Postagem em destaque

SEJA UM PADRINHO DO TUDO EM CIMA!

Ajude este humilde blogueiro a continuar seu trabalho! Sempre militei e falei sobre cinema e outros assuntos sem ganhar absolutamente nada ...

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Luis Nassif: A psicologia de massa do fascismo à brasileira

Nessas eleições, o clima que envolve algumas camadas da sociedade é o laboratório mais completo – e com acompanhamento online - de como é possível inculcar ódio, superstição e intolerância em classes sociais das mais variadas no Brasil urbano – supostamente o lado moderno da sociedade.

- por Luis Nassif, jornalista

Há tempos alerto para a campanha de ódio que o pacto mídia-FHC estava plantando no jogo político brasileiro.

O momento é dos mais delicados. O país passa por profundos processos de transformação, com a entrada de milhões de pessoas no mercado de consumo e político. Pela primeira vez na história, abre-se espaço para um mercado de consumo de massa capaz de lançar o país na primeira divisão da economia mundial.

Esses movimentos foram essenciais na construção de outras nações, mas sempre vieram acompanhados de tensões, conflitos, entre os que emergem buscando espaço, e os já estabelecidos impondo resistências.

Em outros países, essas tensões descambaram para guerras, como a da Secessão norte-americana, ou para movimentos totalitários, como o fascismo nos anos 20 na Europa.

Nos últimos anos, parecia que Lula completaria a travessia para o novo modelo reduzindo substancialmente os atritos. O reconhecimento do exterior ajudou a aplainar o pesado preconceito da classe média acuada. A estratégia política de juntar todas as peças – de multinacionais a pequenas empresas, do agronegócio à agricultura familiar, do mercado aos movimentos sociais – permitiu uma síntese admirável do novo país. O terrorismo midiático, levantando fantasmas com o MST, Bolívia, Venezuela, Cuba e outras bobagens, não passava de jogo de cena, no qual nem a própria mídia acreditava.

À falta de um projeto de país, esgotado o modelo no qual se escudou, FHC – seguido por seu discípulo José Serra – passou a apostar tudo na radicalização. Ajudou a referendar a idéia da república sindicalista, a espalhar rumores sobre tendências totalitárias de Lula, mesmo sabendo que tais temores eram infundados.

Em ambientes mais sérios do que nas entrevistas políticas aos jornais, o sociólogo FHC não endossava as afirmações irresponsáveis do político FHC.

Mas as sementes do ódio frutificaram. E agora explodem em sua plenitude, misturando a exploração dos preconceitos da classe média com o da religiosidade das classes mais simples de um candidato que, por muitos anos, parecia ser a encarnação do Brasil moderno e hoje representa o oportunismo mais deslavado da moderna história política brasileira.

O fascismo à brasileira

Se alguém pretende desenvolver alguma tese nova sobre a psicologia de massa do fascismo, no Brasil, aproveite. Nessas eleições, o clima que envolve algumas camadas da sociedade é o laboratório mais completo – e com acompanhamento online - de como é possível inculcar ódio, superstição e intolerância em classes sociais das mais variadas no Brasil urbano – supostamente o lado moderno da sociedade.

Dia desses, um pai relatou um caso de bullying com a filha, quando se declarou a favor de Dilma.

Em São Paulo esse clima está generalizado. Nos contatos com familiares, nesses feriados, recebi relatos de um sentimento difuso de ódio no ar como há muito tempo não se via, provavelmente nem na campanha do impeachment de Collor, talvez apenas em 1964, período em que amigos dedavam amigos e os piores sentimentos vinham à tona, da pequena cidade do interior à grande metrópole.

Agora, esse ódio não está poupando nenhum setor. É figadal, ostensivo, irracional, não se curvando a argumentos ou ponderações.

Minhas filhas menores freqüentam uma escola liberal, que estimula a tolerância em todos os níveis. Os relatos que me trazem é que qualquer opinião que não seja contra Dilma provoca o isolamento da colega. Outro pai de aluna do Vera Cruz me diz que as coleguinhas afirmam no recreio que Dilma é assassina.

Na empresa em que trabalha outra filha, toda a média gerência é furiosamente anti-Dilma. No primeiro turno, ela anunciou seu voto em Marina e foi cercada por colegas indignados. O mesmo ocorre no ambiente de trabalho de outra filha.

No domingo fui visitar uma tia na Vila Maria. O mesmo sentimento dos antidilmistas, virulento, agressivo, intimidador. Um amigo banqueiro ficou surpreso ao entrar no seu banco, na segunda, é captar as reações dos funcionários ao debate da Band.

A construção do ódio

Na base do ódio um trabalho da mídia de massa de martelar diariamente a história das duas caras, a guerrilha, o terrorismo, a ameaça de que sem Lula ela entregaria o país ao demonizado José Dirceu. Depois, o episódio da Erenice abrindo as comportas do que foi plantado.

Os desdobramentos são imprevisíveis e transcendem o processo eleitoral. A irresponsabilidade da mídia de massa e de um candidato de uma ambição sem limites conseguiu introjetar na sociedade brasileira uma intolerância que, em outros tempos, se resolvia com golpes de Estado. Agora, não, mas será um veneno violento que afetará o jogo político posterior, seja quem for o vencedor.

Que país sairá dessas eleições?, até desanima imaginar.

Mas demonstra cabalmente as dificuldades embutidas em qualquer espasmo de modernização brasileira, explica as raízes do subdesenvolvimento, a resistência história a qualquer processo de modernização. Não é a herança portuguesa. É a escassez de homens públicos de fôlego com responsabilidade institucional sobre o país. É a comprovação de porque o país sempre ficou para trás, abortou seus melhores momentos de modernização, apequenou-se nos momentos cruciais, cedendo a um vale-tudo sem projeto, uma guerra sem honra.

Seria interessante que o maior especialista da era da Internet, o espanhol Manuel Castells, em uma próxima vinda ao Brasil, convidado por seu amigo Fernando Henrique Cardoso, possa escapar da programação do Instituto FHC para entender um pouco melhor a irresponsabilidade, o egocentrismo absurdo que levou um ex-presidente a abrir mão da biografia por um último espasmo de poder. Sem se importar com o preço que o país poderia pagar.

10 comentários:

ADNAN EL KADRI disse...

É o Nassif tem razão e assino embaixo.
Minha filha estuda no Vera Cruz e aquela classe média é lá a maioria é visceralmente anti DILMA. Não é novidade. Esse canalha serra quer dividir o Brasil e destruir a nossa economia, além de entregar as nossas maiores empresas para o capital estrangeiro. Ele é o mussolini caboclo, mais inapetente e raquítico. Jamais será macado de seu deus.

Ricardo Melo disse...

Ja começo a cogitar que também as esquerdas vão precisar de uma campanha em que o tema do medo seja usado. Eu tenho muito medo de ver o Brasil perder o caminho que está trilhando.

E acho que a população precisa saber o perigo que corre no caso dos tucanos voltarem ao poder. Temos que fazer alguma coisa, mas algo mais abrangente, além do esforço individual.

O povão precisa ser conscientizado: o perigo existe agora e se chama Serra.

Joel Bueno disse...

Hora de reler Wilhelm Reich.

Ivana Lima Regis disse...

Amanhã é dia dos professores... Qual será a mensagem que Serra passará a eles? A última foi essa:

http://www.youtube.com/watch?v=DZoPj5p7Nsg&feature=player_embedded

Confira. Abs

Anônimo disse...

Encontrei comentários em blogs se referindo a essa notícia de hoje:
http://correiodobrasil.com.br/ex-alunas-de-monica-serra-confirmam-relato-sobre-aborto/186052/
Tudo indica que o delicado assunto caiu no domínio público e portanto terá rebatimentos da mesma forma que os emails falsos sobre a candidata Dilma, tendo em vista as características e o funcionamento do psiquismo humano.
Qual a sua análise sobre tal fato?
Ramiro

André Lux disse...

Como já havia deixado claro aqui http://tudo-em-cima.blogspot.com/2010/10/cheiro-de-armadilha-no-ar-cuidado-com.html acho temerário esse assunto. Tem todo jeito de armadilha. Sinto muito que as pessoas estejam explorando isso. Pode ser mais um grande tiro no pé.

Anônimo disse...

Caso seja uma armadilha visaria a prejudicar a candidatura de quem?
Poderia o portal Correio do Brasil ter amparo legal para publicar uma notícia desse teor sem nenhuma checagem?
Um portal é mídia. Está sujeito às normas que regem a imprensa, não?Se não fosse assim,então todos nós estaríamos mesmo a pé nesse país!
Porque se um portal na internet encontra respaldo legal para publicar uma matéria desse tipo sem nenhuma checagem, com tantos detalhes, nomes e sobrenomes e fica tudo por isso mesmo,como ficam os crimes contra a honra que estariam implícitos?
Penso que os cidadãos têm que ser protegidos de receber informações falsas,sejam spams, sejam notícias falsas em portais da internet.
Acho que as pessoas que estão comentando estão apenas querendo se informar corretamente até para evitar maior tumulto do que já está nessa campanha eleitoral.
Ramiro

Anônimo disse...

André, o que você quer dizer com "mais um grande tiro no pé"? Quais foram os outros tiros no pé da nossa campanha?

André Lux disse...

O PT deu vários tiros no pé durante esses 8 anos do governo Lula e agora na campanha.

O mais grave, na minha opinião, foi ignorar a onda de boatos, calúnias e difamações contra Dilma, o PT e Lula que começou a pipocar na internet principalmente via emails spams já no início do ano. Isso deixou claro qual seria a estratégida de Serra.

O PT nada fez, a despeito dos protestos da blogosfera, principalmente do jornalista Luis Nassif e do deputado Brizola Neto. Poderiam já naquela época começar a mapear esses spams e tomar as medidas judiciais necessárias para enquadrar os criminosos por trás dos spams.

Para piorar, já durante a campanha continuaram a ignorar as calúnias e boatos. Só agora, no meio do segundo turno, é que resolveram enfrentar isso. E ainda de maneira ineficaz e pouco convincente.

Infelizmente, o PT não acordou ainda para o que a internet e as redes sociais representam no mundo atual. E não foi por falta de aviso...

Anônimo disse...

André
Vai me desculpar, não sou do PT, mas acho que o PT não pode ser cobrado o tempo todo.
A campanha da Dilma é apoiada por uma coligação de partidos e grupos políticos organizados. E ainda por pessoas não filiadas a qualquer partido.
Todos temos interesse na eleição de Dilma.
Portanto estamos indo à luta.Os emails apócrifos foram sim denunciados pelo PT desde o início.Mas se trata de uma questão complexa para ser investigada e as leis a respeito do que é legal ou não na Internet ainda não estão elaboradas em profundidade.
Aqui no RJ o PT está lutando e muito,dentro de suas possibilidades para eleger Dilma.
Que cada um de nós faça a sua parte e pare de ficar exigindo tudo do PT.
O interesse em eleger Dilma é do povo brasileiro. Todos tem que ir à luta e participar!
A propósito,recebi e repasso:

MOVIMENTO DA FAMÍLIA COM DEUS E CONTRA A HIPOCRISIA

CARO ELEITOR

Primeiro vc lê,ainda de manhãzinha:
http://noticias.terra.com.br/eleicoes/2010/noticias/0,,OI4738104-EI15315,00-Monica+Serra+contou+ter+feito+aborto+diz+exaluna.html
Muito sem entender nada, vc ainda tem que segurar essa:
http://g1.globo.com/especiais/eleicoes-2010/noticia/2010/10/serra-afirma-que-principal-em-debate-sobre-aborto-e-dizer-verdade.html
Nunca dantes neste país a hipocrisia alcançou níveis tão elevados!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...