Postagem em destaque

SEJA UM PADRINHO DO TUDO EM CIMA!

Ajude este humilde blogueiro a continuar seu trabalho! Sempre militei e falei sobre cinema e outros assuntos sem ganhar absolutamente nada ...

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Universidade do Vale do Rio dos Sinos entrevista este humilde blogueiro

Fui contactado por Marco Ries, membro do grupo de pesquisa Cepos, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), que está desenvolvendo uma pesquisa sobre a influência de blogs/sites de jornalismo tratando sobre política e demais assuntos. Para tanto, explicou-me, eles selecionaram blogs/sites de influência e desenvolveram um questionário básico, o qual respondi e reproduzo abaixo.


1. De onde surgiu a idéia de criar o blog/site? Obteve alguma inspiração em algum blog ou site para começar a publicar?

Criei meu blog em maio de 2005, no auge da crise do chamado "mensalão", quando senti que o governo Lula estava sob ataque de golpistas da direita e da mídia. Minha inspiração foi o site Vermelho, do PCdoB, e alguns outros blogs e comunidades do Orkut que já começavam a fazer o contraponto ao ideário partidário e golpista da mídia corporativa. Eu precisava de alguma maneira extravasar toda a indignação que sentia naquele momento - principalmente em relação à postura claramente antidemocrática da mídia corporativa - e o blog foi a ferramenta que encontrei para fazer isso.

2. Quais as motivações para manter blog/site? Por quê?

A principal motivação é poder expressar livremente a minha opinião sobre os acontecimentos políticos e culturais do mundo e do Brasil. É também uma forma de desabafo contra a manipulação grosseira que a mídia corporativa faz dos acontecimentos, sempre puxando para a defesa dos interesses da elite que a mantém.

3. Qual a maior dificuldade em manter o blog/site?

Não tenho dificuldades.

4. É possível viver como blogueiro profissional em tempo integral?

Não sou blogueiro profissional. Tenho outras fontes de renda. Nunca ganhei dinheiro com meu blog, embora já tenha gasto do meu próprio bolso para cobrir eventos que me interessavam. O único retorno que tive com esse trabalho de blogueiro foi indireto, pois chamei a atenção de políticos de esquerda da minha cidade que me contrataram para realizar trabalho semelhante para eles.

5. Qual o interesse dos visitantes no blog/site? Que tipo de informação procuram? Como você mede isso?

A maioria vem atrás de informações e opiniões sobre política e cinema que não encontra na mídia corporativa, que só fala em nome de uma elite predatória que a usa para manter seus privilégios seculares. Percebo isso pelo contador de visitas que gera relatórios das postagens mais acessadas e também pelos comentários deixados no blog.

6. Para quem é direcionado o que você escreve, qual o público alvo?

Meu público alvo são as pessoas que se colocam à esquerda no ideário político-ideológico. Mas também penso que, com meus textos e denúncias, posso ajudar algumas pessoas que se deixam manipular pela mídia corporativa a enxergarem o mundo pelos olhos de alguém que não tem medo de se assumir publicamente como de esquerda - diferente da mídia corporativa, que se traveste de "imparcial" e "isenta", quando isso não existe. Eu mesmo sou um exemplo vivo de alguém que saiu da direita e foi para esquerda graças ao contato (no meu caso real, pois foi bem antes da internet) com pessoas assumidamente de esquerda (tratei desse assunto em meu blog neste link).

7. Acha que o blog/site tem a visitação esperada? Como você mede?

Meu blog tem uma média de duas mil visitas diárias, às vezes isso aumenta quando algum texto meu é divulgado em outros blogs e sites, principalmente nos mais famosos. Meço isso pelo contador de visitas. Nunca esperei nada em relação à visitação. Na verdade, fico até surpreso com o número de visitas que recebo.

8. Qual o papel do blog como meio de comunicação?

Depende da orientação política do blog. Se for de direita, vai ter o papel de reforçar os conceitos e preconceitos vendidos pela mídia corporativa da direita e seus representantes na política e na sociedade. Se for de esquerda, vai tentar furar esse bloqueio e levar outro tipo de informação e análise dos acontecimentos a partir de um ponto de vista que a mídia corporativa censura.

9. Como os blogs/sites se relacionam com a mídia em geral? Costuma replicar ou complementar informações de outros meios? Quais?

A mídia corporativa igou ignorava ou ridicularizava os blogs de esquerda no início. Mas, de uns tempos para cá, tem atacado e denegrido os blogueiros de esquerda. Isso é sinal de que já incomodamos e não podemos mais ser simplesmente ignorados. Eu mesmo já fui alvo de ataques de baixo calão do editor-chefe do Jornal de Jundiaí (o mais lido da cidade) devido a um texto meu que rechaçava uma opinião dele publicada no jornal (veja neste link). O próprio candidato da direita à presidência, José Serra, gastou grande parte de seu tempo atacando os blogs de esquerda na campanha, chamando-os de "sujos", por exemplo. Isso apenas confirma que o poder da blogosfera de esquerda está aumentando na formação da opinião dos cidadãos em geral e isso incomoda muito a direita e seus representantes na mídia corporativa que até então mantinham o monopólio da opinião e da informação.

10. É possível considerar um blog/site como uma ferramenta jornalística? Explique sua resposta.

Sim, porque no blog podemos publicar denúncias, entrevistas, fotos, críticas e opiniões sobre qualquer assunto. Jornalismo é isso. A diferença maior entre os blogs e a mídia tradicional é que a segunda tem muito mais recursos financeiros para bancar reportagens, enquanto os blogs, pela falta de recursos, ficam mais restritos à opinião e ao contraponto às mentiras e distorções publicados pela mídia corporativa como "verdades absolutas". Outra diferença é que, diferente da mídia corporativa, os blogueiros de esquerda não tem pudores em assumir publicamente sua ideologia, o que na minha opinião é sinal de respeito para com os leitores e um dos principais motivos do sucesso da blogosfera.

11. Ao que se deve a migração ou colaboração de jornalistas em blogs/sites?

Penso que nos blogs os jornalistam encontram a verdadeira liberdade para falar sobre qualquer assunto sem ter que se preocupar em agradar seus chefes ou serem censurados. Essa liberdade dá ânimo redobrado para quem luta por um mundo mais justo, igualitário e pacífico.

12. Os blogs permitem que qualquer indivíduo edite materiais de cunho jornalístico, esse fator é positivo ou negativo? Explique.

Acho positivo, pois quem julga o valor e a credibilidade do que foi publicado é o leitor. A partir do momento em que você deixa claro qual sua visão de mundo e qual é a sua ideologia, não precisa se preocupar em "enganar" o leitor por meio de manipulações ou distorções. Assim, qualquer um pode usar o blog para expressar uma opinião ou publicar uma denúncia. Se for bem escrita e fundamentada terá tanto ou mais valor do que qualquer coisa publicada na mídia corporativa. Por sinal, acho risível as propagandas da mídia corporativa quando se tenta se vender como digna de "credibilidade", pois como já afirmei esse é um valor que vem de fora, do leitor. A revista Veja pode publicar mil anúncios afirmando que tem credibilidade, mas para mim não tem nenhuma. Mas sei que existem pessoas que pensam diferente de mim. Ou seja, é algo completamente subjetivo, que fica ridículo quando é tratado como uma ciência.

13. A internet está mudando a maneira de fazer o jornalismo? Explique sua resposta.

Acho que a internet prorpociona uma liberdade e uma democracia que não existem nas redações da mídia corporativa. Essa democracia e liberdade estão sim mudando a maneira de se fazer jornalismo, pois os leitores tem agora a oportunidade de ler o contraditório ao que a mídia corporativa publica de forma arrogante e prepotente como sendo uma "verdade única". Na internet, fica claro para quem quiser pesquisar sobre qualquer assunto que não existe "verdade única" sobre nada. E isso é algo extremamente positivo, pois cria e fortalece o pensamento crítico das pessoas em relação aos acontecimentos do mundo e do país.

14. Como funciona o relacionamento entre blogueiros de interesses comum ou contrário?

Como qualquer relacionamento humano: somos atraídos pelas afinidades. Quando um blogueiro publica algo que eu gosto faço questão de elogiar na caixa de comentários e até republicar em meu blog com os devidos créditos. E vice versa. Todos os blogs que aprecio e sigo faço questão de dar o link no meu, para que meus leitores possam conhecê-los também. Já fiz amizades na vida real que se iniciaram na caixa de comentários de um blog. Sobre blogs contrários, quando são inteligentes e bem fundamentados, não tenho nada contra. O problema é que, infelizmente, a maioria dos blogs contrários aos de esquerda são feitos por pessoas agressivas e truculentas, que não aceitam o contraditório e usam a ferramenta apenas para atacar aqueles que odeiam, nunca para defender a ideologia deles. Isso, por sinal, é a característica mais marcante da direita e sua mídia: eles nunca defendem seus políticos ou ideologia, apenas atacam e denigrem a esquerda tentando vender subliminarmente o conceito de que o ideário da direita é uma "verdade absoluta". Essa prática, na minha opinião, é sinal de desonestidade e covardia. Desonestidade porque todo mundo sabe, principalmente os jornalistas, que não existe "verdade absoluta". E covardia porque quando você defende algo isso te expõe e pode te deixar aberto a cobranças e questionamentos futuros - e disso eles fogem como o diabo da cruz.

15. Já participou de algum blogcamp/barcamp ou evento semelhante? O que acha desses eventos?

Já participei de enventos que tinham como tema a blogosfera e segui o primeiro encontro dos blogueiros progressistas pela internet, pois não pude comparecer. Acho positivo, pois possibilita uma interação real entre pessoas que só se conhecem virtualmente e pode fortalecer os laços.

16. É possível que blogs possam interferir no resultado de uma eleição? Explique sua resposta.

Pesquisas indicam que a internet teve um papel fundamental nas eleições de Obama, nos EUA, e de Dilma, no Brasil. Isso inclui todas as ferramentas sociais da rede que atuam interligadas, como Facebook, Orkut, Twitter, emails, sites e, claro, blogs. No Brasil, nós testemunhamos uma verdadeira "guerra" na internet durante a campanha de 2010. Foi amplamente divulgado que o candidato da direita, José Serra, chegou a pagar um milhão de dólares para um "guru" indiano especialista em espalhar boatos, calúnias e difamações pela internet. É o mesmo sujeito que fez a anti-campanha contra o Obama nos EUA. E os blogs estão inseridos nessa onda toda. O grande erro da campanha da Dilma, por exemplo, foi ignorar a onda de boatos e calúnias disseminados pela internet, principalmente pelos emails e pelas redes sociais que, no final das contas, ajudou e muito a levar a eleição para o segundo turno. Felizmente, eles acordaram a tempo e passaram a combater nos programas de TV e na própria internet os ataques maldosos feitos a partir da estratégia virtual do candidato da direita. E a blogosfera de esquerda teve papel fundamental nesse processo todo de desmontar a onda de calúnias e boatos contra Dilma. Cito um caso real, que acompanhei on-line, que demonstra bem a força das redes sociais virtuais: o da apreensão daquele material com calúnias contra a Dilma. Toda a denúncia e movimentação da militância, que chegou a cercar a gráfica cujos donos eram ligados ao PSDB, até que a Polícia Federal chegasse, foi feita a partir dos blogs e do twitter. Eu mesmo já fui vítima de um processo judicial por parte do PSDB de Jundiaí que, usando os recursos e o nome da Prefeitura, tentou censurar meu blog, me intimidar e causar prejuízo financeiro - sem sucesso, diga-se de passagem: clique aqui para ler mais. Isso tudo são provas vivas que os blogs podem sim influenciar em eleições.

17. Como o blog/site se mantém? Conta com algum apoio ou patrocínio?

Não conto com qualquer apoio financeiro para manter meu blog. O único retorno financeiro que o blog trouxe para mim foi indireto, pois a partir do meu trabalho amador nele fui contratado pelo deputado estadual Pedro Bigardi do PCdoB para trabalhar junto à assessoria de comunicação dele, principalmente na criação e manutenção do seu blog e site.

18. Qual a projeção do blog/site, isto é, onde almeja que ele chegue futuramente?

Não tenho qualquer pretensão com meu blog, exceto a de poder expressar livremente minhas opiniões e visões de mundo para quem se interessar por ler.

19. Como blogueiro, que tipo de retorno espera obter?

Apenas a esperança de estar ajudando o Brasil e o mundo a se tornar mais democrático, livre e justo.

20. A tendência é a blogosfera aumentar? O que esperar dos blogs para o futuro?

Blogs vão e vem. Muitos blogs bons sumiram e muitos outros foram criados recentemente. Acho que a tendência é as pessoas, principalmente os jovens, passarem a procurar mais esse tipo de ferramenta para buscar informações e visões de mundo que se contrapõem à defesa do capitalismo e do imperialismo estadunidense disseminada como "verdade única" pela mídia corporativa. Acho que, num futuro próximo, o jornalismo da mídia corporativa tal qual ele existe hoje vai entrar em colapso pela total falta de credibilidade e também pela impotência de lidar com a velocidade das notícias na internet. Mas eles (da direita) já sentiram o golpe e estão se adptando, inclusive no sentido de tentar criar mecanismo de censura à opinião livre nas redes (existe um projeto de Lei do deputado Eduardo Azeredo, do PSDB, conhecido como o AI-5 Digital, que tem claramente essa intenção). Ainda é cedo para afirmar se esse tipo de coisa vai vingar ou não, mas a verdade é que quem realmente ama a democracia e a liberdade precisa ficar atento 24 horas para impedir que esse tipo de ação tenha efeito.

André Lux, jornalista

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...