Postagem em destaque

SEJA UM PADRINHO DO TUDO EM CIMA!

Ajude este humilde blogueiro a continuar seu trabalho! Sempre militei e falei sobre cinema e outros assuntos sem ganhar absolutamente nada ...

terça-feira, 22 de março de 2016

Filmes: "Deadpool"

DESCARTÁVEL

O filme é divertido, cheio de piadinhas e referências ao mundo nerd, mas chega uma hora que tudo isso meio que cansa e perde a graça

- por André Lux, crítico-spam

Fãs de quadrinhos e críticos em geral gostaram muito dessa adaptação de um personagem pouco conhecido da Marvel, o “Deadpool” (que já havia aparecido no desastroso "X-Men Origens: Wolverine"), mas, sinceramente, não achei assim tão bom.

Ok, o filme é divertido, cheio de piadinhas e referências ao mundo mágico dos nerds, tem uma apresentação dos créditos bem sacada, mas chega uma hora que tudo isso meio que cansa e o excesso de brincadeiras e micagens do protagonista perdem a graça.

Nada tenho  contra o ator Ryan Reynolds, que é esforçado e simpático, mas aqui está excessivamente posado e confiante (chega a citar a si mesmo!) em um personagem que no final das contas não passa de uma mistura de Wolverine (tem fator de cura que o deixa praticamente imortal) com o Homem-Aranha (que também é o rei das piadinhas e da auto-gozação).

Não consegui me envolver na trama, pois é simplesmente a busca por vingança e retaliação do Deadpool contra o sujeito que o transformou depois de longas sessões de torturas. Não ficam muito claros quais são os poderes e as fraquezas do herói, além do fator de cura, que chega ao exagero quando continua tranquilo depois de levar uma facada na cabeça! Ele já lutava e se movia como um super-ninja antes ou isso foi efeito da mutação também? Ninguém explica. Isso derruba qualquer tentativa de criar suspense, como se importar com o destino de um super-herói que parece ser indestrutível e nunca perde o bom humor?

No final, “Deadpool” recorre aos mais batidos clichês dos filmes do gênero e vira uma overdose de lutas entre bonecos criados digitalmente e explosões exageradas, sem falar que o clímax é a briga entre um sujeito praticamente imortal contra outro que é incapaz de sentir qualquer dor... Mais emocionante que isso só mesmo uma corrida de tartarugas.

O filme também é excessivamente violento e assustou vários pais que levaram seus filhos pequenos aos cinemas, ao ponto de terem que colocar um aviso bem à vista de que não era recomendado para menores de 16 anos.

Repleto de músicas pop e recheado com uma trilha incidental horrenda composta pelo tal de Junkie LX, espécie de DJ “descoberto” pelo abominável Hans Zimmer, “Deadpool” acaba sendo mais um daqueles filmes que começam prometendo subverter a lógica desse tipo de produto, só para se render a ela e terminar tão descartável como qualquer outro. Uma pena.


Cotação: * * 1/3

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...