Postagem em destaque

SEJA UM PADRINHO DO TUDO EM CIMA!

Ajude este humilde blogueiro a continuar seu trabalho! Sempre militei e falei sobre cinema e outros assuntos sem ganhar absolutamente nada ...

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

É muito fácil se tornar conservador e de direita

Ser de esquerda não é só defender justiça social.  É também lutar pelas liberdades e os direitos da forma mais ampla quanto possível. Sem tergiversar. E sem pestanejar.
- por Renato Rovai
Aquela máxima de que o radical libertário da juventude se torna o conversador da meia idade e o reacionário ranheta da velhice, não vale para todo mundo. 
Mas, como quase todas essas percepções que se tornam populares, esta também tem lá seu fundo de verdade. 
Os ícones do reacionarismo neocom, por exemplo, foram militantes de grupos de esquerda ou rebeldes nos anos 80. Desde o velho Lobo,  passando por Magnoli e Reinaldão. 
E se poderia ir mais longe, por exemplo, e citar o deputado Roberto Freire (PPS), que em 89, foi candidato pelo PCB e que hoje é contra tudo que signifique algum avanço progressista. Freire, por exemplo, foi uma das vozes mais altas contra a aprovação do Marco Civil da Internet e a favor das teles no Congresso.
Há vários motivos que explicam essas guinadas. Uma delas é o oportunismo. As pessoas entram na luta política pela porta que está aberta e em geral ela é a dos partidos mais à esquerda e dos movimentos sociais. 
E depois vão se tornando conhecidas e sendo seduzidas para fazer seu show em outras bandas. Aparecem os convites mais vantajosos e no primeiro descontentamento com o seu movimento ou partido de origem já pulam do barco atirando contra  o sectarismo e os desvios éticos.
Há também aqueles que se desencantam. Muitos desses chegam à militância quase como torcedores de organizadas de futebol. Não estão dispostos a debater, a ponderar as diferentes opiniões e a aprender. Querem ir pro pau. Acabam se tornando bate-paus das organizações. 
Vão pra cima de tudo com uma gana imensa. Sem se importar se a violência que utilizam para agredir verbalmente seus adversários não os torna pior do que eles. Esses, quando percebem que nem todos que estão ao seu lado têm a mesma disposição de guerrear naquele nível, se indignam e alegam que não tem estômago, paciência ou qualquer outra coisa para seguir em frente. 
E se voltam pro seu dia a dia, comentando aquela experiência sempre de forma amarga. O “eu sei como isso funciona, por isso não me iludo” é uma frase clássica. Essas pessoas se acomodam e acabam sendo muito úteis para o conservadorismo se manter.
E há ainda os ingênuos. Eles se comportam de uma maneira simplista, achando que não há motivo algum para que o resto do mundo não faça as coisas do jeito que eles acham que devem ser feitas. Entendem que tudo que defendem é sensacional. E não suportam as contradições, mesmo ainda estando numa fase de definição de suas convicções. E buscam fincar estacas naqueles que consideram adversários de suas teses.
São ingênuos, porque não percebem que são muito úteis para dividir lutas e criar problemas inexistentes nos movimentos que integram. Não fazem as coisas por mal, mas acabam produzindo conflitos desnecessários. Com o tempo, ou essas pessoas mudam sua forma de agir ou se tornam os piores adversários.
A ingenuidade vira esperteza, e elas começam a atrair outros com características semelhantes a elas quando eram apenas ingênuas. E fazem daquilo um espaço político de ação. Que é movido à intolerância.
Não existe intolerância de esquerda. A intolerância é a base da sociedade conservadora. E quando alguém que se diz de esquerda, mas tem como base de sua ação a luta por silenciar as vozes que não lhe são agradáveis, essa pessoa já pulou o muro. 
Ser de esquerda não é só defender justiça social.  É também lutar pelas liberdades e os direitos da forma mais ampla quanto possível. Sem tergiversar. E sem pestanejar. E às vezes muita gente esquece disso, Ou não…

4 comentários:

Anônimo disse...

ta errado essa imagem ai conserta por favor

André Lux disse...

Vestiu?

Mk42 disse...

A imagem está parcialmente correta. Motivos:

1º Muitos esquerdistas e direitistas não leem nada e conhecem superficialmente algumas posições ideológicas;

2º Entre os esquerdistas que leem, é perceptível que 99% deles não conhecem as principais ideias (ou autores) do conservadorismo, do neoliberalismo, do libertarismo e demais correntes. Os tais, se atem apenas à literatura marxista, social-democrata e outras correntes socialistas.

3º Dos direitistas que estudam, boa parte deles leu as correntes da esquerda. Não obstante, muitos são ex-esquerdistas. Como exemplo, temos: Eric Voegelin (um dos maiores filósofos do séc XX), José Ortega y Gasset, Eric Hoffer. Se não conhece nenhum desses autores ex-esquerdistas e críticos do marxismo que citei, agradeça à estratégia Gramsciana.

4º Nazismo(Nacional Socialismo)? Direita? Sei, acredito =/ Leia essa matéria http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1518

Convém que leia também essa carta aberta à luciana genro.
http://www.institutoliberal.org.br/blog/carta-aberta-luciana-genro-pt-1-eu-aceito-o-desafio-e-estudei-o-socialismo/

http://www.institutoliberal.org.br/blog/carta-aberta-luciana-genro-pt-2-nazismo-nacional-socialismo-e-socialismo-e-ponto-final/

Um bom livro de crítica ao marxismo é "O marxismo desmascarado" de Ludwig von mises e "A teoria da exploração do comunismo-socialismo" de Eugene Bawerk (http://www.libertarianismo.org/joomla/livros/atdenscbb.pdf).

Libertem-se do marxismo cultural e leiam de tudo ;)

André Lux disse...

Coitado, não entende que não-ricos de direita é o equivalente a um judeu nazista.

Mas, dizer o que a um idiota que Hitler era comunista e o nazismo de esquerda...

Melhor rir mesmo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...