de uma bailarina experiente que acaba de ganhar o papel principal numa nova montagem de "O Lago dos Cisnes", de Tchaykovsky (entenderam como é chique o negócio?). Ela só muda a expressão em uma única cena, quando incorpora o cisne negro!

O que poderia ser ao menos um estudo dos bastidores de montagens artísticas como essa acaba mesmo sendo um desfile de cenas sem sentido, devaneios, delírios, sexo gratuito entre duas mulheres e violência - tudo travestido de uma pretensa profundidade que não resiste a cinco minutos de análise mais apurada.

Se você se impressionar com esse tipo de baboseira, então vá em frente, pois o filme foi feito milimetricamente para agradá-lo. Caso contrário, não dê bola e procure coisa melhor feita por gente menos arrogante e mais honesta.

Cotação: *

17 comentários:

Gabriela disse...

Devo dizer primeiramente que "bato palmas" para seu blog. É difícil ver alguém não vendido e que não tenha medo de falar, escrever sobre algo como a verdade do nosso País. Tenho 18 anos e se tivesse deparado com seus textos durante a eleição do ano passado com certeza teria convecido muito mais pessoas que o Serra Não é da esquerda e que o Lula e a Dilma realmente procuram fazer o melhor. Obrigada mesmo.
Bom, eu gostei do Cisne Negro, mas críticas são sempre bem vindas. Apesar das partes sádicas e inúteis do filme, a evoluçao dela como bailarina e cisne foi incrível na minha opiniao. Faço ballet desde os 9 anos e realmente dá para sentir toda a tensão do backstage. Nothing Else.

Patricia. disse...

Gosto muito dos seus comentários sobre filmes. Deveria fazer mais.
Assisti hoje Cisne Negro e tive duas impressões: ele flerta com temas interessantissímos como o relacionametno sufocante e obsessivo da mãe com a filha, fonte visível do desequilibrio da garota, assim como a luta interna entre o que ela deveria ser e o que de fato é. E foi um grande desperdício de atriz. Natalie Portman poderia ter dado mais, se o texto fosse melhor.O problema é que tudo fica na superficie. No seu flerte,o diretor pagou um mico.

Maria Xavier disse...

Réquiem for a dream é um filme brilhante, e não é preciso sequer ser PIMBA para entender. Um pré-adolescente de 12 anos entende o paralelo entre o vício do filho e vício da mãe como um crítica à
condição de dependência em que todos vivemos na contemporaneidade, seja dependência de drogas, de programas vagabundos de tv (como a mãe do personagem), ou ainda dependências autorizadas por psiquiatras e seus "medicamentos" para patologias inexistentes.
A mãe ali é tão desequilibrada quanto o filho, colada ao sofá assistindo um programa atrás do outro para suportar o vazio. A idéia é: Certos sofrimentos (não gosto da palavra patologia) são socialmente aceitáveis e outros condenáveis = Hierarquia hipócrita.

De resto, sua atitude crítica é louvável e super interessante, conserve o estilo mas aprofunde as justificativas, pesquise diferentes opiniões qualificadas (se você particularmente não analisa a partir de algum referencial teórico), assim aumenta a relevância do teu texto.
Abraço.

SONIA ANGEL disse...

é um filme de terror e sadismo. Pra quem gosta é mesmo um prato cheio.

Pedro Diniz disse...

Cara, acredito que sua crítica seja bastante interessante, apesar de me parecer, nas poucas linhas que li, muito carregada de "contra-cultura" (gostaria de lembrar que extremos não são bons), mas parei de ler quando você fez uma crítica negativa ao "Requiem for a Dream".
Gostaria que você discorresse mais sobre a crítica (não sei se já a fez, pois não tive tempo para procurar) se tivesse tempo, pois até hoje (e olha que já vi este filme mais de 10 vezes) não consegui sequer fazer uma crítica da parte técnica do filme, quanto mais de seu roteiro, ou sua história. Aconselho a revê-lo com a alma mais quieta e sem preconceitos, tentando excluir seu ponto de vista e entrando na vida dos personagens. É um filme bastante pesado, quase trágico, mas extremamente palpável.
É isso aí, se puder fazer a crítica atacando os pontos que você considera que o faz incluí-lo na lista de "simplesmente grotesco" ficaria extremamente grato e acabaria de ler sua crítica ao filme "Cisne Negro".
Ps.: Não sou um PIMBA, adoro Big Brother Brasil, Futebol, Pagode e coisas que provavelmente me excluiriam desta sua outra lista.

Não queria que levasse para o lado pessoal, pois esta é apenas uma crítica a sua crítica e como crítico espero que entenda.

André Lux disse...

Pedro, minha crítica não tem nada de contra cultura. É apenas minha opinião pessoal, como por sinal é qualquer crítica.

O que penso de Requiem para um Sonho está escrito aqui: http://tudo-em-cima.blogspot.com/2011/02/cine-trash-requiem-para-um-sonho.html

Juliana disse...

Apenas a título de curiosidade, o que o autor deste ótimo texto (note que poderia ter usado o substantivo crítica) considera uma verdadeira "obra prima da sétima arte" - independentemente desta agradar ou não os apelidados pseudo intelectuais metidos a besta?

André Lux disse...

Juliana, no link abaixo vc pode encontrar uma listinha dos meus filmes favoritos:

http://tudo-em-cima.blogspot.com/2010/05/listinha-basica-meus-20-filmes.html

Pode xingar à vontade.

ana laura diniz disse...

rárárá, não sei se gostei mais da linha fina do artigo ou se da legenda.
...
rárárá, acho que fico com a legenda, porque imaginar essa trilha em oposição à cara de "que meda!", está ótimo.

se aceitar o convite, veja o que foi escrito em nosso jornal, principalmente na seção de comentários.

segue o link: http://primeirafonte.blogspot.com/2011/02/ficcao-barata-de-cisne-negro.html

abraços. caí aqui sem querer, mas valeu muito a pena.

Anônimo disse...

No livro "Quem pagou a conta", a CIA preferia fazer festivais, inaugurações ou qualquer coisa que não tivesse sentido. O objetivo era não deixar pessoas pensando, principalmente na época da "guerra fria" onde se discutia muito o socialismo e a URSS estava investindo pesado em cultura para influenciar a Europa arrasada. Assim, qualquer um sem talento ou que fizesse qualquer obra medíocre ligado a (in)cultura), era apresentado ao mundo como sujeito de talentos, esvaziando o interesse das que fizessem sentido. Parece que ainda esse é o jogo.

Luiz disse...

No livro "Quem pagou a conta", a CIA preferia fazer festivais, inaugurações ou qualquer coisa que não tivesse sentido. O objetivo era não deixar pessoas pensando, principalmente na época da "guerra fria" onde se discutia muito o socialismo e a URSS estava investindo pesado em cultura para influenciar a Europa arrasada. Assim, qualquer um sem talento ou que fizesse qualquer obra medíocre ligado a (in)cultura), era apresentado ao mundo como sujeito de talentos, esvaziando o interesse das que fizessem sentido. Parece que ainda esse é o jogo.

Joy Pitel disse...

EU CONCORDO PLENAMENTE!

Valdir Fiorini disse...

Pode ser difícil de acreditar, mas teve gente que gostou menos ainda: http://todoprosa.blogspot.com/2011/02/tedioso-cisne-negro.html

Cybershark disse...

Cisne Negro (Black Swan, 2010)

Não se engane com o bafafá que esse filme gerou. O diretor do medíocre Réquiem para um Sonho mais uma vez demonstra muita pretensão e pouco resultado. Desde já, Cisne Negro é um dos maiores engodos dos últimos anos, o tipo de obra que é de grande valia para você usar pra descobrir se alguém é pseudo-intelectual. É paga-pau do Aronofsky? Então é rebuscado e prolixo.

A obra é medonha de tão ruim e cai diversas vezes no humor involuntário, principalmente quando se mete a ser filme de terror e dá falsos sustos ou usa efeitos sonoros fantasmagóricos para anunciar algum novo delírio paranóico da protagonista, uma bailarina frigida e sem sal que só não parece mais rasa graças ao esforço inacreditável de Natalie Portman no papel, que tirou leite de pedra e sem dúvidas é o único ponto à favor do filme inteiro. Se você é do tipo que gosta de filmes pouco inteligíveis que flertam com assuntos tipo "sexo dos anjos", Cisne Negro é um prato cheio. Para os outros, porém, será uma experiência vazia e pedante, com diversos momentos gore e humor fora de hora.

NOTA: * ½

Arthur Rotta disse...

Achei interessante teu ponto de vista

Apesar disso gostei do Cisne Negro, Sei pouco sobre cinema, deve ser por isso que gostei.

Claro, não procurei neste filme um grande significado, apenas um passa tempo.

Mas me chamou atenção como ficava difícil - pra mim pelo menos - saber o que era imaginação da protagonista (esqueci o nome dela) e o que era realidade. No mais concordo que não tem nada de novo.

Se possível André Lux, gostaria da tua opinião sobre Bravura Indômita.

Rangele Leite disse...

Liguei pra uma amiga depois do filme e ela me perguntou minha opinião sobre o filme, eu disse que não consegui exergar nada, não consegui absorver nada do filme, olhando pelo ângulo pimba é um filme cheio de efeitos que nos faz querer assisti-lo até o fim e isso faz de mim uma PIMBA. kkkkkk
Mas realmente sentido? Não encontrei!E ela riu de mim e me chamou de burra quando eu disse que não tirei conclusões do filme, mas ela também não me falou das impressões dela(estranho não?).Concordo plenamente com a crítica do Lux.

Anônimo disse...

Essa crítica foi PIMBA do contra! Paradoxo? Contradição! Romero numa análise do cisne negro!!!??? Nem com muita boa vontade pra falar mau das coisas dos outros... mas vc é divertido, emu rapaz. Seve ao menos pra dar risada!!! E eu ri muito! Ahh e tem vários PIMBAS q te adimiram aqui!! Eu, não um PIMBA desses... ainda rindo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...