Postagem em destaque

Blogueiro pede a sua ajuda!

Ajude este humilde blogueiro a continuar seu trabalho! Sempre militei e falei sobre cinema e outros assuntos sem ganhar absolutamente nada ...

terça-feira, 15 de março de 2016

Filmes: "A Lenda" (Versão do Diretor)

CONSERTANDO O ERRO

Nova versão de "A Lenda" traz cenas adicionais e restaura música espetacular de Jerry Goldsmith

- por André Lux, crítico-spam

Você consegue imaginar o que seria do filme "O Império Contra-Ataca'' se, justamente no momento em que o vilão Darth Vader entrasse em cena, a ''Marcha Imperial'' de John Williams fosse trocada por um pagode do grupo ''É o Tchan!''? 

Ou então, na cena do assassinato no chuveiro de ''Psicose'', ao invés da música magistral de Bernard Herrman, os produtores do filme resolvessem colocar um heavy-metal do Marilyn Manson? 

Loucura? Sem dúvida. Mas, infelizmente, absurdos como esses às vezes realmente acontecem no cinema.

Um caso clássico é o que ocorreu com o filme ''A Lenda'', produção de 1986 dirigida pelo prestigiado Ridley Scott (de ''Alien: O Oitavo Passageiro'' e ''Blade Runner - O Caçador de Andróides'') que foi concebida como uma fantasia fiel ao espírito dos contos de fadas clássicos, mas com voz própria e original.

Um dos fatores primordiais para a credibilidade do filme foi a escolha do consagrado compositor Jerry Goldsmith, que criou para ''A Lenda'' uma das mais belas e líricas trilhas sonoras musicais já escritas para o cinema. Para se ter uma idéia da importância da música nesse filme, canções foram compostas por Goldsmith (com letras de John Bettis) para serem cantadas pela personagem principal e passaram a fazer parte do roteiro! 

Entretanto, só públicos europeus (e alguns poucos, como o brasileiro) puderam ver o filme com a música do mestre, já que, ao chegar nos EUA, os produtores foram convencidos pelos executivos da Universal Studios a reduzirem a metragem e, crime dos crimes, trocar a música de Goldsmith por algo mais "popular".

Na mesma época, em um caso semelhante e no mesmo estúdio, o diretor Terry Gilliam ameaçou queimar os negativos de ''Brazil'' se sua visão não fosse respeitada. Já Ridley Scott, incerto das qualidades de sua obra e incapaz de apoiar seus colegas de trabalho, aceitou todas as ''dicas'', chegando ao cúmulo de contratar o inexpressivo grupo de rock progressivo Tangerine Dream para compor a trilha substituta. 

O filme, que dos originais 114 minutos foi reduzido para 90, foi lançado então nos cinemas dos EUA e fracassou gloriosamente, além de ser massacrado pela crítica - embora uma versão de 94 minutos e com a trilha de Goldsmith tenha sido comprada pela Fox e lançada na Europa e também no Brasil na época.

Mas essa injustiça foi finalmente arrumada. Foi lançado na região 1 o DVD especial duplo que contém a versão restaurada do filme, como havia sido idealizada por seus criadores, à qual foram reintegradas cenas que tinham sido deixadas de fora de ambas as versões e a música de Jerry Goldsmith.

Essa chamada ''Versão do Diretor'' (Director’s Cut) está contida no Disco 1, tem 1h54min de duração e é apresentada em formato widescreen anamórfico, com som DTS, 5.1 Dolby Surround e 2.0 Dolby Surround. Além disso, vem com um canal de áudio especial trazendo os comentários do diretor Scott. 

O Disco 2 apresenta vários extras, tais como um documentário recente no qual são discutidos todos os aspectos da produção, com várias entrevistas e depoimentos, duas cenas perdidas (a abertura original e a dança das fadas), storyboards, galeria de fotos, trailers de cinema e TV, além da versão dos EUA, que possui apenas 1h30min de duração e a trilha musical que foi aos cinemas. No Brasil, foi lançado o filme em blu ray trazendo tanto a versão do diretor, quanto a versão européia dos cinemas.

Mas uma pergunta paira no ar: a versão restaurada de ''A Lenda'' faz dele um grande filme? Infelizmente a resposta ainda é negativa. A produção é visualmente brilhante, o clima de magia e conto de fadas está presente (agora mais do que nunca, graças à música de Goldsmith), os efeitos de maquiagem de Rob Bottin são perfeitos e Tim Curry como o vilão Darkness continua impressionando, mesmo ao atuar sob quilos de maquiagem que o deixam irreconhecível. 

Todavia, ''Legend'' tem um defeito grave: por causa de diversos problemas na produção (inclusive um incêndio que destruiu grande parte do estúdio), o roteiro de William Hjortsberg, que era inicialmente grandioso e ousado, foi sendo drasticamente reduzido e reescrito, resultando em um sub-Senhor dos Anéis indigesto e praticamente incompreensível.

Essa falta de rumo do projeto obviamente afetou o par de atores centrais, composto por Tom Cruise (aqui em início de carreira) e por Mia Sara (que nem é muito bonita e depois só apareceu em ''Curtindo a Vida Adoidado''). Os dois estão visivelmente perdidos, em especial Cruise, cuja atuação chega a ser constrangedora (o astro hoje rejeita a fita). Pior, o filme não tem ação e as poucas cenas de luta são mal dirigidas por Scott, que as deixa confusas e truncadas.

Em contrapartida, a ''Versão do Diretor'' é mais longa do que a de 94 minutos exibida nos cinemas europeus e brasileiros, particularmente na seqüência do encontro com os unicórnios, quando Darkness tenta seduzir a princesa Lily (Sara) e no diálogo entre ela e Jack (Cruise) na conclusão do filme, deixando-o um pouco mais forte ao aprofundar o amor entre os personagens principais e também o dilema enfrentado pelo Senhor da Escuridão, que tenta corromper a luz, mas também acaba corrompido por ela.

Tim Curry, irreconhecível como Darkness
É incompreensível, todavia, a opção do diretor em deixar de fora algumas cenas que fazem parte da versão que foi lançada nos EUA, em especial a que mostra o duende Gump recolocando o chifre no Unicórnio e causando sua ressurreição.

As duas versões também começam e terminam de maneira totalmente diferente. Na dos EUA o vilão é mostrado logo de cara, quebrando todo o impacto da sua aparição ao sair do espelho na metade do filme. Já na Versão do Diretor, Lily vai embora sozinha, pois entende que seu campeão pertence à floresta, mas em seguida Jack resolve correr para ela. Na dos EUA e na Européia, ambos rumam ao pôr do sol juntos, de mãos dadas...

Com tantas versões diferentes e mudanças conceituais, fica claro que nem mesmo os realizadores sabiam muito bem o que fazer com o roteiro que tinham em mãos. E é justamente essa falta de rumo a causa do fracasso do projeto, pois deixou aberta a porta para a intervenção direta de executivos do estúdio que, entre outros absurdos, decidiram destruir a trilha magistral de Jerry Goldsmith em favor de uma música mais comercial.

Para quem duvida é só comparar a cena da dança do vestido nas duas versões. Goldsmith compôs uma valsa grandiosa e maravilhosa, porém perturbadora, na performance precisa da National Philarmonic Orchestra mais Coral. Já na versão do Tangerine Dream vemos os personagens dançando freneticamente, mas a música soa modesta, mal se ouve coisa alguma, como se alguém estivesse arranhando um sintetizador timidamente. 

Como bem disse Paul MacLean no livreto que acompanha o álbum da Silva Screen com a trilha musical de Jerry Goldsmith para o filme, ''Homens de negócio fariam melhor se permanecessem em suas cadeiras de couro e deixassem o trabalho criativo para as pessoas criativas''. Pura e irretocável verdade. Jerry Goldsmith que o diga...

A versão que foi para os cinemas de ''A Lenda'', de 94 minutos, foi lançado em DVD no Brasil pela Fox. Entretanto, nem a Fox, nem a Universal, que distribui o DVD com a versão do diretor nos EUA, tem planos para a versão especial para o Brasil.

Cotação: * * * 1/2

4 comentários:

Guilherme disse...

Porra chamar a Mia Sara de feia é foda.

André Lux disse...

Não disse que ela é feia, apenas que nem é tão bonita assim. Na minha opinião,é claro...

Edilson Palhares disse...

André,

Seu texto está muito bom e fico com pena que dificilmente consiguirei assistir a este versão. Tomara que algum dia lancem aqui no Brasil.
Quanto à música, Jerry Goldsmith merece todo o meu respeito, tanto quanto John Williams e acredito que a OST de "A Lenda" tenha realmente ficado melhor.
Mas me desculpe, chamar o "Tangerine Dream" de banda inexpressiva demonstra uma falta de intimidade sobre a sua contribuição no cenário do rock progressivo eletrônico. Você pode até não curtir a banda. Respeito. Mas considerá-la inexpressiva, aí não.Concordo que suas trilhas para o cinema, a exceção de "Negócio Arriscado", realmente não é expressiva. Mas como um todo, o trabalho da banda é fantástico, desde suas primeiras contribuições ainda no fins dos anos 60 até dois anos atrás, quando Edgar Froese, seu líder, faleceu.

Tudo de bom.

André Lux disse...

Inexpressiva pra mim, só para deixar claro.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...