Postagem em destaque

Blogueiro pede a sua ajuda!

Ajude este humilde blogueiro a continuar seu trabalho! Sempre militei e falei sobre cinema e outros assuntos sem ganhar absolutamente nada ...

segunda-feira, 16 de maio de 2005

Humor: Ria dos Críticos!

Vamos ser francos: não existe nada mais patético do que “críticos profissionais” que se levam a sério. Enquanto milhares de pessoas ganham a vida produtivamente construindo pontes, realizando cirurgias cardio-vasculares, entregando cartas, escrevendo livros ou retirando os lixos das ruas, existem certas pessoas que vivem de “tecer opiniões sobre o trabalho dos outros”.

Não que tenhamos algo contra a expressão de opiniões, algo normal e até louvável. O problema começa quando uma parcela da população começa a ganhar dinheiro fazendo isso e, tristeza das tristezas, passa a acreditar piamente que essa profissão é realmente algo de vital importância para a raça humana, a ponto de merecer respeito ou mesmo admiração incontestes!

Mas é fácil entender porque os tais “críticos profissionais” são, com raras exceções, tão virulentos e ferozes ao defender a sua maneira de ganhar o pão de cada dia. Imagine só como fica a cabeça de uma pessoa que, no fundo, sabe que é apenas um pária social, um tipo de sangue-suga, que passa a vida tendo que tecer opiniões (geralmente negativas) sobre o trabalho produtivo realizado pelos outros - o qual (via de regra) ele não seria capaz de realizar.

Deu pra sentir a que níveis vão a insegurança, o medo e a falta de auto-estima dessas pessoas? Se não bastasse todos nós termos que lidar com esse tipo de limitação psicológica (inerente à espécie humana), pense como seria viver todos os dias sabendo que seu salário mensal depende, única e exclusivamente, do suor de outras pessoas que você nem conhece!

E eu sei do que estou falando, pois exerci por alguns meses a função de "crítico" para um site que gostava. Posso dizer que senti na pele como esse negócio de "exprimir opiniões em público" pode subir à cabeça e deixar você intolerante à opiniões contrárias e críticas ao que escreveu. 

E olha que eu nem era "profissional", fazia aquilo por puro hobby apenas para tentar ajudar um site bacana que estava falido, sem receber nada em troca... Felizmente percebi isso há tempo e pulei fora, voltando meu foco para realizações profissionais e pessoais mais gratificantes.

Sacou agora porque os ditos “críticos profissionais” são, em geral, assim tão cheios-de-si e arrogantes e porque temos que sentir pena deles e não raiva? Não? Então vou facilitar ainda mais a sua vida, tentando dissecar abaixo os vários tipos deles que existem por aí para que possa entender melhor o que se passa na cabeça desse estranho povo! Você certamente já conheceu algum ou já leu algo que um deles escreveu. 

Importante notar que, normalmente, eles possuem todas as características listadas abaixo, embora uma delas vai se sobressair em cada uma dessas figuras bisonhas.

1) CRÍTICO-DEUS: É o tipo mais patético e, também, o mais perigoso. Dono de uma imensa insegurança e de um gigantesco complexo de inferioridade, o “Crítico-Deus” se reveste com o famoso escudo de dono da verdade para tentar desviar a atenção da sua frágil condição psicológica. 

É o “sabe tudo”, cuja sapiência e compreensão dos fatos estão além do que o resto dos mortais sequer sonha em conhecer. 

Esse tipo de pessoa julga-se em contato direto com o “Deus das Artes”, fato que o permite fazer análises sublimes e intocáveis sobre qualquer obra - as quais, por sinal, eles fariam bem melhor caso quisessem ou tivessem tempo. 

Para esse tipo de profissional, “uma crítica não é uma opinião”. Portanto, jamais ouse discutir, muito menos contrariar, o “Crítico-Deus”, pois ele será capaz de ter reações extremamente violentas e ferozes, do tipo escrever textos gigantescos, cheio de pseudo-ironias e auto-indulgência só para tentar denegrir a opinião de quem não concordou com ele ou ousou apontar um erro que cometeu em alguma análise!

2) CRÍTICO-AMIGO (ou CRÍTICO-VASELINA): Esse é o crítico que mais faz rir involuntariamente. Dono de um complexo de inferioridade astronômico que o leva a ter uma necessidade patológica por aprovação, o “Crítico-Amigo” traveste suas opiniões com todo o tipo de “fofuras” e comentários simpáticos. 

Assim, ele pensa, vai ser mais fácil todo mundo gostar dele e aprová-lo. “Vejam como sou boa-praça”, parecem querer dizer. 

O problema começa quando o “Crítico-Amigo” tem que falar mal de uma obra de arte. Aí, via de regra, ele vai escrever um texto imenso, no qual vai intercalar cada comentário negativo com cerca de dois parágrafos onde vai explicar detalhadamente porque está sendo tão “vilão”, praticamente pedindo desculpas aos que eventualmente gostaram da obra e que, por causa do seu comentário negativo, podem vir a não aprová-lo. 

Todavia, não se engane: todo “Crítico-Amigo” é, no fundo, um “Crítico-Deus” disfarçado. Se duvida, aponte em público erros que ele cometeu em suas análises ou discorde frontalmente do que ele disse com uma opinião convicta e isenta de “floreios”. A máscara de “amigo de todos” dele vai sumir rapidinho e o ataque será mais cruel do que o de uma hiena esfomeada!

3) CRÍTICO-PIMBA: Para quem não sabe, PIMBA quer dizer “Pseudo-Intelectual-Metido-A-Besta”

Como a própria definição já deixa clara, esse tipo de crítico tenta disfarçar sua insegurança, ignorância e medo com um linguajar rebuscado, ininteligível e, via de regra, sem sentido (a não ser para ele e para meia dúzia de amigos que vão ao mesmo cine-clube).

Felizmente esse tipo de técnica já ficou por demais manjada, tornando os “Críticos-Pimba” motivo de chacota para quase todos. Todavia, existem algumas pessoas, cuja auto-estima é ainda menor do que a deles, que ainda se impressionam com o tipo de coisas que escrevem, tais como: “olho-matéria”, “dicotomia”, "estética da fome", “dialética”, “sincretismo”, etc... 

Quando o “Crítico-Pimba” toma contato com uma obra pretensiosa e badalada que não entende ou que simplesmente não faz sentido, diz que é "genial" e então copia o que está escrito no press-release dela ou o que leu em alguma entrevista com o autor. 

Cinemão de Hollywood e qualquer outro tipo de arte popular ou de entretenimento serão sistematicamente odiados por esse tipo de crítico. Jamais fale mal de um filme de David Lynch, do “cinema asiático”, do Gerald Thomas, do grupo YES ou da 9ª Sinfonia de Shostakovsky perto de um “Crítico-Pimba”, caso contrário ele vai desprezá-lo para o resto da sua vida... pensando bem, fale mal sim!

4) CRÍTICO-POLIANA: Esse exemplar de crítico nunca vê maldade ou mensagens subliminares em nada que lê, escuta ou assiste, muito menos acha que filmes, livros ou músicas podem trazer mensagens danosas para as pessoas ou para a sociedade em geral. 

“Rambo II” ou "Comando para Matar", para eles, são somente filmes de aventuras bacanas, enquanto artistas ou pensadores como Michael Moore, Noam Chomsky ou Oliver Stone são apenas paranoicos com mania de perseguição. 

“Críticos-Poliana” normalmente gostam de tudo, até do filme "Mulher-Gato", do Steven Seagal, das músicas do É o Tchan e até das novelas da rede Globo! São ideais para trabalhar em revistas como "Veja", "Contigo", "Caras" e outros veículos de comunicação cujos donos preocupam-se mais com prestígio do que com conteúdo de qualidade.

5) CRÍTICO-SINÓPSE: Você já leu uma crítica que é, basicamente, um resumo da história apresentada na obra? 

Então você conheceu um “Crítico-Sinopse”, que é uma variação do “Crítico-Amigo”, só que bem mais ameno. 

Inseguro de suas opiniões e desesperado para esconder o fato que nada entende sobre o que está falando, esse tipo de profissional da crítica limita-se a contar a trama da obra do começo ao fim, repetindo até frases e diálogos para mostrar que realmente estava atento ao que via. 

É comum também ele enumerar "citações" de outras obras que pensa ter vislumbrado no material que está analisando (assim vão achá-lo culto, sonha). Muito raramente o “Crítico-Sinopse” até se arrisca a colocar alguma opinião concreta sobre o produto no final de seu texto, mas via de regra você vai terminar de ler tudo que ele escreveu e se perguntar: “Afinal, esse cara gostou ou não da obra?”. 

A única vantagem do “Sinopse” sobre o “Amigo” é que ele vai fugir de polêmicas como o diabo foge da cruz, enquanto o segundo vai virar “Deus” ao ser contrariado e contra-atacar violentamente.

6) CRÍTICO-DIVA (ou CRÍTICO-ESTRELA): É do tipo que se julga tão ou mais importante que os verdadeiros artistas sobre o qual escreve. 

Nunca ligue um holofote ou aponte um microfone para esse tipo de profissional, pois ele vai se abrir todo como um pavão enamorado. 

O “Crítico-Diva” é uma celebridade, ao menos na cabeça dele, e ponto final. É inútil tentar convencê-lo do contrário. 

Seus textos geralmente são recheados de auto-adulação, comentários pessoais (do tipo "...quando entrevistei o ator Fulano em Cannes"), fofocas picantes sobre celebridades e referências maldosas a partes do corpo dos artistas em questão. 

Outra particularidade: se alguma celebridade não der a ele a devida atenção que pensa merecer, o "Crítico-Diva" vai passar a falar mal de qualquer trabalho no qual essa pessoa estiver envolvida!

7) CRITICUZINHO: O advento da internet trouxe várias vantagens para todos - democratização da informação, contato direto com pessoas do mundo inteiro, pornografia gratuíta, etc. 

Mas como nem tudo são flores, a internet também gerou um novo tipo de celeuma social: adolescentes problemáticos e carentes com excesso de tempo livre passaram a usar a rede como forma de descontar suas frustrações e traumas em tudo quanto é fórum de discussões, blogs, redes sociais ou qualquer outro lugar que possam vomitar seus recalques. 

E, como era de se esperar, muitas dessas pessoas com excesso de hormônios e nada de sexo julgam-se críticos de arte só porque assistem tudo quanto é filme ou leram todos os livros do "Harry Potter". Assim, espalham suas "críticas" pela net e, pior de tudo, muita gente acaba levando a sério as asneiras que escrevem e alguns, pasmem, chegam até a publicar seus textos em sites pretensamente sérios! 

Aviso: ao encontrar um tipo desses fuja depressa, caso contrário ele vai te perseguir até o final dos tempos via email, criando blogs do tipo "eu odeio você!", perfis falsos no facebook para te atacar, etc. Que falta que faz um(a) namorado(a), não?

8) CRÍTICO-ARTISTA: Sabe aqueles artistas frustrados e sem talento, que tentaram, mas não conseguiram seguir carreira no meio? 

Muitos percebem que não sabem fazer mais nada de útil na vida e então viram "críticos" para, pelo menos, ficarem próximos do mundo ao qual não conseguiram fazer parte. 

Os textos desse tipo de profissional da opinião são muito fáceis de reconhecer, pois são sempre escritos na primeira pessoa e analisam a obra em questão a partir do seguinte ponto de vista: "como tudo teria sido (melhor) se fosse eu quem a tivesse realizado, caso minha agenda não fosse tão lotada".

Mas, agora, você deve estar se perguntando: "Quer dizer então que nenhum crítico presta?". Claro que sim! Conheça-o abaixo:

8) CRÍTICO-DECENTE: Esse é o único tipo de crítico que se pode levar a sério e, por isso mesmo, cada vez mais raro de se encontrar na mídia.

Cientes da sua condição de meros tecedores de opinião sobre o trabalho alheio e das suas próprias limitações humanas, o “Crítico-Decente” fala sobre a obra de arte levando em conta a sua própria visão de mundo, sem delongas e sem disfarces. 

Esse profissional sabe que o que escreve pode servir, no máximo, como base e referência para pessoas que buscam saber mais sobre arte em geral, mas também gostam de ler ou ouvir uma opinião sincera, clara e confessadamente parcial. 

Ele sabe que uma crítica é somente uma opinião e, por isso, faz de seu trabalho algo agradável e bem humorado, ficando aberto a réplicas e sem medo de dialogar com o interlocutor, podendo até aprender algo novo neste processo.

Todos os outros tipo de críticos listados acima (especialmente o "Deus" e o "Amigo") simplesmente “estrebucham” na presença de um “Crítico-Decente” e, via de regra, fazem de tudo para desacreditá-lo publicamente, como se isso fosse suficiente para garantir a sobrevivência deles e anular suas frustrações e inseguras pessoais. 

Tendo em vista que a maioria dos veículos de comunicação é dominado por pessoas extremamente mal resolvidas e sem auto-estima, é compreensível que profissionais como o listado acima encontrem cada vez mais portas fechadas ao seu trabalho...

P.S.: Claro que, na minha opinião, eu seria um "Crítico-Decente" caso tivesse que ganhar a vida escrevendo sobre o trabalho produtivos dos outros. Mas não precisa me chamar de frustrado, muito menos concordar comigo. Afinal, opinião é como bunda: cada um tem a sua! Agora vamos esperar alguém vestir a carapuça e deixar uma mensagem ultrajante aqui.

7 comentários:

Louise Santos disse...

Oi... Estou passando para agradecer o post maravilhoso que deixou para mim. Não imaginas o quanto me ajudou... É incrível como até os agumentos eles desmerecem com a tal história do ser de esquerda ou direita. Não é nada disso. Não existem duas realidades, existe uma só. Não estou puxando a sardinha pro lado de ninguém, é isso que gostaria que entendessem, e você entendeu. Obrigada de verdade... Tomara que um dia possa conhecer vc e sua esposa... Pelo menos manter contato via blogs... Abraço

Louise Santos disse...

Oi André, então, eu uso o html. Coloco o código align=left dentro do img src. Fica assim:
img src='http://photos1.blogger.com/img/11/5304/320/perdido.jpg' align=left
Entendeu? Qualquer coisa, te explico melhor. Abraço

Louise Santos disse...

Oi André, então, eu uso o html. Coloco o código align=left dentro do img src. Fica assim:
img src='http://photos1.blogger.com/img/11/5304/320/perdido.jpg' align=left
Entendeu? Qualquer coisa, te explico melhor. Abraço

Marcus Valerio XR' disse...

Bem, devo ter dado muito azar, pois o único tipo de mau crítico que conheci até hoje foi o tipo DEUS, que sempre tem pitadas de PIMBA, e um pouco de ARTISTA, visto que creio que um crítico de arte é SEMPRE um artista frustrado, pelo que se segue.
1-Todos gostam de arte, mas a maioria não são profissionais da arte.
2-Para ser um profissional da arte, é preciso se envolver diretamente e gostar de arte.
3-A realização máxima do envolvimento e gosto pela arte é ser um grande artista.
4-Se um crítico de arte é um profissional da arte, logo, pelos intens 2 e 3, almeja ou almejaria ser um artista.
5-Se não o é, é um artista frustrado!

Não é a toa que, podem observar as críticas que artistas lançam sobre outros artistas são em geral bem mais brandas que a dos críticos profissionais. E é claro que há diferença entre ser um crítico casual, o que quase todos são, e um crítico recorrente, pré-requisito para ser um crítico profissional.

O problema é que no último caso, a tendência é sê-la na maior parte do tempo, o que é impossível para um artista.

O problema maior, aliás para mim, o ÚNICO real problema da crítica, é tantar empurrar a subjetividade e gosto pessoal por meio de um discurso de aparência objetiva. A maioria dos críticos de arte tem a lamentável tendência de não usar a primeira pessoa, e sim escrever de modo impessoal, como se seu tema fossem fatos objetivo do mundo concreto. Ao invés de "penso que", "acho que", "parece" e similares que implicam na assumpção de uma opinião particular, é sempre usado o verbo SER no sentido indicador direto. Ou seja, tendem a agir como se estivessem apontando dados físicos do mundo. Isso sim é brincar de Deus.

E andré, tome cuidado, pois você acabou desenvolvendo maus hábitos que estão claramente nestas categorias apontadas.

No mais, achei esse texto muito bom, a classificação talvez esteja muito discriminada, mas concordo na maior parte. Há muito tempo penso em escrever em meu site um texto sobre o mesmo tema.

Marcus Valerio XR
http://www.xr.pro.br

Emerson Dias disse...

Acompanho vc diariamente, mas nunca vi esse post

De rachar de rir essa lista.
Tenho inumeros amigos que se encaixam perfeitamente nesses esteriotipos.

Admiro muito seu blog e sua forma bem humorada de expor as coisas, parabens.

Marcos Antônio Mocellin disse...

Valeu André. Adoro suas publicações e tenho aprendido muito com elas, continue assim e muito obrigado!

Lucas Sowew disse...

artigo genial kkkkkkkkk

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...