Postagem em destaque

SEJA UM PADRINHO DO TUDO EM CIMA!

Ajude este humilde blogueiro a continuar seu trabalho! Sempre militei e falei sobre cinema e outros assuntos sem ganhar absolutamente nada ...

quarta-feira, 7 de novembro de 2007

Cidadania: Manifesto contra as políticas de extermínio

.
Marcelo Yuka afirmou que nem todos concordam que a melhor maneira de combater a violência é com mais violência. Essa não é a paz que queremos. Para a professora Adriana Facina, "a mídia não aperta o gatilho, mas é cúmplice dessa política fascista. A revista Veja está ajudando a exterminar quando apóia o filme Tropa de Elite, que legitima essa política absurda"

- por Marcelo Salles (http://www.fazendomedia.com)

As corporações de mídia chegaram na hora. Na verdade, antes da hora. Ainda faltavam dois minutos para as 17h quando o primeiro carro de reportagem se aproximou da Fundição Progresso, onde foi lançado ontem o Manifesto Contra as Políticas de Extermínio do governo Sérgio Cabral (leia nota abaixo). O horário estava correto. 17h. Antes de mim, que cheguei às 16h30, apenas o Rafael Kalil e sua equipe estavam no local. Preparando o som, com apoio irrestrito de Perfeito Fortuna, homem perfeitamente afortunado por trabalhar com alguém como a Vanessa Damasco.

O primeiro a ser cercado pelos coleguinhas foi o advogado João Tancredo, um dos principais responsáveis pelas investigações da Chacina do Alemão, quando ainda era presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB. Em seguida, a turminha colou nos juizes João Batista Damasceno e Regina Rios, dois co-organizadores do Manifesto. Por fim, Marcelo Yuka conversou com os jornalistas, lá pelas 18h. Com uma hora de atraso, a equipe organizadora decidiu iniciar os trabalhos. Neste exato momento, tomei o microfone e anunciei os nomes que iriam compor a mesa: João Batista Damasceno, Regina Rios, Marcelo Yuka, João Tancredo e Adriana Facina, professora do Departamento de História da UFF. Como o Damasceno estava sendo entrevistado pela TV Globo, contei uma breve história sobre a proximidade desta empresa com a ditadura, com o único objetivo de entreter os convidados - cerca de 100 pessoas. Veja bem: isto fez parte do ato. Será publicado em algum lugar? (Propaganda: informação exclusiva só aqui no fazendomedia.com)

Mesa composta, tento passar a palavra à Regina Rios, em nome do cavalheirismo, que recusa. Começamos então pelo cientista político e juiz de direito João Batista Damasceno, que fez uma intervenção bastante contundente e mostrou como a polícia adota abordagens diferentes de acordo com a região em que atua. Corte de classe.

Em seguida, João Tancredo contou o que viu em Marechal Deodoro, na Favela do Fumacê, há poucos meses: um cenário típico de execução. Numa casa pequena, sangue espalhado pelo chão, uma panela de comida e uma garrafa de refrigerante. Seis pessoas foram assassinadas porque a polícia não conseguira o dinheiro do arrego, segundo os moradores. E a polícia em questão era o Bope, parceiro, que na real é bem diferente.

A juíza Regina Rios, talvez sentindo que ainda havia muita gente para falar, fez apenas uma observação e passou a palavra. Com todo o carinho e a gentileza que lhe são peculiares.

Marcelo Yuka tomou a palavra e afirmou que nem todos concordam que a melhor maneira de combater a violência é com mais violência. Essa não é a paz que queremos. "A gente está aqui para dizer que nem toda a sociedade concorda com essa política de extermínio".

E a professora Adriana Facina superou todas as minhas expectativas que, confesso, eram altíssimas. Explico (e essa notícia não será publicada pelas corporações): Até o início do ato, não havíamos combinado quem iria compor a mesa. Perguntei a um, perguntei a outro. E nada. Até que o Yuka disse: você escolhe. Foi o que fiz. Além dos três organizadores do manifesto (Yuka, Regina e Damasceno), escolhi Adriana Facina para representar a academia e o João Tancredo porque sem ele, sinceramente, acho que seria muito difícil que houvesse alguma investigação séria sobre a Chacina do Alemão (27 de junho de 2007).

Voltando à Adriana. Pegou a palavra e... "A mídia não aperta o gatilho, mas é cúmplice dessa política fascista do governo do estado. A revista Veja está ajudando a exterminar quando apóia o filme Tropa de Elite, que legitima essa política absurda". E por aí foi. Deu nome a todos os bois e, por que não dizer, vacas. Claro que as ponderações necessárias foram feitas. O jornalista, o trabalhador da notícia, não tem nada a ver (em geral) com a linha editorial do jornal em que trabalha. Ele apenas vende sua força de trabalho, mas isso não significa que ele concorde com a vocação golpista de seu patrão.

Pouco depois chegaram mais três companheiros para compor a mesa: o deputado estadual Marcelo Freixo, representando o Partido Socialismo e Liberdade, João Luiz Pinaud, pela Associação Americana de Juristas, e Margarida Pressburger, pela Ordem dos Advogados do Brasil. Marcelo ressaltou que a responsabilidade dessa política de insegurança pública deve ser atribuída ao governador Sérgio Cabral e seus ideólogos, e não aos policiais. "Que aí é maltrapilho matando esfarrapado". O deputado socialista, que é também professor de história, fez uma análise que remonta à formação social brasileira. "Hoje, são homens de preto matando pretos ou quase pretos". Ao que seu xará Yuka completaria: "Todo camburão tem um pouco de navio negreiro".

Após essas intervenções, tivemos ainda a participação da Fernanda, que falou por um dos movimentos sociais mais importantes do mundo, o MST. E na seqüência falaram Maurício Campos (Rede Contra a Violência), Joana D´Arc (Grupo Tortura Nunca Mais), Cyro Garcia (PSTU), Mário Augusto Jakobskind (ABI) e João Ricardo (Associação de Moradores de Vigário Geral), além do sociólogo Renato Cinco e de Marcílio Rosa, que se apresentou apenas como "cidadão do mundo". Todos signatários do Manifesto. Durante toda a atividade (que durou das 17h às 21h), recolhemos cerca de 50 assinaturas. Ou seja, 50% de tudo o que já havíamos conseguido. Agora já somos 150 pessoas contra a política de extermínio do governo Sérgio Cabral, perfeitamente alinhada à ideologia neoliberal e à economia de mercado. Nesta quarta-feira, o representante da ONU para execuções extra-judiciais, Philip Alston, receberá uma cópia do Manifesto. Na quinta-feira (8/11), o grupo organizador do Manifesto (e você leitor também pode aparecer), estará na Assembléia Legislativa do RJ. Lá, o representante da ONU tem encontro marcado com o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Alerj, deputado petista Alessandro Molon, que recebeu nosso Manifesto... Mas não se manifestou. A gente vai lá perguntar por quê.

Já notei alguma repercussão do ato na mídia alternativa e nas corporações de mídia. Essas, invariavelmente ignoram o trecho do manifesto que diz respeito a elas mesmas. Trata-se do terceiro parágrafo: "Nossa preocupação se estende ao posicionamento de certos setores da mídia que reforçam a ideologia do extermínio, em afronta ao Estado Democrático e de Direito, como o contido no editorial de jornal [carioca] de grande circulação do dia 26 de outubro, onde se lê que 'as camadas pobres da população converteram-se numa fábrica de reposição de mão-de-obra para o exército da criminalidade'".

Não importa. Nossa medida de sucesso não pode ser dada pelo vulto da cobertura. Podemos avançar muito, mesmo com pouca cobertura. E podemos não avançar nada, mesmo com muita cobertura. Nós temos que avançar APESAR da cobertura. E todo avanço que conquistarmos apesar dessa cobertura será uma vitória.

Apesar disso tudo, que fique claro: ontem, 6 de novembro de 2007, foi o dia em que as corporações de mídia assinaram seu atestado de mulher de malandro.
.

2 comentários:

Anônimo disse...

Parabéns. Quem anda fazendo estardalhaço para chamar anestesiar as mentes incautas, é o PIG. Exemplos como o desse manifesto, só fazem abrir mais e mais os horizontes de quem está à porta, vigilante, olhando as ruas da crua realidade à sua volta, ao contrário dos desatentos que fazem sua opinião, baseados em filmes fascistas da vez, com informações dadas por revistas e televisões não menos fascistas. Parabéns mais uma vez.

Andreis disse...

Meu Nome é Andreis Souza e, como não gosto do anonimato, esclareço que sou eu o autor do 1º comentário. E, aproveitando, quero concertar um erro:"...para chamar à atenção e anestesiar as mentes..." Ok?? Abraços fraternos e vitórias a todos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...