Postagem em destaque

SEJA UM PADRINHO DO TUDO EM CIMA!

Ajude este humilde blogueiro a continuar seu trabalho! Sempre militei e falei sobre cinema e outros assuntos sem ganhar absolutamente nada ...

quarta-feira, 25 de abril de 2007

Memórias de um alienado: Eu também já fui papagaio da direita...

Não fosse por alguns fatos que aconteceram em minha vida e serviram para abrir meus olhos, fatalmente eu seria hoje aquele mesmo adolescente alienado, ignorante e raivoso

- por André Lux, jornalista

Quem visita meu blog e lê meus textos com certeza deve pensar que sou socialista desde o meu nascimento e fui criado por pais radicais de esquerda, que fizeram treinamento de guerrilha em Cuba e lutaram contra a ditadura militar...

Nada mais longe da verdade. Muito pelo contrário.

Nasci em uma típica família de classe média baixa, mas que sonhava pertencer à elite mundial. Daí que, durante toda minha infância e juventude, morei em casas (alugadas) em bairros semi-nobres a preços absurdos, enquanto era transportado numa Brasília amarela e via meus pais desesperados tentando cobrir o rombo no cheque especial todo santo mês.

Mas, como que para provar nossa posição entre a elite, éramos sócios do segundo clube no nível hierárquico sócio-econômico da cidade, o Tênis Clube de Campinas. Sim, porque o número 1 na escala social era a Sociedade Hípica, cuja maioria dos sócios podres de ricos também freqüentava o Tênis, embora o contrário não acontecesse (exceto quando éramos convidados para algum casamento realizado no gigantesco salão de festas daquele clube - não por acaso adaptado em uma Casa Grande de algum antigo barão do café).

Sempre fui cercado por parentes e amigos que, mesmo sendo honestos e trabalhadores, não tinham a visão crítica necessária para compreender como as coisas funcionavam. Meus familiares limitavam-se a repetir o que ouviam, liam e viam na mídia, especialmente na rede Globo, nas revistonas e nos jornalões (que apoiaram o golpe militar, embora hoje finjam que não). 

Assim, tinham medo de comunistas, pois diziam que comiam criancinhas e dividiam a casa das pessoas ao meio (o fato de não termos imóvel próprio não parecia contradizer esse receio), achavam que Che Guevara era um “baderneiro profissional” (ser pago para fazer baderna, isso é que é profissão!), acreditavam que o Brasil tinha tantos problemas “porque pobre não gosta de trabalhar” (usar o salário mensal só para pagar contas e cobrir o rombo no cheque especial, imaginavam, não era coisa de pobre) e por aí vai.

Nem preciso dizer que, obviamente, eu também repetia tudo isso e acreditava no que estava falando, mesmo sem ter o menor embasamento teórico ou prático para tanto. 

Minha vida escolar foi uma piada. Estudei em colégio particular (de freiras!) do maternal ao ensino médio. 

Para se ter uma ideia do desastre que isso significa (com raras e nobre exceções entre meus professores), nasci em 1971 e cheguei até o final da minha fase educacional básica sem nem saber que vivíamos sob um regime ditatorial ilegal e imoral.

Enquanto eu brincava no clube despreocupado, assistia à televisão ou passava a manhã inteira decorando datas e fórmulas matemáticas de maneira acrítica e alienante, centenas de brasileiros e vizinhos de continente eram torturados e mortos simplesmente por se opor àqueles regimes ditatoriais apoiados e financiados pelos EUA. No máximo, eu ouvia algo como “Bem feito pra esses baderneiros, quem mandou serem do contra?” quando alguém tocava no assunto.

Se vocês acham que estou mentindo, relaciono abaixo fatos que marcaram essa fase lamentável da minha existência:

1) Vi o filme “Comando para Matar”, aquele em que o Arnoldão detona sozinho um exército inteiro de cucarachas sul americanos, nada menos do que seis vezes nos cinemas (e contava para todo mundo orgulhoso!);

2) Iniciava comentários com as frases “Eu vi na Veja” ou “Assisti na Globo”;

3) Ridicularizava quem dizia que existia racismo no Brasil, mesmo não tendo nenhum amigo ou conhecido negro, exceto a empregada que a gente desprezava, e repetindo “piadas” do tipo “sabe qual a diferença entre um negro e uma latinha de (censurado)?”;

4) Sentia prazer em irritar petistas, repetindo jargões que são usados até hoje (“Lula é vagabundo, ex-presidiário, arrancou o dedo para não precisar mais trabalhar”, “Sindicalista só sabe fazer baderna”, “Petista é tudo igual", "Se gosta tanto de Cuba, por que não vai prar lá plantar cana??”). Isso mesmo sem conhecer absolutamente nada de política, sociologia ou história;

5) Acreditava que o Stallone, o Arnoldão e o Chuck Norris lutavam pela liberdade, pela democracia e pela justiça para nos salvar dos vilões comunistas (eu tinha até pôster deles no meu quarto) e que os Bandeirantes foram corajosos desbravadores dos sertões brasileiros;

6) Vivia falando mal do Brasil e do “povo” brasileiro (do qual eu não fazia parte, é claro, afinal meus bisavôs eram europeus) e começava a concluir esse tipo de argumentação com a frase “Ah, mas lá nos Estados Unidos...”;

7) Passava a tarde inteira e o domingo inteiro na frente da TV, assistindo qualquer porcaria, e só ia dormir depois de ver o Fantástico, sempre deprimido por lembrar que no outro dia voltavam as aulas e eu não havia feito a lição de casa nem decorado a matéria para as provas;

8) Cantava a música “Vamos Construir Juntos!” (que eu sei de cor até hoje!) e colecionava o álbum de figurinhas do “Paulistinha”, que faziam parte do marketing institucional do governo ditatorial para nos convencer que o Brasil era "o país do futuro";

9) Assistia às novelas da rede Globo, embora ficasse falando mal delas (porque naquela época, macho que era macho não via novela, a não ser para reclamar);

10) Ficava realmente preocupado com a situação da Ponte Preta no campeonato paulista;

11) Comemorava toda vez que um novo McDonald’s era inaugurado no Brasil, pois era sinal de que o país estava progredindo (sim, eu também acreditei na ladainha sobre as maravilhas da "globalização neoliberal");

12) Queria ser astronauta da NASA quando crescesse (mas, desisti depois que me falaram que eles têm que ser bons em matemática);

13) Proferia afirmações como "não voto em partidos, mas em pessoas" (isso porque eu nem podia votar!), pois tinha aprendido que partidos eram coisas ruins e inúteis (assim, quando algum político de direita caia em desgraça, era culpa só dele, não do partido), especialmente aqueles que defendiam ideologias de esquerda;

14) Ideologia também era outro palavrão, coisa de baderneiro profissional, por isso eu também dizia, todo faceiro: "Não existe esse negócio de esquerda e direita, isso é coisa de gente revoltada que não gosta de trabalhar e só sabe ser do contra!".

Isso só para ficar no básico. Tenho certeza que você já testemunhou alguém falando ou fazendo coisas parecidas, certo?

Sinceramente, eu era um caso quase sem salvação.

Mas a sorte sorriu para mim.

Não fosse por alguns fatos que aconteceram em minha vida e serviram para abrir meus olhos, fatalmente eu seria hoje aquele mesmo adolescente alienado, ignorante e raivoso. 

Só que pesando 50 quilos a mais, com barba na cara e com um daqueles adesivos nojentos quatro-dedos dizendo "Fora Lula!" colado no vidro do carro (cuja prestação pagarei até 2010) .

Abordarei essa “transformação” em meu próximo texto sobre o assunto.

Leiam aqui a PARTE 2 das minhas "Memórias de Um Alienado".

*As imagens dessa postagem são do filme "Pink Floyd - The Wall", do Alan Parker

terça-feira, 24 de abril de 2007

Filme: “Sunshine – Alerta Solar”

*ATENÇÃO! A crítica abaixo entrega o filme inteiro. Leia por sua conta e risco...

GATO POR LEBRE

Diretor pretensioso tenta disfarçar filminho de terror usando narrativa lenta, citações a filmes clássicos e papo-furado metafísico

- por André Lux, crítico-spam

Não existe nada mais irritante do que comprar gato por lebre. É o caso desse “Sunshine – Alerta Solar”, filme que se vende como uma ficção científica séria e profunda, mas não passa de um suspense banal repleto de furos e clichês. 

E o diretor Danny Boyle (que a cada dia comprova que só acertou em seu primeiro filme “Cova Rasa”), como todo bom pretensioso, tenta enganar os incautos injetando várias citações a filmes clássicos como “2001 – Uma Odisséia no Espaço” e “Solaris”. Mas elas não têm nada a ver com a trama e só servem mesmo para iludir aquele pessoal que acha o máximo ficar identificando referências a outros filmes. Só isso mesmo para justificar as boas críticas que vem recebendo.

Mas não vi ninguém apontando para o mais óbvio: trata-se apenas de um “Armageddon” metido a besta. A história é basicamente a mesma – só que aqui traz um grupo de especialistas que precisa detonar uma bomba atômica gigantesca no Sol para tentar fazê-lo voltar a queimar com a mesma intensidade. E dá-lhe clichês do gênero: o comandante sorumbático, o físico nerd, o piloto nervosinho e machão, o psicólogo doidão, a botânica zen e assim por diante. E os atores que os interpretam são muito jovens e sem carisma. Será mesmo que a humanidade iria depositar suas últimas esperanças de sobrevivência num grupo formado, em sua maioria, por garotões que parecem ter acabado de sair da faculdade?

As reviravoltas e os desastres descritos no roteiro são forçados e parecem existir apenas para mover a trama. Afinal, por que iriam desviar a rota só para tentar pegar a bomba da primeira missão, dada como perdida há sete anos, se sabiam que só seria possível detoná-la se a primeira nave estivesse em perfeito estado operacional? E quer dizer então que a complicada operação de mudança de curso e alinhamento do escudo é responsabilidade de uma única pessoa, ninguém nem dá uma revisada para ver se estava tudo certo?

E os personagens? Em cada situação ganham ou deixam de ter importância: numa hora o físico (feito pelo inexpressivo Cillian Murphy) é mandado para um trabalho quase suicida fora da nave, enquanto em outra tem que ser salvo ao custo da vida de todos os outros. Mas, infernal mesmo é o vilão do filme, que ficou perambulando nada menos do que sete anos na nave abandonada cheio de queimaduras e pingando sangue, provavelmente se alimentando de cenouras, só esperando a chance de pular para outra nave e sair matando de novo!

E o maior furo de todos, que ao que parece ninguém se deu conta, é o fato deles ficarem falando de como vão voltar para a Terra depois de lançar a bomba (tem até um jardim interno que supostamente deve servir para reciclar o ar para a jornada de volta), sendo que a única coisa que impede a nave de ser destruída na hora pelo raios solares é justamente o escudo de espelhos que envolve a bomba! Ou seja, assim que ela fosse lançada e se afastasse, bye-bye nave e todo o resto...

Mas isso não é o pior. Depois de construir uma narrativa lenta e letárgica, enfatizada pela trilha sonora tipo “new age”, e de inserir papo-furado metafísico e flertar com o sobrenatural, o diretor transforma “Sunshine” num daqueles filminhos de terror mais batidos, com direito a psicopatas deformados dando facadas e perseguindo mocinhas indefesas por túneis escuros. 

É nesse último ato que toda pretensão de seriedade e verossimilhança é destruída em favor de sustos fáceis e cenas de ação tediosas, filmadas com lentes de distorção e editadas em ritmo de vídeo-clipe.

Aí, de “2001” e “Solaris”, as referências pulam para “O Enigma do Horizonte” e “Jason X” – o que não é nem de longe um elogio. Mas, justiça seja feita: esses dois últimos filmes ao menos assumiam de cara a condição de “terror no espaço” e não tentavam enganar o espectador fingindo ser o que não eram.

Cotação: * 1/2 (mais meia estrela porque hoje eu estou de bom humor)
.

sexta-feira, 20 de abril de 2007

Seção "Ego Inflado III": Mais uma do crítico-spam na Agência Carta Maior!

.
Mais um texto do crítico-spam acaba de ser publicado no site Agência Carta Maior, cuja importância e credibilidade dispensam maiores comentários.

É sobre o filme "Enron - Os Mais Espertos da Sala", que
foi lançado recentemente para a venda aqui no Brasil.

Confira clicando neste link!


.

Filmes: "Falcão Negro em Perigo"

a.
SURRA INACREDITÁVEL

Mesmo deturpando fatos históricos e pregando a favor da intervenção militar, filme mostra o exército dos EUA levando um espetacular "chute no traseiro"!

- por André Lux, crítico-spam

A expressão "lets kick some ass" é hoje uma das mais populares entre os estadunidenses. Não é a toa que a frase é dita logo de cara em “Falcão Negro Em Perigo” por um soldado recém-chegado ao front, louco que está para entrar em ação. 

Essa obsessão dos estadunidenses por "chutar traseiros" alheios é a base da cultura deles e chegou atualmente às raias do absurdo. Não é de se estranhar, portanto, que os executivos de Hollywood, alinhados com as políticas e estratégias do Pentágono, coloquem cada vez mais seus investimentos em filmes panfletários que pregam a favor da intervenção estadunidense em território estrangeiro. 

Tudo em nome de uma suposta "paz" e "ordem", como somos informados logo no início deste filme por um longo letreiro que tenta deturpar fatos históricos para justificar a presença do exército do Tio Sam na Somália.

Segundo os realizadores, os EUA estavam lá somente para garantir que os pobres somalis pudessem receber os alimentos cedidos gentilmente pela ONU e que estavam sendo roubados pelos guerrilheiros locais, liderados por Mohamed Farrah Adid, pintado como um monstro sanguinário e responsável pela morte por inanição de mais de 300 mil civis. 

Tem que ser muito ingênuo ou mal intencionado para querer nos fazer acreditar que os EUA invadem outros países (sempre do terceiro mundo) com boas intenções, já que situações de genocídio como essa que ocorreu na Somália são patrocinadas em larga escala pelo próprio governo estadunidense. Seja por meio de sanções econômicas ou pelo financiamento das milícias de direita que, geralmente, são as responsáveis pela tortura e assassinato dos civis.

A justificativa para essa política intervencionista está presente em diálogos pavorosos como o proferido por um dos soldados "idealistas" do Tio Sam (Josh Hartnett, tão expressivo quanto uma escultura de pedra): "Eles não tem educação, não tem esperança, não tem futuro", - só faltou dizer que não têm DVD nem internet! Ou seja: "Cidadãos do terceiro mundo não são como nós, a raça superior, por isso necessitam da nossa proteção e da nossa doutrina". Adolf Hitler ficaria orgulhoso!

“Falcão Negro Em Perigo” foi dirigido por Ridley Scott, cineasta que um dia foi capaz de nos brindar com gemas como “Blade Runner” e “Alien”, mas que hoje optou por colocar seu talento técnico ao serviço de produções execráveis como “Gladiador”. Dessa vez uniu forças com o produtor de filmes-clipes Jerry Bruckenheimer, responsável por pérolas fascistas como “Top Gun” e “Pearl Harbor”.

Isso quer dizer que temos aqui mais um exemplar de técnica espetacular usada para contar uma historinha torpe e reacionária da pior espécie. Tudo isso embalado por altas doses de tiros, explosões, sangue e efeitos especiais que pipocam na tela a cada cinco segundos como que para não dar tempo para o espectador pensar nos horrores que está vendo. Vira tudo um mero "entretenimento" no final.

Como parte do pacote ideológico vendido pelo filme, os somalis são mostrados somente como um bando de pessoas sujas e maltrapilhas sem face (em algumas tomadas chegam até a parecer extraterrestres!), cuja única função na trama é servirem de alvo para os desesperados Rangers. 

Não ficamos sabendo em nenhum momento o que levou aquele povo a atacar os "golden boys" do exército dos EUA com tamanha ferocidade. O roteiro até faz de conta que vai dar uma dica durante a cena em que um dos pilotos capturado pelos guerrilheiros é informado que não são bem-vindos e que matar seu líder de nada iria adiantar, pois na Somália as coisas são diferentes. 

Pena que esse discurso sai da boca de mais um personagem "imundo e maltrapilho", obviamente vilão, o que impede a platéia de, sequer, levar em consideração o que ele está dizendo.

O que causa mais estranhamento nesse “Falcão Negro Em Perigo”, entretanto, é perceber que, mesmo fazendo a panfletagem a favor do imperialismo dos EUA, os executivos gastaram rios de dinheiro para mostrar, basicamente, o supostamente invencível exército do Tio Sam levando uma surra inacreditável dos próprios "magrelos" (termo pejorativo pelo qual eles chamavam os somalis) que deveriam salvar. A exemplo que ocorreu no Vietnam e agora no Iraque, esse é mais um caso de "chute no traseiro" que saiu pela culatra para os estadunidenses!

No final, somos informados por um pequeno letreiro que morreram mais de mil somalis durante a ofensiva para apenas 19 estadunidenses - cujos nomes são estampados gloriosamente na tela, um por um. Pelos cálculos dos produtores, a vida de um "americano" equivale à 52,6 vidas africanas! 

E, como sempre, tentam colocar a culpa do fracasso e das mortes em uma única pessoa – no caso, o general que planejou a ofensiva, - numa tentativa torpe de eximir da responsabilidade o sistema como um todo, quando a ingenuidade dos soldados (em sua maioria jovens desmiolados que passaram por "lavagem cerebral") e a canalhice dos governantes são as verdadeiras causas de carnificinas como a mostrada no filme.

Impressiona também a insistência na mensagem que "não vão deixar ninguém para trás", como se fazer parte do exército estadunidense fosse a coisa mais nobre do mundo, pois sempre vai ter alguém disposto a ser herói e sacrificar a vida pelo outro. 

É analisando peças de marketing desse tipo que podemos entender como é que tantos jovens alistam-se livremente no exército daquele país, só para serem mandados para lutar em países que não conhecem guerras que não entendem. 

A verdade é que não existe nada que justifique a intervenção militar em terra alheia e o quanto mais tentam explicar essas ações, pior fica a situação.

A melhor crítica que um filme como esse poderia receber está em “O Sentido da Vida”, do grupo Monty Python, na cena em que um militar empedernido defende a importância do exército em nossas vidas, já que segundo ele, "sem a habilidade para defender seu próprio ponto de vista contra outras ideologias mais agressivas, a racionalidade e a moderação podem desaparecer. É por isso que sempre vamos precisar de um exército. E que Deus me atinja com um raio se eu não estiver certo!"... 

KABUMMMM!!!

Cotação: *
.

segunda-feira, 16 de abril de 2007

Seção "Ego Inflado II": Elogios ao meu artigo publicado em Carta Maior

.

Recebi algumas mensagens de elogios ao meu texto sobre o filme "300" que foi publicado no site da Agência Carta Maior. Reproduzo-os abaixo para quem quiser ler (sobrenomes e emails serão omitidos por razões óbvias):

É um bom texto. Parabéns.
- Fonthor

É isso aí, André.
Pelo visto, não sou a única fã de seus textos.
Quem tem qualidade merece sucesso.
Parabéns.
Beijão.
- Solange

Parabens Andre;
Veja que felicidade, eu tenho uma amigo que publica as suas matérias na carta maior. Parabéns colega. Um abraço!
- Vinicius

Parabéns, André!
- Alyda

Muito bom artigo, André. Parabéns.
- Eduardo (comentário postado na própria página do site)


Meu muito obrigado a todos pelo carinho e apoio!

.

sexta-feira, 13 de abril de 2007

Seção "Ego Inflado": O crítico-spam agora na Agência Carta Maior!

.
Prezados leitores do meu humilde blog,

Para minha alegria e satisfação, minha crítica ao filme "300" foi pubicada no site Agência Carta Maior, um dos melhores veículos de informação alternativa do país. E se não for o melhor, sem dúvida é o mais abrangente e responsável por publicar informações confiáveis, análises coerentes e até mesmo críticas contundentes, porém construtivas, à própria esquerda - algo raro de ser num mundo dominado por sectarismos radicais e rancores mesquinhos.

É na Agência Carta Maior que várias feras da intelectualidade e do jornalismo assumidamente de esquerda brasileiros publicam seus textos.

É motivo de orgulho para mim ter um texto publicado próximo aos de figuras veneráveis como Emir Sader, Bernardo Kucinski, Flávio Aguiar, Boaventura de Sousa Santos, Leonardo Boff, Marco Aurélio Weissheimer, Mauro Santayana, entre muitos outros. Sinceramente, melhor elogio ao meu trabalho não há...

Eles até usaram minha montagem fotográfica para ilustrar a página!

Confiram, clicando neste link.

Abraços a todos!
.

quinta-feira, 12 de abril de 2007

O mundo como ele é: A Globalização da Miséria

.
O texto "Da globalização" que o jornalista e escritor Georges Bourdoukan publicou em seu blog traduz com perfeição o que penso da atual situação do mundo (que, por sinal, não é muito diferente do que sempre foi).

Inclusive, esses eternos desentedimentos entre as ditas "esquerdas", citados pelo autor, me remetem àquela cena do filme "A Vida de Brian", do Monty Phyton, quando o chefe do grupo revolucionário Frente dos Povos Judáicos afirma que só existe uma coisa que eles odeiam mais que os Romanos, seus opressores. E aí cita o nome de todos os outros grupos revolucionários, inclusive o dele mesmo! O jeito é rir para não chorar...

Confiram abaixo o texto completo:

Da globalização

- Georges Bourdoukan

Quando escrevi, citando Samuel Johnson, que a pátria é o último refúgio dos velhacos, leitores me escreveram advertindo sobre o exagero da afirmativa. Agora recorro a Bertrand Russell para proclamar que o nacionalismo é um exemplo extremo de crença ardente a respeito de assuntos duvidosos.

Nunca acreditei nessa história de nações pobres e nações ricas. Desde que o primeiro homem passou a lucrar com o trabalho de outro, o que existe de fato são explorados e exploradores. Sejam eles de que nacionalidades forem. Ou alguém acredita que o empresário brasileiro é diferente do empresário americano, chinês ou somali?

Não há a mínima diferença mesmo porque, apesar de idiomas diferentes, eles falam e sempre falarão a mesma língua. Os explorados é que falam línguas diferentes, mesmo sendo de uma mesma nação. Alguém consegue imaginar uma briga entre a Federação das Indústrias com a Federação dos Bancos ou com a Federação da Agricultura?

Já o contrário está sempre acontecendo. Os sindicatos e as centrais sindicais que representam os explorados estão sempre discutindo entre si, quando não, brigando. Não é raro considerarem-se inimigas mortais. Como se o bancário, o metalúrgico e o camponês não fossem vítimas do mesmo sistema.

Por isso, sou um dos defensores incondicionais da globalização. E se hoje ela representa a Internacional Capitalista cabe aos que são contra a exploração do homem pelo homem transforma-la numa Internacional que pense na humanidade como um todo e no indivíduo como ser total.

A globalização é tão importante quanto o ar que respiramos. Falar em países é querer dividir o mundo em fronteiras, é apoiar as guerras onde as vítimas serão sempre os explorados. Ou alguém conhece algum rico que já morreu em combate?

Hoje a humanidade é administrada por um emaranhado que obedece a não mais do que quatro ou cinco corporações. E mesmo estas, têm ramificações entre si. Moldam os gostos de acordo com suas conveniências. Nos ensinam como amar, divertir, o que e como devemos ler, a que programas assistir, que esporte praticar, o que comer, impõem até o padrão de beleza.

É uma ditadura que nos faz crer que somos livres e independentes quando na verdade estamos subjugados. Transforma-nos em seres insensíveis, sem preocupação com o próximo, elimina do vocabulário a palavra solidariedade, nos torna impassíveis diante da fome, da miséria e das epidemias que matam seres humanos como se fossem insetos.

Transforma as guerras, um assassinato em massa, num jogo de videogame, para gozo e felicidade da indústria bélica. Mas como toda tese (globalização) carrega consigo a antítese (corporações exploradoras) cabe a nós lutarmos pela sua síntese (uma humanidade sem fronteiras e sem explorados).

Isso é o que conta. O resto são siglas.

---------------------------------------------------------------------------
A imagem "globalização" foi criada pelo designer gráfico Jarbas Abdala
.

quarta-feira, 11 de abril de 2007

A Ira dos Golpistas: Mídia não se conforma com aumento da aprovação de Lula

.
A capa do jornalão conservador "O Estado de São Paulo" de hoje, 11 de abril de 2007, traz uma manchete hilariante: "Cresce aprovação de Lula, apesar das crises".

Crises? Que crises? Que eu saiba, só tem uma crise que anda ganhando enorme destaque na mídia golpista: a da aviação - que afeta, no máximo, 5% da população do país que tem o privilégio de poder usar esse tipo de transporte caríssimo. A esmagadora maioria dos brasileiros, como bem sabemos, passa o dia (e a noite) espremida naqueles terríveis transportes públicos que nunca chegam no horário (isso quando têm algum) e vivem abarrotados de gente.

Alguma outra crise? A da linha 4 do metrô? A do governo do Rio Grande do Sul. Não, essas são crise dos tucanos de São Paulo e do RS. Melhor não tocar no assunto, deixa prá lá, não interessa. Isso não vai ajudar a derrubar o Lula...

Com tanta "imparcialidade" e "isenção", não é à toa, portanto, que 89% da população brasileira não confia mais na mídia do país.

Abaixo, a capa do Estadão que gostaríamos de ver (clique na imagem para vê-la no tamanho nornal):



Charge do ônibus retirada do blog do Kayser.

.

segunda-feira, 9 de abril de 2007

Filme: "300"

.
ESQUERDA OU DIREITA

Filme provoca polêmica e mostra a confusão ideológica em que se encontra o mundo atual

- por André Lux, crítico-spam

Nesses tempos de ditadura do pensamento único neoliberal na mídia, só pode ser bem vinda qualquer obra de arte que provoque algum tipo de polêmica e discussão política. 

Mesmo que seja pelos motivos errados, como é o caso de “300”, filme baseado na graphic novel “Os 300 de Esparta”, do consagrado Frank Miller autor de obras-primas dos quadrinhos como “Ronin”, “Batman: O Cavaleiro das Trevas” e “Elektra Assassina”. 

A polêmica começou quando o governo do Irã acusou o filme de ser favorável ao imperialismo estadunidense e ao presidente Bush por mostrar a luta dos espartanos contra a invasão dos persas. 

Embora o protesto dos iranianos, descendentes dos persas, seja justo – afinal são mostrados no filme de forma extremamente caricatural quase como monstros (puro maniqueísmo de Hollywood) – “300” não é nem um pouco favorável à Bush. Muito pelo contrário. Só mesmo o atual estado de confusão ideológica em que se encontram as pessoas pode justificar esse engano.

Em primeiro lugar, quem afirma isso demonstra não conhecer a obra de Frank Miller, sempre recheada de ataques ácidos às políticas reacionárias da extrema-direita estadunidense. Em “O Cavaleiro das Trevas”, por exemplo, testemunhamos um Batman velho e anarquista dando uma surra no babaca do Superman que atuava como um mero fantoche do governo fascista dos EUA.

Já em “Ronin” era um ex-samurai que reencarnava num paranormal aleijado a fim de derrotar uma futurista megacorporação dominada por uma aliança entre neoliberais e um antigo demônio do Japão feudal. 

Isso não quer dizer que Miller seja um comunista ou mesmo esquerdista - até porque nos EUA essa confusão ideológica é ainda mais acentuada -, mas com certeza não pode ser chamado de alinhado ao pensamento expansionista e fundamentalista que domina seu país nas últimas décadas.

Em segundo lugar, porque na História retratada pelo filme, os 300 espartanos estão lutando exatamente contra um invasor imperialista que comanda com mão de ferro um gigantesco exército. 

Assim, Bush está muito mais para o imperador-deus Xérxes do que para o rei Leônidas e a resistência heróica dos espartanos está mais para a revolução cubana do que para a invasão do Iraque ou do Afeganistão pelos soldados do tio Sam (respeitadas, evidentemente, as realidades históricas nas quais esses eventos e personagens estavam inseridos). 

Ou alguém aí já viu Bush Júnior ou algum presidente dos EUA, a exemplo do que fez Fidel Castro em Cuba, de arma em punho liderando seus compatriotas no meio do campo de batalha? Enfim, julgar “300” como sendo de direita ou de esquerda, a favor ou contra o imperialismo, não passa de uma questão de ideologia e visão de mundo.

Deixando de lado a questão política, o filme em si deixa a desejar. Embora possua cenas muito bonitas e impactantes, erra ao tentar reproduzir de maneira literal as imagens desenhadas nos quadrinhos. 

São linguagens absolutamente diferentes e essa abordagem deixa “300” com jeitão de vídeo-clip: bonito, porém vazio e superficial. O fato de ter sido filmado inteiramente em estúdio contra o famigerado fundo azul, que depois é substituído por imagens geradas em computador, não ajuda.

Padece também de uma narração óbvia que, pecado de nove entre dez adaptações de quadrinhos para o cinema, insiste em descrever o que já vemos na tela e de uma trilha musical inadequada e intrusiva que tenta misturar sem sucesso orquestra e coral com “esguichos” de solos de guitarra, percussão tribal e ritmos techno. 

O elenco repleto de rostos sem carisma não merece destaques, exceto negativos – caso do protagonista Gerald Butler, muito jovem e neutro para dar o peso necessário ao lendário Leônidas, e do brasileiro Rodrigo Santoro, que faz o papel de Xérxes com uma maquiagem de drag queen e ainda por cima teve sua voz alterada digitalmente para soar como um clone do Darth Vader.

Como produto cinematográfico “300” comprova que a utilização de recursos tecnológicos de última geração somente como um fim e não como um meio acrescenta quase nada de novo à sétima arte. 

Já analisando-o pela abordagem política e ideológica tem lá seu mérito – nem que seja só o de provocar polêmica e obrigar as pessoas a pensarem um pouco sobre aquilo que assistem na tela.

Cotação: * * *
.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...