Postagem em destaque

SEJA UM PADRINHO DO TUDO EM CIMA!

Ajude este humilde blogueiro a continuar seu trabalho! Sempre militei e falei sobre cinema e outros assuntos sem ganhar absolutamente nada ...

terça-feira, 11 de março de 2008

Um outro mundo é possível: A ILHA

.
O texto abaixo me foi enviado pelo amigo Ricardo Melo. Dá uma excelente visão do que nós, da esquerda, pensamos sobre Cuba e o futuro do regime socialista. É o tipo de texto que vai fazer a turminha da direita e seus papagaios espumarem de ódio... Leiam e comprovem (a charge é do Angeli e não carece de comentários).

A ILHA

Torço para que os cubanos consigam preservar suas seus princípios de educação e saúde públicas, de prevalência das questões sociais sobre as particulares, da valorização de sua História. Torço para que não vendam por um punhado de dólares um sonho tão duramente construído. Que sigam sempre como um sinal luminoso de que uma outra sociedade é possível, com menos neon e mais escola, menos celebridades e mais saúde.

- por André Catani, do blog Lapse of Reason.

É claro que eu não podia deixar de tocar no assunto: Fidel, quem diria, renunciou ao poder em Cuba. Conheci alguns cubanos. Entre eles, uma que ficou amiga, a Rosabel. Quem me conhece um pouco sabe muito bem, sempre me agradou a idéia do que aconteceu em Cuba: dar uma banana bem dada a um bando de gringos chupins, e mostrar que dá pra ter alfabetização, dentes na boca, boa música, atletas decentes e vacinas de ponta sem dizer amém para o império (com i minúsculo mesmo). Viver lá não tem sido fácil, eu sei.

Cansei de ouvir da Rosabel as histórias (que até ela mesma protagonizou), de malas cheias dos confortos mínimos da "vida moderna", como sabonetes perfumados, abridores de lata, canetas hidrográficas e videocassetes, que cada cubano carregava ao voltar pra Cuba. Mas também ouvi de todos os cubanos que conheci, sempre sadios e divertidíssimos, a história de seu povo e de seu país de cabo a rabo, contada com um sentimento de orgulho e propriedade que me faziam passar vergonha. Isso sem falar no quanto sabem do mundo, das atualidades, de tudo que acontece por aí.

Queria estar errado, mas acho que Cuba não vai resistir. Eles vivem a poucos quilômetros do maior playground do mundo, que os sacaneia com suas dezenas de emissoras de rádio e tv de antenas voltadas para a ilha, enchendo a cabeça da meninada com os afetados da MTV e os "60 minutes" narrando histórias comoventes de cubanos molóides que não agüentaram o repuxo e correram pra abraçar o Mickey. Os jovens cubanos de hoje não são mais os filhos da revolução, mas os netos.

Uma coisa é ouvir da boca do seu pai as coisas que ele viveu. Outra é a história ser contada por sua avó. Uma coisa é ter visto um país com 25% de analfabetos erradicar o problema em vinte anos. Outra é ter nascido numa ilha onde não existem analfabetos. Não sei até onde ou até quando La Revolución poderá estender seus braços, mas algo me diz que bugigangas eletrônicas, grifes famosas e lucro desonesto têm poder de sedução um pouco maior. Travestido de "democracia", o velho, moribundo e asqueroso modelo econômico dominante entoa o seu canto de sereia para os netos mais incautos da revolução.

É mais do que compreensível que Cuba tenha enfurecido os Estados Unidos e o resto da corja dominante dos países "emergentes" (sempre penso num vaso sanitário...), como uma praga a ser dizimada a todo custo. Alguém já parou pra pensar por que motivo uma potência econômica descomunal como os EUA sempre estiveram tão interessados em embargar por mais de 50 anos uma ilhota perdida no Caribe? Por que aquela meia-dúzia de ilhéus socialistas causa comoção quando vira assunto no domingão regado a uísque 12 anos?

É simples: Fidel e o povo de Cuba apontam o dedo na cara do mundo e mostram que É POSSÍVEL construir uma sociedade em outras bases. Um país sem território, sem indústria, sem riquezas minerais pode, com decência e determinação, enfrentar por mais de meio século um embargo econômico covarde e mostrar excelência em áreas vitais como a saúde pública e a educação. Fico imaginando o que Cuba seria hoje, se o mundo capitalista não tivesse se rebaixado e se humilhado perante os EUA, e tivessem permitido aos cubanos o livre acesso a combustíveis, insumos e outras trocas comerciais e culturais estratégicas...

Torço muito para que os cubanos consigam preservar suas principais instituições. Seus princípios de educação e saúde públicas, de prevalência das grandes questões sociais sobre as particulares, da valorização incondicional de sua História. Torço para que sejam hábeis o bastante para não vender por um punhado de dólares um sonho tão duramente construído. Que sigam sempre como um sinal luminoso de que uma outra sociedade é possível, com menos neon e mais escola, menos celebridades e mais saúde.
.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...