Postagem em destaque

SEJA UM PADRINHO DO TUDO EM CIMA!

Ajude este humilde blogueiro a continuar seu trabalho! Sempre militei e falei sobre cinema e outros assuntos sem ganhar absolutamente nada ...

domingo, 9 de agosto de 2009

Eduardo Guimarães explica: Minha posição sobre Marina Silva

Teve gente que não gostou da charge sobre a especulada ida de Marina Silva para o partido do ignóbil Fernando Gabeira, o bobo da corte neoliberal e testa de ferro de José Serra, o Vampiro.

Eu ia escrever um texto para explicar minha posição sobre o caso, porém o Eduardo Guimarães já o fez. Portanto, copio e colo abaixo para economizar meu tempo.

- André

Minha posição sobre Marina Silva

- por Eduardo Guimarães, blog Cidadania.

Marina Silva é uma das pessoas públicas mais sérias deste país. Gostei muito das respostas dela à belíssma repórter da Carta Capital Phydia de Athayde - jornalista à qual, inclusive, dei uma entrevista no ano passado, relativa a reportagem que Phydia fez sobre a blogosfera - em reportagem da revista reproduzida pelo sempre imperdível site de Luiz Carlos Azenha.

A única coisa que atrapalha Marina é o partido pelo qual dizem que ela se candidataria. Se optasse por um partido de verdade em vez do Partido Verde, agremiação que não constituísse hoje mais do que mera linha auxiliar dos moribundos neocons tupiniquins (PSDB e PFL), até consideraria meu voto nela.

Não que eu não goste de Dilma. Acho uma mulher de valor, competente e preparada. Todavia, penso o mesmo de Marina Silva.

Aliás, seria uma opção por um menor apego à "realpolitik" como o do governo Lula, que gera discordâncias muitas vezes fundamentadas, ainda que algumas sejam absolutamente injustas.

Agora, ouvi um boato de que Marina poderia sair como vice de José Serra. Tal hipótese, se virasse fato, seria não apenas um erro político fatal da senadora petista, mas a virtual destruição de sua biografia.

Não acredito nisso. Ao olhar Marina nos olhos, vejo uma mulher de valor, com cada um dos predicados necessários para liderar o país depois de nada mais, nada menos do que de um estadista como Lula. Mas é claro que eu, como qualquer ser humano, já me enganei antes sobre caracteres de pessoas. Redondamente.

12 comentários:

José Antônio disse...

Concordo com quase tudo que o Eduardo Guimarães escreveu.

Minha única restrição ao bonito texto é a referência depreciativa ao partido pelo qual dizem que ela se candidataria.

Não que leve muito em conta esse partido, mas sim por que de uns tempos para cá, constato que não temos mais um partido que seja fiel a uma proposta e aos seus militantes.

Há uma urgência em refundarmos partidos menos pragmáticos e mais consistentes ideologicamente. Hoje em dia, infelizmente, nem mais o PT se salva.

André Lux disse...

Você vai me desculpar, José Antonio, mas eu acho esse papo de "refundar" isso e aquilo muito reacionário.

Como assim, refundar? Você quer pegar o PT e sua história de quase 30 anos, jogar no lixo e começar do zero de novo? O PT do começo tinha meia dúzia de gatos pingados sem qualquer expressão política. Aos poucos, foi crescendo, vencendo eleições e hoje tem até um presidente da república do partido. Não dá pra fingir que isso não aconteceu e voltar para trás, "refundar".

O que tem que fazer é simples: aprender com o erros e ir para frente, crescer, melhorar, aprimorar-se.

Ricardo disse...

Como vc mesmo disse, "ida especulada". Ora, quem especula é o PIG, não a esquerda, o que eu percebo é um certo medo de uma parte do PT, pois se Marina se candidatar pelo PV, consequentemente a truculenta Dilma vai perder votos.Já estão querendo jogar lama na imagem da Marina, e a charge(de muito mal gosto, pois não respeita a imagem da Marina)já dá o tom de que alguns gatos pingados do PT tem a coragem de fazer para a candidata do Lula vencer a eleição.Isto é deploravél.

André Lux disse...

Ricardo, deplorável é você chamar a Dilma de "truculenta" e depois posar de ofendido pela charge sobre o flerte de Marina com o PV, partido de testas de ferro do Serra.

Quem vai jogar na lama sua imagem é a própria Marina, se aceitar ser aliciada pela tropa de choque do vampiro tucano, assim como fez uma outra moça cujo nome prefiro não dizer...

José Antônio disse...

Amigo André,

Eu não participei da fundação do PT, mas participei da sua formação e crescimento, sim, a partir de 1990. Não tenho a mesma cancha de uma Marina Silva que tem 30 anos de PT. Também não tenho a mesma militância, a mesma força, a mesma perseverança. Talvez também não tenha a mesma cancha do amigo André. Mas acho que isso não pode desmerecer meu pensamento.

Mas, se o amigo permitir, o Partido que ajudei a crescer, por acreditar no sonho de que estávamos criando alguma coisa de novo, em algum momento do passado enveredou por caminhos que o fizeram se parecer muito com os demais.

Tenho saudades do tempo em que o PT era o único partido cuja bandeira era carregada por militantes de todas as classes sociais e não por pessoal pago.

Tenho 61 aos e acompanhei em meus anos de universitário, (final dos anos 60) erros tremendos da esquerda. Grupos cada vez menores, gastavam suas energias brigando uns contra os outros que tinham visões diferentes.

Tenho para mim, que esse foi um dos fatores que permitiu que a ditadura conseguisse durar tanto tempo.

Nossa esquerda, infelizmente, tem o hábito de brigar entre si ao invés de concentrar esforços contra a direita.

O amigo me chamando de reacionário faz o jogo da direita. Que tal procurar entender que setores consideráveis da esquerda, se encontram desapontados apesar de reconhecerem enormes avanços no governo Lula?

Acho, sim que o PT deixou de ser um partido ideológico. O PSDB também foi, embora em muito menor escala que o PT.

Hoje não há mais. Nem o DEM (ex-PFL, ex-PDS, ex-ARENA).

Vejo hoje, com muita preocupação o ressurgimento da extrema-direita. Ela se manifesta no Brasil de forma raivosa contra o governo Lula e com declarações cada vez menos disfarçadas a favor do retorno dos militares. Ela se manifesta nos EUA contra o governo Obama, classificado, por essa direita, como comunista, socialista ou bolivariano.

Podemos ficar brigando entre nós. Eu, da minha parte, não pretendo. A briga com a direita já ocupa por demais o meu tempo.

Cordialmente,

Zé.

Ah. sim... sobre a Marina, posso estar enganado, mas seus 30 anos de militância no PT não me autorizam a imaginá-la compondo chapa com o PSDB. Eu não acredito nisso.

André Lux disse...

Zé, perceba que seu discurso é contraditório. Por um lado você se diz parte daquela esquerda que está desapontada com o governo Lula. Depois se diz preocupado com os ataques da extrema-direita ao mesmo governo. Bom, se os extremistas direitosos estão nervosos com o governo do Lula é sinal de que algo de bom ele está fazendo, não?

Também não quero brigar com alguém de esquerda, apenas acho que esse papo de querer refundar partidos para que voltem a ser como eram há 30 anos soa reacionário. Afinal, o que é ser reacionário senão querer que as coisas voltem a ser como eram antes?

Eu não quero que nada volte a ser como antes, pelo contrário, quero que se desenvolvam, cresçam e melhorem. E voltando para trás não dá para isso acontecer.

Seria a mesma coisa de eu dizer: "Puxa, não estou feliz com aspectos da minha vida hoje, por isso quero voltar a ser um bebê para começar tudo de novo". Essa linha de pensamento simplesmente não faz sentido dentro da realidade orgânica da vida. É por isso que os reaças são tão desprezíveis, pois vivem lutando contra o progresso e o desenvolvimento para que tudo fique como está ou volte a ser como era antes, não é?

Abraços socialistas!
André

José Antônio disse...

André,

Como eu disse, não quero gastar as poucas energias brigando com setores da esquerda.

Gostaria de retornar aqui para discutir, no bom sentido e sem brigas, diferentes concepções. Ao contrário do que algumas pessoas pensam, acho que essa discussão enriquece e fortalece.

No momento, do jeito que você recebeu meus comentários taxando-os de reacionários e com o complemento de que reacionário é sinônimo de desprezível, não me sinto à vontade.

Torço muito para que a esquerda consiga superar sua tradicional tendência de se subdividir em grupelhos irreconciliáveis e que possa partir, ainda que com propostas e visões diferentes, de forma mais unida contra a direita.

Saudações.

A esquerda subdividida sempre será vencida!

André Lux disse...

Zé, eu sei que você não é reacionário. Apenas quis apontar que as vezes, por paixão, a gente acaba fazendo discursos que são reacionários sem perceber.

Abraços!

José Antônio disse...

Oba André, já foi um bom avanço não ser mais considerado um reacionário. rsrs..

Só quero dizer que normalmente evito discutir apaixonadamente com quem ao menos eu tenho diversos pontos de vista em comum.

A discussão apaixonada ocorre somente com quem eu não me identifico. Mas nesses casos, às vezes, prefiro nem discutir.

Eu não tenho a pretensão de ser o dono da verdade. E, se por acaso, estiver fazendo um discurso reacionário inconscientemente, desde que você me deixe argumentar e desde que você me convença disso, eu mudarei meu discurso. Não tenho por que fincar posição em algo que eu tenha sido convencido do seu contrário.

E aí, André, eu costumo pautar a discussão de forma muito racional.

Tenho muitas broncas com a direita por que esta é intolerante. Bem... não é só por isso, mas também por isso.

Vejo que às vezes a esquerda também se mostra intolerante. Acho que a intolerância é a marca de quem não tem argumentos para o debate racional. E acho que à esquerda temos bastante argumentos racionais, principalmente para contrapô-los à falta dos mesmos pela direita.

Quanto à Marina, também não tenho certezas absolutas. Tenho muito respeito pela sua bela história de vida. Receio, como você, que esse convite à Marina feito pelo PV possa dar margem a favorecer a direita. Mas acho que não podemos nos furtar ao debate. Até que seja para concluir isso. Ou o seu contrário.

Estou vendo agora uma tentativa de desqualificação da Marina. Acho que ela não merece. E acho que isso é um tiro no pé para nós. Só isso.

E se o amigo me permitir uma provocação, eu concordo que às vezes, sem perceber, a gente acaba fazendo discursos reacionários. Mas isso vale tanto para o meu discurso quanto para o de qualquer outra pessoa, inclusive para o discurso do amigo André.

Saudações, Zé

André Lux disse...

Zé, se eu der uma de reaça sem perceber, conto com você para me alertar!

José Antônio disse...

André, como eu disse não tenho a pretensão de ser o dono da verdade.

No fundo, acho uma perda de tempo a patrulha aos companheiros de esquerda para detectar qual é, ou está sendo, mais ou menos reacionário.

Somos diferentes. Pensamos diferentemente. Você ao seu modo. Eu ao meu. O Lula ao dele. A Marina ao dela.

Se cada um puder dar a sua contribuição contra a direita, eu acho muito bom.

Precisamos ultrapassar a noção de que quem não está exatamente conosco está "contranosco".

Precisamos ser mais includentes. É preciso saber distinguir o acessório do essencial.

Um abraço...

Continue o seu blog...

De vez em quando volto por aqui.

Tudo em cima!

Anônimo disse...

Depois da esculachada do Eduardo Guimarães, agora a esculachada do José Antonio. De esculachada em esculachada, você vai longe.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...