Postagem em destaque

SEJA UM PADRINHO DO TUDO EM CIMA!

Ajude este humilde blogueiro a continuar seu trabalho! Sempre militei e falei sobre cinema e outros assuntos sem ganhar absolutamente nada ...

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Filmes: "Gravidade"

MUITO BARULHO POR NADA

Trama simplória, personagens inconsistentes e preciosismo técnico acabam diluindo o suspense

- por André Lux, crítico-spam

Toda vez que críticos e pessoas ligadas à indústria cultural estadunidense começam a rotular um filme de "revolucionário", "melhor não sei o que de todos os tempos" e coisas assim, eu já fico com um pé atrás porque na maioria das vezes é delírio coletivo.

E mais uma vez acontece isso, agora com esse "Gravidade", dirigido pelo competente Alfonso Cuarón que fez os ótimos "E Sua Mãe Também" e "Filhos da Esperança". Não vou dizer que o filme seja ruim, porque não é, todavia não passa de mais um "filme-desastre" só que situado no espaço e com a pretensão de respeitar as leis da física (como a ausência de som no vácuo), embora um astronauta verdadeiro já tenha afirmado que uma das proezas realizadas no filme é inviável (leia aqui).


Assim, "Gravidade" mostra em tempo real a luta pela sobrevivência de dois astronautas, feitos por Sandra Bullock e George Clooney, depois que sua nave é destruída por uma chuva de destroços de satélites que foram detonados por um míssil russo (será que os russos iam mesmo fazer uma burrice dessas? Os países não se comunicam, ainda mais quando tem uma missão trabalhando no espaço?). É um trama bastante simplória que o diretor tenta disfarçar com pirotecnia visual, preciosismo técnico e muito papo furado. 

Em uma das cenas que deveriam ser mais emocionantes, por exemplo, a personagem de Bullock sai girando pelo espaço enquanto é afastada da nave. Então temos uma longa sequência onde a câmera começa girando junto com ela, depois se aproxima de seu capacete até entrar dentro dele e nos dar a visão em primeira pessoa, e depois sai novamente e se fixa do rosto dela enquanto tudo continua girando. Tecnicamente, é uma cena incrível, porém dramaticamente não acrescenta nada, ao contrário, acaba desviando a atenção do drama da personagem para o malabarismo fotográfico da tomada. A gente fica se perguntado coisas como "Nossa, como será que conseguiram filmar assim?" e nem dá bola para a pobre moça. Sem dizer que dá uma tontura incrível.

Apesar da presença sempre eficiente de Clooney, no papel do comandante da missão, o filme é mesmo de Sandra Bullock, até porque a participação do ator é pequena, tem um destino bem sem graça e se resume a ficar fazendo piadas e dando tiradas sarcásticas mesmo em situações de alta tensão, algo que infelizmente contribui novamente para diluir o drama. O problema é que a moça é uma atriz fraca e não tem condições de segurar uma empreitada dessa envergadura. Além disso, sua personagem é inconsistente, pois revela um drama pessoal terrível e uma condição psicológica que jamais a permitiram viajar para o espaço. E ainda temos uma daquelas cenas constrangedoras onde a protagonista recebe informações cruciais de uma alucinação...

Clooney, o piadista: "Garota, acho que 
vamos morrer, mas... cetem bruneva?"
O filme também é prejudicado por uma trilha musical eletrônica que funciona mais como efeito sonoro do que música, exceto quando tenta ser dramática e falha fragorosamente. Não faz muito sentido fazer um filme sem o barulho de explosões e outros ruídos, como é no espaço, se vai colocar por cima de tudo uma trilha barulhenta e intrusiva. 

Cuarón ainda tenta dar algum significado mais profundo ao roteiro fazendo um paralelo na busca pela sobrevivência da protagonista com uma espécie de "renascimento" dela, mas, sinceramente, isso nem chega a funcionar. Sem dizer que as "dicas" para isso são óbvias demais: ela em posição fetal flutuando dentro da capsula e no final saindo pelo orifício embaixo da água.

Mas acho que o maior problema do filme é que em momento algum duvidei do destino da personagem, o que, convenhamos, acaba com qualquer tentativa de criar suspense. Como eu disse, "Gravidade" não é ruim, porém ao menos para mim, não causou nenhuma reação além de tontura e uma certa irritação ao ver tantas cenas repetidas de gente girando e tentando se agarrar em naves ou sendo atingidas pela enésima vez pelos benditos destroços! Ou seja, mais uma vez é muito barulho por (quase) nada.

Cotação: * * *

4 comentários:

Lucas disse...

O filme é ótimo.
Mas quem tem insatisfação crônica sempre procura defeitos e se agarra neles.

Anônimo disse...

O filme realmente é horrível. História zero e efeitos especiais demais.
Não sei o motivo de tantos adoradores deste filme.

Anônimo disse...

Sandra Bullock continua bonita, mas é realmente uma atriz fraca. Deveria continuar fazendo as comédias água com açúcar que a fez despontar no meio hollywoodiano.

Elizio Gomes disse...

Lixo, única palavra que esse filme merece.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...