Postagem em destaque

SEJA UM PADRINHO DO TUDO EM CIMA!

Ajude este humilde blogueiro a continuar seu trabalho! Sempre militei e falei sobre cinema e outros assuntos sem ganhar absolutamente nada ...

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Charlie Hebdo é uma merda. Não serve de escudo contra balas

Como estamos na Idade Mídia, os tempos são de trevas. O midiota, você sabe, é um mero boneco de ventríloquo. A publicação francesa, que já a algum tempo definhava, hoje bateu recorde de vendas. 

 - por Lelê Teles

Jesus Charlie?

Aguardei pacientemente. Três dias se passaram e os cabras não ressuscitaram. Seria perfeito. Pela primeira vez o ateísmo rumava para se converter em religião.

Após a chacina em Paris, fiéis brotaram aos montes a dizer: “aquele que morreu sou eu”, um troço metafísico pra cacete. O fervor e a paixão com que defenderam os cartunistas mortos - porque era só deles que se falava - era uma adoração cega, acrítica, como essas que se vê nas igrejas de esquina.

Nadei contra a corrente, contra o sentimento de manada, quando escrevi a crônica Je Ne Suis Pas Charlie.

Uns fanáticos logo surgiram para me atacar. Ora se diziam franceses, ora eram brasileiros que já tinham tirado foto com a Torre Eiffel ao fundo. Ambos pretendiam santificar os cartunistas.

Porque, você sabe, não morre um canalha. É só checar as lápides nos cemitérios e os necrológios (necro-elogios) nos jornais: bom filho, bom pai, grande amigo, esposo amantíssimo.

Fuleiragem.

Eu afirmei, corpos ainda insepultos, que esses caras haviam se convertido em abjetos islamofóbicos e cínicos provocadores que se prestavam a caricaturar – obsessivamente - os muçulmanos, ridicularizando sua fé e sua cultura.

Francófilos disseram que não, eles ridicularizavam todos. Conversa mole. Eles demitiram Sine por sacanear o filho de Sarkozy e os judeus em uma mesma piada.

Eu falei que Charb fez uma charge racista. Charbófilos disseram que eu não havia entendido a piada. Na verdade, diziam eles, Charb desenhou a ministra como uma macaca para criticar aqueles que a chamaram de macaca e dizer que era inaceitável que uma negra fosse representada como uma macaca. Por isso é que ele a macaqueou.

Entendeu? Nem eu.

Teve um site que detonou o Diddi Mocó. Porque o cearense havia dito à Playboy que na época dele fazia-se piada com preto, anão e viado; e ninguém achava ruim.

Pois não é que o mesmo site estava agora a defender a charge de Charb, aquela da macaca.

Os mesmos cabras que apontaram o dedo para o Renato Aragão, agora diziam que era normal que os muçulmanos da França - espremidos na periferia, cidadãos de segunda classe, comparados aos nossos pretos, anões e viados - fossem achincalhados. Menos pelo Didi.

Vai entender.

Como estamos na Idade Mídia, os tempos são de trevas. O midiota, você sabe, é um mero boneco de ventríloquo. A publicação francesa, que já a algum tempo definhava, hoje bateu recorde de vendas.

Mas não se engane, trata-se de um fenômeno midiático instantâneo e passageiro. Uma bíblia de fim de semana, esse entusiasmo acaba assim que a mídia encontrar outro assunto.

Por falar em mídia, e aquela comissão de frente hein, todo mundo de sobretudo, solene; uma fantasia. A carnavalização da morte, um mórbido espetáculo. Só faltaram os carros alegóricos, as mulatas brancas e o povo.

Porque os líderes mundiais, como sempre, nem ligaram para a multidão. Isolaram-se em uma rua e posaram para uma fotografia, braços dados, e deixaram que os jornalistas se encarregassem em interpretar o gesto.

Parece que era de paz, mas só parece. Porque na comissão de frente tinha até um cara que despejou bombas na cabeça de mulheres e crianças na Palestina.

E não é que foi só terminar a marcha que a polícia francesa meteu logo as garras no comediante Dieudonné M’bala M’bala. Embora negro, às vezes dizem que ele faz apologia ao nazismo. Outras vezes o acusam de antissemitismo.

Charlie Hebdo também não ia com a cara dele, já meteram-lhe uma quenelle no ânus e o pintaram simiescamente.

Qual é desse negão falando mal de judeus? É aquela coisa, o macho branco, e somente o macho branco, é que pode tudo!

Tô achando que a igrejinha de Charb está com os dias contados. Daqui a pouco começa o BBB, a Champions Ligue, o Tour de France e a moçada vai tomar cerveja de frente pra TV.

Enquanto isso, 5 milhões de muçulmanos estão proibidos de fazer orações em público na França. Afinal, o Charlie Hebdo dizia que eles eram idiotas perigosos e que podiam explodir a qualquer momento.

Pra mim, de longe, a charge mais desprezível do Hebdo é aquela alusiva ao massacre de muçulmanos no Egito. Acostumado a desumanizar os muçulmanos, os caras do Hebdo não tiveram compaixão, tascaram uma charge.

O Corão, crivado de balas, e a frase: O corão é uma merda. Não serve de escudo contra balas.

Seria justo e honesto com a linha de pensamento da moçada que defende as barbaridades do C.H. que a nova capa do semanário viesse com Charb segurando seu jornal, crivado de balas, e a frase:

O Charlie Hebdo é uma merda. Não serve de escudo contra balas.

Mas aí já é ofender a religião alheia.

Palavra da Salvação.

Um comentário:

Allan Cross disse...

Cara, Sem palavras.. Eu buscando algo sobre o assunto descrito e você vem com esse texto magnífico.

Obrigado!!! Alguem sensato ( E NÃO PARTIDÁRIO ) escrevendo algo coeso!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...