Postagem em destaque

Blogueiro pede a sua ajuda!

Ajude este humilde blogueiro a continuar seu trabalho! Sempre militei e falei sobre cinema e outros assuntos sem ganhar absolutamente nada ...

terça-feira, 17 de novembro de 2015

False flag: atentados em Paris não aconteceram

Coincidências, timing e conveniência estratégica (quem ganha com os atentados?), muitos analistas levantam a hipótese dos atentados do Estado Islâmico serem False Flags: ações sustentadas financeiramente pelo próprio Ocidente para criar o caos e divisão como tática de propaganda para manter a hegemonia sobre o Oriente Médio.

- por Wilson Ferreira, no blog Cinema Secreto



Acumulação, consonância e onipresença. Esses três palavras definem a atual cobertura da grande mídia brasileira aos ataques em Paris. Ao contrário da autêntica Chernobyl brasileira em que se transformou a catástrofe ambiental e humana em Mariana/MG com o rompimento da barragem de detritos da Vale do Rio Doce/Samarco. 


Por que essa diferença de tratamento? Há muitos motivos políticos e econômicos em não expor uma empresa privada anunciante na grande mídia. Mas também porque a essência do terrorismo é midiática para ser midiatizável. Os atentados em Paris foram praticamente um kit imprensa dado de mão beijada para as redações com personagens, histórias e roteiros prontos. 

Será que esse é o motivo da recorrência de relatos sobre a sensação de irrealidade em depoimentos de vítimas e testemunhas? E também o motivo da espiral de especulações sobre uma suposta Operação False Flag? E se os mais de 100 mortos não forem prova de que testemunhamos um acontecimento real?

Terminado o jogo França X Alemanha no Stade de France na fatídica noite de sexta-feira 13 dos ataques em Paris, os torcedores se dirigiram ao gramado à espera da autorização para deixar o local. Depois a TV mostrou ao vivo a multidão dirigindo-se aos corredores de saída. Cantavam a Marselhesa, agitando a bandeira da França e erguendo os punhos.

Certamente não era pela comemoração da vitória da França por 2 a 0. Informados pelos celulares sobre o que transcorria fora do estádio, o clima era de ódio, revolta e evidente desejo de revide contra os terroristas. 

Essa talvez tenha sido a imagem mais emblemática daquela noite, porque mostrou ao vivo o resultado imediato dos ataques terroristas, de conveniência política e geopolítica – com a maior população muçulmana da Europa e uma das sociedades mais divididas do continente, reforça ainda mais a xenofobia contra a atual onda de imigrantes fugidos da guerra na Síria e Afeganistão.

Além de criar um conveniente Estado policial reforçado pelo medo e tensão popular, reforçar o papel da França na coalização militar liderada pelos EUA contra a Síria e atingir o país mais simbólico da Europa: a terra da Liberdade, Igualdade e Fraternidade.



Terrorismo é um fenômeno midiático: não visa tomada de poder, mas a dissuasão – voltado para as ondas concêntricas da mídia objetiva produzir a percepção de pânico, tensão, insegurança, divisão e todo um conjunto de sentimentos mais baixos da psique humana. Fenômeno tão midiático que, certa vez, fez o filósofo francês Jean Baudrillard afirmar que os atentados de 2001 jamais ocorreram. Não teriam sido fatos “reais” ou “históricos” mas fatos midiatizados.

Mesmo com imagens de vítimas sendo arrastadas deixando rastros de sangue e mortos cobertos pelos paramédicos nas ruas, é paradoxal a sensação de irrealidade relatado tanto pelas vítimas como por analistas na Internet.

A “irrealidade” dos atentados

Por exemplo, em poucas horas depois dos ataques já era possível ler publicações que já enumeravam inconsistências e estranhas coincidências no episódio (que abordaremos mais adiante). 

O que seriam evidências de que estaríamos diante de mais um evento False Flag (Falsa Bandeira) – espécie de auto-terrorismo onde atentados são criados pelo próprio Estado para justificar determinada agenda política ou econômica. Hipótese absurda para muitos (é impensável o Estado matar seus próprios cidadãos) mas já fartamente documentada como estratégia de propaganda para criar tensão, como também veremos adiante.

Uma testemunha da chegada da polícia na cada de shows Bataclan relatou: “eles agiam como se estivessem em um filme” (clique aqui). Enquanto isso, o jornalista do Le Monde que mora atrás do Bataclan filmou com o celular o desespero das vítimas fugindo da sala de espetáculos. 

“Estava trabalhando em casa e estava passando um filme em que Jean-Huges Anglada interpreta um policial... tinha gente correndo para todos os lados... pensei nas imagens do 11 de setembro”. Uma meta-memória, sabendo-se que no próprio 11 de setembro testemunhas relataram que acreditavam que o incêndio nas torres era um efeito cenográfico de alguma produção hollywoodiana.



O depoimento do brasileiro João Lira, professor de arquitetura, também é significativo: “vi faíscas do outro lado da calçada. Juro que pensei que eram bombinhas de São João, uma girândola talvez, que poderia fazer parte de alguma brincadeira cenográfica”. O que relembra o episódio do chamado “maníaco do Shopping” em 1999 que abriu fogo em uma sala de cinema em São Paulo. Muitos acreditavam que faziam parte de alguma “pegadinha” (na época as “Pegadinhas do Faustão” da Globo estavam em evidência) referente ao filme Clube da Luta e demoraram para tomar pé da situação e se proteger.

Em uma das ações terroristas, um policial gritou para o público em uma pizzaria atingida pelos atiradores: “corram para casa, isso não é um filme!”.

Paris X Mariana/MG

A conveniência dos atentados não é apenas política e geopolítica. É midiática. Esse talvez seja um dos motivos do porquê a Chernobyl brasileira em que se transformou a catástrofe ambiental da Vale do Rio Doce/Samarco em Mariana/MG não tenha merecido a mesma onipresença, consonância e acumulação da grande mídia brasileira – não tem o appeal midiático e icônico de uma Paris com pessoas bonitas, cultas, de bom gosto e com uma certa ideia de civilização para aqueles que acham que a história da arte acabou no impressionismo e na art noveau.

O chamado “Estado Islâmico” sabe disso. Como todos os atentados, visam locais icônicos que parecem seguir o velho roteiro hollywoodiano: era uma vez um lugar bonito e civilizado cuja ordem é quebrada pelo mal para depois a ordem ser reestabelecida pelos protagonistas – o Estado policial. Eles sabem que seus atentados preenchem os quesitos dos roteiros da coberturas “humanizadas” tão prezadas pelo marketing jornalístico.



Essas relatos recorrentes de irrealidade em meio a um acontecimento tão realista e violento seriam sintomas de que todos os personagens da cena de terror (vítimas, atiradores, policiais e paramédicos) estão imersos em uma ação essencialmente midiática e midiatizável?

Para tentar responder a essa pergunta vamos nos aprofundar na espécie de Deep Web das informações em torno dos atentados de Paris: estranhas coincidências, inconsistências e clichês que parecem formar um roteiro pronto e oferecido para a grande mídia como fosse um kit imprensa.

(a) O encontro oportuno do passaporte

Ou “passaporte mágico” na ironia dos teóricos de conspirações. Nos atentados de 11/09/2001 nos EUA um passaporte foi inacreditavelmente encontrado a poucas quadras de distância do que sobrou do WTC: era do suposto sequestrador do Boeing 747 que se chocou contra uma das torres. 

Pouco depois do atentado ao Charlie Hebdo, a policia encontrou o cartão de identidade de um dos terroristas no interior de um carro. E agora, encontra-se um passaporte intacto ao lado do corpo de um dos homens-bomba. Alguém realmente acredita que um homem-bomba traria um passaporte real para o seu último ato em vida?



Claro que dai puxa-se uma conexão com refugiados sírios que entraram pela Grécia – a associação de terroristas oportunistas com a falência de um país que ameaça a Zona do Euro é irresistível.

E para não perder a carona, uma repórter da Globo News encontra o que seria o fragmento de um passaporte supostamente sírio na calçada próxima ao Stade de France. E que não fora encontrado momentos antes pela perícia! 

Orgulhosamente, levou a suposta prova para a polícia para “ajudar nas investigações”. O que vimos depois é a repórter “tocando piano” na delegacia e tendo que recolher saliva para o fichamento do seu DNA, orgulhosa por colaborar com a “inteligência francesa”.

(b) Estranhos exercícios de simulação

Os chamados “teóricos da conspiração vem encontrando outra recorrência: exercícios de simulação de atentados terroristas envolvendo policiais e paramédicos no dias dos próprios atentados reais. Aconteceu em 2001 nos EUA e nos atentados a bombas no metrô de Londres em 2005.

Na manhã do dia 13 foi realizado em Paris um “exercício de ataques múltiplos”. Patrick Pellloux, médico e presidente do sindicato francês dos paramédicos do EMT (a SAMU francesa) disse numa entrevista à Radio France no dia seguinte aos ataques: “as vítimas tiveram muita sorte, pois na parte da manhã fizemos um exercício de ataques múltiplos coordenando policiais, bombeiros e paramédicos. Por isso todos já estavam envolvidos e preparados”.

Desde 2004 Pelloux publica artigos na revista satírica Charlie Hebdo sobre as situações de um médico de emergências. Coincidentemente Pelloux estava próximo ao prédio da revista no momento do atentado do início desse ano e foi uma das primeiras pessoas a chegar ao local após o tiroteio e imediatamente ligar para o presidente francês Hollande para descrever o que havia ocorrido.

Pelloux também é ator é trabalhou em filmes como Saint Laurent(2014), Incognito (2009) e minisséries na TV.

Coincidências ou evidência de treinamentos para False Flag?

(c) False Flag

Por essas e outras recorrências, coincidências, timing e conveniência estratégica (quem ganha com os atentados?), muitos analistas levantam a hipótese dos atentados do Estado Islâmico serem False Flags: ações sustentadas financeiramente pelo próprio Ocidente para criar o caos e divisão como tática de propaganda para manter a hegemonia sobre o Oriente Médio. Principalmente agora que a Rússia de Putin também entra no cenário de guerras na Síria.



Paul Craig Roberts do Institute for Political Economy (IPE) lembra do documento intitulado “A Clean Break: a New Estrategy for Securing the Realm” de 1996. Nesse documento elaborado pelos neocon insiders que arquitetaram as bases da futura doutrina Bush pós-2001 estão as principais diretrizes para “dividir, conquistar e reinar” no Oriente Médio – Primavera Árabe, invasão do Iraque, desestabilização da Síria, o projeto de “Choques de Civilização” e a criação do estado Islâmico estão lá por baixo de diversas camadas de eufemismos – sobre isso clique aqui.

Sabe-se que a primeira mensagem de autoria do atentado do Estado Islâmico foi “descoberta” pelo SITE Intelligence Group (Search for International Terrorist Entities) e que sua fundadora, Rita Katz, é uma insider do atual governo e colega dos Neocons autores do documento acima citado: Richard Perle, Douglas Feith (dirigiu a máquina de propaganda da guerra no Iraque) e David Wurmser.

Mas como um governo iria matar seus próprios cidadãos? Craig dá o exemplo da Operação Gladio na Itália nos anos 1970-80 onde uma série de atentados eram articulados pela inteligência italiana e executados em locais escolhidos a dedo para impactar a mídia Ocidental. Objetivo: desacreditar os comunistas e tirá-los da vida política italiana.

(d) Conexões oportunas

Repete-se o mesmo script de acordo com as conveniências geopolíticas ocidentais: no episódio do Charlie Hebdo a grande mídia informou que os terroristas encapuçados gritavam na rua “digam para a imprensa que somos da Al-Qaeda do Iêmen”. A região do Iêmen é um dos gargalos para o transporte de petróleo. EUA e OTAN procuram o controle desses gargalos críticos.

Agora, os homens-bomba encapuçados gritam “Isso é pela Síria!”. Uma feliz coincidência num momento em que a força aérea russa bombardeia alvos do ISIS na Síria, perturbando o plano “Clean Breake” traçado pelos Neocons em 1996.



(e) Mais vídeos com terroristas canastrões

E como a cereja no bolo no momento em que o presidente Françoise Hollande decreta que “a França está em guerra”, são divulgados pela enésima vez vídeos com terroristas sujos, feios e malvados do suposto Estado Islâmico ameaçando a tudo e a todos.

Os personagens parecem que saíram do filme do Woody Allen "Bananas", de 1971 (com hilários comunistas cubanos barbudos e cheios de ódio), ou alguma paródia dos filmes hollywoodianos feitos pela turma de humor “Hermes e Renato”.

Em postagem anterior discutíamos a canastrice (personagens estereotipados, não-espontâneos, over etc.) como estratégia de propaganda em ambientes altamente midiatizados como os atuais – nossa percepção já foi há muito tempo invertida: tomamos a realidade a partir das imagens estereotipadas das mídias – sobre isso clique aqui. Terroristas reais não seriam reconhecíveis – precisam ser midiáticos e midiatizáveis. Assim como é a própria natureza do terrorismo.

Um comentário:

Anônimo disse...

Não devemos nos esquecer que aqui no Brasil já tentaram "False Flag": um exemplo é o malfadado atentado à bomba no Riocentro no início da década de 80, para tentar impedir a redemocratização.
Outro plano de atentado "false flag"anterior a esse, que acabou (felizmente) não se concretizando, mas também foi elaborado com o objetivo de culpar "guerrilheiros comunistas" a fim de justificar a manutenção da Ditadura na década de 70, foi o plano de explosão do Gasômetro, no bairro do Flamengo, RJ.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...