Postagem em destaque

SEJA UM PADRINHO DO TUDO EM CIMA!

Ajude este humilde blogueiro a continuar seu trabalho! Sempre militei e falei sobre cinema e outros assuntos sem ganhar absolutamente nada ...

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Estupidez Humana: Rambo tupiniquim ganha Urso de Ouro em Berlim

.
Achei lamentável o fato do asqueroso "Tropa de Elite" ter ganho o prêmio máximo no festivel de Berlim. Ainda mais sendo presidido pelo venerável cineasta Costra-Gravas, que já fez filmes excepcionais como "Estado de Sítio", "Z" e "Amén".

A vitória do filme de Padilha, gentilmente apelidado por mim de "O Rambo dos Pobres", demonstra apenas que:

1) Festivais de cinema, sejam eles "cult" ou populares, provam-se cada vez mais inúteis e distantes da realidade.

2) Na certa, o júri do festivel de Berlim resolveu dar o prêmio ao "Tropa de Elite" simplesmente para gerar polêmica e alguma publicidade ao festival, que, convenhamos, é solenemente ignorado pela maioria das pessoas no planeta. Portanto, nada melhor do que premiar um filme que já chegou cercado de reações extremadas no estilo "ame" ou "odeie" e que fala de uma realidade (a violência nas favelas do Brasil) que os estrangeiros não conhecem, porém adoram dar pitaco;

3) Ganhar esse ou aquele prêmio não prova que um filme seja bom. Se fosse assim, o xaroposo "Titanic" seria o melhor filme de todos os tempos, assim como o ultra-fascista "Gladiador".

Ok, entendo e respeito as pessoas que gostam de "Tropa de Elite". Afinal, você gostar ou não de um filme é algo totalmente subjetivo. Agora, querer provar que o filme é bom só porque ele é "bem feito", "fez sucesso" ou "ganhou prêmios" não quer dizer nada. Pelo contrário.

Concordo que "Tropa de Elite" realmente é um bom filme no sentido de ser bem feito, ter narrativa trepidante, efeitos sonoros arrasadores, atuações convincentes e fotografia elaborada. Porém, a ideologia que o filme defende, dentro da estrutura narrativa escolhida pelos seus realizadores, é fascista do começo ao fim. É para isso que muitos críticos e curiosos tentam alertar, ao que parece em vão.

Eu mesmo cheguei a ver "Comando para Matar" e "Rambo II" nos cinemas umas 6 vezes na época (dá um desconto, pois eu tinha uns 15 anos!) e provalmente continuaria a me divertir com toda aquela baboseira bem filmada e montada até hoje. Agora, se alguém falar que são filmes fascistas, serei obrigado a concordar por mais que "goste" dos produtos...

Eu tenho certeza que o Padilha não teve a intenção de fazer um filme fascista, porém ele falhou em vários pontos e me parece que alguém o convenceu, na última hora, a trocar a narração que era feita pelo policial negro Matias e passá-la para o grotesco Nascimento, tirando assim qualquer possibilidade de crítica social ou aprofundamento psicológico do protagonista do filme (que é o Matias, não o Nascimento).

Assim, não adianta tentar justificar que o Nascimento é “profundo” por ser problemático ou sofrer de síndrome do pânico, pois, vale lembrar, o Rambo do Stallone também era um desajustado que tinha traumas psicológicos provocados pela guerra do Vietnã e dizia com orgulho que confiava "apenas no seu facão". Mas isso não o impedia de metralhar heroicamente os vilões malvados com frieza e requintes de crueldade em nome do imperialismo estadunidense para deleite da platéia, da mesma forma que faz o capitão Nascimento em nome de algo que nem fica claro no filme.

Bom, não quero me estender. Quem quiser ler minha crítica ao filme, feita na época em que estava nos cinemas, siga este link.

Fiquei feliz de ver que pessoas como o Mino Carta também pensam como eu. Vejam o que ele escreveu em seu blog:

"O prêmio conseguido em Berlim por “Tropa de Elite” não prova que o filme é bom. Prêmios sempre têm valor relativo e, além disso, Berlim fica muito longe, imensamente longe, do Rio de Janeiro. A gente sabe como funciona a nossa polícia e como é a favela, eles não. Vista da Europa, até a violência ganha um toque exótico. Não faltará quem diga: “Arrependam-se, este é o filme que teria de representar o Brasil no Oscar para o melhor estrangeiro”. Pois a comissão que não escolheu “Tropa de Elite” portou-se bem melhor do que os julgadores de Berlim."
.

33 comentários:

Anônimo disse...

Olá André.
Há muito tempo atrás, as pessoas usavam o termo "mensagem" para identificar o sentido que movia um filme.
Era a década de 1970, um tempo em que as opiniões precisavam ser decodificadas para e pelos espectadores.
Qual é a "mensagem" de Tropa de Elite?
Ao que parece é essa: a classe-média financia o tráfico, o BOPE lava a "escória" do morro e ponto final.
Essa é a mensagem que o Festival de Berlim premiou...

Anônimo disse...

O que é isso André, o filme é fantástisco, com merecia ser indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro, e com iria ganhar, e Aquele filme?'O ano que meus pais sairam de ferias, nem conseguiu ser indicado, além do mais vc e o mino estão julgando o filme pela sua ideologia, o que Mino Carta e vc entendem de cinema?Nada, o filme não é fascista, ele simplemente mostra a realidade nua crua, goste ou não, é a realidade.Já Rambo e outros filmes dessa linha, são ficções.

André Lux disse...

Nossa, quer dizer então que o capitão Nascimento e o Matias existem mesmo? Só podem, afinal,segundo o anônimo acima, "Tropa de Elite" é um filme sobre a realidade, diferente do "Rambo", que é ficção. Depois sou eu que não entendo de cinema... Arff!

Anônimo disse...

André, não seja ignorante, o que eu quiz dizer é que o filme Tropa de Elite, é baseado em depoimentos reiais de policiais do Bope, vc não sabia disso? Deveria ler mais jornais então...

André Lux disse...

Caro anônimo, se eu tivesse que ler jornais ou assistir televisão para ficar "bem informado", estaria lascado!

O filme pode ter sido até psicografado do além pelo Baiano, mas isso não muda o fato da estrutura narrativa escolhida pelos realizadores ser baseada nos piores clichés dos filmes de ação policial estadunidenses, tirando assim qualquer chance dele humanizar a realidade que diz retratar.

Por sinal, você leu mesmo minha crítica? Parece que não...

Anônimo disse...

Mas aqueles tipos de ações realmente aconteceram e acontecem, isso nem vc pode negar.

Anônimo disse...

Realmente o filme é muito bom, violento, mas muito bom, André vc deveria se orgulhar, já que o cinema brasileiro que está em evidencia, isso não é bom?

André Lux disse...

E quem está negando? Só que para cada 10 pessoas que os "heróis" do Bope torturam e fuzilam na vida real, pelo menos umas 8 são inocentes. Mas por serem pobres e pretos, tudo bem para o resto da sociedade. Onde está essa verdade no filme?

André Lux disse...

Se o cinema brasileiro estivese em evidência graças a um filme decente, teria muitos motivos para sentir orgulho...

Anônimo disse...

Mas no filme o cap. nascimento e sua tropa estão combatendo uma quadrilha de traficantes, isso está bem claro, vc não percebeu?

Anônimo disse...

André, deixe uma pouco sua ideologia de lado, tire a venda que cobre seus olhos, e analise o filme como um critico tem que fazer, analizando os aspectos técnicos, se tropa de elite tivesse sido o escolhido do Brasil para disputar o Oscar, com certeza ganharia, e não faria o vexame, que fez 'O ano que meus pais sairam de férias', vc não acha?

André Lux disse...

E isso lá é justificativa para sairem por aí torturando e fuzilando as pessoas? Se amanhã você passar um sinal vermelho, tudo bem um policial do Bope chegar e passar fogo em você dentro do carro? Não? Ué, você furou um sinal vermelho, portanto, cometeu um crime...

André Lux disse...

A ideologia faz parte intrínseca de qualquer obra de arte, quer você goste ou não. Se você acha que dá para analisar um filme sem falar da sua ideologia, parabéns. Eu não consigo - ainda mais no caso do "Tropa de Elite", que é um filme onde a ideologia obviamente vem antes de qualquer outro aspecto.

E quem dá a mínima para o Oscar?

Na boa, não vou ficar mais discutindo com um "anônimo". Ou se identifica, ou desista.

Anônimo disse...

André sinceramente, vc está querendo comparar a gravidade de passar um sinal vermelho com o tráfico de drogas? Não existe nem comparação, o tráfico é um crime nojento.

André Lux disse...

É mesmo? Imagina só se você, ao furar o sinal vermelho, atropelar um grupo de 30 senhoras que ia para o cinema e depois entrar dentro de um restaurante... Aí tudo bem um 02 vir e meter uma bala na sua cabeça?

Essa é a última resposta ao "anômino".

Anônimo disse...

Meu nome é ricardo, vc acha que eu tenho medo de me identificar? Simplesmente não estou conseguindo, enviar as mensagens, escolhendo a opção, nome/url, está dando erro, por isso que as mensagens vão como anonimo.

Anônimo disse...

ai sim, se houver atropelamentos depois de passar o sinal, tudo já é crime, e gravissimo por sinal, mas vc não tinha mencionado este detalhe antes esperto.

André Lux disse...

Passar no sinal vermelho já é infração gravíssima, tenha atropelamento ou não. É justamente para previnir esse tipo de ação, que pode resultar na morte de inocentes, que a lei prevê a punição, certo? Mas me diga, na hora que você infringe a lei e passa no sinal vermelho, qual a diferença entre você e um traficante? Ambos estão cometendo um crime.

Anônimo disse...

Mas a gravidade é outra, o tráfico de drogas é 1000 vezes mais grave, pois esses desgraçados destroem as vidas das familias e ainda ganham dinheiro com isso.

André Lux disse...

Quem é mais desgraçado? Quem vende drogas aos mauricinhos e patricinhas da classe média e alta ou as autoridades e empresários que lucram em cima dessa venda? Ou você acha que as drogas e as armas brotam na favela para serem usadas pelos "bandidos"? Já se perguntou porque Maconha e Cocaína são proibidas, mas Cachaça e Whisky não? Ué, é tudo droga, certo?

Essa, por sinal, é a única tese decente que o "Tropa de Elite" começa a defender. Pena que depois jogue tudo no lixo com tantos personagens caricatos e maniqueístas.

Mas, como eu já disse, tudo isso está lá na minha crítica ao filme...

Anônimo disse...

Com certeza bebidas alcoolicas são tão drogas, quanto maconha e cocaina, mas ai o lula tem um pouco de culpa, porque ele não proibe o consumo de bebidas alcoolicas? vc não acha?

André Lux disse...

Proibir? Pô, tem é que liberar! Só faltava essa agora! Além do tráfico de drogas, teríamos também o tráfico de bebidas alcóolicas, igual à época do Al Capone...

Daqui a pouco vamos voltar à época da escravidão. Os donos do Estadão iam gostar!

Anônimo disse...

Tá louco André, liberar as drogas?isso é coisa de louco, se proibidas, elas já fazem o estrago que fazem, imagina se liberar, ai é que vai ter viciado.

André Lux disse...

Mais uma manipulado pelas besteiras da mídia conservadora... Pior é que o Padilha, diretor do "Tropa de Elite", está fazendo campanha aberta a favor da liberação das drogas na Europa.

Pra gente ver que o sujeito não é fascista mesmo, apesar de ter feito um filma ultra-fascista por pura falta de cuidado estético.

Depois eu é que sou ignorante e não leio jornais...

Anônimo disse...

André não queira ser melhor que os outros, eu particulamente, não gosto da globo e da veja, tanto quanto vc, e sei que o diretor está fazendo loobie para liberarem as drogas, mas isso não muda minha opinião, Padilha fez o melhor filme do cinema da brasileiro, mas não é por causa disso que eu tenho que concordar com ele, vc provavelmente não sabe o que é ter um conhecido ou um parente viciado em drogas, por isso tem essa opinião, eu te digo rapaz, os tráficantes são covardes e assassinos, e as drogas são um cancer, vc deveria rever seus conceitos, antes de entrar na onda dos 'cabeça-feita' vc é quem está sendo manipulado, cuidado.

Anônimo disse...

Não André, parece que o manipulado aqui é vc, que não tem opinião própria, e só repete, o que os 'cabeças-feitas' falam, vc deveria ser mais independente nos seus argumentos, eu sei que José Padilha faz loobie para a liberação das drogas mas isso não muda me nada minha opinião: Ele fez o melhor filme brasileiro de todos os tempos, e as drogas e os traficantes, deveriam ser aniquilados, para não destruirem a vida de ninguém mais.

Cissa C. disse...

Olá André. Depois de ler muita crítica de pessoas confiáveis dizendo que o filme era facista e tal, finalmente consegui assití-lo. Minha conclusão é de que facista ele não tem nada, porque com aquele péssimo roteiro ele não consegue passar análise de nada sobre nada. Tecnicamente o filme é péssimo: roteiro ruim, fotografia de novela, cenários idem, atuações e diálogos esdrúxulos. Nenhum personagem é aprofundado o suficiente pra que a história crie empatia, e confesso que sei mais sobre os personagens graças ao que li na mídia do que por ter assistido o filme. Acho que a maior lástima desse prêmio é o reconhecimento de um projeto de filme tão tosco (tecnicamente falando) quanto Olga. Parece uma novela feita pra tela de cinema. Uma iniciativa louvável que acabou virando um melodrama de quinta. Quem premia isso só pode estar doido, ou não entender nada da realidade brasileira: difícil acreditar que Costa-Gavras tenho gostado desse filme. Mas vai entender...

Cissa C. disse...

E quero adicionar à discussão acima, não é porque foi feito no Brasil com película e equipamento de última geração que o filme será bom. Assim como não é porque uma banda tem clip na MTV que ela é boa. Infelizmente, esse foi um filme que apesar do investimento, não deu certo, e daqui no máximo 2 anos já estará superado. Não dá pra puxar sacod e qualquer coisa só porque alguém tentou fazer. Tem que fazer direito. Vide Cidade de Deus, Central do Brasil, Lavoura Arcaica.

André Lux disse...

Cissa, tem uma outra coisa no filme que eu acho péssima, mas sempre esqueço de dizer: a trilha sonora. A música incidental é um horror, um barulho só, que não acrescenta nada ao filme, e as canções usadas são fracas, não servem nem para registrar a época da narração. Sem dizer que aquele rap que encerra o filme é medonho de tão ruim e fecha com chave de ouro toda a mensagem nazi-fascista involuntária contida no filme...

Miguek disse...

O Que é isso pessoal, vcs estão sendo muito rigorosos, vcs acham que são melhores que os jurados de berlim? desçam do pedestal, tropa de elite é um dos melhores filmes brasileiros de todos os tempos, bem melhor que O ano que meus pais sairam de férias, que por uma estupidez tamanha tentou concorrer ao oscar e fracassou.

Miguel disse...

Falar mal do filme neste tom é como culpar a janela pela paisagem que nos é apresentada...

André Lux disse...

Pois é, mas não vamos nos esquecer que uma janela é fruto do trabalho humano consciente. Ou seja, é o projetista quem escolhe onde e como a janela será colocada... Da mesma forma que é o cineasta que escolhe a forma como vai narrar sua história.

Sua analogia estaria correta, Miguel, se eu tivésse culpado o projetor do cinema pelo má qualidade do filme apresentado. Aí sim. Mas, obviamente, não é o caso, certo?

Ricardo Melo disse...

Tropa de Elite é um filme bom?

O que é um filme bom?

Bom é um filme tecnicamente "bom" e que consiga transmitir uma "boa" estória.

Ao contrário do que parece, o fator "técnico" deve ser o mais subjetivo.

Afinal, um excelente filme pode ser repleto de imagens granuladas e cenas "tremidas" realistas, cheio de sombras.

Então, o fator técnico é importante, mas não é o principal.

Um filme barato pode ser tecnicamente melhor do que um filme caro. Existem vários exemplos disso.

Qual é o fator mais importante para um filme ser bom?

É contar bem uma estória.

E se essa estória causar um impacto em termos de novidade, melhor ainda.

Se a estória causar dúvida e questionamento no espectador, aí é excelente.

Quando o filme é tecnicamente "bom", conta bem uma estória, impacta a realidade com um ponto de vista diferente e, ainda por cima, obriga o espectador a pensar, aí você estará assistindo a um legítimo Stanley Kubrick. Ou um Bertolucci, ou um Luchino Visconti, ou...

Ora, Tropa de Elite é bom tecnicamente.

Mas a "mensagem" que ele passa não é impactante em termos de novidade.

Pelo contrário. O ponto de vista do Capitão Nascimento é muito, mas muito manjado.

Ninguém precisa pagar bilheteria para entender os "valores" que Tropa de Elite passa e defende com tanta convicção.

Mais do discurso de Tropa de Elite pode ser conseguido com coronéis torturadores e PMs descaminhados no cotidiano de São Paulo.

Pague uma corrida de taxi numa metrópole brasileira, fale com o motorista e você vai receber todos os "valores" de Tropa de Elite, não precisa gastar com ingresso no cinema.

Agora, em último lugar, isso faz alguém pensar?

Aí alguém pode perguntar:

- Pensar??? Do que esse cara está falando, o papo não é cinema?

É justamente por causa dessa indigência mental que o Cinema global perdeu certo vigor em todo o mundo e até premia Tropa de Elite em Berlim.

Tropa de Elite faz "pensar"! Faz a elite retrógrada brasileira "pensar" que precisamos de um exército de "Capitães Nascimento" para nos devolver a segurança.

Faz o cidadão médio "pensar" que o Brasil histórico do "Capitão do Mato" é a novidade do século. Uma tecnologia brasileira "for export" em técnicas de tortura eficientes e fatais.

Então o diretor de filme precisa ter cuidado com o que o espectador vai "pensar".

O filme pode induzir a uma dúvida, assombrar o cidadão com um aspecto inesperado?

Ou o filme, em vez de fazer o "freguês" refletir, vai apenas contribuir para que ele tenha ainda mais convicção no seu ponto de vista conservador e amendrontado?

Visto isso, qualquer um pode defender o ponto de vista de que Tropa de Elite é um filme "bom", afinal a opinião é pessoal.

Mas, se você pensar um pouco, vai concluir que Tropa de Elite não é tããããão bom assim.

Menos, mas bem menos mesmo...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...