Postagem em destaque

SEJA UM PADRINHO DO TUDO EM CIMA!

Ajude este humilde blogueiro a continuar seu trabalho! Sempre militei e falei sobre cinema e outros assuntos sem ganhar absolutamente nada ...

sexta-feira, 9 de maio de 2008

Democratas de araque: Os Caninos do Vampiro

Ao acusar a ministra Dilma Roussef de “mentir” para seus torturadores, o senador José Agripino Maia se excedeu. Excedeu-se? Ou quem sabe só se enquadrou na moldura onde sempre esteve?

- por Flávio Aguiar (www.cartamaior.com.br)

Na Transilvânia deve haver um ditado mais ou menos assim: “quem nasceu para Drácula, pode passar por anjo, mas acaba mostrando os dentes”. Foi o que aconteceu com o senador Agripino Maia, do finado PFL, hoje o transgênico DEM.

A visita à página do senador é lacrimejante. Trata-se de um herói da democracia. Fez isto, fez aquilo, apoiou Tancredo. De repente o herói da democracia revela a boca de lobo em que se meteu. Agora? Desde sempre?

Entre outras coisas nefastas e nefandas, a interpelação a que o senador submeteu a ministra é uma ofensa ao decoro parlamentar. Ao “acusa-la” de ter “mentido” para seus torturadores, o senador extrapolou seu papel legislativo. Tornou-se, como os algozes daqueles tempos, um poder judiciário avant-la-lettre, sendo promotor, juiz e carrasco ao mesmo tempo. Fez a acusação, julgou, promulgou a sentença, passou em julgado e quis aplicar a pena.

Não deu certo. Por quê? Porque como personagem de comédia (e existem comédias macabras), o senador se achava num cenário e estava em outro. Ele estava “do lado errado da história”. Ele achava que seu único público era feito dos acólitos, arautos e pauteiros que municiam e saúdam esta oposição autoritária na imprensa e na mídia conservadoras. Era um personagem na peça errada. Um estranho no ninho. Nem mesmo esta imprensa o saudou. O episódio é exemplar, no que revela do contínuo autismo político que assola cada vez mais essa oposição de direita que, infelizmente, tem entre seu público parte da esquerda da esquerda.

O que mais se leu e viu na imprensa conservadora foi a decepção: a ida da ministra ao Congresso “deu em nada”. Quer dizer, a ministra se saiu muito bem. Tanto no que se refere à grotesca acusação do senador,quanto ao que se refere ao “dossiê” sobre o governo de FHC, e ainda quanto ao que se refere ao assunto da sua convocação, o PAC e esclarecimentos conexos, no que nem a oposição nem a mídia conservadora estavam minimamente interessadas. Aliás, nem preparadas para discutir. O interesse era crucificar a ministra, e isso não aconteceu. Logo, “a operação” frustrou-se, “deu em nada”.

Continue lendo o texto de Flávio Aguiar no site Agência Carta Maior.
.

Um comentário:

alexandre disse...

Cara,tião gavião é ótimo.Mas eu sempre achei que o agripino era o Pinguim do batman.Aquele da série televisiva dos anos sessenta.O ator era o Burgess meredith que mais tarde foi ser o treinador do Rocky Balboa.Um abraço.
P.s.Primeira visita.òtima impressão.parabens.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...